11 novembro 2013

Sem provas, sem pistas: mas sabemos.

Dizia há quarenta anos Pier Paolo Pasolini, uns do as maiores escritores e intelectuais italianos do século passado:
Eu sei. Mas não tenho provas. Nem sequer pistas. Sei porque eu sou um intelectual, um escritor que tenta acompanhar tudo o que acontece, para saber tudo do que se escreve, imaginar tudo o que você não se conhece ou não é dito; que coordena eventos mesmo afastados, que coloca juntos os pedaços fragmentados e desorganizados dum quadro político coerente, que restaura a lógica onde parece haver apenas arbitrariedade, loucura e mistério.
Sem sermos escritores ou intelectuais, é o que fazemos nós, todos nós, e todos os dias.Yasser Arafat: todos tínhamos a suspeita de que tinha sido morto, apesar de não ter a provas. Na verdade, todos nós sabíamos que Arafat não morreu de causa natural. Ficou claro para todos, pelo menos para aqueles que querem ir um pouco além da fachada das informações.

E agora, depois de nove longos anos, após uma selva de pistas falsas e mentiras, finalmente aqui está a prova. O Centro de Pesquisa de Medicina Legal da Universidade de Lausanne,na Suíça, exumou o corpo de Arafat e confirmou a presença de Polónio. Um documento de 108 páginas que não deixa margem para dúvidas: o corpo do líder da Organização para a Libertação da Palestina há vestígios de polónio, 18 vezes mais do que o normal.

O polónio, é bom lembrar isso, é uma substância que possa ser encontrada na mercearia: é radioactvo, costuma estar na posse dos Estados, não de privados, razão pela qual não foi um atentado dum fanático qualquer. Arafat foi assassinado por um governo.

Assassinado. Mas pela mão de quem? E aqui , infelizmente, não há certezas, nem nunca haverá. Volta o pensamento de Pasolini: sim, sabemos quem matou Arafat. E para compreendê-lo, basta perguntar: cui prodest? Quem beneficiou e ainda beneficia da morte do Prémio Nobel para a paz? Qual País tem polónio disponível e tinha interesse em eliminar o líder da resistência palestiniana? É claro que não temos nenhuma prova, nem pistas. Mas sabemos.

Sabemos porque tentamos coordenar os eventos, juntar as peças dum quadro histórico e político que parece fragmentado e desorganizado, no qual Arafat era o único líder capaz de combater a ocupação israelita.

Um líder muito discutido, com milhares de inimigos internos (Hamas, por exemplo: eis outro nome que será bem não esquecer, porque houve alguém que traiu, isso é evidente), que cometeu erros, mas ainda assim uma autoridade real, capaz de unir o povo palestino, para manter a esperança de libertação: o único capaz de negociar com israel e com a comunidade internacional.

Aconteceu em 1993, quando, com o então primeiro-ministro israelita Rabin, assinou os acordos de paz de Oslo. A paz, como se sabe, é feita com os inimigos, e Rabin e Arafat eram inimigos. É claro que depois de apertar as mãos não se tornam amigos, mas tentaram chegar a um acordo, uma solução satisfatória para ambos. Essa reunião fez nascer novas esperanças.

 Rabin foi assassinado por um extremista da Direita israelita durante uma manifestação na praça (com a óbvia cumplicidade dos serviços secretos internos), Arafat foi assassinado com o polónio.

Ariel Sharon, que governava na altura da morte de Arafat, foi o arquitecto do massacre em Sabra Shatila (3.500 mortos), em 1982: e não é difícil ver nele quem ordenou o assassinato do único líder capaz de contrastar a ocupação militar e a ocupação ilegal de israel. Sharon tinha tentado duas vezes matar Arafat em 1982, durante a invasão do Líbano, e após o início da segunda intifada, quando foi capturado pelos americanos. 

Foi israel. E foi Sharon. Só não sabemos que envenenou materialmente Arafat. O culpado, neste caso, encontra-se entre as filas dos palestinianos, entre alguém em que Arafat confiava, alguém que tinha acesso directo ao complexo onde o líder morava.

Pouco importa, foi apenas o braço: a mente estava longe, num outro País.
Sharon nunca será acusado, nunca deverá responder deste como de outros crimes. Conseguirá defender uma inocência formal. E não passará disso: uma inocência formal, porque nós sabemos. 


Ipse dixit.

4 comentários:

  1. Ricardo11.11.13

    Não relacionado, mas aparentemente uma boa leitura:

    http://anotherangryvoice.blogspot.co.uk/2011/09/great-neoliberal-lie-austerity.html

    ResponderEliminar
  2. Anónimo11.11.13

    Quando começei a ler o post excluí logo Portugal. E excluí, porque os únicos a quem o governo português consegue fazer mal, é aos portugueses.

    Agora que toda a gente tem a confirmação quem o Arafat foi assassinado, era bom que alguns não deixassem morrer o assunto porque, para muitos outros, este tema interessa ficar no esquecimento.

    Krowler

    ResponderEliminar
  3. Olá Max: quem sabe e sempre soube, independente de provas que, como provas, venham a público, são os mesmos que sabiam que Gadaffi não era o malfadado ditador sanguinário desde o início da destruição da Líbia, e de outras mil safadezas da economia política. São poucos, bem poucos. E os que por ventura agora se inteirem de uma notícia fugaz de jornal terão seu interesse voltado para o foco midiático do momento que, certamente, não será o assassinato de Arafat.Abraços

    ResponderEliminar
  4. Claro que existe uma narrativa recorrente no empata Israel/EUA/Ingles :fazer de conta que se conversa com os países arabes mas só aceitar coazinhos como Mubarak. Assad e outros, mesmo que tenham que apoiar os dirigentes do Hamas que vão "legitimar" os massacres frequenetes.Nada melhor que um bom ditador "feroz" que dê razao aos nossos desmandos.Pena que os jornalistas sejam tao copia/cola.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...