16 abril 2014

Eis o Triclosan

São coisas que acontecem.

Utilizamos uma substância ao longo de anos, às vezes décadas, e ficamos descansados porque o mundo científico já emitiu o parecer: "Aquela substância? Uh, é toda saúde, tranquilos, não faria mal a uma mosca".

Passa o tempo e eis que um bom dia chegam uns outros cientistas: "Lembram-se daquela substância que não faria mal a uma mosca? Olhem, é assim: as moscas de facto estão bem, o problema são todos os outros...".

Como afirmado: acontece. Paciência.
Esta é a vez do Triclosan.

O nome é importante. "Tri" faz lembrar algo que actua não uma, mas três vezes (porque se pouco faz bem, muito só pode ser melhor). Depois há o "san", que faz pensar a algo cheio de saúde. O único problema é o "clo" que fica no meio: parece o início de cloaca, que em latim significa "esgoto". E acreditem: não é um mero acaso.

Se o Triclosan fosse apresentado por aquilo que é, um derivado do clorado de fenol com uma estrutura química semelhante à da dioxina, talvez as pessoas pensassem duas vezes antes de utiliza-lo. Mas o nome é bonito, e depois há sempre Wikipedia:
Triclosan ou triclosano é um agente anti-séptico efetivo contra bactérias gram negativas, bem como gram positivas. É eficaz também contra fungos e bolores. É encontrado em medicamentos, sabonetes, loções, desodorantes e cremes dentais.
Apresenta boa tolerância para uso na pele e cavidade bucal em baixas concentrações.
Pronto, já não há dúvida: o Triclosan é uma maravilha.
Mas não: o Triclosan não é uma maravilha, bem pelo contrário.

Staphylococcus aureus
Presente em muitos produtos pela higiene (em particular higiene da boca) o Triclosan pode abrir o caminho a algumas bactérias, em particular ao simpático Staphylococcus aureus, predispondo algumas pessoas a uma infecção.

Tudo isso foi descoberto por pesquisadores da Universidade do Michigan, que conduziram um estudo publicado no mBio, a revista da Sociedade Americana de Microbiologia.

O Triclosan foi detectado no canal nasal de 41 % dos adultos da amostra analisada. E este 41% eram também os que mais colónias de S. aureus tinham. Observam os autores:
É muito comum em sabonetes, cremes dentais e colutórios bucais, mas não há nenhuma evidência de que funcione melhor do que os normais ingredientes das sabonetes. Além disso, pode ter consequências inesperadas nos nossos corpos, promovendo a colonização nasal do Staphylococcus aureus e colocando, assim, algumas pessoas em maior risco de infecção.
Tá bom, mas afinal o que faz este Staphylococcus aureus?
  • Síndrome de choque tóxico
  • Gastroenterite estafilocócica (vómitos, diarreia aquosa, dores abdominais).
  • Síndrome da pele escaldada estafilocócica: (zonas vermelhas dolorosas em redor da boa, bolhas de líquido na pele)
  • Impetigo (uma infecção da pele, com uma mácula que progride para pústula cheia de pus).
  • Foliculite (uma infecção com pus de um folículo piloso)
  • Endocardite (infecção no coração, com febre, dor no torax e mortalidade de 50%)
  • Osteomielite (infecção da matriz interna óssea).
  • Pneumonia.
Não é que uma pessoa lave os dentes com o Triclosan e fique logo com uma endocardite. Mas há indivíduos que podem ficar mais expostas aos perigos duma infecção: e depois, porque raio temos que ter uma colónia de bactérias malandras no nariz?

E nesta altura pergunta o sagaz Leitor: "Mas quais são os produtos que contêm o Tricoiso?".
Triclosan, começamos a chamar as coisas com o nome delas: Triclosan, e que raio.

