17 outubro 2013

Iraque: a OMS, o urânio empobrecido e os nascimentos prematuros

No mês passado , a Organização Mundial de Saúde (World Health Organization) publicou um documento, altamente esperado, antecipado resumindo uma investigação acerca da prevalência de defeitos congénitos de nascimento no Iraque, coisa que muitos especialistas acreditam estar relacionado com a utilização de munições de urânio empobrecido (DU) por parte das forças aliadas.

O Dr. Nafeez Ahmed, director executivo do Institute for Policy Research & Development, seguiu o caso por conta do diário britânico The Guardiam.

Segundo a síntese do relatório:
A taxa de aborto espontâneo, morte fetal e parto prematuro encontrada no estudo é consistentes com, ou mesmo inferiores, as estimativas internacionais. O estudo não fornece clara evidência para sugerir uma taxa de parto prematuro anormalmente elevada taxa no Iraque.
Jaffar Hussain, chefe da missão da Organização Mundial da Saúde no Iraque, diz que o relatório é baseado em técnicas de pesquisa que são "conhecida em todo o mundo" e que o estudo foi revisto "extensivamente" por especialistas internacionais.

Um passo atrás

Mas o novo estudo contrasta dramaticamente com as declarações anteriores sobre os resultados duma pesquisa de funcionários do Ministério Iraquiano da Saúde, envolvido no estudo. No início deste ano, a BBC News conversou com os pesquisadores do Ministério, onde se confirmava a "esmagadora evidência" que o relatório teria fornecido: as taxas de parto prematuro são bem maiores nas áreas com intensos combates na guerra de 2003. Num precedente comunicado de imprensa, a OMS da mesma forma reconheceu que "as estatísticas existentes do Ministério da Saúde do Iraque mostram um alto número de casos de partos prematuros" nas áreas de "alto risco" seleccionadas para o estudo .

A publicação do actual documento no site da Organização Mundial de Saúde tem levantado questões por parte de peritos independentes e ex-funcionários da ONU e da OMS, que põem em causa a validade das conclusões e o alegado anonimato dos autores.

Durante anos, os médicos no Iraque relataram "um alto nível de nascimentos prematuros". Outros estudos documentaram um aumento dramático da mortalidade infantil, câncer e leucemia no rescaldo bombardeios militares dos Estados Unidos. Em Fallujah, os médicos testemunham um "maciço número sem precedentes" de doenças cardíacas e um aumento de doenças do sistema nervoso. A análise realizada antes de 2003, em comparação com agora, mostra que "a taxa de doença cardíaca congénita foi de 95 em cada 1.000 nascimentos: 13 vezes a taxa encontrada na Europa".

O objectivo do estudo da OMS era sondar estes dados, mas alguns dizem que o projecto estava profundamente errado .

A ciência politizada

O Prof. Keith Bavistock, do Departamento de Ciências Ambientais da Universidade da Finlândia Oriental, é um especialista da OMS sobre a radiação e aposentou-se há 13 anos. Afirma que o novo documento é, na melhor das hipóteses, "decepcionante".

Condena a decisão de "eliminar a partida a possibilidade de verificar se o aumento dos partos prematuros estivesse ligado à utilização de urânio empobrecido" e põe em causa a falta de credibilidade científica do documento:
Este documento não tem qualidade científica. Não teria sido aprovado numa das piores revistas. Um dos maiores problemas metodológicos, entre muitos, é que o documento não tenta olhar para o diagnóstico de casos relevantes actualmente descobertos por médicos iraquianos. Estes médicos que recolhem dados clínicos têm mostrado mais nascimentos prematuros. Em vez disso, o documento centra-se em entrevistas com as mães como base do diagnóstico, muitas das quais estão traumatizadas pelo ambiente, pelas memórias não confiáveis e não são competentes para fazer um diagnóstico.
Tendo o documento evitado a análise de provas -chave, tal como os registros médicos compilados por médicos iraquianos, há razão para acreditar que as conclusões da pesquisa foram comprometidas sob pressão política?
A maneira como este documento foi produzido desperta extremas suspeitas. Há pontos de interrogação sobre o papel dos Estados Unidos e do Reino Unido, que têm um conflito de interesses neste tipo de estudo, devido a uma indemnização por danos que possam resultar das investigações que determinam a ligação entre os muitos nascimentos prematuros e a utilização de urânio empobrecido, que poderia lançar mais luz sobre esta relação.
Se assim for, não seria a primeira vez que a OMS apresenta uma pesquisa "manipulada" acerca do urânio empobrecido, algo potencialmente embaraçoso para os Aliados. Em 2001, Baverstock encontrava-se no grupo para um projecto de pesquisa da OMS acerca dos riscos ambientais e das eventuais compensações de Estados Unidos e Reino Unido, envolvidos na utilização de urânio empobrecido. As suas detalhadas recomendações editoriais, as quais mostram como o urânio empobrecido seja genotóxico (isso é, capaz de mudar o DNA), foram ignoradas e canceladas:
As minhas alterações editoriais foram suprimidas, embora dalgumas pesquisas terem sido feitas a partir de estudos do Departamento da Defesa sobre o mesmo assunto: observações de pessoas que tinham ingerido urânio empobrecido de fogo amigo demonstravam claramente que o urânio empobrecido era genotóxico.
Baverstock , depois, tornou-se co- autor dum artigo científico sobre o assunto, apoiando a plausibilidade da relação entre o urânio empobrecido e a alta taxa de defeitos congénitos no Iraque: mas a OMS bloqueou a publicação do estudo "porque não gosto das conclusões":
A medida em que os princípios científicos são invertidos para torná-los conclusões politicamente convenientes é alarmante.
A contaminação ambiental na guerra no Iraque

