29 novembro 2013

A diversidade

O que é a diversidade hoje?
No melhor dos casos, ser diferente significa ser gay.

Um degrau mais em baixo, o diferente porque incapacidado: o azarado.

Mais em baixo ainda, podemos encontrar o diferente porque imigrante (gente estranha, usos incompreensíveis, que assustam).

No fundo mesmo, sobram os rotulados como anárquicos, associais, rebeldes. Praticamente: os loucos.

EUA, Irão & nuclear: uma pequena dúvida

Não é intenção arruinar o dia do Leitor, nem desenvolver o papel de desmancha-prazeres.
Mas, como costumam dizer em Italia, "conhecemos as nossas galinhas".

Então, mesmo festejando o acordo sobre o nuclear alcançado entre o Irão e a comunidade internacional, melhor não esquecer o panfleto (por assim dizer: são 170 páginas) do qual já falámos no passado: Which Path to Persia? ("Qual Estrada para o Irão?").

Lembremos: o simpático livrinho foi publicado em 2009 pelo Saban Center for Middle East Policy do Brookings Institution.

Fundado em 2002, o Saban Center oficialmente desenvolve actividades de pesquisa original e programas inovadores para promover uma melhor compreensão das escolhas enfrentadas pelos gestores políticos americanos. Não acaso, entre os membros podemos encontrar políticos dos Estados Unidos e ex-agentes da CIA.

Mas, como sempre, a coisa melhor é seguir o dinheiro: quem financia o Saban Center?
Resposta: o Brookings Institute, como vimos. E quem é o Brookings Institute?

Ison foi-se

Deveria ter sido o cometa do século: um espectáculo único, um astro luminoso como poucos, visível até em pleno dia.

Segundo outros, Ison não era um cometa, mas uma nave espacial ou um disfarce para algo ainda pior.

Seja como for, o problema já não existe: após a passagem perto do Sol, Ison pertence à história.

Os satélites não conseguem individuar o cometa. O que o satélite Soho pode distinguir é o núcleo, com um aumento repentino da luminosidade e, a seguir, uma "diluição" do astro ao longo da órbita. O cometa foi-se: sobram pó e alguns detritos, pouca coisa.

Acontece: Ison aproximou-se demais e foi-se. Uma espécie de novo Ícaro.
Em caso de nave alienígena: um piloto bêbedo.
Pena.


Ipse dixit.

Relacionado: Ison: o fim do mundo (outra vez)

28 novembro 2013

A censura no Ocidente: ainda dúvidas?

A emissora televisiva CNN, o colosso da informação dos Estados Unidos, editou a entrevista do embaixador da Rússia na ONU, de forma que as partes mais "delicadas" simplesmente desapareceram.

Os pormenores mais antipáticos, do ponto de vista americano, foram cortados e atirados para o lixo. Nada de espantoso para quem costuma seguir as aventuras dos media mainstream: só mais uma prova duma manipulação mediática instalada não apenas nos regimes totalitários.

Com a edição aplicada ao vídeo, os telespectadores do programa do jornalista Christian Amanpour não conseguiram ouvir o que foi dito pelo diplomata russo, Viltali Churkin, acerca do "povo sírio que tem ele mesmo de decidir qual o papel que o actual presidente deve desempenhar no processo de transição".

Mas esta não foi a única parte "incómoda".

A retórica israelita e o inevitável isolamento

Gideon Levy
Mais uma vez: não confundimos os cidadãos hebraicos com o regime sionista dos quais acabam por ser as primeiras vítimas.

Gideon Levy é jornalista e colunista do jornal Haaretz, o mais antigo diário israelita e que de certeza não pode ser definido como progressista.

O ponto de vista de Levy é claro: o recente acordo com o Irão não é um "erro histórico", como afirmado pelo primeiro ministro Benjamin Netanyahu, mas uma ocasião única. E israel está ada vez mais isolada.

A seguir, a entrevista a emissora RT com o jornalista.
RT: O que acha dos comentários de israel pela boca do primeiro-ministro? Ele argumenta que isso é um erro histórico, concorda com isso?

27 novembro 2013

Honduras: uma história de violência, pobreza e riqueza

Juan Orlando Hernández é o novo presidente de Honduras.

No terceiro País mais pobre da América Latina, o voto de protesto contra os conservadores ficou dividido entre a esposa do presidente deposto, Zelaya, e um apresentador de televisão. Hernández quer agora governar em nome de todos, mas não vai ser fácil.

O casal Zelaya (Mel, presidente deposto com um golpe de Estado em 2009, e a sua esposa, Xiomara Castro, candidata este ano) não reconhecem os resultados anunciados pelo Supremo Tribunal Eleitoral.

Centenas de estudantes foram para as ruas para protestar e pedir uma recontagem.

O resultado foi , no entanto, reconhecido pelos Estados Unidos (o que não é estranho...), Espanha, Colômbia, Guatemala, Panamá, Costa Rica, mas também pelo governo da Nicarágua, que é de Esquerda.

A crise: quatro mentiras

Desde o começo da crise, em 2008, teve início uma ampla produção de mentiras, vendidas como "realidade económica", especialmente pelos líderes políticos. Aqui estão quatro delas.
  • A dona de casa
Disse a simpática chancelera alemã Angela Merkel após o colapso do banco Lehman Brothers, em 2008:
É preciso perguntar à dona de casa. Ela nos diria que não podemos viver acima das possibilidades.
Esta lógica aparentemente racional é a base da austeridade, com todas as consequentes desgraças. O problema é que esta sabedoria "popular" não pode ser aplicada aos Estados, pois ignora os efeitos da "poupança" da dona de casa sobre a procura: se todas as famílias começassem a poupar nas despesas, o consumo iria cair a pique e, como resultado, haveria um corte nos lugares de trabalho. E se o marido da dona de casa perder o emprego, a família fica bem pior do que antes.