O Triclosan encontra-se nas seguintes pastas dentífricas:
  • Iodosan
  • Mentadent
  • Colgate Protecção Total (o meu!)
  • AZ
Não se encontra nas seguintes marcas:
  • Pepsodent Fluor Fresh
  • Oral B
  • Elmex
  • Sensodyne
  • Aquafresh Tripla Acção
  • Isodent
Estes últimos, todavia, têm outras substâncias indesejadas, como o dodecil sulfato de sódio (irritante) ou o dióxido de titânio, cujo potencial cancerígeno ainda não foi estabelecido.
Depois haveria o problema do flúor também: faz bem, faz mal, baixa o QI?
Ou seja: de produzir uma pasta dentífrica que limpe e basta nem se fala...

Uma lista de todos os produtos com Triclosan pode ser encontrada na página do Dr. Bem Kim.
Quem é o Dr. Bem Kim? Não faço ideia, mas tem uma página com todos o produtos que contêm Triclosan.

Pergunta novamente o sagaz Leitor: "Mas então existirá uma pasta dentífrica que limpe sem conter produtos potencialmente prejudiciais (como os irritantes, por exemplo)?".

Boa pergunta.
E de facto parecem existir, até mais do que uma, todas para ter dentes brancos como aqueles duma caveira. Mas disso vamos falar no próximo artigo: "Dentes brancos para fazer inveja a uma caveira".
Ou algo assim.
 

Ipse dixit.

7 comentários:

  1. Eu escovo minhas jóias com pó de Joá, pó da casca do juazeiro, planta nordestina, fim dos problemas.
    produzido pela NATUREEEZA>

    ResponderEliminar
  2. grata pelo artigo
    eu como há algum tempo desconfio que me andam a enganar em tudo,faz uns aninhos, poucos infelizmente,
    que só uso bicabornato de sódio
    em toda a limpeza corporal
    excepto o cabelo que ainda não descobri produto eficiente,que não seja de compra,mas ando a fazer experiências
    abraços

    ResponderEliminar
  3. Aliás produto que tenha no rótulo,anti-bacteriano,eu não compro
    eu e as bactérias vivemos em simbiose no planeta desde sempre,por isso o que é mau para elas é mau para mim

    ResponderEliminar
  4. Rafael Veloso17.4.14

    Boa noite, apesar de regularmente ler o blog e a 1a vez que comento.Parabens pelo blog! Comeco por dizer que faco investigacao na area de S.aureus, mais precisamente relacionado a endocardite...este estudo e bastante pertinente, e pelo que pode ler (pouco) bem feito o que infelizmente nem sempre e o caso. tenho visto algumas coisas...e mostra mais uma vez todas as falhas (ou nao...) nos sistemas de aprovacao/regulacao deste tipo de produtos e omesmo se passa ao nivel dos medicamentos...mas gostaria de acrescentar algo:

    1- este estudo so e feito numa area especifica, e poucos pacientes, para ser "validado" precisa que os dados sejam reprodutiveis noutras areas e com outros pacientes.


    2- esta amplamento demostrado na literatura que a colonizacao nasal por S. aureus e muito "flutuante", ou seja hoje uma pessoa e portadora-sa mas amanha pode nao ser. e ainda nao sao conhecidos os mecanismos que levam a isso.

    3- pela literatura e possivel saber que o facto de ser portador sao nao protege contra futuras infeccoes por uma serie de razoes, mas tambem nunca de mostraram que nos tornava mas susceptiveis. O que pode acontecer e que numa futura infeccao, na realidade seja uma"auto-infeccao". tambem e muito frequente a fonte de infeccao ser de alguem da familia. recentemente tivemos um caso no laboratorio, de um bebe com infeccao cutania transmitida pela avo que vive num pais completamente diferente e que viu o neto uma semana. por incrivel que parece a mae do bebe tem a mesma estirpe que a avo...por estas razoes e que em aguns paises todos os pacientes a entrada de hospitais sao testados, e as colonizacoes confirmadas sao tratadas.