Outros especialistas independentes criticam o estudo da OMS.
A revista médica britânica The Lancet relata que, apesar das declarações do estudo, uma "revisão científica standard pode não ter sido totalmente realizada".

Um cientista chamado como revisor do projecto, Simon Cousens, professor de epidemiologia e estatística da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres (LSHTM) declara ao The Lancet de ter participado num encontro relativamente curto de cerca de uma hora e meio, para depois só fazer alguns comentários sobre a apresentação inicial dos resultados:
Eu não classificaria isso como uma revisão aprofundada.
Quão longe fique o novo estudo OMS da literatura científica da última década é explicado num novo relatório publicado no início deste ano por uma ONG com sede em Tóquio, a Human Rights Now, que também realizou uma missão de inquérito em Fallujah.

O relatório de Human Rights Now tem investigado os nascimentos prematuros registados num grande hospital em Fallujah ao longo do ano de 2012, confirmando a incidência de partos prematuros no período de um mês, em 2013; e entrevistou médicos e pais das crianças nascidas prematuras. O relatório concluiu que houve:
Uma situação extraordinária de nascimentos prematuros congénitos [...].  A pesquisa mostrou um crescimento significativo destas condições sanitárias no rescaldo da guerra. Uma visão geral da literatura científica sobre os efeitos do urânio e dos metais pesados ​​associados às munições usadas na guerra e ocupação do Iraque em 2003, em conjunto com as potenciais vias de exposição, sugere fortemente que a poluição ambiental resultante dos combates durante a guerra no Iraque podem ter desempenhado um papel significativo na taxa de parto prematuro observada.
O relatório critica a ONU e a OMS para as abordagens que são "insuficientes para satisfazer as necessidades dos problemas".

A prova final

De acordo com Hans von Sponeck, ex-Secretário Geral das Nações Unidas e coordenador humanitário da ONU para o Iraque, a diferença entre as afirmações anteriores feitas pelos pesquisadores do Ministério Iraquiano da Saúde sobre o estudo e o novo documento justifica o cepticismo público:
A brevidade deste relatório é inaceitável. Todos esperavam um bom artigo científico-profissional, com dados empíricos devidamente controlados e controláveis. A OMS não pode ficar surpreendida quando as pessoas fazem perguntas sobre se a organização está a receber pressões políticas bilaterais.
Von Sponeck relata que a pressão dos Estados Unidos sobre a OMS haviam minado as investigações anteriores sobre o impacto do urânio empobrecido no Iraque:
Eu servi em Bagdad e fui confrontado com a realidade do impacto ambiental do urânio empobrecido. Em 2001, vi em Genebra como uma missão da OMS, que realizava avaliações em Bassora, no sul do Iraque, onde o urânio empobrecido tinha trazido devastadores problemas de saúde ambiental, foi interrompida sob a pressão política dos EUA.
Uma pressão política sobre o organismo da ONU poderia explicar a natureza não-científica do último relatório?
Não seria surpreendente se houvesse uma pressão contínua dos Estados Unidos. Há provas conclusivas de um aumento alarmante de nascimentos prematuros, leucemia, câncer e outras doenças cancerosas no Iraque depois da guerra. Olhando para a clara diferença entre as anteriores descrições dos estudo da OMS e este novo documento, parece que alguém decidiu desajeitadamente não publicar os resultados esmagadores mas, em vez disso, apaga-los.
A Coalizão Internacional para a Proibição do Urânio Empobrecido (ICBUW) pediu à OMS a publicação de todos os dados do projecto para que possam ser submetidos a uma avaliação duma organização independente, transparente. O organismo das Nações Unidas continua a ignorar esses apelos e defende a integridade da pesquisa.


Ipse dixit.

Fontes: The Guardian (1 e 2), WHO: Summary report on the congenital birth defects study in Iraq, WHO: Congenital birth defect study in Iraq: frequently asked questions, BBC (1 e 2), The Independent,
International Coalition to Ban Uranium Weapons, Wikipedia (versão inglesa)

1 comentário:

  1. Olá Max: tanto o discurso científico, quanto histórico, político, econômico, religioso são falácias fundantes de verdade e confundidas com realidade. O grande problema é que são as palavras que definem a verdade. Faz muito tempo deixou de ser a realidade, faz tanto tempo que vivemos um mundo de representação, que aos lúcidos só sobrou a caixa da loucura. Abraços

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...