27 novembro 2014

O óleo de palma

Costumamos engoli-lo e nem damos por isso.
A razão é simples: nos rótulos aparece de forma
genérica como "óleos e gorduras vegetais".

Falamos do óleo de palma, conhecido no Brasil também com o azeite-de-dendê ou azeite-de-dendém.

É uma matéria-prima barata com características semelhantes às da manteiga. Útil para a preparação de doces e margarinas (mas não só), também é utilizada no mercado da cosmética para sabões e detergentes. No Brasil é utilizado para pratos típicos como caruru, vatapá, acarajé, bobó-de-camarão ou abará, enquanto na Angola participa na preparação da moamba de galinha.

Problema: faz mal (bastante até) e é uma desgraça do ponto de vista ambiental.
É claro que aqui a questão não é se comer o não uma moamba de galinha: a questão são as grandes quantidades de óleo engolidas sem o nosso conhecimento. Tendo também em conta que os maiores consumidores são as crianças (doces, snack, etc.).

Saúde

Há muitos anos é sabido que os ácidos saturados fazem disparar o colesterol e aumentam o risco de
doenças cardiovasculares: ácido láurico, ácido miristico e ácido palmítico, todos saturados, são presentes de forma abundante no óleo de palma, sobretudo na variante mais barata, o óleo de palmisto (obtido das sementes e não dos frutos).

No óleo de palmisto tipicamente encontramos 48% de ácido láurico, 16% de miristico, 8 % de palmítico, 3% de cáprico e caprilico, 2% de steárico, todos ácidos gordurosos saturados.

As coisas melhoram um pouco no óleo de palma obtido dos frutos, que tem mais óleo palmítico (44%) mas menos miristico e apresenta uma percentagem maior de óleo oléico (que não é saturado).

Ambiente

Do ponto de vista ambiental as coisas não estão melhores. Teoricamente o óleo de palma faz parte das
assim chamas "energias renováveis" (pode ser utilizado como combustível ou componente de combustíveis, como no caso do bio-diesel), mas o uso maciço da planta envolve grandes custos ambientais. A procura por óleo de palma é tão grande que centenas de hectares de floresta são derrubados e convertidos em monocultura.

Desta forma, não apenas são postos em perigo os habitats naturais como também é comprometida a biodiversidade. A exploração implica também à expulsão de povos indígenas que ocupam as terras interessadas ao cultivo, sobretudo na Indonésia e na Malásia (os principais fabricantes).

Para ter uma ideia: quando a produção do óleo de palma foi introduzida nas regiões do sudeste da Ásia, eram exportadas 250 mil toneladas de óleo por ano. Hoje a procura subiu para 60 milhões de toneladas.

De facto, a indústria do óleo de palma é uma das principais causas do desmatamento no Sudeste Asiático. Na Indonésia, entre os anos 1967 e 2000, a área dos territórios para o cultivo das palmeiras cresceu de pouco menos de 2.000 para mais de 30 mil quilómetros quadrados.

O resultado é que no mundo, a cada hora, uma porção do tamanho de 300 campos de futebol de floresta tropical é cortada. E 80% do corte ocorre de forma ilegal. Devido à elevada procura de óleo de palma, nos últimos vinte anos mais de 90% do habitat do orangotango, a característica espécie de primatas do Sudeste Asiático, foi destruída. 

Homem

A implementação de grandes fabricas e de plantações de óleo de palma são frequentemente vistas como novas oportunidades de emprego para os pobres das áreas rurais, como aquelas do Bornéu e de Sumatra. Na verdade, a indústria aumenta os problemas das pessoas.

A indústria de óleo de palma é, de facto, associada ao não respeito dos direitos humanos, como à exploração de menores. Nas áreas mais remotas da Indonésia e da Malásia, são as crianças que recolhem os frutos na parte mais elevada das árvores, em troca de alguns Dólares ou de nada.

O trabalho nas plantações não é uma escolha para as populações locais, que de facto não têm alternativas: ou aceitam as condições de trabalho oferecidas pela indústria ou ficam desempregadas.

ADM, Unilever, Cargill, Procter & Gamble, Nestle, Kraft e Burger King são as empresas que mais óleo de palma utilizam, enquanto o aumento da cultivação devido aos bio-combustíveis representa uma percentagem menor.

