31 outubro 2014

O pior inimigo dos Estados Unidos

Somos tratados como deficientes.
E não é uma metáfora. Os órgãos de comunicação tratam todos nós, Leitores, como uma cambada de deficientes.

Pegamos no último discurso do Presidente russo Vladimir Putin. Agora, dito entre nós: Putin não é um santo, bem longe disso. Mas se faz um discurso bem fundamentado, temos que dizer "sim, o fulano desta vez tem razão". Tentar manipular as suas afirmações só porque não calham bem com as nossas ideias é triste.

O que disse Putin? Bom, Putin fez um discurso bastante comprido, cujos pontos principais são os seguintes:
  • há uma ordem internacional que aproveitou-se do fim da guerra fria para remodelar o mundo de acordo com os seus próprios interesses
  • esta ordem não respeita conceitos básicos como o direito internacional ou a soberania nacional
  • os Estados Unidos apoiam grupos neo-fascistas e terroristas.
Putin disse a verdade e não há mais nada para acrescentar..

Ucrânia: milagre nas urnas!

Eleições na Ucrânia!
E eleições sérias, não como aquela palhaçada do referendo na Crimeia, porque na parte livre e sã do País as coisas funcionam segundo as regras da Democracia.

No estúdio da emissora televisiva 1+1 (do magnata Igor’ Kolomoiskij) encontram-se a apresentadora e o jornalista Anatolij Sharij no papel de comentador.


Aparecem os dados oficiais e eis que Anatolij fica um pouco perplexo. O que se passa?

É que nas províncias do País a percentagem de votantes é elevadíssima: 99.9%.
E não em "algumas" províncias, mas em todas, inclusive onde se combate (Donetsk, Lugansk) e até onde foi proclamada a independência (Crimeia). Todas as províncias com a mesma percentagem: 99.9%!

30 outubro 2014

Uma casa em Madrid

A economia espanhola ainda não conhece o termo "retoma" (e quem conhece?), mas isso não impede
que os tubarões da Alta Finança tentem ganhar uns trocos, mesmo que isso implique arruinar as famílias.

No ano passado, a cidade de Madrid e outros governos regionais anunciaram a venda de 5.000 apartamentos a consórcios privados, como Goldman Sachs e Blackstone: privatizar, meus senhores, o Estado tem que pôr-se de lado, vivemos acima das nossas possibilidades, etc., etc.

Obviamente os moradores foram tranquilizados: os contractos não se mexem, os alugueres estão seguros, durmam descansados. Doutro lado, quem poderia duvidar duma empresa como Goldman Sachs?

A agência Reuters realizou uma investigação e o resultado é que, uma vez acabados os prazos dos contratos, foi anunciada (e implementada) uma reavaliação dos mesmos: os novos alugueres foram assim adequados aos preços do mercado, sem ter em conta as necessidades dos moradores.

Alimentação: a carne mecanicamente separada

A matéria prima
O que é a "carne mecanicamente separada"?

Esta é uma expressão que podemos encontrar frequentemente nas embalagens de enchidos e outros produtos com base na carne (hamburger confeccionados, panados, croquetes, cordon bleu, por exemplo).

E a expressão é bonita: faz pensar numa máquina de tipo avançado, capaz de dividir as partes "boas" das partes "más" dum animal. Entra o frango, dum lado saem os ossos, do outro a carne suculenta.

Enfim, prodígios da técnica moderna. Deve ser uma ideia japonesa, se calhar copiada logo pelos Chineses.

Assim, só como curiosidade, breve pesquisa em internet e eis a verdade: a máquina não é tão "avançada". Aliás, parece coisa bem velha. E não anda por aqui nenhuma carne "separada": simplesmente não há carne ou há muito pouca.

29 outubro 2014

Sondagem: guia do Linux

Pssssssst!

Nova sondagem, na coluna de direita.
Assunto: Linux.

Antes de escrever um guia simplicíssimo, gostaria saber se estiver alguém interessado. Claramente, seria um guia vocacionado para quem nunca teve experiência com o sistema operativo Linux.

Caso contrário, vou escrever um guia sobre como confecionar chinelos para bebes com o crochê.
A escolha é vossa.

Obrigado por participar!

A Nasa confirma: 6 dias de escuridão

Nos últimos dias uma notícia tem circulado insistentemente na internet.

Neste caso, copio quanto escrito pelo site brasileiro MMO Notícias:
NASA confirmou que a Terra experimentará 6 dias de escuridão quase completa entre os dias 16 a 22 de Dezembro. O mundo continuará a existir durante esses dias, sem luz solar, devido a uma tempestade, que fará com que poeira e detritos espaciais tornem-se abundantes ao ponto de bloquearem 90% da luz solar.
O chefe da NASA, Charles Bolden, que fez o anúncio, pediu a todos que mantenham a calma. Este será o produto de uma tempestade solar, a maior dos últimos 250 anos, por um período total de 216 horas.
Apesar dos seis dias de escuridão que virão em breve, os funcionários dizem que a Terra não vai sofrer grandes problemas, uma vez que seis dias de escuridão estão longe de ser o suficiente para causar grandes danos a qualquer coisa.
Assim, um espectáculo impressionante e único. 90% da luz solar significa uma escuridão quase total, mas não é o caso de preocupar-se: já no passado tinha acontecido o mesmo e a raça humana sobreviveu.

