21 maio 2014

E paranóia e a ovelha


Uma rápida vista de olho no artigo, tanto para evitar os erros macroscópicos (os micro ficam por conta do Leitor lolol), carrego no "publicar" e pronto: "A paranóia dos escravos" já está.
Então abro internet e...oh não, not again...

O que escrevi no artigo anterior? "Ás vezes é complicado ser autor dum blog"? E não é só isso: ás vezes um gajo com um blog tem vontade de fechar tudo. Parece inútil, sem sentido. Mas quais backdoor, mas qual anonimado na internet? Estas são coisas primitivas, a realidade está muito mais à frente. Somos uma cambada de ovelhas sem rumo.

Ok, calma. Vamos explicar o desabafo.
O sagaz Leitor sabe como funcionam as coisas: há no planeta um grupo de pessoas, um grupo muito restrito, que sozinhas detêm a maior parte das riquezas do mundo. Esta não é uma das teorias da conspiração, são dados.

Sabemos também que estas pessoas utilizam vários instrumento não apenas para preservar as suas offshore, contas bancárias onde não é possível espreitar, onde não chega o olho dos investigadores e onde tudo pode acontecer porque protegido pelo segredo bancário.
próprias riquezas mas também para aumenta-las. Um exemplo: os paraísos fiscais, os

Não apenas este blog, mas todo o mundo da informação alternativa lançou dardos envenenados contra este sistema, que permite evadir as taxas, reciclar dinheiro e muito, muito mais.

Ora bem.
Agora leiam por favor este artigo, encontrado há poucos minutos:
A instituição do sigilo bancário está prestes à acabar, graças a dois acontecimentos que marcaram o início do fim: o ataque às Torres Gémeas e a crise financeira de 2007-2009.
Após 11 de Setembro, sob o pretexto da "luta ao terrorismo", Washington começou a ficar com cada vez mais acesso às informações sobre os clientes bancários, as contas e as operações deles", diz o economista russo Valentin Katasonov. O Patriot Act, aprovada após o ataque às Torres Gémeas, permitiu que a intelligence dos EUA pudesse aceder livremente às informações confidenciais, sem ter que obter a permissão dos juízes. Assim, através de organizações internacionais como a OCDE e o FMI, Washington começou a ter livre acesso a informações bancárias em todo o mundo.
O segundo evento, a crise financeira, deu origem a um processo de repressão contra as contas offshore e o sigilo bancário. Quem liderou a campanha contra o sigilo bancário e as contas offshore? Os Estados Unidos. Mas por trás das razões oficiais, a guerra contra o sigilo bancário esconde o desejo de controlar o sistema bancário mundial.
Sim, meus senhores, isso mesmo: afinal é precisa uma marcha atrás, pois o sigilo bancário é bom. Aqui podemos descobrir que não é uma forma de não pagar as taxas, de reciclar o dinheiro da droga: é uma arma contra a globalização, contra a intelligence dos EUA. E quem diz "intelligence" diz Illuminati, parece-me óbvio. Até temos um especialista russo: e os russo odeiam os americanos, por isso podemos ficar descansados.

De facto, nunca paramos de aprender, por isso continuamos a ler.
Quando, no auge da crise financeira, tornou-se claro que o Tesouro dos EUA não tinha dinheiro suficiente para cobrir os buracos maiores, escreve Katasonov, apareceu em cena a figura até então desconhecida de Bradley Birkenfeld, "um ex-funcionário do gigante bancário suíço UBS. Birkenfeld disse que havia muitos em bancos suíços evasores de impostos dos Estados Unidos e que os bancos estavam pronto a cooperar com as autoridades policiais dos EUA para descobrir estes evasores.
Com certeza: os EUA nunca sozinhos teriam imaginado que alguns evasores estivessem a utilizar
bancos suíços para fugir ao fisco, quem poderia nem sequer sonhar isso? Mas nem nos pesadelos mais atrevidos um tal cenário teria tomado forma.

Ainda bem que apareceu este Birkenfeld (que deve ser um agente dos Illuminati, porque aqui não somos todos ignorantes) que explicou que os bancos suíços teriam tido todo o gosto em cooperar. Não se percebe bem qual a razão, mas tudo bem, estes são pormenores.

