26 setembro 2014

Qual Liberdade?


A Liberdade é o direito de fazer tudo quanto não prejudique os outros
Anne Robert Jaques Turgot (1727 – 1781)


Marcello Veneziani é um jornalista e escritor italiano.
Vou traduzir (mesmo uma tradução literal neste caso e nada mais) um artigo saído esta semana que tem como tem a Liberdade.

O título já é provocador: "Contra a liberdade".
Mas fiquem descansados: não está aqui o elogio das ditaduras.

A Liberdade da qual Veneziani fala é outra: a obrigação da Liberdade, a Liberdade acima de tudo, a Liberdade que não respeita nada e ninguém. Uma doença, uma substância estupefaciente que somos obrigados a engolir, a qualquer custo (juntamente com o conceito de Democracia), sem que seja possível parar um segundo e reflectir acerca do verdadeiro sentido de Liberdade.

Que, como nota pessoal, deve ser inevitavelmente filtrada pelo conceito de respeito do próximo porque, caso contrário, torna-se uma outra forma de ditadura. A ditadura da Liberdade.

Tomem este artigo com os devidos cuidados, manipulem com atenção e leiam os avisos obrigatórios: pode ser prejudicial e causar efeitos colaterais. Após a introdução, o tema: a Liberdade. A Liberdade está a sufocar-nos, por todos os lados. Os danos e os prejuízos que está a produzir excedem os méritos e as vantagens.

No Ocidente, chegamos a um ponto em que a Liberdade deteriora o tecido social, envenena as relações humanas, deteriora a humanidade. É hora de pôr em causa aquilo que nunca discutiram nós ocidentais contemporâneos. O único deus em relação ao qual você não pode afirmar se ateu ou agnóstico. Não está em discussão a liberdade de pensamento, ação e de empresa.

Mas a Liberdade como fundamento está a comprometer qualquer base acima da qual é regida a vida íntima e familiar, pública e privada: não só a liberdade como arbítrio, de quem mata, rouba e violenta em nome da sua auto-determinação absoluta em relação às coisas, homens e limites. E não só a liberdade de matar-se, ferir-se e violentar-se em nome da autodeterminação. Mas a liberdade de romper relações, obrigações e contratos, a liberdade de se tornar outra coisa, a liberdade além de qualquer limite natural, além de todas as fronteiras, além de qualquer restrição externa, além de qualquer identidade e de qualquer origem.
No seu peito ardem egoísmos, egocentrismos e narcisismos. E qualquer um que dificulte a minha liberdade eu abato-o, como mostrado em muitos casos nas notícias e na criminalidade familiares; o outro, mesmo que seja o meu filho, impede a minha liberdade, então eu suprimo-o.
A liberdade absoluta não tolera até mesmo as leis, que até surgem como uma garantia de liberdade. Mas se a liberdade for absoluta e antes de tudo, nada pode pará-la, a não ser a força, que é de facto a solução cada vez mais praticada para afirmar a nossa liberdade contra a dos outros ou para travar os efeitos duma liberdade invasiva ou agressiva.
A liberdade como primazia absoluta não encontra margens de retenção. Entre os efeitos colaterais, a liberdade gera stresse porque requer microescolhas contínuas que produzem ansiedade, lembra Peter Sloterdijk ("Stress e liberdade", Cortina Editore, 2012).

Não leiam esta reflexão, no entanto, no sentido inverso, como um elogio da ditadura dos regimes despóticos e dos sistemas totalitários ou coercivos. Não é assim, porque esses regimes e sistemas nascem da liberdade absoluta concedida a um homem ou partido no poder, ao qual é permitido tudo, ou quase. Por isso, estão "doentes de liberdade", mas daquela concentrada nas mãos de um ou de poucos.
Estas considerações não são dirigidas contra as liberdades civis, a começar pela liberdade de opinião que mais preocupa, porque ninguém tem a liberdade de decidir o que eu posso ou não posso dizer. Ou seja, não é discutir a minha liberdade de opinião, mas negar a alguém o arbítrio de me parar. O mesmo discurso reveste o âmbito supremo: a vida, que não é um valor absoluto, é uma passagem, uma corrente sem-fim; mas ninguém pode ter o poder, o arbítrio de suprimi-la ou violá-la. A liberdade não é absoluta e, portanto, ninguém tem o direito absoluto sobre a minha vida e a minha morte, nem eu nem os outros.
Ao que é reduzida, então, esta liberdade absoluta? A não assumir a responsabilidade no
mundo, não aceitar qualquer coisa ao lado ou acima de nós, a aceitar passivamente os capricho dos nossos sentidos, a escravidão dos impulsos, o automatismo das reacções instintivas, não reconhecer a realidade, a mortificar o ser em nome do não ser porque é o reino das possibilidades infinitas. A liberdade torna-se assim no seu oposto, a sua parábola nasceu do desejo de omnipotência e termina em nome da vontade de auto-destruição; ou surge a partir da libertação de todas as nossas energias e acaba como escravidão de cada nosso impulso.

