22 outubro 2013

Futuro: os próximos 15 anos segundo Global Trends

O Intelligence National Council, órgão ligado à Intelligence Community (IC) dos Estados Unidos, que realiza tarefas de análise estratégica a médio e longo prazo, publicou o novo relatório sobre a evolução político- económica global para os próximos 15 anos: Global Trends 2030: Alternative Worlds ("Tendências Globais 2030:  Os Mundos Alternativos").

O documento fornece orientações para os decisores políticos e os agentes económicos sobre a evolução da situação mundial, examinando as frentes geopolíticas com particular atenção às questões de segurança nacional.

Como primeira coisa, vamos ver quem é esta Intelligence Community, o "editor" da publicação por assim dizer.

A Comunidade da Inteligência e a inteligência do Director 

A IC é uma federação de 16 diferentes agências governamentais que trabalham separadamente e em conjunto para realizar as actividades de intelligence consideradas necessárias para a condução das relações externas e da segurança nacional dos Estados Unidos. As organizações membros da IC incluem agências de intelligence militares, civis e departamentos de análise. A IC é liderada pelo Director da Inteligência Nacional (DNI), que trabalha directamente pelo Presidente dos EUA.

Actualmente, o Director é James R. Clapper. Ex militar, o homem deve ser um génio ou algo parecido.
Em 2003, Clapper, então director da Agência Nacional de Inteligência Geoespacial, tentou explicar a ausência de armas de destruição em massa no Iraque afirmando que estas tinham sido "inquestionavelmente" enviadas fora do Iraque, com destino a Síria e outros Países, antes da invasão norte-americana.

Em 2010, durante uma entrevista com a jornalista Diane Sawyer da ABC News, Clapper admitia desconhecer completamente o facto de doze supostos terroristas terem sido presos na Grã-Bretanha no início do dia. Nada mal, afinal já era Director do serviço nacional de espionagem.

Em Fevereiro de 2011, enquanto as manifestações queriam derrubar a presidência do Presidente Mubarak no Egipto, Clapper tranquilizou o Congresso:
O termo 'Irmandade Muçulmana' é um termo genérico para uma variedade de movimentos, no caso do Egipto, um grupo muito heterogéneo [...] que tem evitado a violência e já denunciou Al-Qaeda como uma perversão do Islão. Eles têm prosseguido fins sociais, uma melhoria da ordem política no Egipto.
James R. Clapper
Em Março de 2011, Clapper foi ouvido pelo Comité dos Serviços Armados dos EUA e comentou a guerra civil da Líbia afirmando que "a longo prazo" Khadafi "irá prevalecer".

Em 12 de Março de 2013, numa audiência no Congresso, o senador Ron Wyden perguntou ao Diretor Clapper:
"Será que a NSA recolhe algum qualquer tipo de dados acerca de milhões ou centenas de milhões de norte-americanos?"
e Clapper respondeu: "Não, senhor".
Wyden insistiu: "Nenhum mesmo?"
mas Clapper foi irremovível:"Não intencionalmente. Há talvez casos em que os dados podem ser inadvertidamente recolhidos, mas não conscientemente".

Não admira ter sido escolhido pelo Presidente Obama para liderar a Intelligence Community: o curriculum mostra todas as qualidades necessárias (não sabe, se sabe mente e quando tenta acertar falha) para um cargo tão delicado. Portanto, vale a pena ler com atenção as previsões deste Global Trends 2030, na esperança que não tenha sido Clapper a escreve-lo.

Global Trends 2030

Neste relatório são destacados:
  • quatro mega-tendências globais que caracterizam os tempos próximos
  • seis pontos críticos essenciais que devem ocorrer devido às mudanças radicais na composição do equilíbrio internacional de poder
  • quatro resultados prováveis ​​das mudanças que ocorrem nos contextos regionais e internacionais.
As mega-tendências

As mega-tendências individuadas no documento são:

Individual Empowerment (Empoderamento individual): Este fator irá acelerar, graças à redução da pobreza, ao crescimento da classe média do mundo, uns mais altos níveis de educação, o uso generalizado das novas tecnologias de comunicação e de produção e as melhorias na área da saúde.

Diffusion of Power (Difusão do poder): As próximas décadas serão marcadas por um poder hegemónico já não concentrado num só País ou região. O poder será mais generalizado. Vamos entrar numa era de poderes multi-polares que vão competir para obter a liderança mundial.

Demographic Patterns (Padrões demográficos): O arco de instabilidade demográfica irá travar. O crescimento económico vai diminuir nos Países muito "envelhecidos". Sessenta por cento da população mundial viverá em áreas urbanas e aumentará a migração. Os Países mais envelhecidos, menos dinâmicos do que os "mais jovens", terão de enfrentar uma difícil batalha para manter os padrões de vida.

Food, Water, Energy nexus (Alimentos, água, nós energético): O aumento da população mundial irá incrementar a procura por tais recursos. Será necessário resolver os problemas relacionados com a escassez dos bens e das matérias-primas, tanto do lado da oferta quanto do lado da procura.

Os pontos críticos

Os principais problemas decorrentes das situações acima descritas, abrem novos interrogativos.
Nomeadamente, os seis pontos indicados como pontos críticos essenciais.

Crisis-Prone Global Economy (Propensão para crises da economia global): A volatilidade global e os desequilíbrios entre jogadores com diferentes interesses económicos irá provocar um colapso do sistema mundial? Ou a multipolaridade conseguirá trazer uma ordem económica mais resistente?

