26 novembro 2014

Aquecimento Global: 500 ppm?

Coisa estranha este Aquecimento Global.

Temos frotas de cientistas e políticos prontos a jurar que sem mudar o caminho o fim estará próximo. Depois, quando é assinado um acordo inútil mas politicamente gratificante, eis que ninguém fala (quanto até não partem os aplausos).

Porque temos que ser claros e directos: o acordo não vinculativo (entre as outras coisas, nem vinculativo é...) sobre as alterações climáticas que -Estados Unidos e China acabam de assinar permitirá que a concentração de dióxido de carbono na atmosfera possa exceder as 500 ppm (partes por milhões) até o final do século, superando assim o actual nível de 400 ppm.

Já era previsto ultrapassar este limite, pois o acordo de Kyoto estabelecia o limite de 450 ppm, mas o novo documento vai alem e permite que para a atmosfera sejam atirados mais 50 ppm. Se já agora 400 ppm conseguem derreter o gelo do Árctico (enquanto aumenta aquele do Antárctico...) e aumentar significativamente o nível dos oceanos, o que acontecerá com 500 ppm?

Em síntese, este acordo não faz nada para impedir o desastre que, alegadamente, marcará o fim da agricultura, da urbanização e da civilização.

É o silêncio?
Não, é pior. Porque depois temos May Boeve, director executivo da 350.org, que afirma:
Não é por acaso que, depois da maior mobilização na história do clima, os líderes mundiais estão agora a intensificar os seus esforços ambientalistas. Este anúncio é um sinal de que o Presidente Obama está levando muito a sério a questão climática e está disposto a oferecer uma verdadeira resistência perante os principais poluidores do planeta.
Isso significa que uma organização que vê em 350 ppm o limite máximo de CO2 (daí o nome) acolhe com satisfação o novo objectivo de 500 ppm. Sem esquecer que o simpático Obama continua com a política do seu predecessor, o simpático G. W. Bush, que assinou mas não ratificou o Protocolo de Kyoto.

É bom saber isso porque explica algumas cosias. Em primeiro lugar, como afirma o engenheiro Dmitry Orlov, o facto de que nunca houve uma verdadeira luta para o clima mas apenas uma vazia acção política do costume. Acção que tem como protagonistas os Estados Unidos e a China.

A Casa Branca se apressou a realçar o seu bom comportamento: "a nova meta dos EUA será duplicar a redução da poluição derivada do carvão em 1,2 % por ano (média nos anos de 2005 - 2020) para 2,3-2,8 % por ano entre 2020 e 2025".

Suspiro de satisfação: há uma efectiva redução das emissões de dióxido de carbono nos Estados
Unidos. É pouco, é insuficiente, mas no entanto há.

O problema são as causas: a actividade de produção nos EUA está gradualmente a diminuir e não por razões ambientalistas. Obama admite que há um um colapso económico em curso e que esta tendência só irá acelerar.

A prova? Na China.
O novo limite de 500 ppm significa que a China poderá continuar a crescer. Assinar o acordo sobre o clima permitiu fazer uma boa figura perante os cidadãos, cada vez mais alarmados com a degradação ambiental impossível de ignorar (ar irrespirável em áreas urbanas, rios cheios de carcaças de suínos e outras maravilhas). Mas mais crescimento (indispensável para manter a estrutura chinesa tal como foi pensada) significa mais combustíveis fósseis.

Verdade, falou-se também de fontes renováveis, como o vento e o sol. Mas estas energias não podem, nesta altura, manter em funcionamento um complexo industrial "normal", ainda menos um agressivo como é o chinês.

Depois há o nuclear: a China tem planos para construir novas instalações para um terawatts adicionais de energia nuclear. Parece uma boa notícia (ok, esquecemos Fukushima por enquanto), pois aparentemente com o nuclear não há emissões tão prejudiciais, mas assim não é: as centrais nucleares consomem uma enorme quantidade de energia (obtida a partir de combustíveis fósseis) durante os anos da longa fase de construção; depois há os custos e a energia necessários para armazenar o lixo tóxico e, para acabar, as operações de fecho, complexas, demoradas e caras.

Se depois, durante a fase de exploração, é extraído um bónus como no caso de Fukushima Daiichi...bom, inútil até fazer cálculos energéticos ou ambientais.

