07 março 2014

Insólito: o Egipto e o Novo Mundo

Navegando pela internet não é difícil encontrar teorias de todos os géneros que conseguem pôr em correlação o Antigo Egipto e a América Pré-Colombiana. Mas haverá algum fundamento nisso?

O assunto é complexo. Sabemos que os Fenícios tinham circum-navegado o continente africano e temos prova disso; agora, partindo do Mediterrâneo é muito mais rápido alcançar a América do que não dobrar a África do Sul: é suficiente uma tempestade no meio do Atlântico para embater no Brasil, foi assim que Pedro Álvares Cabral ré-descobriu a América do Sul no ano 1500.

Mas a tempestade foi um acaso. Haverá outras provas ou indícios?
Sem tratar dos alegados achados (inscrições, estátuas, moedas, etc.) supostamente espalhados pela América, vamos observar algumas interessantes analogias entre os povos pré-colombianos e o antigo Egipto.

Óbvio, as pirâmides.
Na verdade esta semelhança não é significativa: a forma piramidal é a mais simples e estável quando a ideia for construir um edifício elevado sem ter a moderna tecnologia. Por isso as piramides podem ser encontradas um pouco por todo o mundo, não apenas no Antigo Egipto e entre as civilizações pré-colombianas. 


Múmias?
O desejo de preservar o corpo também teve várias manifestações: na China e nas Ilhas Canárias, por exemplo.
Tanto a civilização Egípcia quanto as pré-colombianas acreditavam na vida além da morte. Eu também, mas sou de Génova.

Os sarcófagos antropomorfos (de forma humana) não são uma exclusiva dos Egípcios, dos Pré-Incas ou dos Incas. Etruscos, Gregos e romanos, por exemplo, faziam o mesmo.

Eis algo não exclusivo mas um pouco mais específico: no Antigo Egipto e nas civilizações pré-colombianas, os defuntos de nível social particularmente elevado eram cobertos com mascara de ouro.

Isso é interessante: a colocação dum animal no lugar do Terceiro Olho. Ambas as culturas indicavam assim o poder do "olho da mente", símbolo da iluminação espiritual.

Ambas as culturas têm usado o símbolo solar como parte central do sistema religioso. No Egipto, o era o deus do sol Ra, no Peru era Inti. Em ambas as culturas, o deus do sol representa a nossa alma, a nossa parte divina: voluntariamente decidimos tomar forma material (na verdade eu não lembro disso), mas agora vivemos numa amnésia que faz esquecer o nosso verdadeiro eu espiritual (ahhhh, é por isso).



Esta é uma imagem importante: não porque típica das civilizações Egípcias ou pré-colombianas, mas porque particularmente difundida num grande número de culturas antigas. É o Deus da Vara, que nada mais é senão uma proto-cruz. O facto desta ícone ser conhecida em ambos os lados do oceano em tempos tão remoto obriga a pensar.

Ambas as culturas têm utilizado animais posicionados simetricamente para evocar o poder do Terceiro Olho. Mas a representação simétrica de animais, mais uma vez, não é única do Antigo Egipto e dos pré-colombiano.


Ambas as culturas representaram divindades capazes de flutuar no ar. Outra vez: não forma as únicas.

Eis algo peculiar: tanto no Antigo Egipto quanto entre as civilizações pré-colombianas era praticado o alongamento dos crânios das crianças. Esta prática bizarra é ainda alvo de discussão entre os estudiosos. Mas o facto de ser um traço comum é sem dúvida deveras interessante, pois não era algo tão difundido entre as outras culturas.

Os obeliscos decorados, pelo contrário, eram bastantes difundidos: desde os menhir da Idade da Pedra até os totem dos povos ameríndios, exemplos não faltam.

Tanto o povo do Antigo Egipto quanto aqueles das civilizações pré-colombianas utilizavam portas de forma trapezoidal, símbolo da subida espiritual, mas também mais simples e seguras de serem construídas (é um conceito parecido com o das pirâmides). Infelizmente, nem a presença de duas cobras simétricas por cima duma porta é muito significativa: a cobra é um bicho esticado que parece mesmo ter sido criado para acabar no lintel (contrariamente à girafa, por exemplo).

E os prédios em forma de secção piramidal? Mesmo discurso das pirâmides? Sim. 


A figura de esquerda faz lembrar alguém que digeriu mal, mas a parte interessante aqui fica outra vez
na parte superior da cabeça: é o círculo que indica o já citado Terceiro Olho, algo recorrente nas representações de ambas as culturas.

Então? Então falta uma prova definitiva que possa demonstrar um contacto entre a cultura do Antigo Egipto e aquelas dos povos pré-colombianos. Nenhuma destas imagens contém algo único, incontroverso, que possa pôr a palavra final: a maior parte dos elementos (quase todos, em boa verdade) pode ser encontrado em outras civilizações e em outros tempos.