28 outubro 2014

Os outros campos de concentração

Ao ler o termo "campo de concentração", o nosso cérebro logo vai pescar as imagens dos hebreus na
Alemanha nazi. É normal, é a reacção do cão de Pavlov.

O cão de Pavlov com a ilusão de ser autónomo consegue até lembrar-se dos gulags soviéticos. E se o cão de Palvov morar no Brasil, então lembrará de Ceará, dos doze campos dos anos '40, e pouco mais.

Mas depois disso há o nada: na prática, parece que os campos de concentração foram inventados e utilizados só pelos nazis e pelos russos. Será mesmo assim?
Alguém já ouviu falar dos campos de concentração dos Estados Unidos?

A moderna ideia de campo de concentração foi implementada pela primeira vez em 1986, em Cuba: foram os Espanhóis que desta forma "fechavam" pessoas incómodas. Três anos depois os Estados Unidos, para não ficar atrás, fizeram o mesmo nas Filipinas e em 1900 foi a vez dos Britânicos na África do Sul contra os Boers (tristemente famoso era o campo de Krugersdorp). Aqui, os presos viviam em tenda e a maior parte deles morriam de fome e de doenças.

Sakineh antes, Reyhaneh depois

Lembram-se de Sakineh?

Corria o ano de 2010 d.C. e no malvado País do Irão um inocente rapariga que tinha assassinado o marido com a ajuda do amante foi presa e condenada a morte (no Irão é assim: matas? Morres).

Aqui, no evoluído Ocidente, começaram a circular versões assustadoras: Sakineh apedrejada, o advogado dela torturado...enfim, um típico caso de crueldade iraniana. Hillary Clinton, Amnesty International, Avaaz e muitos mais, todos juntos para impedir um apedrejamento que ninguém tinha sentenciado (a rapariga ia ser enforcada).

Sakineh hoje
Moral da história: a pressão internacional foi muito forte e Sakineh, culpada de homicídio e adultério, fez 4 anos de prisão depois dos quais recebeu a amnistia. Hoje está livre, enquanto, segundo as últimas notícias, o ex-marido continua morto.

Passados 4 anos, eis um novo caso, sempre no malvado reinado do Irão: Reyhaneh Jabbari.

Segundo a versão circulada no avançado Ocidente, Reyhaneh foi acusada de ter assassinado um homem após este ter tentado viola-la. Reyhaneh teve que enfrentar o processo sozinha, sem advogados. Por fim, foi enforcada.

Muito triste, assim como triste é a última carta de Reyhaneh enviada para a mãe, Shole. Não leiam, nenhum coração humano pode aguentar aquelas linhas.

27 outubro 2014

Insólito (e secreto!): X-37B

Começamos com o ver o lado positivo: a missão do X-37B acabou bem.

O "coiso", uma espécie de enorme supositório com 9 metros de comprimento, no passado dia 17 de Outubro acabou a missão de voo orbital da durada de dois anos.

A missão não tripulada, conhecida como OTV-3, foi a mais longa já enfrentada pelo veículo e, como as duas anteriores, nada é sabido acerca dela.

A missão inaugural do programa espacial militares tinha ocorrido em Abril de 2010, com a duração de 225 dias. A segunda missão durou 469 dias.
Diz o comandante Keith Balts, do 30º Space Wings:
Estou extremamente orgulhoso da nossa equipa pelo sucesso desta missão.
Também nós estamos extremamente orgulhosos: é bom saber que no espaço viaja este coiso sem saber o que raio faça. E o facto de tudo estar nas mãos dos militares norte-americanos é ainda mais reconfortante.

A Era Tecnotrónica

Falámos de Soros, não podemos não falar de Brzezinski.

Os Leitores mais antigos devem lembrar deste homem, cujo apelido pode provocar luxação da língua (sobretudo quando lido com o nome: Zbigniew). Os mais curiosos podem ler alguns artigos mais velhos, cujos links estão presentes mais em baixo.

Soros e Brzezinski, na verdade, não têm muito em comum: são dois indivíduos altamente perigosos, mas enquanto o primeiro é um mero explorador de seres humanos, o segundo é pessoa dotada duma inteligência muito apurada, é uma mente complexa e um óptimo estratega. Não deixa de ser um sacana ao quadrado, mas apresenta-se de forma bem mais refinada.

Sobretudo, Brzezinski sabe. Sabe o quê? Tudo.
É só pegar no que escreveu ao longo dos anos: quase na integra acabou por realizar-se. Não que tenha o dom da clarividência: simplesmente sabe e tem o poder de fazer que as coisas sigam um determinado percurso.