26 novembro 2013

A receita do Nobel: façam filhos e gastem mais

Um artigo muito interessante do Nobel da Economia, Paul Krugman no New York Times: "Uma Queda Continua?"
Afirma o economista:
E se o mundo como foi vivido nos últimos cinco anos for o novo mundo 'normal' ? E se as às condições de depressão generalizada forem para durar, não por dois ou três anos, mas por décadas?
Porque Krugman acha que a economia abrandou, talvez de forma definitiva? Por que o crescimento da população (especialmente nos Estados Unidos e nos outros Países industrializados) parou :
Um população que cresce cria uma procura por novas residências, etc. Quando o crescimento da população pára, essa demanda cai.
O que é verdade. Então a solução é começar a procriar como coelhos? Só isso? Parece pouco...Na Índia são mais de um bilião de pessoas, deveria ser um dos Países mais ricos do planeta.
Deve haver algo mais.

24 novembro 2013

Crianças e televisão: um estudo

Os primeiros anos de vida são cruciais para o desenvolvimento neurológico.

Durante este período, o cérebro de uma criança chega a triplicar o tamanho e as conexões neuronais, especialmente aquelas conexões usadas com maior frequência. As menos utilizadas, pelo contrário, tendem a ser "postas de lado".

Muitas crianças hoje gastam entre duas e cinco horas por dia na frente da televisão. A quantidade e a qualidade dos produtos televisivos vistos por estas crianças podem ter um impacto negativo sobre o desenvolvimento futuro delas?

A resposta é "sim".

Um recente estudo mostra que cada hora de televisão subtrai  à criança riqueza de vocabulário, penaliza as capacidades lógico-matemáticas e afecta negativamente os seus futuros relacionamentos sociais. A importância deste estudo reside no facto de que pela primeira vez foi cientificamente demonstrada a relação directa entre a televisão e as dificuldades psico-sociais. Foi a cereja no topo do bolo, depois dos rios de literatura produzida sobre o assunto.

23 novembro 2013

Nato, EUA e Reino Unido: o grande mercado do ópio

A agência de intelligence do Reino Unido planeia enviar mais funcionários no Afeganistão para administrar a indústria da droga que vale uns 100 biliões de Dólares por ano, tal como referido por um comentarista político nos Estados Unidos.

Gordon Duff, editor sénior de Veterans Today, fez estas declarações durante uma entrevista à Press TV, dois dias após o Telegraph ter revelado um relatório dos Serviços Secretos de Inteligência (SIS, também conhecido como MI6) britânicos com o qual foi pedido pessoal adicional de outras agências na altura em que as tropas britânicas deixarem o Afeganistão, em 2014.

Afirma Duff:
Eu acho que eles vão para o Afeganistão para ajudar a gerir o negócio de 100 biliões de Dólares por ano, transportando a heroína através do Afeganistão e gerindo o sector bancário da indústria de heroína através dos bancos de Londres. Não consigo pensar em outra razão pela qual deveriam ir até lá.

22 novembro 2013

Os Estados Unidos e o direito de espiar

Os Estados Unidos e os serviços de intelligence estão a trabalhar para promover a eliminação do direito universal à privacidade on-line, o que prejudicaria o projecto de lei que Brasil e Alemanha apresentaram à ONU.

De acordo com um documento do governo dos EUA obtido pelo jornal The Cable, está a desenvolver-se uma "batalha diplomática" no comitê da Assembleia Geral das Nações Unidas que está a analisar a proposta do Brasil e da Alemanha para impor restrições à vigilância na Internet. Os representantes dos Estados Unidos, que falaram com o jornal sob condição de anonimato, esclareceram que não podem tolerar esses controles na rede de vigilância global.

Os diplomatas norte-americanos estão a fazer de tudo para eliminar as disposições do projecto alemão e brasileiro: este prevê que a vigilância extraterritorial e a intercepção de comunicações, informações pessoais e metadados podem representar uma violação dos direitos humanos. De acordo com os diplomatas, os Estados Unidos e os seus aliados, a Convenção Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos (ICCPR), não se aplica no caso de espionagem no estrangeiro.

Nos últimos dias, os Estados Unidos distribuíram entre os aliados um documento confidencial que apela para que seja alterado o texto brasileiro e alemão, no qual as referências ao direito de privacidade trata expressamente das obrigações dos Estados no âmbito do ICCPR, e opta por excluir a ideia de que essas exigências sejam impostas também no caso da extraterritorialidade. Em outras palavras, os Estados Unidos querem garantir-se o direito de espionar no estrangeiro.

De acordo com diário Foreing Policy, os Estados Unidos querem limitar a atenção do mundo sobre a vigilância. A recolha de informações sobre dezenas de milhões de pessoas ao redor do mundo é perfeitamente aceitável, como afirmou a Administração Obama em várias ocasiões. Tudo está autorizado pela lei dos Estados Unidos, sob a supervisão do Congresso e a aprovação dos tribunais dos EUA.

A resolução sobre a privacidade, como a maioria das decisões da Assembleia Geral das Nações Unidas, não se aplica a qualquer tribunal internacional. Mas, segundo os advogados, seria muito importante, pois constitui a base de um consenso internacional que, eventualmente, tornará mais difícil para os EUA continuar a sua vigilância em massa.

No passado dia 1 º de Novembro, o Brasil e a Alemanha apresentaram uma resolução conjunta para a promoção do direito à privacidade na Internet: o documento exorta os Estados-Membros a "tomar medidas para pôr fim" à violação desses direitos e para criar, através da legislação nacional, as condições para garantir o cumprimento das obrigações estabelecidas pelo direito internacional humanitário.


