07 outubro 2014

...a propósito do Ébola:

Tema do dia? Eleições no Brasil? Nada disso: comentários de especialistas não faltam, ainda há a
segunda volta e depois tudo procede segundo as previsões (só a derrota da simpática Marina é espantosa: a "raposa de Rio Branco" conseguiu algo que até parecia impossível).

Pelo contrário, hoje vamos resolver um dos grandes problemas que afligem a Humanidade: o vírus Ébola. Que afinal pode ser derrotado e em tempos relativamente curtos.

A solução foi encontrada não por um cientista mas por um político, um Republicano: Todd Kincannon.

Todd, 33 anos, advogado da Carolina do Sul, membro do Instituto Americano dos Parlamentares e da Associação Nacional dos Parlamentares, cristão conservador da Convenção Batista do Sul, reflectiu, avaliou, e afinal encontro o tratamento, cuja receita divulgou logo no Twitter:
As pessoas com Ébola nos Estados Unidos deviam ser executadas

De facto, pode tratar-se duma forma de tratamento com amplas taxa de sucesso: dado que o vírus utiliza o ser humano (vivo) para difundir-se, eliminando o vector (o ser humano) o vírus é obrigado a parar.

Todavia, esta é uma medida que pode ser tomada no caso de surtos localizados em áreas circunscritas, quando os doentes forem em número limitado e facilmente controláveis. No caso de áreas mais vastas, como a África Ocidental, a situação muda pois os doentes podem decidir não colaborar e tentar afastar-se da cura.
Todd avaliou esta possibilidade também:
O protocolo para um teste positivo de Ébola devia ser execução imediata dos humanos e sanitização de toda a região".
O advogado, portanto, sugere que um teste positivo dê como aplicação imediata a eliminação do vector (o doente), juntamente com a "sanitização" da região envolvida. Uma medida que tenta resolver o problema na mesma altura em que for detectada a doença, sem passar pela subministração de dispendiosos medicamentos. Uma solução pragmática e económica.
E a "sanitização"?
Devíamos bombardear a região com napalm.   
Os americanos têm acumulado uma grande experiência com o napalm, graças à colaboração dos Vietnamitas nos anos '60: a implementação desta medida não deveria representar um problema, afinal trata-se de alguns aviões bem abastecidos com a ordem de descarregar sobre tudo o que possa ser (ou parecer) doente.

Mas Todd vai além do tratamento e individua as causas da doença: concentrar-se no vírus responsável não chega, é preciso encontrar as causas mais profundas. E Todd encontrou-as:
Os africanos têm a culpa da situação ser tão má. Eles devem deixar o canibalismo e aprender cálculo
Faltava, até hoje, um estudo epidemiológico que encarasse o canibalismo como forma de transmissão do vírus e o advogado da Carolina preencheu esta lacuna. Já o facto de comer um ser humano é questionável, mas sabemos ser este um habito muito difundido na África; o problema surge agora, no meio duma terrível epidemia de Ébola.
Comer um ser humano infectado ajuda a propagação da Ébola, esta é a realidade, e chegou a altura de enfrentar os factos: a culpa é dos africanos.
Uma prova?
Elegemos um queniano como Presidente. Agora temos Ébola e desemprego
E contra factos não há argumentos.

Seria simples nesta altura esconder-se atrás da palavra "racismo". Mas é o mesmo Todd que explica: nada de racismo nas suas palavras, simplesmente, mais uma vez, pragmatismo.
Não há nada de errado com a necessidade de sobrevivência
Bom, sobrevivência mas não de todos: só daqueles que não estiverem doentes e, possivelmente, que forem brancos (ou bronzeados, no máximo).

Além disso, Todd é perito em terrorismo internacional e deixa o alerta:
Esperem até os terroristas usarem o Ébola numa bomba biológica devido à nossa estúpida compaixão.
Mais uma vez, é dos Estados Unidos que chega a solução para os nossos problemas. Num obscuro escritório da Carolina do Sul vivia um génio, que com poucas e meditadas palavras foi capaz de resolver um drama contra o qual o resto do mundo parecia imóvel.

Quantos outros Todd haverá nos Estados Unidos? E no resto do mundo?

Epidemia, Pandemia...

