10 julho 2014

O que é o PIB

Até agora falámos neste blog do PIB como da "riqueza produzida" num determinado País (o PIB
nacional) ou mundial (o PIB mundial). Mas o que é na verdade este raio de PIB?

PIB significa Produto Interno Bruto. Até aqui tudo bem: está aquele "bruto" que não promete nada de bom, mas por enquanto passe.

Eis agora uma definição de PIB:
o PIB é o valor de todos os bens e serviços produzidos na economia num determinado período de tempo, normalmente um ano civil.
Parece simples: junta-se toda a "riqueza" (bens, serviços) produzida num País no prazo de um ano e pronto, eis o PIB.
Vamos complicar.



Nominal? Real?

Existem duas medidas do PIB: o PIB nominal e o PIB real. Qual a diferença?
O PIB nominal mede o valor da produção com os preços do período em que foi obtido.
O PIB real mede o valor da produção com os preços dum ano-base.

Isso parece de facto um pouco mais complicado. Portanto, vamos simplificar.
Meu pai, nos anos '60, com 10.000 Lire (5 Euros de hoje) abastecia o carro na bomba da gasolina, enchia o depósito e até ficava com o troco que dava para comer fora com toda a família. Eu, com 5 Euros, tenho gasolina para chegar até a próxima bomba (com um pouco de sorte) e até faço a figura dum morto de fome.

Porque? Porque o valor do dinheiro muda com o tempo.

Se formos ver o valor do PIB dos anos '60 dum qualquer País, este seria terrivelmente baixo, porque na altura o dinheiro "valia mais" (com aspas). Portanto, o PIB nominal tem significado até um certo ponto, pois está ligado ao valor do dinheiro dum determinado período. Comparar o PIB nominal de 1964 e de 2014 não faz sentido, porque na altura, como afirmado, com 5 Euros enchia-se o carro, hoje o mesmo montante nem dá para remover as teias de aranha do depósito.

Portanto, se o desejo for fazer uma comparação, temos que utilizar o PIB real. Escolhe-se um ano mais próximo de nós e considera-se este valor como base de referência. É claro que após um tempo será preciso mudar esta base, pois o valor do dinheiro muda constantemente.

Pró!

Se dividirmos o PIB real pelo número de habitantes dum País, obtemos o PIB real pró-capita.

Esta é uma medida de valor estatístico que parece não ter muito sentido do ponto de vista prático: se o meu vizinho ganhar 1.000 Euros por mês e eu 0, a média será de 1.000 : 2 = 500 Euros por cada um, mas eu continuarei a não ver um tostão.

No entanto, este valor dá ideia do nível de vida num País.

Por exemplo:
O PIB per capita da Noruega é de 54.947 Dólares por ano.
O PIB per capita em Portugal é de 23.068 Dólares por ano.

Então, segundo estes dados, parece que na Noruega o nível de vida seja melhor do que em Portugal. E acreditem: é mesmo assim.

Mas como é calculado o PIB? Quais são os "ingredientes" dele? Bens, serviços...haverá mais?
Sim, há. E aqui o discurso fica mais complicado ainda.

Parte um pouco técnica

Na verdade existem 3 métodos para calcular o PIB. vamos ver quais com um exemplo.
Imaginemos um País com só duas empresas que funcionam.


Portanto, como afirmado, esta economia funciona só com duas empresas. Tipo Portugal, com a Autoeuropa (só não percebo qual possa ser a empresa metalúrgica). Agora vamos ver como é possível calcular o PIB de três formas.

Método 1. Valor dos bens/serviços produzidos na economia num determinado período de tempo

Os bens/serviços nesta economia são feitos por só pelos carros produzidos e vendidos pela empresa automobilística. O aço produzido pela indústria metalúrgica é considerado apenas um bem intermédio, que depois é vendido duma empresa para outra para chegar ao produto final (os carros).
O PIB desta economia é, portanto, igual a 200 (as receitas, não os lucros!).

Método 2. Somatório da plus valia na economia num determinado período de tempo (plus valia = valor da produção - valor dos bens intermediários utilizados na produção propriamente dita)

A plus valia (a diferença entre o valor da produção e o valor dos bens intermediários utilizados na produção) é calculada por cada empresa: a empresa metalúrgica terá uma plus valia de 100-0 (100 o valor do produzido, 0 o valor dos bens utilizados pela produção) que dá 100, enquanto que a empresa automobilística tem uma terá 200-100 = 100 (200 as receitas, 100 o custo do aço). Somando as duas plus valia, o PIB é igual a 200.

Método 3. Somatório das compensações aos factores produtivos da economia ao longo de um período de tempo (PIB = salários + lucros + impostos + custo de capital).

Parece a fórmula mais complicada, mas na verdade é simples, somando-se todos os valores que representam as compensações aos factores de produção. Quais são os factores de produção? Lucros, salários, custos de capital e impostos:

Lucros (20 + 30) + salários (80 + 70) + custo de capital (0) + impostos (0) = 200

Aqui também, o PIB dá 200.
Portanto, temos três maneiras diferentes para calcular o PIB e todas as três são válidas.
Complicado? Um pouco. Então não podemos fazer um exemplo mais simples?
Podemos, claro que sim.

