13 abril 2014

Inúteis, caros e egoístas

Os Leitores já com uma certa idade deveriam ter o bom gosto de suicidar-se.

E quem não for Leitor deste blog? Também.

Não é um problema de discriminação: é um problema económico.
O facto é que a vida média tornou-se demasiado comprida, o aumento da longevidade torna os sistemas das reformas cada vez mais caros e isso tem um impacto negativo sobre as finanças públicas.

A análise é do Fundo Monetário Internacional (FMI) e está contida no Global Financial Stability Report ("Relatório de Estabilidade Financeira Global") que será apresentado na íntegra na próxima semana em Washington.

Não é a primeira vez que se fala do assunto, mas o FMI é o primeiro a pôr tudo preto no branco, analisando as consequências e publicando um documento que individua claramente os culpados.

Segundo o FMI, o impacto do alongamento da expectativa de vida sobre a "economia e as finanças públicas dos Estados é profundo e deve ser tratado":
Se em 2050 a esperança média de vida for colocada três anos a mais do que o actualmente esperado (em linha com a média do passado, no entanto subestimada), isso exigiria recursos extra equivalentes a 1 - 2% do PIB anual.
Para as economias avançadas, isto significa nos próximos 40 anos um custo adicional de 50% do PIB de 2010. E nas economias emergentes as coisas não estão melhor: mais 25% do Produto Interno Bruto.

Infelizmente, o FMI tem coração de manteiga, falta a coragem para encarar o problema duma forma simples e radical, apontando para algumas soluções problemáticas. Segundo os relatores, os governos devem " adaptar" os sistemas de protecção social, aumentar a idade de aposentadoria e reduzir a consistência das pensões públicas.

Que fique claro: não são más soluções, pelo contrário. É que desta forma tudo se torna mais complicado.
Senão vejamos.

Chatices

Queremos manter pessoas assim?
Aumentar a idade da reforma: justo, há pessoas que mesmo com 90 anos gozam duma boa forma
física e, mesmo que o cérebro não tenha a reactividade dos 20 anos, bem poderiam desenvolver papeis mais simples mas sempre úteis (um exemplo entre os muitos possíveis: transportar o carvão nas minas).

Reduzir a consistência das pensões públicas; mais do que justo, um reformado é uma pessoa que não trabalha, vive à custa dos outros. Dito de forma mais clara: é um parasita social.

Portugal, neste âmbito, já está muito à frente, com reformas que põem em causa a sobrevivência de muitos pensionistas. Mas este é um País pequeno e a maioria dos outros continua a permitir que os aposentados vivam com um certo desafogo, comprando não apenas comida mas até medicamentos e prendas para os netos no Natal.

Soluções válidas, sem dúvidas, mas que implicam o ter que enfrentar uma possível reacção negativa dalguns sectores da sociedade civil. Não é difícil prever manifestações nas ruas, sindicatos e associação que invocam uns genéricos quanto estéreis conceitos de "respeito", "solidariedade" ou, pior ainda, os fantomáticos "direitos".

Numa palavra: chatices, que em nada ajudam o crescimento do PIB.
  
Mas nem tudo é mau, pois no relatório do FMI há algumas sugestões que devem ser oportunamente realçadas: em primeiro lugar a financeirização dos sistemas de segurança e de pensões.

A panaceia: a Finança 

Sabemos que o actual mundo da Finança é um lugar criativo, onde não faltam ideias para maximizar riquezas que nem existem. Qual maravilhosa ocasião: o dinheiro destinado a pessoas em idade avançada poderia ser utilizado para ficar à disposição destes criativos e aumentar assim o lucro do sector.

Vantagem: algo corre mal? Paciência, em qualquer caso é dinheiro de pessoas que não teriam muitos anos de vida pela frente.

Por isso: venham os fundos de pensões, os produtos inovadores das companhias de seguro.

Parasitas e insolentes
Outra sugestão do FMI: redução dos benefícios económico-fiscais para os reformados.

Correcto: se eu, que trabalho, pago 100 um medicamento ou um exame clínico, porque raio uma pessoa que nada faz tem que pagar 50? Na verdade, todos deveríamos pagar 200, para ajudar a economia (que bem precisa) e as receitas fiscais do Estado também.

Como podemos observar, o FMI propõe um mix de soluções, deixando até uma certa liberdade de escolha. Em qualquer caso, a mensagem é clara: é preciso reformar os sistemas de welfare, envolver o mercado, procurar novas soluções. Assim não dá.

Mas tudo isso não resolve o problema de fundo: as pessoas envelhecem e deixam de trabalhar, tornando-se parasitas. O ideal e mais lógico seria reduzir as expectativas gerais de vida, limitar a longevidade.

Num caso como este, uma guerra daria imenso jeito, pois reduz o excesso de capital humano. Enquanto ficamos à espera: reformados, não sejam egoístas, adiantem o trabalho.

Digo e não digo

Como nota final, no início do relatório é possível ler o seguinte aviso:
Disclaimer:
The analysis and policy considerations expressed in this publication are those of the IMF staff and do not represent official IMF policy or the views of the IMF Executive Directors or their national authorities
que podemos traduzir desta forma:
Importante:
As análises e as considerações políticas expressas nesta publicação são do pessoal do FMI e não representam a política oficial do FMI ou a opinião dos Directores Executivos do FMI ou das suas autoridades nacionais.
Ou seja: o FMI publica um relatório, já disponível na página da organização e que será apresentado oficialmente em Washington, mas avisa que as análises e as considerações nele contidas não são do FMI, são do pessoal do FMI, e que aquela apresentada não é a política da instituição.