Ipse dixit.

Fonte: The Cable

21 novembro 2013

Porquê?

Como sempre, hoje estava à procura de algo para escrever. Um bom artigo de economia, guerra, algumas desgraças...enfim, as coisas do costume.
Quando eis que aparece ele.

Paro e penso (já isso demonstra a excepcionalidade do evento...).

E pergunto: como é possível? É normal viver assim? Há algo de errado em tudo isso, já sabemos: mas como é que ninguém faz nada?

Como é possível aceitar coisas destas, vê-las e mesmo assim levantar-se de manhã, mergulhar nas filas do trânsito ou nas massas que enchem os transportes públicos (com pulgas também, cortesia da Transtejo para quem atravesse o Tejo de barco), ficar 8 horas no lugar de trabalho e saber que somos recompensados com um prato de lentilhas: quando aqui, no nosso mesmo continente, há quem ganhe quase 10 vezes mais desenvolvendo as mesmas funções, talvez inferiores até.

Aqui, quase ao lado, na Suíça.
Eis o que vi:



A Lidl é uma empresa alemã de distribuição alimentar, representada na maioria dos países europeus: a cadeia pertence ao grupo Schwarz e está activa em 22 países europeus possuindo cerca de 9.500 lojas. E a partir de agora, os funcionários dela ganham 4.000 Francos (3.200 Euros, 9.900 Reais) de salário mínimo, mas só na Suíça. Porque nos outros Países, os salários permanecem iguais.

Em Portugal, por exemplo, o salário mínimo continua a não chegar aos 500 Euros (1.500 Reais).

Podemos pensar: bom, ganham muito porque gastam muito também, quem sabe aí a vida quanto custa.
Justo. Então vamos ver quanto custam os artigos vendidos na Lidl da Suíça, que são os mesmos vendidos nos outros Países europeus.
  • Iogurte com nata, cremoso, 150 gr., vários sabores: 0.49 Francos (0.39 Euros, 1,21 Reais)
  • Sumo de ananás, 1 litro, 100% sumo 0.99 Francos (0.80 Euros, 1.98 Reais)
  •  Azeitonas espanholas verdes recheadas com massa de pimento, 314 ml: 0.59 Francos (0.47 Euros, 1.46 Reais)
  • Panettone Clássico, 1 kg.: 3.69 Francos (2.99 Euros, 9.17 Reais)
  • Queijo Camembert, 250 gr.: 2.49 Francos (2,01 Euros, 6.19 Reais)
Deixamos a comida, vamos ver outro tipo de artigos:
  • Calças mulher, modelo Jeggings, várias cores: 11.99 Francos (9,72 Euros, 29.82 Reias)
  • Camisola mulher modelo Dolcevita, várias cores: 11.99 (9,72 Euros, 29.82 Reias)
  • Pijama mulher, várias cores: 11.99 (9,72 Euros, 29.82 Reias)
  • Soutien, várias cores: 7.99 (6,48 Euros, 19.87 Reais)
Saímos da Lidl, vamos espreitar o custo dum carro. Neste caso um carro da gama Dacia, os mais baratos na Europa (no Brasil são vendidos como Renault):
  • Dacia Duster, tracção 4x4, motor 105 cv, versão de entrada sem optional
Na Suíça: 15.700 Francos (12.736 Euros, 48.138 Reais)
Em Portugal, mesmas especificações mas sem tracção 4x4: 15.990 Euros (49.028 Reais)
No Brasil, mesmas especificações mas sem tracção 4x4: 51.350 Reais (16.702 Euro)
   
São os preços que encontramos aqui, em Portugal. Às vezes mais baratos até.
Seria possível continuar. Mas conheço bem a Suíça, fica a duas horas e meio da minha cidade de origem, fui visita-la inúmeras vezes: não é apenas uma questão de preços, é sobretudo uma questão de qualidade de vida. Aí não há comparação nenhuma possível.

É a Suíça um Pais cheio de recursos naturais? Com um clima agradável? Com milhões de empresas que aumentam o PIB nacional?
Nada disso: é um País com um clima frio, 60% do território é constituído por montanhas (os Alpes), recursos naturais não há e a população mal chega aos 8 milhões. 
 
Apesar disso, o salário mínimo não é elevado apenas na Lidl: outras empresas do mesmo sector oferecem remunerações parecidas. É o caso da Aldi, da Kiosk, da Coop, da Migros, todas com salários mínimos entre 3.800 e 4.100 Francos Suíços.

No caso da Lidl, os 4.000 Francos mensais incluem:
  • 13 mensalidades
  • 25 dias de férias (30 no caso de trabalhadores com mais de 50 anos e aprendizes)
  • 41 horas de trabalho semanais
  • Seguros
E quem pensa ainda no bem estar da Suíça como fruto das evasões fiscais dos outros Países (que enchem os cofres dos bancos suíços), faria bem a actualizar-se, pois as coisas mudaram, e muito, nos últimos anos.
E nem vale o discurso do "Capitalismo mau": a Suíça não é de todo um País comunista e o nível de vida é simplesmente espectacular.

A verdade é que as empresas suíças, apresentando preços comparáveis aos do resto da Europa, conseguem pagar muito mais aos funcionários.
Porque a Lidl não paga o mesmo em Portugal, em Italia, Espanha, França, até mesmo na Alemanha?
Porque continuamos a suportar estas coisas?
Porque gostamos de ser escravos e mal pagos?


Ipse dixit.

Fontes: Ticino News, SwissInfo, Carriera, Lidl Ch,

20 novembro 2013

Algoritmos: os persuasores ocultos da Internet

Internet é vigiada e o as revelações de Edward Snowden não deixam dúvida acerca do assunto.
Mas estará livre?

