30 setembro 2014

Insólito: quanto é antiga a água?

A água que ocupa dois terços do nosso planeta é mais antigas do que a Terra. E é até mais antiga do que o Sistema Solar.

Esquisito? Na verdade nem tanto. Sabemos que a água existe fora do nosso planeta também: é o caso dos cometas, cujos núcleos contêm uma elevada percentagem de gelo de água.
Sabemos que existem outros planetas além do nosso Sistema e sabemos que alguns deles têm condições para ter água (aliás, moléculas de água já foram detectadas em planetas extra-solares).

Será que toda a água presenta no nosso planeta gerou-se por processos químicos logo após a formação (ou criação, depende dos gostos) da Terra?
A resposta neste caso é simples: não. De facto, faltava o "material" para gerar tanta água. Muita da água tem que ter chegado "de fora" e os maiores suspeitos são outra vez os cometas, que nos primeiros tempos de vida da Terra chocavam com frequência com o nosso planeta.

Mas também aqui há uma dúvida: os cometas presentes no nosso sistema solar teriam sido suficientes?  

Alemanha: a Grande Ilusão - Parte II

Rainer Hundsdörfer vai tem que tomar aquela que é, talvez, a decisão mais difícil da sua vida
profissional: a empresa dele planeia investir 50 milhões de Euros no curto prazo, mas ele não tem certeza se ainda vale a pena gastar este dinheiro no seu próprio País.

Hundsdörfer é o administrador da empresa Ebm-Pabst. Os ventiladores industriais fabricados pela Ebm em Mulfingen, uma cidade no sul da Alemanha, estão instalados em sistemas de refrigeração para supermercados, hotéis e condicionadores de ar e em computadores ao redor do mundo. Os mercados estrangeiros já representam mais de 70 % das vendas de empresa.

A Ebm-Pabst fábrica já há algum tempo produtos na Índia e na China, mas até agora o objectivo de investir em Países estrangeiros era simplesmente para estar mais perto dos clientes. A empresa permaneceu ferozmente leal à Francônia, a região natal, na Alemanha. Mas essa lealdade pode desaparecer na próxima decisão de investimento. Diz Hundsdörfer:
Seria a primeira vez que escolhemos contra o local de produção na Alemanha.

Tomates

Já sabemos: vivemos num mundo onde o que conta é a aparência.

Os factos, a realidade das coisas, passam em segundo plano. Até desaparecem se for o caso, totalmente substituídos por aquilo que os olhos vêm e que o cérebro quer acreditar.

O que acontece com o vírus Ébola é um bom exemplo. Mas podemos encontrar o mesmo na nossa vida de todos os dias. Aliás, continuemos o discurso começado com Ébola, o discurso acerca do racismo.

29 setembro 2014

Alemanha: a Grande Ilusão - Parte I

A Alemanha é tida como exemplo de economia-modelo, algo que deveria ser inspirador para os
outros Países (sobretudo na Zona Neuro).
Mas é mesmo assim?

Já vimos que o crescimento alemão foi feito à custa de redução de salários e outras medidas que, na verdade, empobrecem o tecido social.

Mas sobra uma dúvida: será que os Alemães, povo pragmático, aceitaram sacrificar hoje para ter um amanhã melhor?

Der Spiegel, a conceituada revista semanal alemã, escreve um artigo impiedoso acerca das perspectivas económicas da Alemanha: um País que não faz qualquer investimento, não está a crescer e em que o nível de bem-estar está caindo para a maioria dos cidadãos.

Insólito: Pedro, o Nimeriga

Em Junho de 1934, dois indivíduos que estavam a procurar ouro nas montanhas de San Pedro, precisamente em Carbon County (Wyoming, EUA), depararam-se com uma descoberta surpreendente.

Cecil Mayne e Frank Carr, depois de ter dinamitado uma espessa parede de rocha, notaram uma passagem que dava para uma pequena caverna escavada na montanha, com cerca de 1,2 metros de altura e 4,6 metros de profundidade.

Dentro do nicho, os Mayne e Carr encontraram aqueles que pareciam ser os restos mumificados do menor ser humano já descoberto, cujas origens eram um verdadeiro mistério.

As lendas das tribos locais, formadas por nativos americanos, tinham transmitido histórias sobre "homenzinhos" ou "pequenos espíritos", também conhecidos como Nimeriga. Em algumas daquelas histórias, estes minúsculos seres estavam na posse de poderes mágicos benignos, em outras ainda eram pintados como uma espécie feroz que atacava os nativos americanos com flechas envenenadas.

Analgésicos: em 10 anos mortes quadruplicadas

Sobredose, dose excessiva ou overdose diz Wikipedia.

Seja qual for o termo utilizado, não é algo que afecta só os consumidores de substâncias estupefacientes ilegais, mas também abranger os fármacos. Fala-se aqui de analgésicos, como a hidrocodona, oxicodona e a morfina, que são prescritos para controlar a dor.

Estes medicamentos, de acordo com as estimativas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA, foram a causa de 3.000 mortes não intencionais em 1999: um total que subiu para quase 12.000 em 2011. Assustador, sobretudo se levarmos em conta que estamos a falar de medicamentos, algo que é suposta "fazer bem".

