18 fevereiro 2014

I = P A T

E hoje falemos da equação de Ehrlich.
Por qual razão? Porque ajuda a perceber o motivo pelo qual no planeta devem existir Países atrasados, pessoas que não têm comida suficiente, economias que não funcionam.

Sim, claro, séculos de colonialismo, as consequências e tudo o resto: uma explicação simples e imediata. Mas não pode haver mais do que isso? E se o estado de atraso fosse funcional, até necessário na óptica de alguns? Uma pobreza "obrigatória", que deve ser cientificamente mantida? 

A verdade é que não podemos tornar a tecnologia livre para todos, não podemos permitir o consumo ilimitado para todos, não podemos permitir uma reprodução livre e um crescimento populacional sem limites.

A razão? I = PAT.
Está tudo aí, naquela equação: é a equação que descreve o nosso sistema económico, o nosso sistema de vida.

Foi escrita em 1944 por duas cientistas norte-americanos, Paul R. Ehrlich e John Holdren. Dois nomes que podem não dizer muito: mas Holdren, por exemplo, é hoje um dos "homens fortes" da Administração de Obama: é conselheiro sénior nas questões de ciência e tecnologia, Assistente do Presidente para a Ciência e Tecnologia, Director do Departamento da Casa Branca de Política Científica e Tecnológica, Presidente dos Assessores de Ciência e Tecnologia.
Fica mais claro assim?


E agora vamos ver qual o significado da equação:
  • I = Total Impact é o Impacto Ambiental na Terra
  • P = Population é a População, entendida como número dos indivíduos
  • A =Affluence é o consumo médio de cada indivíduo
  • T = Technology é a tecnologia útil disponível
O aumento das três, duas ou até uma só das variáveis P, A e T​ provoca o crescimento do impacto ambiental.

É uma equação simples mas engenhosa, e muito sensível.
Se a população aumenta, aumenta também o impacto ambiental.
Se aumenta o consumo per capita, ou a tecnologia disponível utilizada, aumenta o impacto ambiental também.
Se todos as 3 variáveis aumentam simultaneamente, o impacto ambiental dispara.

A equação de Ehrlich torna-se particularmente importante num sistema como o nosso.
Um cidadão médio dos Estados Unidos:
  • consome 121 quilogramas/ano de hamburger
  • gasta 600 litros/dia de água
  • acumula 800 quilogramas/ano de lixo
  • produz 20 toneladas/ano de dióxido de carbono.
20 toneladas de dióxido de carbono contra os 200 kg. dum cidadão da Ruanda.
Do ponto de vista energético, só para fazer um exemplo, seriam precisos 1.100 cidadãos do Ruanda para consumir o equivalente dum só cidadão médio dos EUA.

O que significa isso?

A panela e o caldo

Quando era garoto, lembro de ouvir dizer que no prazo de 15 anos a África teria atingido o nosso
nível de desenvolvimento.
Passaram alguns anos e agora oiço que no prazo de 15 anos a África terá atingido o nosso nível de desenvolvimento.

Um erro de cálculo? Nem por isso, os cálculos funcionam e muito bem (para alguns).

Imaginemos uma panela cheia de caldo de galinha.
Eu como 1.100 colheres de caldo, os Leitores uma colher cada.
Na panela o nível do caldo diminui, mas ainda dá para comer algo.

Eu como 1.100 colheres de caldo e os Leitores também, 1.100 cada um.
Na panela o nível de caldo deixe de forma rápida e eu fico preocupado.

Melhoramos a tecnologia, e cada um passa a ter uma nova colher: 1.100 colheres de caldo por cada um, mas desta vez com uma colher maior.
A situação precipita: a panela esvazia-se completamente.
E eu fico sem caldo.

Então qual o meu interesse? O meu interesse é que os Leitores continuem a ter a colher velha, mais pequena, e possam retirar apenas uma colher de caldo de cada vez.
Aliás, o meu verdadeiro interesse é que a vossa colher pequena seja até furada, de forma a poder retirar ainda menos caldo.

Esta é a equação de Ehrlich. Se todos consumássemos o que consome um cidadão médio dos EUA, quanto poderiam durar os recursos do planeta? Segundo os últimos cálculos, uma semana.
Percebemos agora porque parte dos povos têm que utilizar uma colher pequena e furada? 