Porque se a vigilância limita-se a tomar nota dos nossos movimentos, as escolhas podem continuar livres.

Por exemplo: o sistema Prism pode gravar as conversas, mas afinal é o utilizador que decide onde ter estas conversas, com quais programas, em que sites. Da mesma forma, é o utilizador que decide como navegar, quais páginas web visitar, independentemente do facto de ser vigiado ou menos.

Mas será mesmo assim?

19 novembro 2013

Shadow banking: 32 vezes o Brasil

Não pára de crescer.
Em todo o planeta, o shadow banking (o sistema financeiro sombra) chegou a 71 mil biliões de Dólares: 71.000.000.000.000.
Mais 5 biliões em comparação com o ano passado.

O termo shadow banking, lembramos, refere-se a qualquer actividade de intermediação de crédito realizada fora do sistema bancário. É a área que inclui os fundos especulativos, por exemplo; é a mesma área onde operam os bancos de investimento.

Trata-se dum verdadeiro sistema bancário paralelo, fora de controle, que envolvia 26.000 biliões de Dólares em 2002, 62.000 biliões em 2007 e que continua a crescer. 37% de toda actividade do shadow banking tem origem nos Estados Unidos (37% do total), mas a China encontra-se em forte crescimento (+ 42% quando comparado com o ano 2012).

18 novembro 2013

A Crónica do Tamiflu

Lembram-se do Tamiflu?

Era uma vez uma terrível doença que dizimava a espécie humana (uma gripe). Quando já o fim parecia inevitável, no céu apareceu um anjo disfarçado de Secretário da Defesa dos Estados Unidos (Donald Rumsfield) que doou aos Homens a embalagem dum fármaco milagroso, o Tamiflu.

A Anjo disse "Com o Tamiflu a peste derrotas tu" e, de facto, a Peste Aviária desapareceu como por magia.
O sorriso voltou nos rostos das crianças e o dinheiro encheu os cofres da Gilead Sciences, da qual, por mero acaso, Donald Rumsfield (o original) era presidente.

Esta é a história contida nas Crónicas das Terras de Meio, ainda hoje contada pelos avós perto das fogueiras, nas longas noites de Inverno.

Mas existe uma outra crónica, menos conhecida, que agora vamos ler.
Esta é a Crónica do Tamiflu

Grécia: entre nazis e ovelhas


Image Hosted by ImageShack.usNo início de Novembro, dois membros de Alba Dourada, organização da Direita grega, foram mortos perto da sede do partido, em Atenas.

Uma verdadeira execução no centro da cidade, onde as vítimas, de 20 e 23 anos, foram acabadas com golpe de mitra Zastava: isso enquanto um carro de apoio ao grupo de fogo esperava perto da cena.

Agora, passadas mais de duas semanas, chega a reivindicação. Um telefonema para permitir encontrar um envelope com uma pendrive, onde está gravado um documento: "Assumpção da responsabilidade pela execução dos neo-nazistas". A assinatura é das Μαχόμενες Λαϊκές Επαναστατικές Δυνάμεις, Forças Populares Revolucionárias Combatentes, e o duplo homicídio, obviamente, teria sido uma "retaliação pelo assassinato de Pavlos Fyssas".

Nunca alguém tinha ouvido falar das Forças Populares Revolucionárias Combatentes.
Mas há mais dúvidas.

17 novembro 2013

O abutre e o tufão

O tufão que assolou as Filipinas deve ser considerado por todos como um aviso do planeta, de modo que, finalmente, haja uma séria consideração sobre os riscos provocados pelas alterações climáticas e as medidas necessárias para deter o aquecimento global.

Não é uma ideia minha, mas o profundo pensamento do Secretário-Geral das Nações Unidas, o simpático Ban Ki-moon, de visita em Tallin (na Estónia):
Estamos num momento histórico crucial, do que decidimos fazer agora dependerá o nosso futuro. Mas ainda há pessoas na Terra que parecem acreditar que temos dois planetas disponíveis. Todos nós vimos o que aconteceu nas Filipinas. É um aviso urgente da Terra, um exemplo de mudança climática que mostra como todos estamos envolvidos. Temos de agir antes que seja tarde demais [...] a ameaça de um aumento de apenas dois graus na temperatura global terá consequências para todos. A ameaça é real e todos nós temos a responsabilidade de evitá-la.
E bravo Ban Ki-moon.
Assim: o tufão das Filipinas é "um exemplo de mudança climática".

16 novembro 2013

O frigorífico de Einstein

Image Hosted by ImageShack.usImagine o Leitor um frigorífico sem partes móveis, que trabalha com pressão constante e requer apenas uma fonte de calor para trabalhar, sem vibrações, sem motor, no silêncio absoluto.

Seria interessante, não é? Até temos um nome pronto: frigorífico de absorção.

Mas pronto desde quando? Desde 1926.
Foi naquele ano Albert Einstein e o seu ex-aluno Leo Szilard patentearam nos Estados Unidos o frigorífico de absorção, no dia 11 de Novembro de 1930 (Patente dos EUA 1.781.541 ).

O projecto do frigorífico de Einstein é muito interessantes, em particular agora que foram proibidos os gases devem ser reduzidas.
Duas das suas características fundamentais são a ausência absoluta de ruído e a duração, uma vez que neste dispositivos não há mecanismos de movimento que podem desgastar-se ao longo do tempo.

E este último foi sempre o defeito do frigorífico de absorção: não se estraga.  Quem iria construir algo que dura uma vida? Nada de peças sobressalentes, nada de envio de técnicos, nada de mono no lixo, nada de frigorífico novo...uma desgraça. Desgraça do ponto de vista dos produtores, não certo dos clientes.