Há algo que não bate certo.
A campanha contra o dióxido de carbono? Mas o dióxido de carbono é um indicador da presença humana, reduzir o CO2 significa reduzir a actividade humana porque a realidade é que não temos energias alternativas tão eficientes e baratas.

Todavia, todos os Países que assinam os vários tratados estão agarrados com unhas e dentes ao dogma do crescimento: como é possível crescer e diminuir a nossa "pegada" no ambiente? Não há maneira e a "optimização" dos processos de produção é apenas um paliativo de curto prazo: a exploração dos recursos naturais, a poluição, a emissão de gases nocivos, tudo continuaria obrigatoriamente num planeta condenado ao crescimento nos actuais moldes.

É a nossa mesma presença que altera de forma pesada o ambiente: só a actividade de criação de animais para consumo humano (em escada industrial) é responsável pela emissão da maior parte de CO2 em todo o planeta...ops, desculpem, esta é uma notícia que as associações ambientalistas não querem espalhar, desculpem, façam de conta de não ter lido nada, pode ser?

Portanto, este acordo permite que as classes políticas possam apresentar uma derrota ambiental como um sucesso de cooperação e diplomacia, mantendo imutadas ou até piorando no longo prazo as perspectivas "verdes". Nós continuaremos a ser condicionados com o mantra do Aquecimento Global enquanto a poluição (aquela verdadeira, feita não apenas de dióxido de carbono) prosseguirá a estragar irremediavelmente o planeta. Prémio final: mais e mais potentes centrais nucleares.

E até temos que ficar contentes....


Ipse dixit.

Fontes: Club Orlov, Vegolosi, Wikipedia (várias páginas da versão inglesa) 

13 comentários:

  1. Anónimo26.11.14

    Para começar, temos o vulcão da Ilha do Pico em erupção. CO2 com fartura para a atmosfera.

    Depois, a concentração de CO2 não cresce 'ad eternum', atingindo o ponto de saturação na atmosfera, o excesso é absorvido pelos oceanos. O valor actual ronda os 396 ppm.
    Em terceiro lugar, o aumento da concentração do CO2 não tem qualquer correspondência com o aumento de temperatura. Facto corroborado tanto pelos dados observados no paleoclima como pelos dados actuais. Isto é: a concentração de CO2 tem aumentado sempre, desde a revolução industrial atá à actualidade. Já a temperatura nem por isso. Desde 1998 que a temperatura média da terra não aumenta.
    O link abaixo tem uns gráficos interessantes.
    O efeito logaritmico do dióxido de carbono - The Logarithmic Effect of Carbon Dioxide
    http://wattsupwiththat.com/2010/03/08/the-logarithmic-effect-of-carbon-dioxide/

    Resumindo:
    A história da culpa do CO2 no aquecimento global é uma vigarice.
    Em primeiro lugar, não existe aquecimento global nenhum, estamos talvez a caminhar para um período de arrefecimento.
    Em segundo lugar, o CO2 não tem nada a ver com a história.

    Krowler

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Começo seriamente a pensar o mesmo...

      Eliminar
    2. Anónimo26.11.14

      Olá, boa noite.
      Já está mais que provado que actualmente o clima esta a arrefecer e que a influencia do homem no Aquecimento Global Antropogénico é nula.
      Muitos dos que agora dizem que isto vai aquecer ate fundir diziam na decada de 70 que caminhavamos para a Pequena Idade de Gelo. O ipcc tem sido apanhado em mentiras atras de mentiras e o Sr Rajendra K. Pachauri esta conhecido como um grande charlatão (ipcc is all about money).
      A poluição é má ? É sim senhor e devemos preservar o meio ambiente. Mas não podemos nos deixar levar nestes esquemas que neste caso serviram para grandes negociatas na venda dos direitos de carbono.

      Recomendo vivamente a entrevista do Sr Igor Khmelinskii Prof Univrsitario na Universidade do Algarve especialista em clima na RTP2 na qual de forma muito compreensivel nos explica e contextualiza no tempo estas questoes do clima .
      Deixo aqui o link: http://www.youtube.com/results?search_query=Igor+Khmelinskii

      Se tiverem curiosidade em saber mais :
      http://clima-virtual-vs-real.blogspot.pt/

      EXP001

      Eliminar
  2. Para isso funcionar eles terão de incluir o Bardabunga, Vanuatu e outros que a imprensa e todos fazem de conta que NÃO EXISTEM, mas estão ai chamando atenção cada vez mais e congelando a bunda dos norte americanos .
    http://www.painelglobal.com.br/talk/destaque.php?id=dat_20141124-221032.inc
    http://www.painelglobal.com.br/direto.php?id=dat_20141124-220127.inc&tf=1416873687

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito bem visto Shanerrai, a imagem do satélite com o rasto de dióxido de enxofre dá que pensar.