Apesar de uma ligeira queda no ano de 2006, a tendência ainda se encontra em aumento. Sintoma, então, que no âmbito da prescrição e do consumo de opiáceos e analgésicos desta classe é necessário mais controle e intervenção. E, porque não?, também um pouco mais de juízo por parte dos consumidores.

26 setembro 2014

Qual Liberdade?


A Liberdade é o direito de fazer tudo quanto não prejudique os outros
Anne Robert Jaques Turgot (1727 – 1781)


Marcello Veneziani é um jornalista e escritor italiano.
Vou traduzir (mesmo uma tradução literal neste caso e nada mais) um artigo saído esta semana que tem como tem a Liberdade.

O título já é provocador: "Contra a liberdade".
Mas fiquem descansados: não está aqui o elogio das ditaduras.

A Liberdade da qual Veneziani fala é outra: a obrigação da Liberdade, a Liberdade acima de tudo, a Liberdade que não respeita nada e ninguém. Uma doença, uma substância estupefaciente que somos obrigados a engolir, a qualquer custo (juntamente com o conceito de Democracia), sem que seja possível parar um segundo e reflectir acerca do verdadeiro sentido de Liberdade.

Que, como nota pessoal, deve ser inevitavelmente filtrada pelo conceito de respeito do próximo porque, caso contrário, torna-se uma outra forma de ditadura. A ditadura da Liberdade.

Duas perguntas para o fim de semana

E hoje duas perguntas, duas dúvidas que irão acompanhar o Leitor ao longo do fim de semana, tirando-lhe o sono.

1.
Porque Steve Jobs não deixava
que os seus filhos utilizassem o iPad?

Um artigo publicado no New York Times revela que o fundador da Apple, Steve Jobs, assim como
outros executivos de empresas de tecnologia, limitava a utilização de dispositivos electrónicos por parte dos filhos dele.

De acordo com o jornal, numa das suas entrevistas, Jobs afirmou que os seus filhos não iriam usar uma das suas criações mais populares, o mítico iPad:
Nós tentamos reduzir ao limite a quantidade de tecnologia que os nossos filhos possam usar em casa
Assim falava o fundador da gigante da informática.

25 setembro 2014

1.000 biliões de nuclear (obrigado Obama!)

De vez em quando, eis que aparece uma boa notícia.

Neste caso, a novidade é a seguinte: os Estados Unidos decidiram investir em novas e mais modernas armas nucleares por uma verba de 355 biliões de Dólares nos próximos 10 anos. Ao longo dos próximos 30 anos, o total passaria a ser de 1.000 biliões de Dólares.

A fonte? O New York Times do passado dia 21 de Setembro, algo que os media do outros Países não realçaram com suficiente alegria do meu ponto de vista.

Porque é uma boa notícia? Pelo menos por quatro boas razões.

Racistas nós?

Ébola. Uhi que medo. E que horror.

Ainda bem que a nós os africanos não interessam, nem tão pouco, porque caso contrário deveríamos ficar preocupados.

Sejamos honestos: a quem interessam alguns africanos mortos?

A disenteria provoca no Continente Negro 2.000 mortos por dia. A malária causa 627 mil mortos por anos (cerca de 1.700 por dia, a metade de quanto Ébola matou até agora). Alguém ouviu falar de emergência sanitária? Claro que não. É normal que os africanos morram e nós continuamos sem que as nossas vidas beatas sejam minimamente atingidas por isso.

Então, porque toda esta confusão por causa de Ébola? Porque existe a (muito remota) possibilidade de que o vírus decida contagiar outras regiões do planeta. A disenteria não faz isso, a malária também não. Mas Ébola, em teoria, pode. Estamos preocupados connosco, não com os africanos: tão simples como isso.

24 setembro 2014

O Euro de Hitler

Segundo a historiografia oficial, no dia 25 de Março de 1957 nasceu a Comunidade Económica Europeia (CEE) com o Tratado de Roma, fundada por seis Países: Holanda, Bélgica, Alemanha, França, Itália e Luxemburgo.

Posteriormente, os Países que aderirem à CEE tornaram-se vinte e sete.

Outra data importante é 7 de Fevereiro de 1992, quando o Tratado de Maastricht institui a União Económica e Monetária Europeia, abrindo o caminho para a introdução da moeda única e definir os parâmetros económicos (e não só) que cada Estado deve respeitar.

Em 1 de Janeiro de 1993, são eliminadas as barreiras alfandegárias.
O nascimento oficial do Euro remonta a 1 de Janeiro de 1999, quando é introduzido em onze Países (França, Bélgica, Itália, Áustria, Alemanha, Finlândia, Irlanda, Luxemburgo, Holanda, Espanha, Portugal), mas é em 2002, especificamente no dia 3 de Maio de 2002, que o Euro tornou-se a moeda oficial dos Países da União Monetária Europeia.

Eduardo Campos: uma manobra da CIA?