A solução

Soluções?
  • Diminuir a Tecnologia
Mas não brincamos com estas coisas! Quem abdica do iphone? E do carro?
  • Diminuir o Consumo
O quê?!? O consumo é o motor da nossa sociedade, é o crescimento, é o futuro....pelo contrário, o consumo tem que aumentar, sempre.

Então?
Ok , então, democraticamente, tentamos manter atrasados os Países já atrasados; depois não seria mal empobrecer um pouco os Países de nível médio, também alguns do Ocidente. E, já que falamos disso, que tal concentrar a maior parte da riqueza nas mãos de poucos?

Não gostam? Pena, porque é este o sistema no qual vivemos.


Ipse dixit.

Fonte: La Crepa nel Muro, Wikipedia (versão inglesa)

7 comentários:

  1. Anónimo18.2.14

    Aqui está uma equação de se tirar o chapéu. Ao nível da E=mc2 do Einstein, apesar de menos famosa. Nunca tinha ouvido falar dela.

    Se as variáveis que a compõem e a sua influência no impacto do ambiente global são conhecidas e muito debatidas, a transformação delas numa fórmula, parece-me mais uma manobra de auto-convencimento para se justificar determinados tipos de comportamentos/politicas.

    I=PAT, poderia ser traduzida da seguinte forma: Isto não chega para todos; ao menos que dê para mim, e os outros que se danem.

    Gostava de a ver traduzida em números para compreender os seus limites, dentro do âmbito em que a mesma foi criada.

    Qual o valor do Imax admissível?

    Qual o compromisso entre as 3 variáveis para se atingir o equilíbrio?

    P, pode ainda aumentar até quanto?

    A, já sabemos que não pode diminuir sob pena da economia entrar em depressão e colapsar, isto nos países mais desenvolvidos ou emergentes, porque nos países pobres o consumo já é muito baixo, rondando o nível da sobrevivência

    T, nos países mais desenvolvidos também não pode diminuir por razões óbvias. Nos países pobres, sempre vai crescendo um pouco.

    Baixar o nível de alguns dos países desenvolvidos para manter outros, parece ser uma solução a médio prazo mas vai criar divisões.

    Curioso este post.

    Krowler



    ResponderEliminar
  2. rafael19.2.14

    ola max e outros leitores, to a procura de informacoes sobre o que acontece na venezuela? eh mais uma revolucao colorida, eh a falha do regime bolivariano, se alguem tiver fontes confiaveis pra compartilhar. (eu sei, nao tem nada a ver com o post)

    ResponderEliminar
  3. Anónimo19.2.14

    Falar de equações é fácil quando se tem algum objectivo a alcançar.

    Que tal:

    I = (P+Y-A)xT
    I = Total Impacto -> Impacto evolutivo no planeta, ambiente e humanidade
    P = Total da população
    Y = Auto-suficiência (Energética, Alimentar)
    A = Consumo
    T = Tecnologia

    ResponderEliminar
  4. maria19.2.14

    Olá Max: a equação me parece óbvia, como também me parece óbvio que se as variáveis fossem distribuídas com equidade entre todos, e seus níveis quantitativos planejados globalmente sem causar prejuízos irremediáveis à maioria, o impacto ambiental seria assimilado pelo sistema que se retroalimentaria. Mas eu devo estar enganada...Abraços

    ResponderEliminar
  5. Chaplin22.2.14

    Nada mais do que uma das tantas traduções da lógica da escassez. O poder e sua dominação, não precisam apenas continuar tomando a sopa, mas igualmente se alimentar de sua condição diferenciada no que tange ao império bélico, tecnológico e industrial. E absolutamente nada tão fundamental quanto a escassez da grande maioria.

    ResponderEliminar
  6. https://www.coursera.org/learn/sustainability/lecture/zxVe1/sustainability-and-population-growth

    ResponderEliminar
  7. Veja q nao é exatamente o que foi colocado. Existe uma complexidade que não esta sendo considerada.
    "However, the simplicity of the I=PAT formula is also it’s problem. The formula assumes that the terms P, A and T are independent, which in reality isn’t true. For example, when new technological developments allow us to use less resources to produce the same good or service, the formula says that the impact for this good or service goes down correspondingly. In reality, less resources means lower prices which results in more consumption. This effect, that increasing efficiency results in more consumption is also called ‘Jevons paradox’ or the ‘rebound effect’. Similarly, a doubling of the population doesn't necesarily mean a doubling of the impact, because the average consumption may actually go down."

    http://sustainability.stackexchange.com/questions/3142/what-is-the-ipat-identity-and-does-it-still-matter

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...