Portanto, o FMI faz algumas afirmações, mas ninguém poderá alguma vez acusar o FMI de tê-las feito, pois não eram dele mas só do pessoal dele. E nem olhem para os Directores Executivos do FMI, estes nem sabem do relatório e provavelmente ignoram até a existência de algo chamado FMI.
  

Ipse dixit.

Fonte: FMI - Global Financial Stability Report, April 2014 (link para o abstract e o download do ficheiro Pdf, inglês)

6 comentários:

  1. Anónimo13.4.14

    O FMI,ou melhor, o pessoal do FMI, ainda não se lembrou, quero dizer, lembraram, de fazer uma reciclagem aos pensionistas e transformá-los em ração para animais.
    Acredito que será uma questão de tempo.

    Esta afirmação é foi escrita por mim, mas não representa de forma alguma a minha personalidade jurídica.

    Krowler

    ResponderEliminar
  2. maria13.4.14

    Tá certo Max: o sistema é "quase perfeito". Os assalariados, aqueles sujeitos à pensões e aposentadorias (reformas) são os pobres a grosso modo, porque quem tem poder nunca foi assalariado ou reformado, para ter a sua vida financeira exposta e transparente nas redes do sistema de pagamentos e imposto de renda. Logo, urge por em prática, e já está sendo posta em lugares de "capitalismo mais avançado", medidas para corrigir esta desregulagem, tendo em vista que o sistema, quase perfeito que é, se retroalimenta. Já as pessoas mais criativas, inteligentes, trabalhadoras, ou seja, aquelas que souberam prosperar e, naturalmente, não são o populacho ignóbil, não são reformadas e nunca foram nem serão assalariadas. Elas têm função mais importante no sistema, elas o operam e recriam constantemente para o bem estar geral. Mas eu falei quase perfeito porque no sistema sempre há uma ou outra linhazinha de fuga por onde alguns engraçadinhos tentam escapulir, como eu por exemplo, utilizando metade da minha aposentadoria para espichar a minha longevidade, clareza mental, flexibilidade de movimentos e bela aparência. E há tantos outros fujões do populacho que descobriram antes que eu que ser assalariado é uma armadilha do sistema e não um direito como nos querem fazer crer. Abraços

    ResponderEliminar
  3. Anónimo13.4.14

    "...Não é um problema de discriminação: é um problema económico...."

    Sim, sem dúvida! E os autoproclamados '$enhore$ e Repre$entante$ do Mundo', pelo visto, tem várias abordagens para a questão. Se a longevidade diminuirá os lucros, o aumento populacional porá em risco os recursos naturais que tanto precisam. E como "criatividade" não lhes falta, implantam projetos (sempre para o bem do povo, é claro!) para resolver tais 'detalhes' que tanto aflige suas con$ciência$, a saber:

    Esterilização para reduzir a população...Simples, não?

    "Pandemias fictícias e leis sobre a vacinação forçada são a preparação para a esterilização completa da população excessiva da Terra". Afinal, como disse Henri Kissinger em toda sua $abedoria:

    “O mundo (np: faltou especificar o que ele entende por "mundo") depende cada vez mais dos fornecimentos de minérios dos países em desenvolvimento, e se o crescimento rápido da população violar as suas perspectivas do desenvolvimento econômico e do progresso social, a instabilidade que surge poderá minar as condições para a produção alargada e para o apoio da corrente constante desses recursos”.

    E assim o fizeram - esterilização forçada - p.ex, no Brasil *¹, Peru*² e Ruanda*³. E continuam a fazê-lo em vários países do mundo...

    Ver matéria em: http://bit.ly/1exTPOp

    (*1) No início dos 1990 o Ministério da Saúde brasileiro constatou que cerca de 44% de todas as mulheres brasileiras em idades entre 14 e 55 anos haviam sido esterilizadas.

    (*2) A política de esterilização em massa levou algumas regiões do Peru entrarem em crise demográfica.

    (*3) Em 2011, no Ruanda, começou a esterilização em grande escala, que abrange 700 mil homens. O programa está previsto para 3 anos e é totalmente financiado pela USAID (Agência de Desenvolvimento Internacional do Departamento de Estado dos EUA).

    Bob

    ResponderEliminar
  4. Anónimo13.4.14

    complemento ao meu comentário anterior...

    Um outro problema crescente será discernir entre 'eutanásia', 'suicídio assistido' ou..."homicídio piedoso"!

    :/

    Bob

    ResponderEliminar
  5. Mas esqueceram de lembrar que os maiores consumidores de drogas (legais) e gastadores com planos de "saúde" são justamente os aposentados.
    Cortar a grana deles é enviar muita empresa para o buraco, desencadear uma verdadeira crise economica, especialidade do FMI.

    ResponderEliminar
  6. Anónimo14.4.14

    ^^^
    Exactamente. Não é disso que vivem?

    Disclaimer:
    Quem escreveu isso foram os meus dedos (acessores vá), não representa de forma alguma o mestre (cérebro) e chefe eu e a minha pessoa de alguma forma.
    Nuno

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...