Parte normal

Vamos ver as coisas de forma um pouco diferente.


Método 1. Valor dos bens/serviços produzidos na economia num determinado período de tempo 

Um País produz para si mesmo (os recursos consumidos no País), sejam bens de consumo, como as cebolas, ou bens de capital, como um torno; mas também produz para o estrangeiro: são estas as exportações.

Para obter o PIB (ou seja, o que um País produz) basta adicionar os recursos produzidos e consumidos no País e as exportações.

Para as exportações, não há problemas. Para os recursos consumidos no País, temos que fazer uma operação não pequena. Não basta adicionar os consumos (as vendas da lojas que cortar o cabelo, o bilhete do cinema, o fim de semana no Algarve) e os investimentos. Parte do consumo e do investimento não foram produzidos no País, mas foram importados (por exemplo: carro Toyota, feito no Japão).

Devemos, portanto, primeiro adicionar os consumos e os investimentos, e, em seguida, subtrair as importações, para ter aquela parte de recursos consumidos no País e que também foram produzidos no próprio País. Feito isso, adicionam-se as exportações e pronto, eis o PIB.


Método 2. Somatório da plus valia na economia num determinado período de tempo (plus valia = valor da produção - valor dos bens intermediários utilizados na produção propriamente dita) 

Mudamos de exemplo? E mudamos.
Pensamos agora numa fábrica de sapatos. Para produzir os sapatos, queremos operários e máquinas e, portanto, haverá salários e lucros. Uma vez produzido o calçado, este é vendido e temos o que é chamado de "valor do produto".

Aqui, no entanto, há um problema. O problema decorre do facto de que não podemos adicionar os valores de todos os produtos para criar o PIB. A razão é simples: é preciso evitar a contagem da mesma coisa várias vezes.

Consideramos, por exemplo, a empresa do curtume que fornece o couro à fábrica de sapatos: quando os sapatos vai ser vendidos, o valor deles irá abranger o valor do couro utilizado. Se, para o cálculo do PIB, adicionamos o volume das vendas da fábrica de curtumes aos da fábrica de sapatos, este couro será contado duas vezes. Afinal é sempre o mesmo couro, antes vendido à fabrica de sapatos, depois vendido aos cliente sob forma de sapato.

Para resolver este problema, por cada fábrica é contada apenas a plus valia, isto é, a diferença entre o que a fábrica de sapatos compra a partir do exterior (as peles, o couro, a electricidade, a tinta, etc.) e o que factura aos clientes que compram os sapatos.

E o que é afinal esta diferença? É o que a fábrica "põe", a "contribuição" da fábrica para o valor final dos sapatos. O PIB, em suma, é também a plus valia da economia.


Método 3. Somatório das compensações aos factores produtivos da economia ao longo de um período de tempo (PIB = salários + lucros + impostos + custo de capital).

Imaginemos que uma família decida declarar a independência: como será o PIB dela?

Na família há o chefe (o pai, claro!) que traz para casa o cheque do salário. Há o outro progenitor (a
mãe) que não tem um emprego regular mas, por vezes, vai ajudar o tio Pepe que tem uma tasca.

Depois, a família poupou alguns dinheiros e tem algumas acções da Empresa Eléctrica, acções que no final do ano proporcionam mais uns dinheirinhos (o dividendo).

Então, qual o PIB da família?

Simples: adicionamos o salário do trabalho regular do pai, o do trabalho irregular da mãe mais os dividendos das acções da Empresa Eléctrica. O PIB da família será o resultado destes factores.

Ao nível dum País aplica-se o mesmo conceito. Para produzir é preciso trabalho (homens e cérebros), e capitais (chaves de fenda, computadores, camiões, aviões, máquinas, etc.). Há os rendimentos chamados salários (dos trabalhadores dependentes, como o pai) e dos trabalhadores autónomos (a compensação pelo trabalho da mãe). Há depois os rendimentos de capitais (o dividendo das acções da Empresa Eléctrica).

No caso em que a Empresa Eléctrica fique com uma parte dos lucros para fazer investimentos, esta quantia também entra a fazer parte do PIB (sempre lucro é).

Problema: o PIB diz algo mas não tudo.
Mas disso vamos falar na segunda parte.


Ipse dixit.

2 comentários:

  1. Anónimo10.7.14

    Max, segundo noticias recentes, a prostituição, narcotráfico, vinho a martelo etc. estão em vias de entrar no cálculo do PIB. ( Ao que esta gente já chegou ! )
    Posto isto, já temos qualquer coisa para juntar à Auto-Europa, e quem sabe, bater a Noruega no PIB per capita, pois estas são áreas da economia onde Portugal dá cartas.

    Krowler

    ResponderEliminar
  2. Olá Max, eu não entendo de economia, entendo de gastar dinheiro (pouco), mas acho que uma crise por causa de contratos não poderá causar grandes impactos, afinal são dinheiro virtual, ou seja números em computador que "eles" resolvem com uma canetada política, mas a impressão de dinheiro ou a falta dele impresso ou algum outro fato material tipo uma catástrofe, uma guerra , poderá fazer desabar esse "castelo de cartas" de valores sem fundamento.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...