15 novembro 2013

A destruição do Paraguai

O escritor uruguaio Eduardo Galeano apresenta, no bem conhecido Las venas abiertas de América Latina, uma leitura diferente de uma guerra que marcou, junto com o fim do isolamento do Paraguai, a destruição de uma nova experiência na América Latina.

Apesar de denunciar a mão de ferro com que Gaspar Rodríguez de Francia impôs o seu poder após a independência, Galeano apresenta o Paraguai como a única tentativa bem-sucedida de desenvolvimento independente, em contraste com um quadro de exploração por parte dos Países ocidentais nas nascente repúblicas latino-americanas, estas também muito longes dos modelos de liberdade, democracia e igualdade.

13 novembro 2013

The Brussels Business: quem manda na Europa?

Image Hosted by ImageShack.us



E vamos falar de Europa, mas desta vez com uma boa notícia.
Que é esta: a Ert decidiu abrir um site internet.
Não é maravilhoso?

Eu sei, eu sei: o Leitor ficou comovido. Também eu.
A única dúvida é: mas quem é esta Ert?
Muito bem sagaz Leitor, boa pergunta.

Então é assim: o Leitor vai votar convencido de que a opinião dele possa mudar os destinos do País. Mas enquanto está a entreter-se com urna e caneta (aqui ainda nada de urnas electrónicas como no Brasil), há grupos que decidem como deve ser a vida do Leitor. Um grupo é este: o Ert, European Round Table, ou Mesa Redonda Europeia.

O Ert é um grupo e poder. Não uma simples lobby ao serviço das multinacionais, mas a expressão directa do mundo empresarial mais potente e globalista.
Não é um grupo de pressão: o Ert decide.

12 novembro 2013

Alimentação: os aditivos

E continuemos a falar de saúde: afinal, o satélite caiu numa zona desértica, temos que festejar e valorizar o nosso bem estar. Pelo menos até o próximo satélite.

Já falámos de colorantes e aditivos. Alguns são inócuos, outros fazem mal (e nalguns Países até são proibidos).

Cada um dos nós está exposto às toxinas numa base diária. Sabe-se agora que há muitas substâncias tóxicas e poluentes que propagam-se no ar, na água e nos alimentos, transmitidas pela radiação electromagnética ou nuclear, que têm efeitos prejudiciais na nossa saúde e nas nossas mentes, num efeito sinérgico negativo que atinge a mente e o corpo.

Apesar da atenção que podemos prestar, muitas vezes não lembramos que as empresas de alimentos, no geral, podem fazer uso de cerca de três mil aditivos com o objectivo de embelezar, manter "fresco" o aspecto, melhorar a cor ou o sabor, tornar sólidos os alimentos.

Vacinas prejudiciais: um estudo

Premissa: quem escreve (eu!) ainda não tem uma posição definida acerca da vacinação, e está a tentar entender quanto é útil, quanto necessária ou, pelo contrário, prejudicial. É difícil pensar que todas as vacinas sejam apenas o fruto dum maléfico plano para arrasar a Humanidade e, pessoalmente, não acredito nisso. Todavia, não podemos esquecer que atrás das vacinas há uma potente industria (a farmacêutica) cujo objectivo é apenas um: o lucro. E, além disso, há dados e cada vez mais testemunhos. Pelo que, eis um artigo cujo fim é apenas apresentar um outro ponto de vista, desta vez baseado em pesquisas médicas.

As crianças vacinadas têm de 2 a 5 vezes mais doenças e distúrbios daqueles não vacinadas. Este é a síntese do estudo aqui apresentado.

Trata-se dum estudo alemão, publicado há dois anos, que envolveu cerca de 8.000 crianças não vacinadas com idade entre 0 e 19 anos: mostra que as crianças vacinadas ficam mais doentes, pelo menos 2-5 vezes mais de que as crianças não vacinadas.

11 novembro 2013

Sem provas, sem pistas: mas sabemos.

Dizia há quarenta anos Pier Paolo Pasolini, uns do as maiores escritores e intelectuais italianos do século passado:
Eu sei. Mas não tenho provas. Nem sequer pistas. Sei porque eu sou um intelectual, um escritor que tenta acompanhar tudo o que acontece, para saber tudo do que se escreve, imaginar tudo o que você não se conhece ou não é dito; que coordena eventos mesmo afastados, que coloca juntos os pedaços fragmentados e desorganizados dum quadro político coerente, que restaura a lógica onde parece haver apenas arbitrariedade, loucura e mistério.
Sem sermos escritores ou intelectuais, é o que fazemos nós, todos nós, e todos os dias.Yasser Arafat: todos tínhamos a suspeita de que tinha sido morto, apesar de não ter a provas. Na verdade, todos nós sabíamos que Arafat não morreu de causa natural. Ficou claro para todos, pelo menos para aqueles que querem ir um pouco além da fachada das informações.

10 novembro 2013

GOCE: saudade de casa

O satélite GOCE
Ainda a falar de espaço?
Sim, mas desta vez é do espaço para a Terra.

O satélite GOCE (Gravity Field and Steady-State Ocean Circulation Explorer) foi lançado pela Agencia Espacial Europeia (ESA) em 2009 e tinha como missão realizar um mapa gravitacional do nosso planeta. Coisa que o GOCE fez, e bem.

Só que depois de 4 anos passados sozinho, no frio do espaço, decidiu voltar para casa. Uma decisão que faz um certo sentido, admitimos. Só que aqui começam os problemas, porque uma coisa é um regresso programado, outra é um satélite que decide como e quando voltar.