Eis o vídeo para sensibilizar o público acerca da Dove, a empresa de cosméticos do grupo Unilever que é uma das maiores consumidoras do óleo de palma:



Ipse dixit.

Fontes: The Post, Agritrade (vários documentos em versão Pdf, língua inglesa), Mongabay, Greenpeace: Cooking the Climate (ficheiro Pdf, inglês)

6 comentários:

  1. Olá Max,

    quando estive em São Tomé e Príncipe, fiquei chocado com o "desastre" ambiental provocado pela Agripalm - uma empresa produtora (usurpadora) de óleo de palma.

    Podes ver os campos aqui: https://www.google.pt/maps/@0.1030108,6.5978794,2446m/data=!3m1!1e3?hl=en

    De sustentabilidade não tem nada, até porque corriam os rumores de continuarem a aumentar a plantação de palmeiras.


    Um abraço,
    --
    R. Saraiva

    ResponderEliminar
  2. Anónimo16.10.15

    Do ponto de vista nutricional, o óleo de palma é um excelente produto. O argumento apresentado no texto de que "faz mal" não tem base científica.

    ResponderEliminar
  3. O cara cita ácidos graxos essenciais para a manutenção de uma vida saudável exemplo o láurico e diz que é ruim , vai procurar o que fazer ,o alimento mas completo que existe tem cerca de 19% dele o leite materno.

    ResponderEliminar
  4. Esse artigo está com a "INFORMAÇÃO INCORRECTA".
    Como o Antonio Alves disse 19% de ácido láurico é encontrado no leite materno. Esse acido graxo quando chega no estômago se transforma em monolaurina que é responsável em manter a saúde da criança matando vírus, bactérias, fungos e parasitas.
    E mais, não é a gordura saturada que "faz mal" mas sim a gordura trans desses óleos que encontramos no mercado como o de soja, milho, girassol, etc. Canola nem se fala então. É veneno puro.
    E ainda, são riquíssimos em omega 6, o que torna desequilibrada a relação entre ômega e ômega 6 no corpo causando inflamação.

    ResponderEliminar
  5. Esse artigo está com a "INFORMAÇÃO INCORRECTA".
    Como o Antonio Alves disse 19% de ácido láurico é encontrado no leite materno. Esse acido graxo quando chega no estômago se transforma em monolaurina que é responsável em manter a saúde da criança matando vírus, bactérias, fungos e parasitas.
    E mais, não é a gordura saturada que "faz mal" mas sim a gordura trans desses óleos que encontramos no mercado como o de soja, milho, girassol, etc. Canola nem se fala então. É veneno puro.
    E ainda, são riquíssimos em omega 6, o que torna desequilibrada a relação entre ômega e ômega 6 no corpo causando inflamação.

    ResponderEliminar
  6. Amigo concordo plenamente que do ponto de vista ambiental o crescimento das plantações tem sido algo preocupante, mas devemos lembrar que existem as plantações de soja, trigo e agropecuária que também são de larga escala, fazendo com que alguns países esse tipo de atividade seja até mais perigosa para o ambiente.

    Agora do ponto de vista Nutricional o óleo de palma é bom para saúde, assim como algumas gorduras saturadas que são boas como a banha de porco(porco alimentado naturalmente) e principalmente o óleo de coco. Justamente o ácido láurico que vc colocou no artigo é absurdamente bom para nós, ele é encontrado no leite materno e o mesmo é considerado por muitos pesquisadores o item mais importante no leite materno, pois é ele que melhora o sistema imunológico do bebê, protegendo seu estomago e intestino.... O ácido laurico justamente é encontrado no óleo de coco e no de palma, devido as qualidades nutricionais do óleo de palma eu torço muito para que possamos reparar, reorganizar e promover a sustentabilidade para termos essa "monocultura" sem prejudicar o meio ambiente.

    Sobre doenças cardíacas os carboidratos, principalmente os de elevados níveis glicemicos esses sim são grandes inimigos e não a gordura saturada, se a pessoa equilibrar o consumo de carboidrato e consumir sem exageros a gordura saturada existem grandes chances dessas gorduras se transformar em energia rapidamente quando elas são de cadeia media, não ficando acumuladas no corpo, fora que o homem por exemplo precisa das gorduras para produzir vários hormonios, ás vezes alguém ler um artigo errado e começa a cortar gorduras e depois não sabe porque esta se sentindo doente mais tarde.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...