    4- provavelmente o que acontece com esta molecula e que altera a regulacao da expressao de certos factores de virulencia, aumentado a capacidade de colonizacao, mas pode nao significar mais virulencia pois sao duas coisas diferentes e necessita de mais estudos.

    5- por fim, voce sugere no texto que a colonizacao nasal pode levar a endocardite, o que me parece muito pouco provavel e um pouco alarmista. as endocardites a S.aureus estao bem identificadas com certas populacoes (hemodialise, drogas injectaveis, valvulas prostecticas...) onde existem mais problemas sistemicos que verdadeiramente maior capacidade de infeccao pela parte de S.aureus uma vez que e comensal. o que esta bem descrito na literatura e tambem o facto de acontecer frequentemente associado a cateteres
    venosos. sabesse hoje que a profilaxia com antibioticos nao e eficaz, e por exemplo eu trabalho em projectos que tentam encontrar alternativas e um dos que melhor resulta e a aspirina em combinacao com clopidogrel que sao duas moleculas que grande parte da populacao mais idosa toma para problemas de tromboses...Concordo com a ideia "mais natural e mais limpa"e quase de certeza a resposta para todos os nossos problemas esta ai.

    Espero ter ajudado na discussao e continuem com o bom trabalho.

    Abracos,

    ResponderEliminar
  5. Olá Rafael Veloso!

    Em primeiro lugar: muito obrigado pela participação enriquecedora.

    Infelizmente esta não é de todo a minha área, mas fico satisfeito em saber que o estudo parece respeitar alguns critérios de "bondade" científica, por assim dizer.

    "está amplamento demostrado na literatura que a colonizacao nasal por S. aureus e muito "flutuante"

    Então isso significa que as colónias aparecem e podem desaparecer. Interessante, não sabia mesmo.

    "provavelmente o que acontece com esta molecula e que altera a regulacao da expressao de certos factores de virulencia, aumentado a capacidade de colonizacao, mas pode nao significar mais virulencia pois sao duas coisas diferentes e necessita de mais estudos."

    Faz sentido. Os artigos encontrados não falam de virulência, mas só de colonização.

    "por fim, voce sugere no texto que a colonizacao nasal pode levar a endocardite, o que me parece muito pouco provavel e um pouco alarmista. as endocardites a S.aureus"

    Esta é uma boa notícia. Mas então abuso da sua paciência e pergunto: afinal quais no seu entender os riscos associados ao Triclosan (e relativas colónias de S.a.)? Pode haver riscos ou trata-se duma hipótese remota?

    O problema é que estes artigos de divulgação, republicados pelos media, deixam sempre margens para as dúvidas e a informação alternativa (como Informação Incorrecta) tem os seus limites.

    Neste caso, por exemplo, temos um estudo, conduzido por uma instituição conceituada, que alerta para o perigo da formação de colónias de S.a. na cavidade nasal. Tudo bem, mas do ponto de vista prático isso o que pode significar?

    Os Leitores que costumam utilizar um dos produtos citados fariam bem a mudar ou esta é uma medida que podemos considerar excessiva?

    "Espero ter ajudado na discussão"

    Pode bem crer.

    Abraço!!!

    ResponderEliminar
  6. Rafael Veloso18.4.14

    Bom dia Max!

    Ontem li o artigo um pouco na diagonal, e nao encontrei nada que possa dizer que seja errado ou que poderia ter sido feito de outro modo.

    Mas volto a dizer que so com este estudo nada podemos dizer acerca da populacao em geral, sera necessario estudos multicentricos em diferentes paises/continentes. Mas algo que julgo importante e que tem sido desenvolvido nos ultimos anos, e identificar individuos que sao "geneticamente" mais susceptiveis a certos tipos de infeccoes pois possuem pequenas variacoes nos genes que codificam para os receptores que as nossas celulas usam para identificar os "invasores".Se calhar se analizarmos estes pacientes eles pertencem a este grupo. Dai ser importante fazer estudos acima referidos, e se possivel tentar verificar estas caracteristicas.

