29 janeiro 2014

Insólito: o Copo de Licúrgico

A imagem em baixo representa o mesmo objecto: é um copo que resulta verde quando é iluminado frontalmente e torna-se vermelho com luz posterior. Trata-se dum cálice, conhecido como o Copo de Licúrgico, e mostra uma cena que envolve o rei da Trácia, um importante personagem na mitologia grega.


Adquirido em 1950 pelo Museu Britânico, as suas propriedades policromáticas tem confundido os cientistas há décadas, porque o Copo foi construído na Roma do 300 d.C.. Como foram capazes os artesãos da altura de criar um objecto com estas propriedades?
No mesmo ano da aquisição, as análises demonstraram que o material do copo não era pedra, como pensado até então, mas vidro. Parece provável que pelo menos três laboratórios separados foram envolvidos na realização do objecto: o vidro pode ter sido feito inicialmente num único grande bloco, sucessivamente desbastado numa oficina especializada e, por fim, trabalhado por cortadores especializados.

Isso, todavia, não explica quais as técnicas envolvidas para obter o efeito cromático. E a resposta, surpreendente, veio apenas em 1990, quando uma equipa de pesquisadores britânicos analisaram um fragmentos do vidro com o um microscópio e observaram os rastos duma nanotecnologia.

A técnica constava na impregnação do vaso com uma mistura de partículas de prata e de ouro, do tamanho de 50 nanómetros de diâmetro: menos do que um milésimo do tamanho dum grão de sal.

A precisão do trabalho e a mistura exacta dos metais preciosos sugere que os artesãos romanos sabiam perfeitamente o que estavam a fazer, não somente um efeito acidental.
Como afirma o arqueólogo Ian Freestone, da University College de Londres:
Este é um feito incrível
A antiga nanotecnologia funciona da seguinte maneira: quando o vidro é atingido pela luz, os electrões das partículas de metal vibram de modo a alterar a cor, dependendo da posição do observador.

No Copo de Licúrgico, as cores mais clara surgem por efeito da ressonância electromagnética das nanopartículas presentes no vidro.

Mas uma nova pesquisa, relatada pelo Smithsonian Magazine, revela uma outra notícia. Gang Liu Logan, um engenheiro da Universidade de Illinois, dedicou anos ao estudo da estrutura para entender se tal antiga tecnologia romana podem ter usos na medicina, favorecendo o diagnóstico de certas doenças e identificando riscos biológicos.
Afirma Logan:
Os romanos sabiam como fazer e como usar as nanopartículas para criações artísticas. Tentámos descobrir se era possível usá-las para aplicações científicas.
Uma vez que não era possível utilizar o artefacto original, a equipe de Logan realizou uma experiência em que foram criados uma série de recipientes plásticos impregnados com nanopartículas de ouro e prata, realizando assim o equivalente do Copo de Licúrgico.

Uma vez enchido cada recipiente com uma variedade de materiais (tais como água, óleo, açúcar, sal), os investigadores notaram várias mudanças de cor, reacções espontâneas das nanopartículas perante os materiais introduzidos. Este protótipo resulta ser 100 vezes mais sensível do que os sensores actualmente comercializados, utilizados para detectar os níveis salinos nos líquidos.

Segundo Logan, esta técnica poderia um dia ser utilizada para detectar agentes patogénicos em amostras de saliva ou urina, e para combater pessoas que entendam transportar líquidos perigosos a bordo das aeronaves.


Ipse dixit.

Fontes: Smithsonian, Wikipedia (versão inglesa), Il Navigatore Curioso, The Guardian, Daily Mail,

5 comentários:

  1. Anónimo29.1.14

    Querem ver que isso era um detetor de venenos do mundo antigo?

    ResponderEliminar
  2. já sabemos para o que os japoneses querem o ouro

    ResponderEliminar
  3. Romanos só sabiam destruir, ainda vão descobrir que foram alquimistas árabes de teritótios invadidos por romanos.

    ResponderEliminar
  4. Olá Max

    Estou para repetir o mesmo que o Anónimo escreveu e também o que levantou Shanerrai... com certeza era um copo para detectar venenos e vai saber se não foi obra de algum físico (entenda-se médico) do Oriente Médio que orientou o artesão!
    Aqui vemos então que os coloides de ouro e prata podem ser maravilhosos! Partindo deste princípio, o Sallus, professor da USP, criou o melhor filtro de barro brasileiro!

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...