26 outubro 2014

Soros: Europa, Ucrânia e o inimigo maltês

George Soros: uma pessoa bonita.

Entre os primeiros 20 homens mais ricos do planeta (uns 14 biliões de Dólares em 2010), com o Open Society Institute finge ajudar a mudança para que tudo fique na mesma.

Ao longo dos anos, apoiou o movimento polaco Solidarnosç, a Revolução das Rosas na Geórgia, a revolta da Bielorrússia, o governo usurpador da Ucrânia e a eleição de Barack Obama. Mas tratar das várias empresas de Soros (sobretudo em âmbito financeiro) precisaria dum capitulo à parte.

É também escritor. Entre os livros, lembramos "A bolha da supremacia americana: corrigir o abuso do poder americano". Não li, mas aconselho-o porque já do título percebe-se que é um livro de humor. 

Nos retalhos de tempo participa no Council on Foreing Relations. Obviamente é filantropo porque, debaixo da carapaça de sacana ao quadrado, Soros é uma pessoa com um coração de manteiga. E sábio também. Eis um dos mais recentes Soros-pensamentos publicado no New York Review of Books:

Facebook e o duplo irlandês

Quanto paga Facebook de impostos? Tomamos o caso do Reino Unido: o jornalista Leo Mirani, do site Quartz, foi espreitar as contas do social network na terra da Rainha e os resultados são...divertidos.

Em 2013, Facebook no Reino Unido pagou em impostos um total de 3.169 Libras. Muito? Sim, uma enormidade: são exactamente 4.022 Euros ou 12.586 Reais.

Para fazer uma comparação, o imposto sobre os rendimentos pago por um professor que ensine em Londres, com base no salário mínimo de 27.543 Libras anuais, pode facilmente ultrapassar a soma de 3.500 Libras (4.440 Euros, 13.900 Reais).

Será que Facebook está em profunda crise? Falta de dinheiro?
Nem tanto: o lucro bruto do ano 2013 foi de 49.280.000 Libras (ou seja, 62,5 milhões de Euros, 195 milhões de Reais). Não parece uma empresa à beira da falência.

24 outubro 2014

A América do Sul e o Capital - Parte II

Segunda parte do artigo dedicado ao assunto América Latina e Capital.
Boa leitura.

A força de penetração e de especulação do grande capital não diminuiu com os governos progressistas, apesar das medidas fiscais e regulamentares tomadas por alguns desses Estados. Embora tenha havido progresso na implementação de políticas públicas em favor dos pobres, por outro lado não diminuiu o poder da grande expansão do capital.

Entre os governos democráticos populares, alguns se atreveram a promover a mudança constitucional, outros permanecem no quadro institucional e constitucional dos governos neoliberais que os precederam, mesmo envolvendo-se em conquistas sociais importantes, como a redução da pobreza e da desigualdade social.

As forças de Esquerda na América Latina continuam a concentrar-se no emprego do aparelho de Estado. Lutam para que os grupos dos marginalizados e dos excluídos possam ser incorporados nas regras normativas de cidadania (indígenas, sem-terra, sem-tecto, mulheres, recolhidores de materiais recicláveis, etc). Os governos e os movimentos sociais se reúnem, especialmente durante os períodos eleitorais, para conter as reacções violentas da classe dominante aliada ao aparelho do Estado.

Wikiquê?

Só uma nota, tanto para perceber como funcionam as coisas.

Lembram-se do artigo acerca da República de Cospaia? Não? Como não?!? Tudo bem, o link é este.

Ora bem. Circulando na internet descubro uma coisa divertida: existe uma página de Wikipedia dedicada ao assunto em idioma inglês também.

Até aqui tudo bem, por isso, curioso, começo a ler: na prática é uma cópia reduzida do artigo italiano, com o qual partilha as mesmas fontes (aliás, na versão italiana as fontes são maiores).

Tudo igual, portanto, reconhecendo o carácter único e genuinamente anarquista de Cospaia, até chegar a esta frase:
There were no jails and there was no standing army or police force within the tiny nation, thus making crime rampant, though records are scarce.
Já conhecemos a primeira parte da frase:
Não havia prisões e não havia nenhum exército ou força policial dentro da pequena nação
Que é quanto afirmado no site da Ex-República de Cospaia (e no já citado artigo).

23 outubro 2014

Um disparo, 28 inocentes

One shot one kill (um disparo, um morto) é o lema dos fuzileiros americanos.

E o lema dos drones? É um pouco diferente. Não que faltem os mortos, pelo contrário: é mais uma questão de objectivos. Mas tentamos apresentar esta notícia duma forma um pouco mais optimista...tanto para não falar só de desgraças.

De acordo com um relatório do Bureau of Investigative Journalism (uma organização da imprensa independente baseada em Londres), apenas bem 12% das vítimas dos drones americanos no Paquistão pode ser identificado como um militante. No estudo, publicado na Quinta-feira, também é feito observar que menos até 4% dos mortos foram identificados como membros da al-Qaeda.

