02 abril 2014

Avião? Não: lixo

Desde o seu desaparecimento no dia 8 de Março, as autoridades de todo o mundo estão à procura dos restos do vôo 370 da Malaysia Airlines. Os satélites encontram pedaços de avião aí, outros lá, mas afinal tudo não passa de lixo. Muito lixo. Ilhas de lixo no meio do oceanos. E não pequenos lixo, mas peças tão grande que podem ser confundidas com pedaço de avião.

Nesta imagem tirada pelo satélite Thaichote em 24 de Março de 2014 e publicados no seguinte dia 27 pela Geo-Informatics e pela Space Techonology Development Agency (GISTDA) é mostrada uma parte dos cerca 300 objectos que flutuam no Oceano Índico, na área de pesquisa do voo. Obviamente, os visíveis são apenas os objectos de dimensão maior, os que flutuam no sul do Oceano Índico, cerca de 2.700 quilómetros ao sudoeste de Perth, na Austrália.

Afirma o cientista Sanjayan, da Conservation International
Não é como procurar uma agulha num palheiro. É como procurar uma agulha numa fábrica de agulhas. Parte de detritos entre os biliões que flutuam no mar.
Grandes manchas de lixo presas em espirais gigantes têm sido objecto de surpresa por mais de uma década. Os turbilhões oceânicos são enormes, grandes correntes que acumulam detritos flutuantes em autênticas ilhas. Charles Moore, oceanógrafo, foi o primeiro que em 2003 chamou a atenção sobre o problema após ter descoberto uma enorme extensão de detritos no meio do Pacífico Norte, extensão baptizada Great Pacific Garbage Patch, que podemos traduzir como "Grande Mancha de Lixo do Pacífico").

As correntes que circulam entre a costa oeste da América do Norte e a costa leste da China e da Rússia reúnem garrafas de plástico, bolsas, equipamentos de pesca, restos de recipiente e outros tipo de lixo, basicamente de material plástico.

O plástico não é biodegradável (pelo menos, a maioria dele) e aí fica, flutuando. Mas nem o vidro, o nylon, as beatas de cigarro, as latas de alumínio, as fraldas desaparecem: simplesmente flutuam e acumulam-se.

Denise Hardesty, pesquisadora da agência científica australiana CSIRO, disse ao Australian Post que há entre 12.500 e 17.500 peças de plástico por quilômetro quadrado nas águas da Austrália:
Serão necessários pelo menos 400 ou 500 anos para que tudo estes tipos de plástico fiquem partidos.
Mas atenção, pois o plástico partido não desaparece: simplesmente fica reduzido em pedaços mais pequenos.
Pedaços cada vez menores que podemos encontrar no plâncton.
Então percebe-se facilmente que não é apenas um problema do meio -ambiente (já por si particularmente grave), pois o plancton está na base da cadeia alimentar marinha: do planconto para a nossa mesa, o passo é curto.


Com biliões de pessoas que vivem perto das costas de todo o mundo, os dejectos humanos despejados nos oceanos inevitavelmente migram até alcançar os peixes. Como diz ainda Sanjaya:
O mundo está a usar o oceano como se fosse uma sanita, e depois espera que esta sanita o alimente.
E não é apenas uma questão de lixo.
A cada ano, são 100 milhões de contentores que travessam os oceanos, milhares deles afundaram no mar. No início da pesquisa foram encontrados algumas grandes itens que pensava-se pudessem ser parte do avião da Malaysia Airlines, quando afinal eram partes de contentores à deriva no mar aberto.



O lixo marinho é constituído por uma grande diversidade de materiais que se degradam lentamente, o que torna a situação cada vez mais grave. Cerca de 70% de todo o lixo marinho é constituído por plásticos e os restantes 30% correspondem a outros materiais, como vidro, papel, metal, têxteis entre outros.

Do diário Expresso:
Há diversas estimativas sobre o seu tamanho - há cientistas que lhe chamam o sétimo continente, tal é o tamanho desta mancha flutuante de lixo com três vezes a dimensão da Península Ibérica. Já foram encontradas ilhas de lixo em todos os giros do oceano, com dimensões variáveis.

De acordo com as Nações Unidas, cerca de 80% de todo o lixo que se encontra no mar teve origem em terra. É proveniente de despejos realizados por países à "beira-mar plantados" e 20% resultante de embarcações marítimas, plataformas de exploração de petróleo e gás natural e aquacultura.

De acordo com Isabel Palma Raposo [investigadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa. ndt], "as principais soluções ou medidas a tomar assentam essencialmente no princípio de prevenção". "É muito importante sensibilizar e corresponsabilizar", acrescenta.

