28 novembro 2013

A retórica israelita e o inevitável isolamento

Gideon Levy
Mais uma vez: não confundimos os cidadãos hebraicos com o regime sionista dos quais acabam por ser as primeiras vítimas.

Gideon Levy é jornalista e colunista do jornal Haaretz, o mais antigo diário israelita e que de certeza não pode ser definido como progressista.

O ponto de vista de Levy é claro: o recente acordo com o Irão não é um "erro histórico", como afirmado pelo primeiro ministro Benjamin Netanyahu, mas uma ocasião única. E israel está ada vez mais isolada.

A seguir, a entrevista a emissora RT com o jornalista.
RT: O que acha dos comentários de israel pela boca do primeiro-ministro? Ele argumenta que isso é um erro histórico, concorda com isso?

Gideon Levy: Não, não concordo de todo, mas não tenho certeza de que a minha opinião conte. Acredito que se julgarmos as coisas com grande frieza, a segurança de israel está numa posição melhor hoje do que há dois dias, uma vez que este acordo, como qualquer outro compromisso, é uma vantagem para todas as partes.
Primeiro, foi impedida uma guerra juntamente com o potencial bombardeio das instalações iranianas, tanto por parte dos Estados Unidos faz parte de israel; isso já não está entre as opções em cima da mesa e joga em favor da paz, sem qualquer dúvida.
Em segundo lugar, há as armas: o desenvolvimento da capacidade nuclear do Irão será agora verificado, este é um bom resultado e, mais importante, acho que é muito positivo o Irão ter voltado no seio da comunidade internacional e não fique isolado. Um Irão isolado é mais perigoso do que um Irão parte ocidental, parte oriental e parte do mundo.

Na sua opinião, acredita que o primeiro-ministro israelita seja o reflexo do estado de espírito do país ou, pelo que acabou de dizer, acha que os sentimentos predominantes na rua possam ser diferente?
Acho que, dado que a questão tornou-se uma fixação para Netanyahu, agora ele depara-se com o que aos seus olhos é um fracasso, mesmo uma falência pessoal e um fracasso histórico, acredito que ele seja totalmente sincero acerca disso, porque realmente acredito que esta seja uma situação perigosa. Acho que as suas críticas continuarão a ser ouvidas, bastante agressivas, bastante amargas, mas não acho que a opção militar esteja realmente em cima da mesa quando o mundo inteiro tem dado a sua palavra.

Acredita que os Estados Unidos poderiam agora convencer Netanyahu a amortecer um pouco a sua retórica?
Vão tentar, mas não tenho certeza de que ele irá ouvir. E sabemos que os Estados Unidos podem conviver com um cão que ladre. Netanyahu vai continuar com os seus ataques, mas israel está realmente isolado nisso. O mundo tem dado a sua palavra, como disse. Não acho que isso vai criar muitos problemas, mesmo que provenha de Jerusalém.

Acha que vai ser feito tudo para uma reconciliação entre Estados Unidos e israel sobre este assunto?
Em termos pessoais teremos uma pouco agradável tensão por meses entre os dois líderes, o presidente Barack Obama e o primeiro-ministro Netanyahu; em cima da mesa há as negociações entre israelitas e palestinianos, que estão totalmente bloqueadas, e Netanyahu está aqui numa posição ainda pior, pois é directamente responsável pelo facto destas negociações não levarem a lado algum.
E a única questão agora é: o que vão fazer em Washington? Se decidirem ir em frente com a atitude de israel, ou seja ganhar tempo e não ir a lado nenhum no processo de paz, ou se os americanos decidirem tornar-se mais determinados e, então, realmente podemos ter uma grave crise entre os dois países.
Se o presidente norte-americano, nos últimos anos do seu segundo mandato, realmente tentasse convencer israel para acabar com a ocupação, desta vez não só com palavras mas com actos, se isso acontecesse estaríamos a enfrentar uma grave crise entre os dois países, mas depende de Washington muito mais do que de Jerusalém.

Ipse dixit.

Fonte: RT

Sem comentários:

Enviar um comentário

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...