O documento afirma que, das 2.379 vítimas oficiais dos ataques com drones que ocorreram entre Junho e Outubro de 2014, apenas bem 704 (mais do que um terço!) foram já identificadas e, entre estes, apenas nada menos de que 295 parecem ter características pelas quais podem ser consideradas como filiadas de grupos armados.

A América do Sul e o Capital

Prenda para os Leitores do Brasil!
E da América Latina no geral.
E para os outros também assim todos ficam contentes.

Encontrei um artigo que acho ser interessante. Explico.

Sempre olhei para os fenómenos da América do Sul com suspeito. Alba, Celac, Unasur, Evo Morales, Dilma...tudo lindíssimo, tudo fantástico, mas há algo de fundo que inquieta.

Os modelos progressistas da América Latina estão todos baseados no Capitalismo. Todos, sem excepção. E não há sinais de que algo possa mudar num próximo futuro. O que acho uma pena.

Porque se dum lado estamos de acordo que afastar-se da influência norte-americana seja positivo, doutro lado um Capitalismo progressista é sempre...Capitalismo. Mudamos de patrão, mas a trela é a mesma.

E é curioso, porque mesmo aqui no blog já fui acusado de acreditar num Capitalismo com um rosto humano: curiosamente é o que fazem os progressistas da América do Sul, ao propor um Capitalismo que, sendo progressista, supostamente apresenta um rosto "humano".

22 outubro 2014

Ébola: o Project Coast

Então, esta epidemia do vírus Ébola tem sido criada de propósito? Há quem jure que sim, que é mesmo isso que aconteceu.

A realidade é que não há provas. Isso sem considerar que Ébola tinha sido descoberto já no longínquo ano de 1976, data da primeira epidemia.

Há que avaliar outros aspectos também: se a ideia for um ataque biológico, Ébola não é a melhor escolha. O problema são a sua alta taxa de mortalidade (pode chegar ao 90%) e os meios de propagação (por exemplo, não se espalha por via aérea). Em compensação, não existe vacina.

Apesar de não ser a mais eficaz das escolhas, o vírus Ébola tem todo o potencial para ser considerado uma arma biológica. E a melhor demonstração pode ser encontrada mesmo na África.

O Project Coast

Na África do Sul, no início dos anos 80, o Dr. Wouter Basson lançou um programa secreto de armas biológicas, chamado Project Coast. O objectivo era desenvolver agentes biológicos e químicos que pudessem matar ou esterilizar a população negra e assassinar inimigos políticos. Entre os agentes desenvolvidos havia os vírus Ébola e Marburg.

21 outubro 2014

O regresso do Stress (Test)

Stress Test! Stress Test!

De vez em quando, eis que aparece o palco, é montada a cena e a peça começa: Stress Test, para demonstrar que tudo no fabuloso mundo dos bancos está controlado. Tudo ou quase.

Só uma breve nota acerca dos bancos europeus em teste antes da união bancária.

Em primeiro lugar, o exame vai permitir que os bancos apresentem ao Banco Central Europeu (BCE) os livros orçamentais "ajustados ao risco". Já aqui fica clara a seriedade do teste: as contas são alteradas ainda antes do começo.

Os britânicos tinham sugerido evitar o "ajustamento ao risco" e substituí-lo com o "índice de alavancagem", que é 100 vezes mais realista (e grave).
Problema: tendo em conta a alavancagem, um banco como o Deutsche Bank deveria ser fechado já hoje (2,5% contra o exigido 8%), com uma exposição aos derivativos (uma autêntica dinamite financeira) para um valor 20 vezes o PIB da Alemanha...está tudo dito.

Cospaia: provas técnicas de anarquismo

Um artigo de História seria uma grande seca, não é?

Por isso, vamos escrever algo acerca dum possível futuro. Neste caso, o futuro passa-se na Italia, no ano 1441.

Ok, dito assim parece uma coisa do passado, mas tenha paciência o Leitor: mais à frente tudo ficará mais claro, prometido.

Em Fevereiro de 1441, o papa Eugénio IV, concedeu ao território da República de Firenze a aldeia de Sansepolcro. A fronteira entre Sansepolcro e o território papal foi estabelecida ao longo dum pequeno rio cujo nome era simplesmente Rio ("rio" em italiano significa "pequeno rio"). Os delegados da República de Firenze interpretaram o nome "Rio" com o significado de "pequeno rio", que individuaram num pequeno curso de água que ficava a 500 metros de distância do primeiro, em direcção Norte. Isso criou uma espécie de terra de ninguém no meio do qual ficava a aldeia de Cospaia.

20 outubro 2014

A prova de Schindler

De vez em quando acontece: chega uma boa notícia.

Lembram-se do avião da Malaysia Airlines abatido? Não o desaparecido, daquele ninguém voltou a falar, provavelmente entrou numa nuvem de lixívia e desintegrou-se (o que explicaria razoavelmente bem a falta de indícios). O Boeing em questão é o outro, aquele abatido enquanto voava por cima da Ucrânia.

