16 julho 2014

Palestina: a arma e o gatilho

F-35
Quem bombardeia a Palestina?
Resposta: israel.

Resposta correcta, mas incompleta.
Porque se é israel que aponta, é preciso que alguém antes construa o gatilho. E aqui as coisas ficam mais complicadas.

Podemos pensar que os Estados Unidos sejam o fornecedor de Tel Avive quando o assunto forem as armas. Mais uma vez: resposta correcta mas incompleta.

Durante a Administração Bush (2002-2009), israel recebeu mais de 21 biliões de Dólares em assistência à "segurança", incluindo 19 biliões de ajuda militar directa no âmbito do programa Foreign Military Financing do Pentágono.

A maior parte do arsenal israelita é composta por equipamentos fornecidos pelos Estados Unidos. Por exemplo: israel tem 226 aviões de combate F-16, mais de 700 tanques M-60, 6.000 meios blindados para o transporte de tropas, dezenas de aviões de transporte, helicópteros de ataque, aviões de treino, bombas, mísseis tácticos de todos tipo, tudo fornecido pelos Estados Unidos.

Só em 2008, Washington fez novas ofertas para um total de outros 22 biliões de Dólares: 75 aviões F-35 Joint Strike (15.200 milhões de Dólares), aviões C-130J-30 (1,9 biliões), quatro navios de guerra Littoral e relativos equipamentos (1,9 biliões) e 1,3 biliões de gasolina e de combustível.

Isso até 2008.
M-60

Como documentado pelo Congressional Research Service dos EUA (do dia 11 de Abril de 2014),
para o período 2009-2018 Washington comprometeu-se a disponibilizar uma nova ajuda militar de 30 biliões de Dólares, à qual a Administração Obama acrescentou mais de meio bilião só este ano para o desenvolvimento dos mísseis anti-foguetes.

Tel Avive tem em Washington uma espécie de banco sem fim para a compra de armas americanas (incluindo 19 novos F-35 que devem custar 2,7 biliões de Dólares. Única notícia positiva: os F-35 pegam fogo sozinhos). E também tem acesso aos recursos armazenados no "Depósito EUA de emergência para israel".

Mas, como afirmado, não só Estados Unidos.

A Alemanha concedeu 5 submarinos classe Dolphin (dois dos quais sob forma de "prenda") e em breve irá entregar um sexto. Os submarinos foram modificados para lançar mísseis nucleares de longo alcance, os Popeye Turbo (derivados dos modelos dos EUA), que podem atingir alvos a 1.500 quilometros.

A Italia está a fornecer os primeiros 30 caças de treino avançados M-346, construídos pela Alenia Aermacchi, que também podem ser usados em operações de combate reais.

Mas é difícil apresentar números seguros: na maior parte dos casos, tais negócios são muito pouco publicitados ou até tudo é feito para que as notícias não sejam divulgadas.

Submarino Classe Dolphin
Por exemplo: no caso dos submarinos da Alemanha, o ex-chefe da marinha militar de Berlim, Daniel Aijalom, afirmou que a questão principal era garantir "que não houvesse debate público sobre o assunto, seja em israel, seja na Alemanha".

E, de facto, em torno dos estaleiros de Kiel há uma aura de mistério, ao ponto que mesmo alguns gestores da Thyssen Krupp (pois: elevadores e submarinos nucleares...) estão proibidos de entrar.

Quando alguns jornalistas foram autorizados a visitar uma dessas jóias da frota de israel, a maioria deles ficou decepcionada: o acesso aos "andares" inferiores (o 2º e 3º) era estritamente proibido. O Dolphin parece ter um segredo que até mesmo em israel só um restrito círculo de pessoas conhecem.

O ministro da defesa israelita, Ehud Barak, disse que "os Alemães podem orgulhar-se de ter assegurado, durante muitos anos, a existência do Estado de israel", ecoando outra famosa declaração, a da chancelera Merkel em Março de 2008, que afirmou ser a segurança de israel uma parte da razão de estado da Alemanha.