    A colonizacao de SA e bastante "flutuante", nao so pela colonizacao ou nao, mas tambem no background genetico da estirpe. Existem estudos que mostram que um paciente chega a um hospital com a estirpe SA x, mas passados alguns dias ja tem a estirpe y porque e essa que "circula" no hospital. E ainda mais interessante, e o facto de existirem estirpes capazes de "saltar" entre diferentes especies de hospedeiros (ex: homem-vacas, e vice-versa) apenas com pequenas aquisicoes de DNA.

    Em termos de colonizacao nasal com SA so me preocupa aquela que e causada por SA resistente a meticilina (MRSA), uma vez que sem este antibiotico e muito dificil tratar possiveis infeccoes.

    ResponderEliminar
  7. Rafael Veloso18.4.14

    Por um lado, em alguns casos colonizacao ou aderencia a tecidos ou celulas pode significar aumento de virulencia, mas no caso do nariz nao parece ser o caso.

    Quanto aos riscos desta molecula, na minha opiniao podem ser elevados em casos de pessoas geneticamente susceptiveis em caso de "auto-infeccao", nomeadamente com os MRSA, ou entao se o mesmo efeito for demosntrado em outro tipo de modelos e infeccoes mais graves. Nao me parece que seja algo a negligenciar, mas tambem nada alarmante (por enquanto) mas exige-se mais estudos. Por exemplo certos tipos de antibioticos em baixa concentracoes podem ter efeitos semelhantes, e esse e um dos perigos do consumo excessivo de antibioticos em conjunto com a seleccao de resistencias.

    Os media gostam deste tipo de artigos, sao mais ou menos alarmistas e por vezes sao "interessantes" para alguns...penso que voces ganhariam muita qualidade se de vez enquando pedissem algumas opinioes externas para elucidar certos temas em que possam nao ser especialistas.

    o facto de ser uma instituicao conceituada nao quer dizer nada, existe muita "merda" em boas universidades e muita qualidade em universidades de "merda". Infelizmente, num meio que se quer de excelencia nem sempre sao premiados os melhores por que outros valores se levantam...onde trabalho nos ultimos anos tem sido uma "festa"...

    Neste momento estimasse que cerca de 30% da populacao esteja colonizada (diria que 90% sem problema) e o uso deste produtos poderia aumentar um pouco mais...mas tenho duvudas sobre as consequencias reais.

    os outros comentarios mostram algumas alternativas a estes produtos, eu tem utiliza algumas e para mim para a populacao geral servem perfeitamente. Quando existem infecoes graves, ai a coisa muda de figura...mas deixo uma dica, se algum dia sofrerem de uma infeccao cronica (tipo fibrose cistica ou mesmo MRSA) em que os "cocktails" de antibioticos nao curam dirijam-se ate a Georgia (pais) e la por cerca de 2000€ podem seguir tratamentos personalizados usando bacteriofagos que resolverao a maioria dos problemas sem grandes contra-indicacoes ou efeitos secundarios.

    So para rematar, o facto de estarmos colonizados por certas bacteria nao significa risco porque a maior parte sao comensais e que evolui-mos em simultaneo sem grandes problemas. Existe mesmo quem sugere que possam ser "escudos" para outro tipo de bacterias bem mais perigosas, e verdade que elimina-las pode nao ser uma boa ideia mas tendo em atencao caso a caso o estado da pessoa. E por isso que por exemplo tomar banho varias vezes por dia (sem motivo obvio) pode nao ser uma boa ideia :)

    Abracos!

    P.S. Gostaria de sugerir que fizesse um artigo sobre o recente referendo na suica sobre emigracao. Gostaria de saber a sua opiniao, e a dos comentadores habituais...

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...