Doutro lado, o Tesouro tem que tapar os buracos do abismal deficit federal, e com as receitas obtidas com os impostos dos evasores, o problema desaparece. Aliás, até sobram os trocos para um café.
É só fazer duas contas.
"As medidas mais recentes na abolição do sigilo bancário, acrescenta Katasonov, foi a assinatura, no início de Maio, duma declaração sobre a implementação de um intercâmbio automático de informações fiscais entre os Estados-membros da OCDE (34 países) e 13 outras nações. Mesmo Singapura e Suíça , os centros financeiros mais relutantes em frente à "normalização" do sistema, estão entre os novos participantes do programa".
"A segunda ferramenta , ainda mais poderosa na erosão do sigilo bancário mundial - escreve o economista russo - é a lei FATCA sobre a tributação das contas externas. A nova lei exige que os bancos em todo o mundo forneçam as informações do cliente estadounidenses se enquadram na categoria de "contribuintes norte-americanos". A FATCA pode ser considerada "uma tentativa de Washington de pedir a todos os bancos do mundo para eliminar totalmente o sigilo bancário". Todos os bancos, incluindo aqueles em Moscovo: "E a luz das sanções económicas norte-americanas que surgem no horizonte russo, atender a essas demandas pode ser problemático e não apenas inútil, mas também perigoso".
Resumindo: não importa se quem tiver dinheiro pode esconder as suas fortunas nos offshore, sem
pagar um tostão de impostos, enquanto a gente aqui tem que pagar até a última gota de sangue. O sigilo bancário é bom, nós protege dos maléficos planos dos Estados Unidos para dominar o mundo, portanto viva o sigilo bancário.

Doutro lado, o especialista é russo, podemos duvidar dum especialista russo? Fosse dos Estados Unidos, uhi, obviamente seria um agente dos Illuminati, um globalizador, provavelmente um fulano da Maçonaria ou até mesmo um Reptiliano (ou Annunaki, fica à escolha do Leitor) disfarçado; mas como é russo, deve ser bom.

Ah, não esperem: também na Rússia quem manda são os Illuminati! Ia esquecendo do plano de dominação global, que parvo. E esta não é paranóia, não, não, é mesmo verdade! Eis as provas:
  1.  
  2.  
  3.  
Pronto, contra provas destas não há muito para dizer, sobretudo o ponto nº 2 parece-me fundamental. 

E assim, fazendo ricochete entre ideias que até o dia anterior eram contrastadas e hoje defendidas,
vive o Leitor que gosta de tentar perceber o planeta à luz de quanto escreve a informação alternativa. Imaginem quem escreve, que tem de encontrar notícias sérias e depois torna-las algo com um sentido e, possivelmente, um mínimo de coerência.

A verdade é que desta forma, meus senhores, não vamos para lado nenhum. Somos uma cambada de ovelhas paranóicas.

E eu estou cada vez mais farto duma informação alternativa que diz tudo e o contrário de tudo, que defende causas perdidas, teorias alucinadas, nega o evidente e defende o absurdo. Talvez não seria mal abrir um blog de receitas culinárias.

Cozinha Incorrecta?
Informação na Cozinha?
Ah, e fiquem atentos a não ser espiados na internet! 
lololol...


Ipse dixit.

Fonte: Startegic Culture Foundation

9 comentários:

  1. maria21.5.14

    Olha Max: acho que em geral, gente desta época, cometemos um erro básico, qual seja confundir comunicação com informação. Vivemos num mundo de comunicação e desinformação, ou seja, se diz tudo e qualquer coisa com o nome de informação, quando absolutamente é apenas o fenômeno que nos confunde, a exarcerbação da comunicação. Percebendo a diferença, se trata de buscar evidências, pistas, rastros de informação fidedigna, sem medo, com segurança.Se deixa de ser infantilizado/a pelo sistema, se passa a rir dele, denunciá-lo mediante outras regras, que não aquelas que os grandes e pequenos poderes fazem circular em nós. Sigo ii porque me parece que funcionas nessa espécie de frequência desobediente no blog. Abraços

    ResponderEliminar
  2. Anónimo22.5.14

    Para quem gosta de teorias da conspiração a sério vejam o que têm escrito nos vossos zíperes e verão que num rácio de 9 em cada 10 têm as siglas YKK presentes.

    Só para descontrair...

    ResponderEliminar
  3. Anónimo22.5.14

    2Maria disse... e não sei como quase sempre diz bem!
    É isso mesmo não é necessária a culinária incorrecta.

    E cuidado com esses zipers YKK! LOL

    Abraço
    Nuno

    ResponderEliminar
  4. Anónimo22.5.14

    Não sei porquê, mas depois de ver as fotos deste post, fiquei com vontade de ir comprar uma camisola.

    abraço
    Krowler

    ResponderEliminar
  5. Pois é, acho que actualmente existe tanta informação que a carneirada fica baralhada. Para alguns, tudo é conspiratório ou forma de vigilância, controle... Tudo serve para controlar o povo, as mentes, o dinheiro, o mundo... Até irrita. Para outros, os cegos, tudo o que possas dizer para lhes abrir os olhos é teorias de conspiração, anti-informação. Mesmo com factos, toda a informação que possa destruir a bolha que criaram para verem o mundo como um sitio seguro e confortável é mentira, e não vale a pena lutar contra isso.
    Acho que é esse o objectivo de tanta informação e a facilidade de a obter: desacreditar a informação que realmente importa, que está espalhada no meio da "informação-lixo".
    É como alguns grupos do facebook: um estúpido tem uma ideia tão estúpida quanto ele. Partilha–a e descobre que existem 127 estúpidos que concordam. E o estúpido pensa: que ideia brilhante eu tive... Mas no final de contas é só uma parvoíce que faz os estúpidos unirem-se para se sentirem integrados e, quem sabe, um pouco inteligentes! lol