Quando? Se não mudar de ideia, entre hoje, Domingo, e amanhã. 
Mas voltar onde? Eis a dúvida. A área dos destroços deve cobrir uma zona ampla uns 900 quilómetros, mas não se sabe ao certo em qual lugar. Teoricamente, pode ser em qualquer ponto do planeta.

09 novembro 2013

O grande bolo

Calma, relaxem: esqueçam as dívidas, o dinheiro, os bancos.
Agora falamos do céu.

Então é assim.
Nós vivemos num Universo para explicar o qual foram criadas muitas teorias com o passar do tempo.

Nesta altura temos uma boa teoria, fruto em boa parte dos princípios intuídos por Albert Einstein. Temos uma hipótese acerca do nascimento do Universo (Big Bang), do seu desenrolar-se (a Teoria Inflaccionária), do aparecimento das estrelas, até temos uma ideia de como pode ter-se formado a Terra.

Dito assim parece um quadro bastante completo.
Afinal, o que falta?
Não muito, apenas um pormenor: o 96% do Universo.

Isso mesmo: não somos capazes de descrever mais de 90% do que nós rodeia. Temos hipóteses, teorias, mas faltam dados que possam comprova-las e todos os esforços, até agora, foram inúteis.

08 novembro 2013

Bellum omnium contra omnes (!!!)

A nossa é uma época de austeridade, mas nem todos são afectados pelas dificuldades da mesma maneira.

Para alguns, a crise não existe, pelo contrário, é uma oportunidade de expandir-se, enquanto para outros é um golpe mortal. Aplica-se às pessoas e às nações.

Estas últimas dirigem os recursos nas áreas essenciais para o estratégico bellum omnium contra omnes (a guerra de todos contra todos) da feliz era multipolar, apesar das respectivas economias ficarem perto da paragem cardíaca.

Eis explicado, portanto, porque o sector militar sente menos do que os outros as dificuldades dos recursos público: mais armas e menos manteiga parece ser os ditames da nova época.

E eis finalmente a boa notícia: depois de tanta espera, a proposta da Lockheed Martin foi aceite. Uma futurista aeronave de combate com cozinha, microondas e banheiro

Serviços cloud: espiados

Já não pode ser surpresa, mas caso ainda haja dúvidas...

Novas confirmações chegam sobre o que foi antecipado nos últimos dias pelo Washington Post: a estadounidense NSA (Agência de Segurança Nacional) não se limita a interceptar as comunicações dos governos estrangeiros ou a solicitar a entrega de informação por parte dos operadores da rede, mas também teve acesso aos dados trocados entre os centros de dados de Google e Yahoo! em todo o mundo.

Apesar das palavras de negação do director da NSA, Keith B. Alexander (que parece estar a pensar acerca dumas saudáveis demissões) nos EUA é cada vez mais inflamado o debate sobre os métodos de inteligência no combate ao terrorismo e a verdade dos documentos divulgados por Edward Snowden.

Enquanto em Washington afirmam que não há esperança para um possível perdão de Snowden e alguns oficiais militares de alto nível pensam retirar da NSA as competências relacionadas com a guerra cibernética, o Washington Post continua a polémica e confirma o que tem sido escrito nos últimos dias sobre a vigilância ilegal da NSA fora dos Estados Unidos, em colaboração com o serviço secreto britânico: e publica alguns documentos confidenciais obtidos a partir de fontes anónimas, documentos que confirmam a obtenção de informações a partir das redes privadas de Google e Yahoo!.

A propósito...

Breve nota de serviço: continua a actualização de Os Blogues dos Leitores, que podem encontrar na coluna de direita.

A lista ainda é longa e decidi excluir os blogues não actualizados nos últimos 6 meses (há um par de excepções). Por enquanto, são escolhidos os blogues dos Leitores que aparecem como Seguidores, depois serão acrescentados os que aderiram ao blog via Facebook ou Twitter (e são mais de 400...).

Obviamente, não consigo determinar qual o blog das pessoas que subscreveram os feed RSS ou que recebem as actualizações via e-mail. Pelo que, se alguém quisesse aparecer na lista, envie uma linha e seja desde já bem vindo.   

Se alguém não quisesse aparecer na lista, apresento desde já as minhas desculpas e peço o favor de enviar uma linha para que eu possa apagar logo o respectivo blog.

Os Leitores cujos blogues ainda não aparecem tenham fé e lembrem: "Os últimos serão primeiros e os primeiros serão últimos" (Mateus 20:1-16).

"E quem está no meio vai ficar na mesma" (Max, 08:11-13).

Para qualquer contacto, lembro também o endereço e-mail do blog: informacaoincorrecta@gmail.com
E um abraço para todos.


Ipse dixit.

07 novembro 2013

Escravos, como sempre

Um mini-bus branco da agência de trabalho temporário agência Werk & Ik está estacionado na frente de uma longa fila de garagem numa área industrial de Osdorp, um bairro de Amsterdam. Uma destas garagens  serve como habitação para alguns trabalhadores da Werk & Ik, imigrantes da República Checa.

Uma mulher mostra os quartos, cinco armários feitos de madeira, cada um com beliches. Uma luz néon ilumina toda a sala, mesmo os lugares onde as pessoas querem dormir. Não há janelas, não existe um sistema de ventilação.

De acordo com algumas estimativas, cerca de cem mil checos, polacos e outros cidadãos da Europa Central e de Leste trabalham na Holanda nestas condições.

Férias?

A Werk & Ik, cujas receitas atingiram 12 milhões de Euros, está disposta a trabalhar com os Checos, especialmente em Schiphol, onde limpam os aviões e cuidam das bagagens dos passageiros.

Os trabalhadores temporários são pagos de forma justa pelo seu trabalho?