Ora bem.
O conceituado jornal alemão Der Spiegel, cujo artigo foi amplamente divulgado pelos media de meio mundo, põe um ponto final na questão: os serviços secretos de Angela Merkel têm as provas de que a derrubar a voo MH17 da Malaysia Airlines no espaço aéreo controlado pelas autoridades ucranianas foram os "separatistas de língua russa".

A agência de espionagem BND (Bundesnachrichtendienst) afirma que uma milícia local derrubou o voo, e diz isso após ter entrado na posse de "fortes indícios". O presidente da BND, Gerhard Schindler, reunião secretamente no passado dia 8 de Outubro com os membros da comissão de controlo parlamentar. Na reunião, Schindler afirmou que a milícia disparou um foguete a partir dum sistema de defesa antimísseis que tinha capturado numa base ucraniana. Logo depois, o foguete explodiu ao lado do avião, causando a sua queda.

Dois cenários para o fim - Parte II

Como lembrado, segundo a Assembleia das Nações Unidas e o Presidente Obama, aquela do "Califado" (Isis) "não é uma guerra religiosa, mas uma guerra contra o progresso." O Presidente iraniano Rohani falou de "guerra contra a civilização".

Curioso: o movimento "contra o Progresso" viu a luz mesmo no Irão do aiatolá Khomeini, em 1980. Homem de refinada cultura e subtil inteligência, não recusava a modernização mas queria que esta não atropelasse a estrutura tradicional de seu País, mirando em vez disso a integrar os dois aspectos.

Obviamente, no Ocidente Khomeini foi apresentado como um monstro, uma espécie de Satanás guloso de sangue humano (preferencialmente ocidental).

Poucos olharam para as reais condições do Irão antes e depois de 1980.
Poucos lembraram de que o Xã era a expressão do antigo colonialismo ocidental que apoiava o seu poder no petróleo (vendido às empresas ocidentais) e numa limitadíssima rica camada burguesa: cerca de 2% da população, o resto vivia na miséria.

17 outubro 2014

O Leviatã


Antes do Verão, foi enfrentado o assunto Clearstream.
Esta é uma espécie de "caixa preta" dos bancos, um lugar onde transitam montantes assustadores que geram lucros não declarados.

A cadeia é complexa, é precisa um pouco de paciência para entender como funciona o jogo, mas vale a pena. Assim, da próxima vez que o director do vosso banco começar a chorar pela crise e a falta de dinheiro, será possível perguntar "E as contas Clearstream como estão?".

E foi falado da Swift também.

Agora temos que parar um pouco e aprofundar o discurso. É razoável imaginar que ninguém, mas mesmo ninguém (além dos bancos, óbvio) tenha informações acerca dos vários Clearstream, Eurostream ou Swift (todos baseados no mesmo mecanismo)?

Por exemplo: CIA, FBI, governos...ignoram tudo? Não fazem ideia de que os bancos choram enquanto utilizam os vários resgates (com dinheiro público) para obter lucros espantosos? Não sabem destas colossais fugas ao fisco? Ninguém sabe ao certo para onde vai este autêntico rio de dinheiro?

Dois cenários para o fim - Parte I

O perigo mais grave para a civilização?
A Assembleia Geral das Nações Unidas, Barack Obama e o presidente iraniano Rohani não têm dúvida: é o Isis, o Califado.

Daria uma boa gargalhada se não fosse trágico.
Há pelo menos dois perigos dos quais poucos ou ninguém fala. E, pasme-se o Leitor, não é a Nova Ordem Mundial, não é a Finança dos Grandes Tubarões.

Há algo mais, algo que temos debaixo dos olhos todos os dias mas que teimamos em não ver.

São dois "pormenores": o primeiro irá abalar a nossa sociedade, o segundo irá enterra-la. Ou se calhar não: se calhar actuarão na mesma altura, numa combinação letal. Não sabemos, ninguém sabe.

A verdade é que debaixo da estúpida ferocidade dos guerrilheiros do "Califado" ainda há algo humano, muito humano. O primeiro verdadeiro perigo para a civilização de humano tem pouco e o nome dele é Ciência.

16 outubro 2014

"Habemos Nobel!", disse o sapo. E saltou.

Até que enfim: temos um Nobel!
Um Nobel da Economia, claro.

Lembramos com, as notas de Wikipedia: o Prémio Nobel foi instituído após de Alfred Nobel (o inventor da dinamite...) ter deixado uma herança de 32 milhões de Coroas. No seu testamento, redigido em 1895, determinava a criação de uma instituição à qual caberia recompensar, a cada ano, pessoas que prestaram grandes serviços à Humanidade, nos campos da Paz ou da Diplomacia, Literatura, Química, Fisiologia , Medicina e Física.

Pelo que, não deveria existir nenhum Nobel da Economia. Mas o banco central da Suécia decidiu instituí-lo e financia-lo porque sim. Financia-lo, obviamente, com dinheiro dos contribuintes, ora essa.