    ResponderEliminar
  6. Chaplin22.5.14

    Identificar e tentar contextualizar o funcionamento do poder global e sua dominação não considero como simples teoria. São fatos cuja história trata de mostrar com enorme clareza. Mas é como falar sobre corrupção, sempre está longe ou no tempo ou no espaço. E sem dúvida que a overdose de informação nos dias atuais tem como lógica editar assuntos secundários, entretendo as "ovelhas" com tudo o que não é verdadeiramente decisivo. O PROBLEMA NÃO É O QUE É INFORMADO MAS O QUE É OMITIDO!

    ResponderEliminar
  7. anónimo 5622.5.14



    Convém ter em conta como funcionam os mecanismos de desinformação e do que estamos a falar quando utilizamos o termo "Teoria da conspiração".




    "Quando se quer estudar e discutir esta temática de uma forma honesta e imparcial, temos de distinguir entre CONSPIRAÇÃO e TEORIA DA CONSPIRAÇÃO, pois são coisas bem diferentes.

    Conspiração - É um conluio secreto para qualquer fim, maquinação, trama.


    Teoria da Conspiração - É um termo sensacionalista criado no inicio dos anos 40 do século XX, pelos serviços de inteligência norteamericanos da altura, o OSS – Office of Strategic Services e o FBI, com a finalidade de se ridicularizarem noticias incómodas ao sistema vigente, colocando-as juntos de noticias ridículas em meios de comunicação social sensacionalistas que começaram a proliferar naquela altura."


    Daí até aos dias de hoje, as teorias da conspiração servem para desviar as atenções das verdadeiras conspirações.


    Promove-se e faz-se proliferar, em documentários, na internet, nos meios mais populares de comunicação, todo o tipo de teorias absurdas, onde se misturam informações verdadeiras com informações falsas, de maneira a confundir e ridicularizar aqueles temas sensíveis em que exista alguma suspeita fundamentada, provocando assim, em todos os que lhe queiram tocar, uma imagem de descrédito social e/ou académico, pelo seu "surrealismo" ou grande complexidade.

    Deles destaca-se o tema "extra-terrestres" ou um governo mundial cuja influência/domínio é transversal a todos os Países (ou quase todos...).

    Pretende-se também com esta acção de desinformação, associar a um "estigma" de pessoas "perturbadas" , a todos os que defendam alguma explicação ou teoria, fora dos interesses do "Status-Quo" vigente ou "mainstream" instalado nos média.

    Já existem até documentários propagando esse estigma ou preconceito pretendido.


    Para isso, valem-se da má imagem associada ás inúmeras pessoas de pouco critério, que se deixam enganar por tanto "Lixo" estrategicamente fabricado.





    Mais de 99% do que popula na Internet e nas livrarias sobre estas temáticas é contra-informação ou "teorias da conspiração", mas há também alguma informação, geralmente de mais difícil acesso.


    O mais difícil para a população normal, é precisamente não saberem discernir o trigo do joio, a informação da contra informação, sendo que para isso é preciso ter alguém desses meios que nos coloque no caminho certo da procura e das fontes fidedignas.

    ResponderEliminar
  8. anónimo 5622.5.14

    "Teoria da conspiração" usualmente é usada como um rótulo pejorativo, significando paranóico, doido, marginal, e certamente falso.

    O poder deste pejorativo é aquele que desfavorece uma teoria atacando as motivações e competências mentais daqueles que advogam a teoria.

    Rotulando uma explicação de um evento como "Teoria da conspiração", as evidências e os argumentos são dispensados porque provêm de uma deficiência mental ou moral de personalidade, e não porque tenham sido demonstrados ser incorrectos.

    Chamar uma determinada explicação de eventos "teoria da conspiração" na verdade, significa " Não gostamos de si, e ninguém deverá ouvir a sua explicação dos factos".

    ResponderEliminar
  9. anónimo 5622.5.14



    O colega do Blog ii "Nuno", percebeu bem a ideia (julgo eu) com aquele caso da karen hudes do Banco Mundial e os ET cabeçudos que ela afirma dominarem o sistema financeiro.
    Típico. Misturar informações credíveis com palhaçadas.

    Ora aqui temos mais uma forma de descredibilizar qualquer teoria que defenda o domínio financeiro do mundo por uma elite, orquestrado pela srª K.Hudes.

    Será que o facto de ser Hebraica será coincidência?...

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...