05 novembro 2013

Aquecimento Global: humano ou natural? - Parte II

E vamos concluir o artigo do prof. Batalha acerca do aquecimento atropogénico.
Desta vez, alguns dados.

No passado mês de Outubro, foram publicado dados que tornam cada vez mais difícil apoiar a hipótese segundo a qual o IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change ou Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) interpretou de forma correcta quanto de facto acontece ao clima do nosso planeta.

O sito ClimateMonitor disponibiliza uma animação da qual extrapolamos uma imagem:

Image Hosted by ImageShack.us

A imagem pode parecer confusa, mas na verdade é de interpretação bastante simples.

À esquerda temos o registo das temperaturas desde o ano 1961 até hoje (linha verde). Paralelamente, a partir dos últimos anos, aparecem outras linhas (amarela, vermelha, etc.) que mostram as previsões de outros valores segundo a teoria AGW (Aquecimento Global Antropogénico) até o ano 2035: todos os valores até agora registado ficam na parte mais baixa das previsões do modelo AGW, enquanto o IPCC é obrigado a admitir que as temperaturas ao longo dos últimos 15 anos não aumentaram como previsto pelo modelo padrão da teoria.
Para as temperaturas respeitar as previsões dos próximos anos, agora deveriam literalmente começar a "correr".

Numa segunda imagem, foram inseridas setas que mostram a tendência que deveria ser respeitada para que a teoria AGW mantenha um sentido.

Image Hosted by ImageShack.us

Como resulta evidente, a realidade é bem diferente do modelo proposto pelo IPCC (e, portanto pelas Nações Unidas). E como confirmação, temos o gráfico do climatologista ex-Nasa Roy Spencer, o qual confronta as previsões que constituem a base teórica da AGW com as medições terrestres efectuadas pelo inglês Hadley Centre e com as medições da troposfera por parte dos satélites:

Image Hosted by ImageShack.us

O resultado é impiedoso: 96.7% dos modelos utilizados na teoria AGW sobrestima as temperaturas.
Dito de forma mais simples: está errado.

Mas vamos além dos dados do IPCC para falar de Polos: representam as maiores extensões de gelo do planeta, portanto constituem um excelente indicador acerca da situação climática.

O Polo Sul, por exemplo ainda não percebeu de estar num planeta quente. O resultado é que a extensão do gelo está acima dos valores de referências, aqueles do período 1981-2010:

Image Hosted by ImageShack.us

Em 2013, até ultrapassou o desvio padrão. Uma pena.
Consequência: o gelo este ano fez registar a terceira extensão desde o começo das medições (1979):

Image Hosted by ImageShack.us

Nada de pinguins assados, portanto. E os ursos brancos? Será que já emigraram todos por falta de gelo?

Image Hosted by ImageShack.us

Não parece: após o mínimo de 2012, no ano sucessivo a camada de gelo ficou no âmbito dos desvios padrão (1981-2010). E até fez registar a menor perda de gelo desde o ano 2006:

Image Hosted by ImageShack.us

Tudo muito esquisito num planeta em plena fase de aquecimento...

Resumindo: existe um aquecimento global?
Resposta: provavelmente sim. Pelo menos, houve um aquecimento (embora não linear) ao longo das últimas décadas.

O aquecimento segue os padrões previstos pela teoria AGW, que vê o Homem como causa primária das alterações climatéricas?
Resposta: não.

Ninguém nega que exista um problema de poluição e de gases com um efeito estufa. O facto é exagera-lo e prever catástrofes tem como consequência pôr em campo políticas de elevadíssimo custo e desnecessárias: é o caso dos subsídios que literalmente "chovem" nos cofres das empresas que supostamente trabalham para um planeta melhor, mas que muitas vezes (não sempre) fazem parte de empresas de grandes dimensões cujos únicos objectivos é o lucro.

E continua-se a apresentar o monstro, a dizer que existe a potente lobby do petróleo que quer negar a mudança climática, quando, na verdade, a lobby é aquela que ganha e alimenta-se (dinheiro, carreira e Nobel) com previsões catastróficas e sem fundamentos científico.


Ipse dixit.

Relacionado: Aquecimento Global: humano ou natural? - Parte I


Fontes: Critica Scientifica, Dr. Roy Spencer, ClimateMonitor, AltroGiornale, The Economist

5 comentários:

  1. Anónimo5.11.13

    A análise destes gráficos é muito interessante.
    Por isso, nada melhor que ir esperando pelos dados para confirmar ou não o modelo do Aquecimento Global Antropogénico.

    Uma coisa é certa: muitos cientistas que antes eram fortes apoiantes deste modelo, já estão pulando fora por efeito da revisão dos seus pressupostos iniciais. Foram confrontados com os dados. Como é o caso do James Lovelock.