A liberdade está esvaziando-se, está a fazer-nos perder a bússola, o sentido da fronteira, o que não apenas limite e medida, mas também garantia de quem somos e fazemos. Reduz-nos em algas indeterminadas, que se dissolvem na arbitrariedade dos seus desejos improviso, sem capacidade de dominá-los, porque isso significaria reprimir. A abolição da autoridade não nos liberta de toda a submissão, mas gera a proliferação de outras agências imperativas, de outros poderes que nos mantêm como reféns, não só de cima, mas também a partir de lado, de baixo e de dentro. A autoridade apoia a liberdade, equilibra o peso e tamanho. Em sua ausência, outros pesos obscurecem o seu lugar. Em geral, é benéfico o poder que nasce da autoridade; é mal a autoridade que nasce do poder.

Não são considerações extravagantes ou monstruosas, mas merecem ser tratadas antes que seja tarde demais, uma vez que a liberdade actual não requer pensamentos, mas apenas desejos, e, no final, tudo se resume a animais emocionais, mas sem pensar. Você pensará que estes sermões contra a liberdade sabe-se onde começam mas não se sabe onde vão acabar; ou pior, sabe-se, é sempre no fluxo de escuros despotismos.
Em vez disso eu digo que devemos reaprender a pôr em causa a  rainha absoluta do nosso mundo que está a provocar à ruína e, enquanto finge de fazer o bem, ou mesmo quando isso faz nos sentir deuses e demiurgos, reduz ao nível de larvas vaidosas que nunca querem tornar-se adultos para não perder o estado potencial da infância, aberto a qualquer possibilidade da vida, incluindo a sua negação. E, fazendo acreditar de nós libertar de qualquer dependência superior, deixa completamente à mercê do acaso, da técnica, dos desejos induzidos ou ampliados, até fazer coincidir na forma mais perversa a liberdade com os automatismos, a compulsão à repetição automática ou o impulso de dissipar.

Há uma ligação fatal entre autonomia e automação, quando a autonomia tende a ser absoluta. E, em vez disso, redescubram a beleza do destino, do fado e digam sim à vida que em seu nome surge, da qual não podemos dispor porque todos nós somos consumidores mas não donos. É hora de exercitar o pensamento crítico também sobre a liberdade, transformando-a de totem e tabu em fronteira e responsabilidades, de capricho fetiche em ferramenta e medida.
A liberdade absoluta é um mal absoluto, aliás, o mal absoluto é a liberdade absoluta, isso é, a capacidade de dispor de tudo e de todos no mundo, dos outros e de nós mesmos, em nome da nossa suprema liberdade inviolável. A liberdade é preciosa, se não for a origem ou o propósito da nossa vida não é o começo e o fim, mas está localizada entre a origem e o destino, é uma viagem, não um destino. A liberdade absoluta, pois, é um movimento puro que flui do fazer para desfazer.
Em vez disso, tudo o que aconteceapós a nossa vida, será um regresso.

Ipse dizit.

Fonte: Marcello Veneziani em Il Giornale del Ribelle
Imagens: KD Frases

7 comentários:

  1. Caro Max.
    Como pensar liberdade sendo o "sistema", psicopático, escravagista, e corrupto por natureza? Como pensar LIBERDADE se todas as utopias humanitárias são táticas dentro da estratégia escravista? Como pensar LIBERDADE quando avança sobre o "mundo" a terceira guerra mundial na nova ordem mundial desse 4º reich nazi sionista impondo a "Guantánamo" planetária para mais mil anos? A humanidade está em uma prisão milenar. podemos escolher entre Jordano Bruno e Galileus. Jesus ou Barrabás... De que LIBERDADE estamos nós falando afinal? Esta é a questão. Nem é só quem somos nós? Mas, o que, somos nós?

    Daí a minha sina faxinante... Pra lá de alhures e muito antes dos faraós e césares romanos. Consciência. O Universo é Infinito e está em Expansão.

    Bela reflexão propuseste, sinto muito, me perdoe, te amo, sou grato.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo26.9.14

    O artigo pode-se resumir a uma frase só, que já penso há muito tempo: não estamos neste mundo para fazer o que podemos e queremos, mas o que está certo e devemos.

    ResponderEliminar
  3. Caro Max e amigos, deixo está ótima informação para uma excelente meditação sobre LIBERDADE. "Continuum". o Universo é Infinito e está em expansão...

    Então... Um fraterno aldíssimo abraço a todos. http://www.filmesonlinegratis.net/continuum-todas-as-temporadas-dublado-legendado.html

    ResponderEliminar
  4. "Eu poderia viver em uma casca de noz e me sentir senhor do universo"; liberdade verdadeira somente com a filosofia divina.

    ResponderEliminar
  5. Já a minha professora da primária dizia que a liberdade de cada um de nós tem uma fronteira que é a liberdade de cada um dos outros..

    ResponderEliminar
  6. A liberdade indócil é domada pela própria desgraça.

    William Shakespeare

    http://www.frase.co/de/william-shakespeare

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...