Mas talvez a pergunta certa seja outra: como é que nos últimos anos, com uma regularidade impressionante, temos tido uma série de "epidemias" e "pandemias"?

Falamos das pandemias que, lembramos, são epidemias que interessam mais áreas do mundo (uma epidemia maior).
  • 2003: Sars (origem: China)
  • 2004: Aviária (origem: Vietnam)
  • 2009: H1N1 (origem: México)
São 3 pandemias em 7 anos: muito quando comparado com as pandemias no passado.
No século passado:
  • 1918: Gripe Espanhola
  • 1957: Gripe Asiática
  • 1960: El Tor (cólera) 
  • 1968: Gripe de Hong Kong
  • 1981: Sida
Acerca desta última seria preciso falar muito, mas tomamos este dado como válido: são 5 pandemias em 80 anos, contra as 3 dos últimos 7. Como é possível explica-las?

Em parte é verdade que as melhorias nos meios de transportes têm facilitado a deslocação dos seres humanos nos vários pontos do globo. É suficiente isso para justificar o aumento das pandemias?
A resposta é: não.
Analisando o caso da pandemia de 2009 (H1N1), densas dúvidas rodeiam o aparecimento desta doença (e a casa farmacêutica que produzia o relativo remédio). É lícito ter dúvidas acerca da última epidemia também, a de Ébola?
Por enquanto não pode haver uma resposta certa: contrariamente ao caso da H1N1, parece que a estirpe do vírus desta epidemia (até agora não podemos falar em pandemia) seja a mesma que há décadas flagela alguns Países africanos (o Zaire ebolavirus). Nada de novo, portanto.

E a possibilidade de que a epidemia se torne uma pandemia, envolvendo outros continentes?
Em primeiro lugar é bem não esquecer que as mortes, até a data de hoje, são "apenas" 3.439. E as mortes fora do continente africano não passam dum par.
O futuro? Eis dois cenários "razoáveis":
  1. a epidemia é controlada e limitada aso Países africanos, que pagam assim a conta mais salada em termos de morte.
  2. a epidemia é controlada mas há surtos (extremamente limitados) em outros continentes. Em qualquer caso, são os Países africanos que pagam a conta mais salada.
Eu acho ser o segundo o mais provável, acompanhado por campanhas de prevenção que envolverão casas farmacêuticas privadas (venda de máscaras, produtos de desinfecção, etc.) e controles mais rigorosos na mobilidade das pessoas (aeroportos, navios, etc.).

Doutro lado, esta é uma boa ocasião para difundir um pouco de pânico, seria estúpido ignora-la.
O diário L'Espresso de hoje, por exemplo, assim titula:
Kamikazes virais, os jidahistas cavalgam Ébola.
Vamos ler um trecho:
De acordo com analistas dos serviços secretos internacionais, o Isis gostaria de lançar uma campanha na web com filmes que mostram os combatentes islâmicos que se inoculam sangue infectado e, em seguida, são filmado em cidades ocidentais, em locais com alta densidade de público: centros comerciais , museus, estádios desportivos.
Dito assim, parece não haver dúvida: o Isis quer difundir Ébola.
Só que algumas linhas mais abaixo pode-se ler o seguinte:
As primeiras evidências duma tentativa de desencadear uma guerra santa de "saúde" foram coletadas em Janeiro deste ano, durante uma incursão em Iblid - fronteira entre a Síria e a Turquia [...]. No escritório foi encontrado um computador portátil [...] repleto de milhares de arquivos, que vão desde a pregação ideológica, técnicas de guerrilha e disfarce, até o manual na fabricação de bombas e armas biológicas.
E não é o único vestígio: em Agosto, durante mais um ataque contra os homens do califado, foi encontrado abandonado outro arquivo de computador acerca de  combatentes islâmicos dedicados às realizações de armas biológicas e de estudos detalhados sobre o vírus da peste bubônica.
Janeiro, quando ninguém falava de Ébola, e peste bubônica.
Tristeza.


7 comentários:

  1. Anónimo7.10.14

    Todd Kincannon, este sim um autentico cristão, e não estes mequetrefes de bom coração que se metem a ajudar. (Deuses, me pergunto onde esta vai parar...)