Este ano, o Prémio Nobel da Economia foi atribuído a Jean Tirol.
Quem é este?

14 outubro 2014

Ébola: o vírus, o dinheiro

O vírus Évora.
Ou será Ébola?
Deve ser este: Ébola.

Então é assim: vejam o seguinte gráfico:


Pronto, já estou a ouvir: "Mas Max, que raio é esta Tekmira Pharmaceutical? Poderias explicar, não é? Raio de blog, cada vez está pior...".

Mau feitio que tem o Leitor hoje, já vi.

A explicação é a seguinte: a Tekmira Pharmaceutical Corporation é uma casa farmacêutica canadiana (Burnaby, British Columbia), na qual direcção encontramos maioritariamente pessoal formado no âmbito da Medicina (mas não falta o elemento da Goldman Sachs, como do costume). A razão é simples: a Tekmira produz fármacos. Nomeadamente um fármaco: o TKM Ebola.

A Tekmira acaba de receber 1,5 milhões de Dólares, carinhosamente oferecidos pelo Ministério da Defesa dos Estados Unidos e pela Monsanto.

Monsanto? Ah pois, Tekmira e Monsanto colaboram no sector fármaco-agrícolo e não desde hoje (um negócio de mais de 80 milhões de Dólares).

Mas voltamos ao nosso Ébola. Claro está, 1,5 milhões são migalhas: de facto, a Tekmira tem um contrato de 140 milhões de Dólares com o Exército para desenvolver medicamentos para o tratamento de Ébola. E os resultados são visíveis: desde o início do ano, o valor da Tekmira triplicou.

Entretanto, 4 potenciais vacinas ficaram bloqueadas nos Estados Unidos por falta de dinheiro: o problema é que não há mercado, quem investiria para tratar algumas dezenas (ou até centenas) de milhares de africanos? Não haveria margem de lucro.

Já investir num tratamento ou na prevenção para aquela parte do mundo que pode pagar, é diferente. Dá mais satisfação.


Para alguns, Ébola significa morte.
Para outros, um rio de dinheiro.


Ipse dixit.

Fontes: Il Sole 24 Ore, Creadess, Tekmira Pharmaceutical Corps.

13 outubro 2014

Hurt

Costuma-se falar mal dos Estados Unidos aqui.
Justo.

Mas, como sempre acontece, nem tudo é mal. Tal como em qualquer lugar do Planeta, é possível encontrar o bom e o mau. Este vídeo e das coisas melhores que saíram nos últimos anos. Johnny Cash morreu pouco depois, mas deixou uma pérola atrás dele.

A pensar em Nikita, no dia da sua viagem mais longa.


Um obrigado para Márcio Dornelles que teve a bondade de traduzir as letras e partilhar o vídeo no Youtube.


Ipse dixit.

Ignorância intencional e induzida


Somos ignorantes? Somos intencionalmente ignorantes?
Quem frequenta este como outros blogues tenta encontrar informações ou respostas. Lê, participa, pensa, discute.

Mas isso somos nós, um universo composto por quantas pessoas? Juntamos todos os Leitores de todos os blogues de informação alternativa: muitos? Sim, muitos. Mas sempre poucos.

Não há dados oficiais, mas não é difícil imaginar que, em comparação, Facebook tenha um número enormemente superior de participantes. E se existem páginas do social network que tratam de assuntos iguais ou parecidos, é verdade que não é difícil dar de cara com fotografias de Justin Bieber, Violetta, gatos com os óculos, bebés que choram, etc.
Youtube é ainda pior.

A internet dos media? Diários, revistas? Melhor pôr de lado.

Então, faltam recursos? Não há informações fidedignas disponíveis?
Pelo contrário. Se há uma coisa que não falta em internet é a informação. Aliás, o problema é este: há demasiada informação. Pensem num assunto, um qualquer: em internet há. Só que há também a informação contrária.

10 outubro 2014

Do proibicionismo

Um artigo dedicado às drogas?
Isso mesmo, mais uma vez.

A razão é uma notícia que apareceu ontem nos diários: Portugal vai permitir o cultivo de marijuana para fins médicos.

Quem escreve defende a liberalização das substâncias estupefacientes definidas "ligeiras" (tipo a marijuana) e das "pesadas" também (apesar destas terem de ser submetidas a um regulamento especial, mais restritivo). Obviamente, liberalização não significa que seja possível entrar num supermercado e sair com 5 quilos de cocaína.

Significa que o Estado, assumida a impossibilidade de combater o mercado negro por causa sobretudo das protecções que os traficantes têm (ver o caso Afeganistão-Nato-opio), decide:
  • permitir o cultivo das plantas de marijuana por parte dos privados (estabelecendo um limite de número de plantas por cada cultivador)
  • produzir ou importar as substâncias estupefacientes "pesadas" (cocaína, heroína, etc.) e distribuí-las através das farmácias, onde serão vendidas prévia apresentação de atestado médico comprovante a condição de toxicodependente.
Porque estas ideias? Porque seguir o percurso contrário significa:
  • não aprender com os erros do passado
  • favorecer o enriquecimento de pessoas que produzem e exportam/importam ilegalmente os estupefacientes
  • ser hipócrita ou ignorar magnitude/implicações do fenómeno

09 outubro 2014

Insólito: a vida além da morte

Existe vida além da morte?
Mas se há vida, como é possível falar de morte?
É verdade. Então temos que recomeçar.