Todavia, podemos observar a importância do conjunto, não dos vários elementos: é normal que todos estes aspectos fossem partilhados no Antigo Egipto e entre os povos pré-colombianos? Isso, de facto, torna o discurso bem mais interessante mas também mais complicado: será que os elementos acima ilustrados (a forma piramidal, o sarcófago, o Terceiro Olho, etc.) são passos "normais" ao longo do desenvolvimento duma civilização?

Dito de outra forma: é normal que uma cultura, numa determinada altura (considerada a respectiva janela espaço-temporal), desenvolva prédios de forma piramidal? Ou o sarcófago? As múmias?

Podemos pensar que não, não é normal: há aqui elementos demasiado peculiares para serem o simples fruto da normal evolução, sobretudo se considerarmos o conjunto.
Ou podemos pensar que sim, que é normal: e é por isso que muito elementos são partilhados por culturas tão diferentes, além da egípcia, inca ou pré-inca.

Deixo aqui a minha ideia (por aquilo que vale): não sei se houve contacto entre estas duas culturas, mas penso que muito daquela que hoje consideramos História será ré-escrita cedo ou tarde.

Os povos antigos tinham muitas mais capacidade de movimentar-se daquela que hoje tendemos a acreditar. Tal como Heródoto ridicularizava as afirmações dos Fenícios que defendiam ter circum-navegado a África, como lembrado antes, hoje nós achamos impossível a realização de antigas viagens intercontinentais; depois descobrimos que de facto houve contactos entre os habitantes do antigo Chile e os povos da Polinésia e ficamos pasmados.

Da mesma forma, não é absurdo imaginar que os pontos de contacto entre o Antigo Egipto e os povos pré-colombianos possam ter tido uma raiz comum. Mas para que isso seja oportunamente investigado, será preciso que a Ciência abandone alguns dogmas "sagrados".


Ipse dixit.

4 comentários:

  1. A primeira conclusão que se chega é que os artistas egipcos eram muito melhores que os pré colombianos.
    A raiz comum foi o que restou da Atlândida e que transferiu para esses dois povos a cultura e o conhecimento da manipulação da matéria, da gravidade, entre outros, que foram mais tarde expressos nas lendas que deram origem as religiões que conhecemos e outras já apagadas.
    A partir do Egito esse conhecimento foi em parte "roubado" por um seleto grupo que deu origem a instituições que sempre se esforçam para ocultar a verdade. Por tal motivo os povos pré colombianos foram varridos da terra quando descobertos pelos europeus.
    E por ai vai a humanidade cumprindo a risca o objetivo desse grupo, ressistiremos bravamente ao próximo cataclismo.

    ResponderEliminar
  2. Complementando : http://ultimasnoticiasnew.blogspot.com.br/

    http://www.youtube.com/watch?v=THY-1iJdI48

    ResponderEliminar
  3. anónimo 567.3.14


    É um tema muito interessante as semelhanças destas 2 grandiosas culturas, que como todas tiveram o seu apogeu e consequente decadência e morte.

    Muito mais interessante seria descobrir os grandiosos mistérios que elas ocultam.

    Assim como a existência e destruição da Atlântida,
    Enorme Continente que cobria em sua totalidade ao oceano que leva seu nome e conectaria o Continente Americano com este lado do Mundo.
    É um tema que daria "panos para mangas".

    Contam antigas tradições que se projetava até os Açores e Nova Escócia e descendo até onde hoje é o Brasil.


    Mas isto e muito mais que teria de ser agregado.
    Seria difícil de documentar num pequeno comentário.


    Por outro lado, "A cada dia vão se do descobertas pirâmides nos rincões mais insuspeitos: na Bósnia, na China, na Amazônia, Canárias etc. Uma das mais espantosas foi a recente descoberta de uma estrutura semipiramidal gigantesca, submersa no oceano."
    As construções encontram-se na costa da Ilha de Okinawa. São gigantescas, não são fruto da erosão do mar ou obra do acaso. São restos de uma cidade e uma pirâmide.

    Cada bloco tem mais de 8 metros de altura e pesa centenas de toneladas, maiores que os blocos da pirâmide de Quéops, no Egito."

    ResponderEliminar
  4. Anónimo11.3.14

    Existe na história contada muita coisa que não encaixa com os legados deixados em todas as partes do mundo. A juntar aos exemplos acima, pode-se mencionar as paredes de Cuzco (Peru) de identica técnica com paredes no Egipto.
    Mas existe algo, que une todas as antigas civilizações. Algo que é adorado em todas como se fosse "mítico": o Ouro!
    Porque todas as civilizações dão assim tanta importância a esse metal?
    E já agora Max, se estamos a falar de pirâmides, que tal a prometida Parte II deste episódio (ou seja para futuras civilizações acabarem :-D ): http://informacaoincorrecta.blogspot.pt/2011/03/os-segredos-das-piramides-mais-ou-menos.html

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...