A morte de Eduardo Campos foi sem dúvida o acontecimento mais marcante do período pré-eleitoral no Brasil. Ao ponto que o acidente em que o candidato ficou envolvido levanta dúvida e abre a porta para possíveis especulações.

Terá sido esta uma manobra da CIA para derrotar Dilma Rousseff, a principal candidata no próximo Outubro? Uma maneira para favorecer o partido de Campos, o Partido Socialista Brasileiro?

O Leitor Sergio (que agradeço, como é óbvio) sugere um artigo do jornalista Claudio Tognolli, no qual um jornalista e ex-oficial da Marinha dos EUA sustenta que CIA matou Campos, com o objectivo de favorecer a eleição de Marina Silva, líder do PSB.

A seguir, as declarações do jornalista americano Wayne Madsen entrevistado pelo blog de Tognolli (o texto completo pode ser encontrado no blog do mesmo, O Blog de Claudio Tognolli): do excerto foram retiradas as notas explicativas (para uma maior facilidade de leitura) que, obviamente, podem ser encontradas no texto original.

23 setembro 2014

A Cruzada - Parte II

Assim um Leitor Anónimo comenta a primeira parte do artigo:
Perguntam-se vocês de onde apareceu esta gente assim com tanta força que nem exercitos regulares os conseguem derrotar? Onde obtêm o dinheiro? Sim como já foi noticiado ate na BBC da venda do petroleo e gas avaliado em 757 mil euros por dia, a 30 dólares por barril em vez de 100 é muito petroleo.
E quem o compra? Turquia e Israel, aliados de Washington. Então temos todo o mundo ocidental em estado de alerta com estes terroristas e bico calado em relação a 2 aliados que negoceiam e assim financiam perigosos terroristas seus inimigos?
O Leitor não anda nada longe da verdade. O petróleo é a chave, em dois sentidos:
  1. porque o mundo ocidental precisa de petróleo (mas também a China) e no Iraque há petróleo.
  2. porque já sabemos que um dos maiores produtores do precioso líquido (a Arábia Saudita) financia os grupos terroristas radicais.

Palestina: depois do massacre

Gaza? O ataque de israel? Os palestinianos?
Lamentamos, mas já são o passado. Pelo menos até o próximo massacre.

Mas agora são out, fora de moda, não fazem audiência. Para entreter o povo eis uma nova guerra (A Cruzada), que promete sangue fresco e, quem sabe?, mais vítimas ainda. 

Mas nós voltamos atrás: o ataque israelita em Gaza levou a um novo terrível massacre, um dos muitos na história do colonialismo sionista. Além da condenação moral, qual foi o verdadeiro resultado?

22 setembro 2014

A Cruzada - Parte I


Diziam os Romanos: repetita juvant.
Que podemos traduzir como: "A Juventus repete os sucessos" ou "As coisas repetidas ajudam".
Acho que a tradução mais correcta seja a segunda.

Então vamos repetir, sobretudo após o apelo em favor da Guerra Santa lançado pelo simpático Barack Obama nas últimas semanas (apelo prontamente recolhido pelos servos: os Franceses já começaram a bombardear no Iraque). E também vamos tentar perceber qual o verdadeiro objectivo da nova cruzada.

Os meios de comunicação são pródigos de informações que descrevem as atrocidades do alegado Califado, mas reticente em dizer quem são os seus membros e qual a origem do movimento.

Nestes últimos dias, por exemplo, realce para um rapaz de Portugal, tal Fábio, que, estudante em Londres, decidiu abraçar a Jihad para combater no Estado Islâmico do Iraque e da Síria (este último é o nome completo, conhecido também como Isis). Surpresa, espanto, incredulidade e um pouco de medo (o inimigo vive entre nós, pode ser o vizinho da porta ao lado!). Mas nem uma palavra acerca desta força, de como nasceu, quem foram os fundadores, quem são os organizadores, donde chegam as armas, como são estruturados.

De volta: Goldman Sachs, BES e SPV

3...2...1...e vai: Informação Incorrecta volta!

Ok, ok...a pausa das férias foi mais comprida do que o previsto, verdade. E peço desculpa por causa disso. Mas nem sempre a realidade segue os nossos programas, aliás, quase nunca. Assim, um pouco de preguiça dum lado, alguns percalços do outro, mais o trabalho e eis que o blog ficou parado demasiado tempo.

Mas hoje retomam as publicações normais.
E vamos falar de quê? Olhem, hoje vamos falar dum banco, aliás, dum ex-banco. Um ex-banco de Portugal.

Eu sei, eu sei...não costumo falar de assuntos locais, mas desta vez vale a pena porque na verdade a coisa vai muito além das fronteiras lusitanas. Muito mesmo, apesar da comunicação social portuguesa (e não só) parecer ignorar o assunto.

A instituição é o Banco Espírito Santo, o BES, activo em vários Países, como no Brasil, por exemplo.
O BES já não existe: foi dividido em Banco Espírito Santo (uma espécie de fantasma que tentará recuperar os créditos sem nunca conseguir) e o Novo Banco (que em dez dias já mudou duas Administrações, tanto para começar bem).

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...