      Talvez seria a altura de começar a pensar no planeta como em algo de muito complexo, com lógicas de funcionamento que ainda não entendemos (como admitem os cientistas mais honestos).

      O clima é um exemplo perfeito: fenómenos como El Niño, que tem consequências dramáticas na terra, ainda não estão totalmente esclarecidos, imaginemos algo de mais complexo como todo o sistema climatérico do globo...

      Abraço!.

      Eliminar
  3. Olá Max,

    "só a actividade de criação de animais para consumo humano (em escada industrial) é responsável pela emissão da maior parte de CO2 em todo o planeta...ops, desculpem, esta é uma notícia que as associações ambientalistas não querem espalhar..."

    Pois, porque será?
    Aqui um bom documentário sobre este tema, desculpa o spam...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Inphi!

      Mas qual spam? Bem vindos os links esclarecedores, sempre.
      O problema é os links neste caso não funcionam, pois diz "O vídeo não está mais disponível etc.etc.", o que acontece com Youtube.

      Conheço o vídeo, é bom, se alguém encontrar uma versão com legendas faça o favor de avisar ou pôr o link, agradeço!!!

      Abraço!

      Eliminar
    2. Anónimo26.11.14

      Ola inphinitorumdotcom, boa noite.

      Foi com agradavel surpresa que te encontrei por aqui :) Já sabia de ti pelos comentarios que deixas no sitio da Fada do Bosque :)

      Creio que gostaras do documentario http://www.cowspiracy.com/
      espero que o meu serão de 6a feira seja a ve-lo :)

      Eliminar
  4. Anónimo26.11.14

    Co2 = dióxido de carbono.Fotossíntese. Essencial. Natureza.
    Co= monóxido de carbono, queima de derivados de petróleo.

    Nuno

    ResponderEliminar
  5. Anónimo27.11.14

    No meu comentário acima disse Ilha do Pico quando queria dizer Ilha do Fogo em Cabo Verde. Peço desculpa pelo lapso.
    Para que não restem dúvidas, aconselho vivamente o vídeo abaixo com uma entrevista com o Prof. Luiz Carlos Molion, uma grande autoridade sobre o clima.
    Se duvidas ainda persistirem, sugiro que verifiquem os dados que podem ser encontrados em muitos sites oficiais dos diversos países. Dados como, a evolução da temperatura global do planeta, evolução temperatura/CO2, evolução das calotas polares, etc., etc., e os mais cépticos também podem verificar se o pobre Urso Polar (nome cientifico: Ursus maritimus) do bloco de gelo, sabe ou não nadar.

    Cá vai a entrevista fantástica e esclarecedora:
    https://www.youtube.com/watch?v=Pqz4yMzbwF0

    Krowler

    ResponderEliminar
  6. Anónimo27.11.14

    https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Fotoss%C3%ADntese
    O https é porque uso o duckduckgo e outros é só tirar o s.
    Abraço
    Nuno

    ResponderEliminar
  7. Anónimo27.11.14

    Fora so topitópico:
    Sugestão para o mentor do blog:
    Pablo Iglesias e o podemos na vizinha Espanha.
    Deu um k.o. a Tve e outro a sic noticias.
    Só uma sugestão ;) , tudo de bom
    Nuno e já nem chateio mais.

    ResponderEliminar
  8. Anónimo27.11.14

    Sobre o assunto das emissões de carbono aconselho vivamente o documentário Cowspiracy, onde aborda precisamente o tema das emissões geradas pela criação animal.

    Embora ainda mantenha MUITAS RESERVAS sobre as reais consequências da emissão de CO2 na atmosfera, é um facto que as principais agências ambientais mundiais não estão minimamente interessadas em combater o potencial problema.

    EDIT: qdo comecei a escrever a mensagem não reparei que já tinha referido o documentário, quem está interessado em vê-lo e consegue aceder ao wareztuga...

    Pedro Martins

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...