Há algo além da morte?
A resposta é simples: boh?
Quem escreve ainda não morreu, pelo que não tem a resposta definitiva.
Provavelmente o Leitor também estará vivo, assim parece que encontrar uma resposta seja tarefa complicada. Seria preciso um Leitor morto, de boa vontade e com alguns tempos para pôr um comentário.

O facto de ainda não ter um tal comentário pode significar muitas coisas:
  • no Além não há internet
  • os defuntos têm muito para fazer
  • os Leitor que morrem deixam de ler o blog.
Podemos confiar na religiões, que descrevem Paraísos ou passatempos com 70 virgens uma vez defuntos (70 virgens? Eis porque deixam de ler o blog, malandros!).

A propósito: no geral, as religiões tendem a descrever o pós-vida como experiências fantásticas, o sonho de qualquer ser humano. Pelo surge uma pergunta: o que estamos a fazer aqui? Porque temos que penar ao longo de 70 ou mais anos para ter algo que poderia ser já nosso? Quem é que organiza estas coisas? Deve ser um sádico, só pode...

EUA: quanto conta o PIB?

Quanto é importante o PIB?
O valor do Produto Interno Bruto pode realmente dar uma ideia do estado de saúde da economia? E sobretudo: o PIB é um valor "absoluto", que indica sem sombra de dúvida o bem estar dos cidadãos?

A resposta perante a primeira pergunta é: sim, o PIB pode fornecer uma ideia (bastante precisa, até) acerca do estado de saúde da economia. Mas o PIB não diz tudo: há outros dados que têm de ser considerados, porque o PIB sozinho pode até dar uma ideia errada.

Parece um paradoxo: o PIB (que podemos aproximadamente descrever como "a riqueza produzida num ano num País") pode apresentar valores positivos, das a ilusão dum País que cresce enquanto os seus cidadãos vêm as suas condições de vida piorar. 

Um recente artigo de Paul Craig Roberts, economista ex-secretário assistente do Tesouro dos Estados Unidos e editor associado do Wall Street Journal, apresenta bem a questão.

08 outubro 2014

Liberdade é uma carabina sem número de série

AR-15
Muitos entre os Leitores deste blog são favoráveis à livre venda das armas.
Eu continuo a ser contrário e acho que este exigência seja só o reflexo da realidade na qual cada um de nós está imerso.

Mas vamos em frente: eis uma prenda para os Leitores pró-armas.

Não é novidade o facto de existirem impressoras em 3 dimensões (3D) e que, com um pouco de boa vontade, seja possível imprimir uma arma. No Maio passado, por exemplo, estava à venda o Liberator ("O Libertador") que podia imprimir uma pistola em plástico ABS: não o máximo, mas o rumo estava certo.

Agora a tecnologia foi além disso e já é possível adquirir o Ghost Gunner, uma maravilha que alia computador e fresadora para produzir uma caçadeira AR-15 em alumínio. Não é fantástico?

A organização sem fins lucrativos (óbvio) Defense Distributed do liberal Cody Wilson apresentou o Ghost Gunner: 1.200 Dólares para ter um computador que controla uma fresadora e pode imprimir uma arma letal.

Mas a coisa mais interessante é que qualquer pessoa pode imprimir o seu próprio AR-15 não é necessária nenhuma experiência, a caçadeira semi-automática "aparece" já sem número de série. E não esquecemos: AR-15 é uma carabina calibre 5.56 x 45 mm, com uma cadência de 800 tiros ao minuto e um alcance de 550 metros.

Joe Biden e a Síndrome da Língua Rápida (Hiperlíngua)

A selfie, obviamente...
Uma das melhores fontes no âmbito da informação alternativa é o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden. Na verdade não seria este o papel dele, mas Biden é o típico caso de indivíduo no qual a língua é mais rápida do que o cérebro.

Os media sabem disso e ficam atentos, prontos a "cortar" as declarações menos convenientes. De facto, certas notícias nunca são publicadas. Não importa em que canto do mundo lemos o jornal: não podemos encontra-las e ponto final.

E isso deveria sugerir algo: porque se for verdade que as principais agências de imprensa espalham notícias pré-confeccionadas, é também verdade que há correspondentes dos vários Países que trabalham em Washington mas, seja como for, certas notícias não chegam na mesma.

07 outubro 2014

...a propósito do Ébola:

Tema do dia? Eleições no Brasil? Nada disso: comentários de especialistas não faltam, ainda há a
segunda volta e depois tudo procede segundo as previsões (só a derrota da simpática Marina é espantosa: a "raposa de Rio Branco" conseguiu algo que até parecia impossível).