06 novembro 2013

Crise: as previsões de Wells Fargo

Um novo relatório dos economistas do banco Well Fargo analisa as 28 maiores economias em
desenvolvimento com base nos indicadores económicos que estão associados à crise financeira:
  • reservas em moeda estrangeira (em % do PIB)
  • taxa de câmbio real (variações em % desde o ano 2009)
  • crescimento do PIB (e evolução em % desde o ano 2009)
  • crescimento do crédito(ao sector privado, em % do PIB)
  • balança corrente (em % do PIB)
Teoricamente, os Países com baixas reservas de moeda, elevada taxa de câmbio, elevado crescimento do crédito, do PIB e deficits nas contas, tendem a ter maiores possibilidades de sofrer uma crise financeira.

Obviamente, a crise não é inevitável, mas o conjunto de condições representa um factor de risco, pelo que é melhor acompanhar a evolução destas economias ao longo dos próximos anos.

EUA: elite, super-elite e desgraçados

Image Hosted by ImageShack.us
Estados Unidos: o PIB, o Produto Interno Bruto (a riqueza produzida no País), voltou aos mesmos valores do ano 2007.

Dito assim pode até parecer normal: em 2008 deflagrou a crise global, um abrandamento é natural.

Mas as estatísticas não contam tudo. Na verdade, já antes estava em marcha o fenómeno pelo qual o aumento do rendimento era concentrado apenas em 10% da população (que já incluía a super-elite de 1%, ainda mais ricos): o restante 90% dos habitantes viram as próprias entradas diminuir.

Comparando os rendimentos dos últimos anos, podemos notar como 90% dos norte-americanos perderam 17% das entradas em comparação com o ano 2000. Se no virar do milénio o rendimento médio atingia 36.000 Dólares, hoje o valor desceu para 30.500. Uma queda de 5.500 Dólares por ano.

Como é que as famílias conseguiram compensar as entradas mais reduzidas? Aumentado a dívida: 4.000 biliões de dívida adicional.

05 novembro 2013

Aquecimento Global: humano ou natural? - Parte II

E vamos concluir o artigo do prof. Batalha acerca do aquecimento atropogénico.
Desta vez, alguns dados.

No passado mês de Outubro, foram publicado dados que tornam cada vez mais difícil apoiar a hipótese segundo a qual o IPCC (Intergovernmental Panel on Climate Change ou Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas) interpretou de forma correcta quanto de facto acontece ao clima do nosso planeta.

O sito ClimateMonitor disponibiliza uma animação da qual extrapolamos uma imagem:

Image Hosted by ImageShack.us

A imagem pode parecer confusa, mas na verdade é de interpretação bastante simples.

Global Seed Vault: a Arca de Noé 2.0

Image Hosted by ImageShack.usNo universo conspiracionista, um lugar em destaque é detido por um sítio na ilha gelada de Spitsbergen, no desolado arquipélago de Svalbard (Mar de Barents, a mil quilómetros do Pólo Norte).
Trata-se dum enorme bunker no interior do qual foi construído um banco de sementes, destinado a conter de três milhões de variedades de plantas de todo o mundo.

O bunker não é uma fantasia, existe mesmo: sabemos por quem foi construído, como, quando e com quais fundos. Doutro lado, não é o único banco de sementes do mundo.

O problema é a interpretação: segundo muitos, o bunker de Spitsbergen representa uma espécie de Arca de Noé versão 2.0, realizada para preservar os restos das espécies vegetais após cataclismos inimagináveis (repentina inversão dos Polos magnéticos, choques com cometas, etc.) ou ataques alienígenas (ver a epopeia de Nibiru e anexos). Nesta óptica, a malvada elite mundial (Illuminati) sabe tudo acerca disso e decidiu preparar-se, obviamente escondendo a verdade ao resto do planeta.

Se a escolha for ir um pouco além destas infantilidades, podemos tentar descrever uma outra hipótese, bem mais viável mas nem por isso mais tranquilizadora. Vamos ver qual.

04 novembro 2013

Aquecimento Global: humano ou natural? - Parte I

No passado dia 2 de Outubro, foi publicado um interessante artigo: Riscaldamento Globale? Mai stato cosí freddo ("Aquecimento Global? Nunca foi tão frio"), do professor de Química Ambiental Franco Battaglia, da Universidade de Modena, co-autor do relatório NIPCC “Climate Change Reconsidered II”.

O artigo é muito interessante mas tem um "corte" científico, esquecendo as profundas motivações que estão atrás da cruzada Global Warming.
Estas, de facto, têm origem nas políticas de exploração dos Países do Terceiro Mundo, aos quais, juntamente com o pedido para não aumentar as emissões de CO2, é negada a industrialização e desenvolvimento.

Como afirmado pelo diplomata do Sudão Lumumba Di - Aping acerca das propostas do G77 em ocasião da conferência climática de Copenhagen (ano de 2009):
Os ricos Países do norte pedem para a África assinar um pacto suicida, um pacto de incineração,com o fim de manter a dominação económica de alguns Países.
Pelo que, vamos observar mais de perto as análises dos dados, deixando as interpretações políticas para outra sede.

Os insectos transgénicos: Brasil, Índia, Espanha, Cayman, Panamá...

Um mosquito perturba o justo sono?
O Leitor já está com o chinelo na mão pronto para atacar?
Calma, Leitor, calma: pense bem antes de agir. Pode ser um simples mosquito molesto, mas pode ser outra coisa também. Por exemplo, um insecto transgénico. Que sempre molesto é, mas é furto da Ciência.

Pois os insectos transgénicos já estão no ambiente, só que ninguém sabe disso.