    ResponderEliminar
  2. Anónimo7.10.14

    O Sr. Todd esta certissimo, endosso inteiramente seus profiláticos métodos, A terra e o pov o de Cam são condenados e amaldiçoados por o Todo poderoso ler Genesis cap 6.
    Daí todas as mais virulentas pestes e epidemias terem se originado na Afrika, sem falar que esse continente maldito é a terra natural das piores bestas feras animais , cobras e serpentes mortiferas, insectos e pragas piores do mundo, tudo que não presta vem da Afrika.
    portanto toda a Afrika do Oeste deveria ser obliterada com armas nucleares para salvação da especie humana no resto da Terra, quem tiver peninha destes animais que vão para lá e morram juntos!

    ResponderEliminar
  3. Olá Max: taí um assunto que irrita a minha já desgastada paciência...endemias, epidemias...inventadas, com pouco mais de meio milhar de vítimas. E isso em lugares onde a real epidemia é a fome, a exploração, o roubo. E o que sobra são os testes médicos com as eternas cobaias africanas de sempre, a inoculação de venenos sob controle, uma eterna e constante guerra biológica contra os miseráveis do mundo, a suscitar e exacerbar o racismo e o verdadeiro canibalismo, que é o deste senhor da Carolina/USA, belíssimo exemplar canibalístico do povo norte americano. Abraços

    ResponderEliminar
  4. Anónimo8.10.14

    Numa dessas últimas pandemias que desapareceram logo, o registo da vacina até era anterior ao da descoberta do vírus...hmmmm.....

    ResponderEliminar
  5. e... alguém sabia que o genoma do ebola ESTÁ PATENTEADO PELOS E.U.A.?
    http://forum.antinovaordemmundial.com/Topico-roteiro-pronto-impossibilidade-de-vacina-r%C3%A1pida-patente-do-v%C3%ADrus-e-mais

    ResponderEliminar
  6. Ébola: Portugal impede aterragem de avião
    Aeronave acabou por fazer escala na ilha Grande Canária.
    Portugal e Marrocos negaram autorização para fazer escala nos seus territórios a um pequeno avião que transportava uma norueguesa infetada pelo vírus do ébola na Serra Leoa, afirma esta quarta-feira a televisão espanhola Antena 3.

    De acordo com a mesma fonte, o avião acabou por fazer escala na ilha Grande Canária, onde foi ativado o protocolo de segurança para estes casos.

    A norueguesa, uma médica de 32 anos que faz parte da organização Médicos Sem Fronteiras, é a primeira pessoa daquela nacionalidade a ser infetada com ébola, tendo sido retirada da Serra Leoa - um dos países mais afetados pelo vírus - num avião médico.

    Longa viagem de repatriamento

    Depois de as análises terem dado resultado positivo, a mulher norueguesa iniciou uma longa viagem de repatriamento, para Oslo, mas a meio do trajeto o piloto alertou para a necessidade de reabastecer o avião.

    Contactadas as autoridades portuguesas e de Marrocos, nenhum dos países deu autorização para o avião aterrar, tendo o piloto conseguido então parar na Grande Canária, explica a Antena 3.

    O protocolo de segurança foi ativado, mas a torre de controlo do aeroporto proibiu expressamente a saída do avião a qualquer das pessoas ou objetos.

    O aparelho esteve 40 minutos no local, tendo reabastecido e iniciado a viagem rumo a Paris, onde fez escala para se dirigir a Oslo, na Noruega.
    http://www.cmjornal.xl.pt/nacional/sociedade/detalhe/portugal_impede_aterragem_de_aviao_com_norueguesa_com_ebola.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Adir!

      Mesmo não sendo português, por uma vez vou tomar as defesas do País.

      Na verdade, ao avião não foi dito "não": foi pedido para aterrar no aeroporto de Lisboa, um dos dois prontos para situações de alarme biológico (não lembro qual o outro).

      Na altura, o piloto preferiu as Canárias e não percebo qual a razão pois:
      - entre Açores e Lisboa, vindo da África, a distância é a mesma.
      - se o rumo for a Noruega, Lisboa fica mais próxima do destino do que as Canárias (ou dos Açores, que ficam no meio do Atlântico).

      Mas é verdade que eu não sou piloto.

      Abraço!!!!

      Eliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...