"Os resíduos marinhos são um problema complexo, onde as responsabilidades são pouco claras e os seus custos divididos de forma desigual. Por ser um problema global e sem fronteiras, as soluções devem envolver parcerias internacionais, mas com o desenvolvimento de ações a nível nacional e local", diz.

"A limpeza de oceanos é algo muito dispendioso, pois são necessários vários recursos. Os oceanos são sistemas dinâmicos - as zonas de convergência de lixo não permanecem inalteráveis. A remoção de lixo do oceano iria ter um impacto muito significativo na vida marinha existente no local e a solução poderia ser tão ou mais prejudicial que o problema", conclui a investigadora.
Há vários Países que poluem o mar de forma indiscriminada, e não apenas aqueles em via de desenvolvimento. Conclui Sanjayan:
Todo o lixo que está a acumular-se nesses países - especialmente aqueles com uma baixa altitude, sujeitos a inundações - é transferido periodicamente para o oceano.
E daí nas nossas mesas.
Não é a primeira vez que o blog trata deste assunto. Lamento ser repetitivo, mas acho o que se está a passar um crime, do qual todos somos responsáveis e do qual cedo ou tarde iremos pagar as consequências (se não é que já as pagamos). A nossa é uma sociedade que destrói antes e só depois, em última análise, tenta remediar (e nem sempre).

E é absurdo que seja necessário o desaparecimento dum avião para que os meios de comunicação falem do assunto. E se esqueçam dele muito rapidamente.


Ipse dixit.

Relacionados: A Ilha de plástico

Fontes: KRCR News, Greenpeace, Expresso, Climate Progress

4 comentários:

  1. Fazes bem em relembrar o lixo oceanico, como também já existe o lixo espacial.

    ResponderEliminar
  2. maria3.4.14

    Olá Max:desde que inventaram produtos não biodegradáveis, e os tornaram objetos de consumismo desenfreado, como são as garrafas pet,e os sacos plásticos, como exemplo, o destino do mar e seus habitantes estava traçado, ou seja, ser um gigantesco lixão a céu aberto, mais um sinal da degradação da civilização. Abraços

    ResponderEliminar
  3. olá max grata por responder ao meu outro comentário.
    Diz um outro visitante desta página,fazes bem em lembrar,eu apesar de uma parte de mim concordar,aquela parte que tem esperança,aquela esperança parva sem bases nenhumas onde se apoiar.A outra parte ri-se às gargalhadas e diz lembrar para quê? algo vai mudar?Não,não vai.Temos duas hipóteses,continuar como até aqui e nada fazer querendo apenas passar para o patamar dos degenerados,lá estamos convencidos, que estamos a salvo,se fizermos parte dos vírus podemos atacar à vontade pois nada nos vai afetar,só que passar a ser vírus não é fácil, faz parte da propaganda de controle fazer-nos acreditar que se dermos sangue,suor e lágrimas chegamos lá, como eles chegaram.É mentira o que vamos ganhar, é uma dívida ao banco e uma dor de costas,mas penso que os vírus teem um plano,outros hospedeiros,estão pesquisando outros planetas,estão convencidos,que se safam e os hospedeiros estão convencidos que se os deixarem bem gordinhos eles os preservam até arranjar outros hospedeiros mais dóceis,e aí os deixam virar vírus também.
    Segunda hipótese atingimos uma massa crítica,suficiente que provoque uma mudança radical a nível mundial,onde a maior parte da população sai do sistema não por ser obrigada, mas em consciência por acreditar que é a única saída,disposta a viver só do que a terra lhe der para comer,disciplinando-se para treinarmos poderes latentes que toda a vida tem (como a telepatia)(e quem conduz pense se não sabe o que o condutor da frente vai fazer ou se num cruzamento onde não tem prioridade,se sabe de antemão o condutor que o vai deixar passar ou não,o que é isso senão telepatia),aí talvez o planeta se regenere,e poderemos usufruir da maravilha que é a vida,abundante,fertil,pois assim os vírus sem alimento morrem à fome .pois quem está alimentando o sistema somos nós.

    ResponderEliminar
  4. Pois aqui na midia saiu que eram "artefatos de pesca", ningém falou em lixo.
    Mas quero acrescentar que todo esse lixo que se vê e flutua é reciclável, muito pior é o lixo que não se vê, ou seja a poluição química causada pelos muitos remédios de uso continuo e hormônios usados sem pudor pelas industrias.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...