    Krowler


    ResponderEliminar
  2. maria5.11.13

    Claro que existe a lucrativa indústria do aquecimento global, Max. Mas como tudo vira mercado nesse planeta, me parece não ser o principal problema. O fundamental é que essa onda do aquecimento global desvia todas as atenções de acontecimentos pontuais e muito sérios a desvirtuar a vida no planetinha, onde não se investiga as causas reais: a Groenlândia está perdendo áreas geladas, os animais de ambientes gélidos no norte morrem aos montes, se extinguem; os bichos dos oceanos se "engasgam" e morrem comendo plástico, Fucoshima mata o Pacífico,no Alaska e na Sibéria o degelo expõe áreas de solo de onde se desprendem gases venenosos, métodos "violentos" de exploração petrolífera e de gases combustíveis causam tremores de terra e ameaçam zonas tectônicas em estado crítico ao longo da costa oeste da orla do Pacífico, experimentos de explosões nucleares ameaçam o desequilíbrio do cordão de vulcões que atravessa o mundo, conglomerados empresariais desertificam, eliminam espécies, experimentam com outras, envenenam o solo agrícola e a atmosfera. Enfim, a lista seria grande demais para caber num comentário. Abraços

    ResponderEliminar
  3. Olá Max

    Será que os pesquisadores levam em consideração que de 2004 para cá tivemos 3 terremotos bastante fortes (Sumatra, Chile e Japão) a ponto de alterarem o eixo da terra? Alguns metros apenas para um planeta todo, mas a mudança ocorreu. Só isso já força uma recalibragem de equipamentos.

    NÓS sabemos que desde o protocolo de Kioto ELES estão debatendo o aumento de temperatura global, como se o arroto do gado que consome forragem transgênica e passa mal dos intestinos fosse culpa exclusiva do fazendeiro e dos comedores de carne...
    Na verdade para conter o aquecimento global os graúdos que controlam a economia, as indústrias e a ciência é que teriam que orquestrar isso. Eles têm os recursos, o poder de decisão e a capacidade de redirecionar seus interesses para encontrar uma solução para o plástico descartado, as químicas que contaminam solo e bla-bla-bla.
    Mas isso só gerou um filme com algumas falhas científicas, mas bem sugestivo, "the day after tomorrow" que fala de uma nova era glacial que poderia ocorrer após um aumento da temperatura global.

    Maria fala da Groenlandia que está a degelar, ou gelar menos com o passar do tempo... oras, os vikings a chamavam de "terras verdes" por ela ser verdejante!

    Os testes nucleares sempre me incomodaram por causarem riscos à natureza e ao planeta, consequentemente chegaria a mim alguma coisa deles... Fukushima é um caso sério, vai reduzir nosso consumo de produtos marinhos vindos do Pacífico, vai reduzir nosso turismo pelas ilhas de lá... mas poderemos jogar mais plásticos e pneus por lá sem que se note novas ilhas de detritos a matar aves, peixes e tartarugas... e vamos ter reflexos em nossas vidas com certeza! aqui no Brasil tem uns importadores dementes que estão comprando Merluza do Alaska para nos empurrar ao mesmo tempo as notícias que me chegam é que ursos polares estão sendo avistado com problemas de pele e até feridas... leões marinhos estão morrendo em carne viva e quase metade de sua prole vem nascendo morta ( https://osbastidoresdoplaneta.wordpress.com/2013/10/29/fukushima-e-o-fim-da-humanidade-28-provas-que-a-california-esta-sendo-fritada-pela-radiacao/ ).

    Nós, que queremos um mundo preservado e amoroso para nossos descendentes, será que temos o poder de lutar contra essa situação?...

    ResponderEliminar
  4. Horrivel isso que a Gl.Cves indicou.
    Mas se houvesse um instituto para medir a mudança na coloração das nuvens, afirmariam e comprovariam que as nuvens estão amarelando devido a poluição, afinal se não costatassem nada perderiam os empregos.
    Dinheiro, esse é o caso, cada um defende o seu, farinha pouca..., caso semelhante é o do "bózom de Higgs" a particula fundmental, gastaram zilhões de Neuros para construir uma máquina para esse fim, imagina se não encontram, ficariam feios na foto, e o prêmio ?!
    Dinheiro e subversão, nada mais importa para os "poderosos", a julgar pelas atitudes deles, devem estar a prever que o fim está próximo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo7.11.13

      http://m.scotsman.com/news/odd/map-makers-admit-greenland-gaffe-1-2077854
      comprei pela amazon.co.uk um atlas (80 € no lançamento, agora está mais caro aqui em Portugal já vi vender por mais de 200 € em Lisboa e Porto). Como adoro geografia é um regalo, mas tinha algo de surpreendente o mapa da já citada Gronelândia, seria possível, seria erro? Foi erro, eles admitiram. Mandaram-me um mapa para inserir no (atlas) original muito mais detalhado com frente e verso e pediram desculpa, se quiserem posso depois tirar umas fotos. E isto porque embora seja dos melhores tambem foram confiar em dados errados. Mas ao menos corrigiram.

      Link no cimo

      Nuno

      Eliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...