Governançe Gap (Falha na governação): Governos e instituições serão capazes de se adaptar de forma suficientemente rápida para aproveitar das mudanças ou serão derrotadas por estas?

Potential for Increased Conflict (Potencial para um aumento da conflictualidade): A rápida mudança e os movimentos de poder podem causar mais conflitos entre os Estados ou no interior dos Estados?

Wider Scope of Regional Instability (Mais amplo espectro de instabilidade regional): A instabilidade regional, especialmente no Oriente Médio e no Sul da Ásia, irá explodir, criando uma maior insegurança global?

Impact of New Technologies (Impacto das novas tecnologias): As inovações tecnológicas irão crescer de forma adequada para aumentar a productividade económica e resolver os problemas causados ​​pelo crescimento da população mundial, a rápida urbanização e a mudança climática?

Role of the United States (Papel dos Estados Unidos): Os EUA serão capazes de trabalhar com novos parceiros para reinventar um sistema internacional, equilibrado e eficiente?

Os futuros possíveis

Stalled Engines (Motores Parados): No pior dos cenários, irá aumentar o risco de conflito entre Estados. O EUA irão ocupar-se cada vez menos do exterior e o processo de globalização irá parar, com consequências não totalmente imagináveis.

Fusion (Fusão): No cenário mais optimista, EUA e China (a Ásia, de acordo com o relatório, em 2030 superará EUA e Europa para poder global, gastos militares, crescimento da população e investimentos em tecnologia, enquanto já nos próximos anos será a maior economia do mundo) vão colaborar acerca duma série de questões, o que levará a uma cooperação global mais ampla.

Gini-Out-of-the-Bottle: (Fora de controle)As desigualdades podem explodir, alguns Países podem ganhar o desafio, outros vão falhar. O aumento da desigualdade no interior dos Países vai trazer a eclosão de tensões sociais. Sem um desempenho total, no entanto os EUA vão perder o papel de "polícia do mundo".

Nonstate World (Mundo não-estatal): impulsionados pelas novas tecnologias, os actores não-estatais (ou seja sub-nacionais, como cidades, organizações e ricos privados) tomarão a iniciativa de enfrentar os desafios globais .


A síntese extrema de Global Trends 2030 é que, ao longo das próximas três décadas, o mundo como nós o conhecemos agora irá definitivamente mudar, transfigurando-se diante dos nossos olhos, sacudindo crenças estabelecidas há muitos e ultrapassadas, principalmente no Ocidente. São as mesmas crenças que forjaram, há mais de 50 anos, o modo de vida de todos nós.

Estamos numa fase de transição, com todos os riscos que isso implica: uma sensação de caos, verdadeiro ou percebido, algo natural perante a perda de pontos de referência que, ao longo de duas gerações (pelo menos) tinham permitido desenvolvimentos mais ou menos previsíveis.

Mas é o fim dum mundo, não o fim do mundo .

Talvez o dado mais importante seja outro: com a entrada dos Países numa fase multipolar (que nesta altura parece irreversível) o "momento unipolar" americano está concluído e Global Trends faz questão de realçar este aspecto. A Pax Americana, a era do domínio norte-americano na política internacional, algo que começou em 1945, está terminando. E a intelligence dos EUA apresenta isso não como mera possibilidade mas como facto inevitável. No entanto, a transição pode ser bastante dramática, porque os EUA preservam uma incontestável superioridade militar: e isso poderia determinar uma gestão da transição com pouca clarividência e "agitação" excessiva.

O problema é este: uma vez assumido o percurso de declínio, terão os EUA a capacidade de reposicionar-se no tabuleiro global? É muito difícil responder, pois além de escolha, será também uma questão de necessidade: a crise económica interna, as desigualdades, o crescente fenómeno da imigração, o redimensionamento dos tradicionais aliados, tudo isso impede conhecer em antemão qual a atitude de Washington perante a mudança.

Nos próximos 15 anos, portanto, a Casa Branca poderá contar com menos amigos no Velho Continente, tal como no mundo em geral; até mesmo a Nato terá que reinventar-se para não perder qualquer sentido. Num mundo multipolar, a palavra-chave será "colaboração", seja ela local ou global. Ou isso ou uma fase de desordem e caos que poderá dominar o mundo até o surgimento dum novo equilíbrio. Pois afinal toda a História é isso: a passagem duma fase de temporário equilíbrio para outra.


Ipse dixit.

Fontes: Global Trends 2030: Alternative Worlds (ficheiro Pdf, inglês), Wikipedia (versão inglesa)

3 comentários:

  1. Esse documento merece ser guardado pois daqui ha 15 anos será capaz de matar.
    Matar de rir, ou de chorar.
    Para saber como será o mundo daqui a 15 anos basta ver o filme "idiocracia" , tem no youtubil.

    ResponderEliminar
  2. Um consultor de grande nome no país dizia-nos no curso que faziamuitas visitas ao cliente até conseguir perceber qual o resultado que mais agradava ao cliente. Apos isso obtido pegava nos dados recolhidos no terreno e dava-lhe o toque final para mostrar que a tendencia indicava o que o cliente gostava. Recebia o dinheiro e um grande louvor pelo excelente trabalho de consultadoria.
    Aqui o visado especialista deve ter tirado o curso na mesma escola que eu estudei. Daí o agrado que o Ig-nobel Obama mostra por ele.

    ResponderEliminar
  3. Olá Max: mas realmente o mundo tem tudo para dar certo!! Os podres é que são pessimistas e ignorantes. Abraços

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...