Pelo contrário, hoje vamos resolver um dos grandes problemas que afligem a Humanidade: o vírus Ébola. Que afinal pode ser derrotado e em tempos relativamente curtos.

A solução foi encontrada não por um cientista mas por um político, um Republicano: Todd Kincannon.

Todd, 33 anos, advogado da Carolina do Sul, membro do Instituto Americano dos Parlamentares e da Associação Nacional dos Parlamentares, cristão conservador da Convenção Batista do Sul, reflectiu, avaliou, e afinal encontro o tratamento, cuja receita divulgou logo no Twitter:
As pessoas com Ébola nos Estados Unidos deviam ser executadas

03 outubro 2014

Palavras e pensamentos

A palavra.
O que há de mais bonito? Um conjunto de sons articulados que permite transmitir um conceito.
Juntamos uma série de palavras e obtemos um pensamento.

O pensamento é bom? Em teoria sim, mas depende do ponto de vista.
É que pensar significa, cedo ou tarde, chegar à fase das perguntas. E aí começam os problemas.
Então, se consigo reduzir os conceitos complexos até poucas palavras (os slogans ou as palavras-chave), eis que não obrigo ninguém a pensar e todos ficam melhor. É só ouvir e acreditar.

Esta não é uma ideia de quem escreve: os Nazistas tinham chegado à mesma conclusão muitas décadas atrás, como sabemos. Tal como sabemos que as descobertas deles não foram perdidas e são activamente utilizadas. 

02 outubro 2014

Alimentação: 8 absurdidades

Às vezes não é simples cuidar da alimentação. Adquirimos um particular tipo de comida, convencidos de que esta seja saudável, e não sabemos que o efeito é exactamente o oposto.

Eis 8 "sem-sentidos" alimentares que, apesar de ser vendidos como "salutares", não fazem bem.
Mas nada mesmo.

1. Sumo de laranja embalado

O que pode haver de melhor do que o sumo duma laranja? É fruta, é toda vitamina C. E a vitamina C faz bem. O açúcar não. E é mesmo este o problema: um sumo adquirido numa loja, do tipo embalado, contém a mesma quantidade de açúcar de que uma lata de Coca-Cola. Às vezes mais.

E que dizer do "100% sumo"? A marca Tropicana enfrentou recentemente um processo por anunciar o seu como sendo isso mesmo, "100% sumo". Problema: não era. Pensamos nisso: mas achamos normal ter 100% sumos que mantêm-se inalterados ao longo de anos? E que raio de super-laranjas utilizam?

Consumir sumo empacotado pode causar diabetes, obesidade e problemas cardíacos. E o mesmo discurso vale para os sumos de maças e das outras frutas.

Melhor consumir sumos 100%, sem açúcares adicionados (nem adoçantes, que são ainda piores) e com prazos de validade bem reduzidos.

Melhor ainda? Comprar algumas laranjas e espreme-las em casa.
Não é uma grande fadiga, pois não?

Hong Kong: viva la revolución!


Então, vamos ver o que se passa: a Ucrânia sempre no caos, mesma coisa na Síria, o terrível Califado que assusta as crianças, Ébola que avança...Muito bem, parece tudo sob controle.

Ehi, esperem: o que é isso em Hong Kong? É uma revolução "colorida"!
Ohhh, finalmente algo novo. Que dizer, "novo" até um certo ponto: o esquema é sempre o do costume. Eventualmente muda o nome: como será este? "Revolução Amarela"? "Primavera Chinoca"?
Não, é Occupy Central, "Ocupar a Central". Qual Central? A Central dos autocarros?
Bah, eu teria preferido "Primavera Chinoca", mas tudo bem, contentes eles...

Ok, então vamos fazer assim. Desfrutamos desta ocasião para ver como funcionam as coisas, pode ser? Como é montada uma revolução colorida, quem fica atrás dela (não é precisa muita imaginação neste ponto...), porque as pessoas continuam invariavelmente a cair nas mesmas armadilhadas.

Comecemos.

01 outubro 2014

Entre ONU e gargalhadas

Onde está a novidade? Não há.
Mas esta é uma das notícia das últimas horas, portanto vamos ler.

Um Estado palestiniano com as fronteiras de 1967 não irá surgir com uma resolução da Conselho de Segurança da ONU. Esquisito? Afinal israel tinha nascido assim em 1948. Normal, tendo em conta a real utilidade das Nações Unidas.

O "não" definitivo à proposta de Mahmoud Abbas, Presidente da Palestina, que fixa o fim da ocupação israelita nos territórios ocupados foi comunicado aos funcionários da delegação palestiniana por parte dos Estados Unidos, Reino Unido e Austrália, depois de um fim de semana de controvérsia sobre o discurso do Presidente da Autoridade Nacional Palestiniana (ANP) em New York acerca do massacre perpetrado pelas forças israelitas em Gaza. Isso enquanto o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, acusava Abbas de mentir e elogiava o valor do exército "mais moral do mundo".

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...