Mas além de Estados Unidos, Alemanha e Italia, não podem ser esquecidos os outros "grandes vendedores" de armas que participam indirectamente no conflicto: a França e o Reino Unido, respectivamente 5º e 6º produtores mundiais de armas pesadas no mundo depois de EUA (1º), Rússia (2º), Alemanha (3º) e China (4º).
E a Nato? A Nato não fica de fora. No ano passado houve a operação Blue Flag, a maior simulação
de guerra aérea alguma vez realizada em israel, com a participação de EUA, Italia e Grécia (que não tem um tostão, mas que uns trocos para os jogos de guerra consegue sempre encontra-los).

A finalidade? Integrar as forças armadas de Tel Avive no complexo da Nato. A Força Aérea israelita, como explicado pelo general Amikam Norkin, está a experimentar novos procedimentos para reforçar a sua capacidade, "aumentando em dez vezes o número de alvos que são detectados e destruídos" (o que, na óptica dele, representa uma boa notícia).

O Ocidente, portanto, arma e participa no treino das forças de israel.
Defender que o ataque contra a Palestina seja apenas uma questão de Tel Avive é assim muito complicado.


Ipse dixit.

Fontes: Il Manifesto (via Come Don Chisciotte), CPE, The Post Internazionale, Wired,

9 comentários:

  1. Mas, no fundo no fundo, a culpa nem é dos israelitas, olha só como são bonzinhos e avisam aos inocentes do ataque iminente!!

    http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/07/140707_israel_gaza_hb.shtml

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo17.7.14

      Mas se o pobre do palestiniano não entender patavinas de hebraico, como fica? Já sei; Vira churrasco.

      Eliminar
  2. Anónimo16.7.14

    O F-35 ver reportagem no 60 minutes da CBS. O avião mais dispendioso até agora é está cheio de problemas
    E ver em quanto já vai o custo.
    E os problemas uns a seguir aos outros, aliás já existe muito boa gente do ramo a gozar com failure 35

    Nuno

    ResponderEliminar
  3. Anónimo16.7.14

    ora bem, o dinheiro, sempre o dinheiro... não tem nacionalidade, raça, ideologia, religião.
    é simplesmente o dinheiro.
    nada mais importa.

    ResponderEliminar
  4. Mas eu não entendo bem porquê... Para violar, torturar e extropiar todos os Palestinianos que alguma vez possam existir não era preciso um milésimo das armas que aparentemente são postas nas mãos de israel. Qual será o verdadeiro objectivo? Com dezenas ou centenas de ogivas nucleares o que se prepara israel para fazer? Quando vemos que o poder militar deste país é idêntico ou superior ou do Reino Unido ou de França, fica claro que israel participa de alguma forma no plano para o mundo do punhado de pessoas que manda nisto tudo...

    ResponderEliminar
  5. E claro que não é por dinheiro que são entregues armas de guerra para as quais não há defesa possível. Porque entregou o Ocidente (mais precisamente a França se não estou em erro) armas nucleares a israel?

    ResponderEliminar
  6. maria16.7.14

    Olá Max: concordo que não se trata de ideologia, que nos últimos tempos foi substituída por interesses. E é de se esperar que os interesses de corporações com maiorias sionistas estejam pelo ocidente inteiro, principalmente em Estados dominados por tais corporações. Neste caso, EUA, países da NATO, Austrália, Canadá, tanto faz, todos estão sujeitos a fornecer armamento, inteligência e dinheiro para israel, enquanto praticam terrorismo contra todo lugar que ofereça qualquer resistência `a expansão dos "valores" sionistas que, se não totalmente, a grosso modo coincidem com os "valores" da alta finança.Abraços

    ResponderEliminar
  7. Anónimo18.7.14

    Seguindo o rastro do dinheiro...

    War and Natural Gas : The Gaza Bombardment - What You're Not Being Told-
    http://youtu.be/iXRO1YFreNA

    Video also touches on the core issue that there is 1 trillion cubic feet of gas under the Gaza strip that belongs to Palestine.


    Bob

    ResponderEliminar
  8. Chaplin20.7.14

    A pergunta maior que não é feita. E por quê Israel? Tenham um pouco de trabalho e busquem todas as respostas na evolução histórica não oficialista, desde os patriarcas hebreus até os dias atuais.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...