No Brasil, foram libertados milhões de mosquitos "manipulados" para combater o mosquito Aedes aegypti, cuja picada provoca a dengue. A história não é nova: antes um teste nas Ilhas Cayman, depois a Malásia, agora o Brasil. E a seguir? A Espanha, com a mosca transgénica da oliveira.

Podemos pensar: bom, afinal são insectos que "fazem bem". A dengue, por exemplo, é uma praga que a cada ano provoca muitas mortes: conseguir controla-la ou até elimina-la com um insecto nosso aliado não pode ser senão positivo. O que é correcto. Mas esta é apenas a primeira parte da história. Depois há a segunda.

03 novembro 2013

Chemtrail: o caso Tanker Enemy

Como já repetido muitas vezes, Informação Incorrecta não tem uma posição acerca do fenómeno das Chemtrails, as "trilhas químicas". Existem? E se existirem, qual a finalidade?
A resposta final cabe ao Leitor.

No entanto, sou obrigado a falar novamente do assunto por causa do site Tanker Enemy.
Activo há muitos anos, o site tornou-se um ponto de referência não apenas italiano acerca do fenómeno. Nele não faltam teorias e "provas" (aspas obrigatórias) e sem dúvida foi capaz de conquistar um lugar incontornável para os seguidores das Chemtrails.

Acontece que a polícia de Imperia (Liguria, Italia do Norte) fez irrupção na casa dos irmãos Marcianó (os autores de Tanker Enemy), sequestrando computadores e material acerca dos trilhos químicos. Tudo nasceu duma queixa feita por duas pessoas que julgaram as suas reputações terem sido lesadas por causa das afirmações dos irmãos.

O que está em causa não é a razão da queixa: Tanker Enemy não é site para colegiais, isso é bem verdade, e não admira que os Marcianó possam ter ofendido as duas pessoas.
O que está em causa é o sequestro do material relativo às Chemitrails.

02 novembro 2013

A subtil linha entre política e festa da aldeia

Diário Expresso:
A 'lotaria de faturas' arranca em janeiro e, para já, vai sortear automóveis. O sorteio será semanal e destina-se a incentivar os consumidores a pedirem faturas com o seu número de contribuinte.
Para ficar habilitado tem que pedir para incluir o número de identificação fiscal no 'recibo'. Todo o tipo de compras (em qualquer sector de atividade) são válidas e habilitam para o sorteio.

Nem comento.

Só umas perguntas: são carros novos? Usados? Confiscados?
Será que parte das receitas fiscais serão utilizadas para isso? Cada semana teremos que pagar um carro? E para quê? Para incentivar as pessoas a pedir um papel que na maior parte dos casos ficará para o lixo?
"Um café curto e uma factura, faça o favor".


Ipse dixit.

Fonte e imagem: Expresso

Gassed and Stoked

Só para lembrar alguém que deixou uma marca.


Grande disco, altamente recomendado. Um pouco deprimente, mas enfim...
E nem gosto particularmente de Lou Reed.
R.I.P.

01 novembro 2013

Os problemas do dinheiro electrónico

O cartão de crédito (ou de débito) é uma coisa bonita: é prático, é seguro.

E verdade: é cómodo: permite sair de casa sem uma grande quantia de dinheiro no bolso, até podemos deixar o dinheiro em casa, o cartão é suficiente.

Por isso está cada vez mais difundido. Ao ponto que alguns Países, como a Suécia, já tomaram medidas para abolir o dinheiro "vivo".

E aqui começam os problemas. Já uma vez falámos disso no blog: agora vamos um pouco mais a fundo. Porque, por enquanto, sou eu que escolho se deixar o dinheiro em casa em prol do cartão: no futuro poderá não ser bem assim.

Na vida comum, o uso de dinheiro é uma das coisas mais normais que existem. A capacidade de usar o dinheiro para completar as transações comerciais, é um elemento de liberdade de cada ser humano, bem como um motor de desenvolvimento para o crescimento e o bem-estar económico .

Todos os dias, biliões de transações ocorrem tendo como contrapartida o uso do dinheiro "vivo", feito de notas e moedas, sem as quais, provavelmente, ou não aconteceria ou seria consideravelmente reduzidas.
O uso do dinheiro é simples, prático, eficaz, rápido e não é caro.

Xinjiang: a entrada de Al-Qaeda na China

Image Hosted by ImageShack.us
Tinha que ser.
No passado dia 28 de Outubro, na Praça Tiananmen (Pequim), um jipe ​​foi lançado em velocidade contra os transeuntes que se encontravam na frente da entrada principal da Cidade Proibida. Imediatamente após o impacto o carro pegou fogo. No total 5 mortos e 38 feridos.

Nas horas seguintes, as autoridades não forneceram quaisquer detalhes sobre o incidente. Enquanto isso, imagens postadas no Weibo, o Twitter chinês, foram prontamente censurada e o carro tapado com plástico verde.

A 3 dias de distância, a polícia de Pequim parece não ter nenhuma dúvida de que foi um ataque suicida. Dentro do carro havia Usmen Hasan, e mãe Kuwanhan Reyim e esposa dele Gulkiz Gini. De acordo com a agência de notícias Xinhua, eram 3 chineses de etnia uigur. No carro foram encontradas facas, "dispositivos cheios de gasolina" e um bandeira jihadista. A seguir, a polícia prendeu cinco suspeitos originários da mesma região, pessoas que teriam participado no ataque.

O suposto ataque terrorista voltou a atrair a atenção da opinião pública mundial sobre a região autónoma do Xinjiang, lar da minoria étnica uigur. A "Nova Fronteira (isso significa o nome) é um centro de forte instabilidade geopolítica e, ao mesmo tempo, centro vital das rotas energéticas para Oeste.
Pequim deve assegurar a estabilidade da região.

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...