11 julho 2014

Em nome da Shell (o massacre diário)

No território das Repúblicas da Donetsk e Lugansk continuam as operações ofensivas do exército ucraniano: bombardeios indiscriminados têm consequências novas vítimas entre a população civil.

Como a utilização de misseis Grad, Uragan e SMERC, a cidade de Nykolaivka foi praticamente arrasada. Impossível determinar o número das vítimas, não existem ligações com a cidade.

Os bairros residenciais de Semyonovka e Slavyansk têm sido sistematicamente atacados pelo fogo de artilharia: a cidade é cercada e há atiradores que atingem os que tentam fugir da cidade de carro.

Tudo isso é Ucrânia.
Mas porque? Que têm de especial esta região? É só uma questão de prestigio, de unidade territorial?

Em Janeiro de 2013, sob a presidência de Viktor Yanukovyč, a empresa Royal Dutch Shell assinou um acordo com o governo ucraniano por 50 anos em condições muito favoráveis​. O objectivo era a divisão da produção resultante da exploração e da extracção do gás de xisto de Yuzosk perto da fronteira entre as regiões de Donetsk e Kharkov: uma zona rica em petróleo.

Em Junho de 2014, a gestão da Shell confirmou que os planos da empresa mantiveram-se inalterados: o início da exploração do reservatório é esperado após o conflito e a estabilização da situação.
Segundo o acordo, as disposições serão estritamente confidenciais para a duração do contrato. Ao fim deste período, o governo ucraniano não poderá recusar a extensão do mesmo contrato, que contém até as precisas coordenadas da área destinada ao trabalho.

É um território que de 7.886 quilómetros quadrados, que inclui a cidade de Slavyansk (localizado no centro da área interessada), Izyum, uma grande parte da Kramatorsk, bem como centenas de pequenos assentamentos: Krasny Liman, Seversk, Yasnogorka, Kamyševka, etc.

Nos termos do artigo 37.2 do acordo, as pessoas que vivem nesta terra devem vender as propriedades; em caso de recusa, será utilizada a força, obviamente em favor da Shell.

Todas as despesas de "apropriação do território" da empresa serão reembolsadas com os produtos da extracção. Para isso, o Estado é obrigado a garantir a aceitação de todas as resoluções necessárias por parte das autoridades locais.

Outras empresas envolvidas na exploração do gás de xisto da Ucrânia são:
  • a Eurogas Ucrânia, que faz parte da sociedade britânica Mc Callan Oil & Gas Ltd, por sua vez propriedade da americana Euro Gas;
  • a Burisma Holdings, da qual Hunter Biden, filho do vice-presidente dos EUA, recentemente tornou-se membro do conselho de administração.
Caso estranho, esta guerra civil dá imenso jeito: na prática, já começou a obra de demolição e de redução da população local; a Shell nem será obrigada a usar a força, Kiev está a adiantar o trabalho todo.

Mais tarde serão implementados os poços de extracção (previstos: entre 80 mil e 140 mil no total), o que implicará a destruição do terreno cultivável, a demolição de instalações industriais, edifícios residenciais, locais de culto, etc.

Acerca dos habitantes, é bom não esquecer que massacrar tem inúmeras vantagens, mas é preciso também pensar no futuro: alguém terá que ficar vivo para poder trabalhar nas instalações.

O novo prefeito de Krasny Liman, nomeado pelo governo golpista, já prometeu num futuro próximo "novos empregos" que possam substituir as empresas abatidas. O benfeitor? A Shell.

Suprimir a resistência dos habitantes de Donetsk e Lugansk e restabelecer o controle sobre o território, de acordo com alguns especialistas, é vital para cortar a Rússia da maior parte do mercado europeu do gás. Também há um sentimento de espera em relação ao próximo Outono: a Ucrânia e os apoiantes ocidentais não podem permitir-se um conflito sem fim, por isso são prováveis novas manobras para acelerar os tempos.

É emblemático o facto de que o Secretário-Geral da Nato, Rasmussen, falando no passado dia 20 de Junho em Chatham House (Londres), tenha acusado a Rússia de conspirar para travar a produção de gás de xisto; isso enquanto no dia 1 de Maio o Congresso dos Estados Unidos viu apresentado o projecto de lei cujo título é "Lei sobre a prevenção da agressão da Rússia - 2014".

Assim, o desejo de manter o controle duma zona extremamente importante do ponto de vista
energético justifica a guerra contra o povo de Donetsk e Lugansk, a guerra de extermínio, o massacre dos civis, o clima de medo que obriga as pessoas a deixar a sua terra natal para tornarem-se refugiados: a Shell e as outras empresas têm prioridade e o governo de Kiev está aí para cuidar dos interesses delas.

Não que a vida humana não tenha valor para estas multinacionais, longe disso: é que um barril de petróleo vale muito mais.

Na semana passada, com uma mensagem vídeo na internet, o ministro da Defesa da República Popular da Donetsk, Igor Strelkov, disse:
Se a Rússia não conseguir um cessar-fogo, ou se não será iniciada uma operação de manutenção da paz, Slavyansk, com a sua população de mais de 30.000 habitantes, serão destruída numa semana, no máximo em duas.


Ipse dixit.

4 comentários:

  1. Anónimo11.7.14

    A guerra, a maior desgraça inventada pelo homem sempre serviu aos grandes. Podem observar, tudo que não presta só interessa aos grandes, tais como roubos de carros e cargas, etc., índices alarmantes de assassinatos, violência que cresce sem freio, guerras medonhas, tráfico de drogas que acaba com a vida de quem cai no vício, mas que enriquece muitos, idem o tráfico de armas. É muita coisa prá destruir pessoas, famílias, nações e disso tudo, alguém sempre tira proveito e, sempre, alguém grande. Aos poderosos, se isso não interessasse, com certeza não mais existiria. Quem de nós deseja a guerra? Ninguém, podemos dizer. Mas se ela existe e se repete tanto, pode crer, alguém a deseja. Isso tudo só terá fim, quando Alguém, Maior do que todos os grandes, disser: Basta, porque nós, com nosso atraso e pouca fé, somos incapazes de construir a paz. Obrigada, Mara

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A guerra é a arma dos grandes covardes contra os fracos e oprimidos, a ganância do poder econômico mundial é insaciável.

      Eliminar
  2. Maria11.7.14

    Olá Max: não me lembro de genocídio ter sido utilizado como limpeza de terreno para implantação de campo de perfuração de petróleo. Mas, sem dúvida, técnica e economicamente bem pensado. Nada de aquisições, nada de brigas na justiça, contendas ecológicas e aquelas bobagens todas. A guerra é sempre uma grande solução econômico financeira. Se for uma inovação da Shell, vai pegar...bem pensado...quem não morre, vai embora engrossar as multidões refugiadas do planeta. Abraços

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...