15 janeiro 2015

Euro: mais um prego no caixão

Dia feio para a Zona NEuro. Todos os dias são feios para uma moeda nascida mal e gerida ainda pior, mas este é mesmo negro.

A Suíça decidiu rasgar o tecto do câmbio com o Euro. O que significa isso? Significa que o Franco Suíço já não está atrelado ao Euro. Bom, a questão é um pouco complicada, mas vamos ver.

Pergunta? Porque a Suíça decidiu esta manobra?

Para manter o valor do Franco aos actuais níveis, a Suíça era obrigada a comprar Euro em quantidades muito elevadas, ao ponto que os cofres helvéticos agora estão cheios deles (centenas de biliões). Mas isso significava fazer sair da Suíça muito, mas mesmo muito dinheiro.

Então a Suíça decidiu rasgar o acordo (que tinha um nome: PEG), deixando o câmbio Franco-Euro livre de flutuar. A ideia é que o reforço do Franco face ao Euro (isso é, o Franco fica mais forte) seja compensado pela queda face ao Dólar.

Dito de forma ainda mais simples: a Suíça está farta de fazer negócios só com a Europa, quer uma moeda mais débil face ao Dólar para poder exportar fora do Velho Continente também.

Faz sentido? Sim, todo o sentido. Ficar atrelados ao Euro é como estar no meio dum velório: há um morto, só que neste caso ninguém quer vê-lo e todos continuam a apertar as mãos e trocar prendas (económicas) como se nada fosse.

Bye-bye Euro

Tentamos ler a notícia entre as linhas.

A jogada do Banco Central Suíço é a admissão duma derrota. Ou seja, o Euro é uma moeda muito fraca e, portanto, o risco na construção de enormes activos em Euro para defender a taxa de câmbio é potencialmente maior do que o benefício obtido na manutenção do actual câmbio.

Repito: é uma derrota, não é jogada inteligente. O Banco Central Suíço acreditava que, eventualmente, a economia europeia se estabilizasse e com ele o Euro. Mas a expectativa demonstrou estar errada e, perante os factos, os Helvéticos escolheram o mal menor.

A Suíça desta forma deixa claro que o Euro não é uma moeda de confiança.

Mas há mais: além da forte valorização do Franco, há uma segunda consequência desta decisão. Claramente, o Banco Central Suíço já não irá comprar mais Euros, isso é, não vai mais apoiar as dívidas públicas da Europa através da criação de novos Francos suíços e da compra de moeda e títulos a curto prazo (o que permitia manter o Franco indexado ao Euro).

Na verdade, irá lentamente livrar-se da moeda europeia acumulada nos últimos anos. Faltará assim um forte comprador nos mercados primários e secundários.

Do ponto de vista do Euro: mais um prego no caixão.


Ipse dixit.

9 comentários:

  1. Anónimo15.1.15

    Eu desejo que o euro acabe, que voltemos ao escudo, apesar das dificuldades que vai trazer. Estou farto que o nosso país viva de fundos em troca de menor produção, precisamos de trabalho não de gente que utilize fundos para construir casas e comprar carros e depois abrir falência, estando outros no desemprego. O nosso país precisa de liberdade económica e financeira, e não de facilidades para uns em troca de desgraça para outros, todos têm de trabalhar ao invés de alguns viverem de "espertice".
    Trabalho é saúde, e por causa da falta dele o nosso país está ficar doente, literalmente doente... uma mão-de-obra cada vez mais incapaz, sem competência, frustada, preocupada... tudo menos produtiva, eficiente e atenta...

    ResponderEliminar
  2. Olá Max,

    não compreendi este trecho:
    - "(...) a Suíça está farta de fazer negócios só com a Europa, quer uma moeda mais débil face ao Dólar para poder exportar fora do Velho Continente também."

    Peço desculpa pela minha falta de entendimento.

    E concordo com o anónimo no que toca à saída do Euro - a soberania monetária é essencial para o país se poder desenvolver.


    Abraço,
    --
    R. Saraiva

    ResponderEliminar
  3. Anónimo16.1.15

    Off -
    http://oglobo.globo.com/sociedade/religiao/papa-sauda-multidao-com-gesto-semelhante-simbolo-usado-por-metaleiros-15072135?utm_source=Facebook+&utm_medium=Social+&utm_campaign=O+Globo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo17.1.15

      http://m.oglobo.globo.com/sociedade/religiao/papa-francisco-faz-gesto-de-eu-te-amo-nas-filipinas-15072135

      Pronto está explicado, deixem o homem em paz.
      Nuno ( \m/ lol)

      Eliminar
  4. Pois,a Suíça percebeu que estava a acumular lixo e livrou-se disso... Mas para os presos aos euro, a queda da moeda parece-me uma coisa boa: deve gerar inflação (pois os bens importados vão ficando mais caros, incluindo o petróleo e o gás) e aumentar as exportações, ou estou enganado? O pior é que parece que os EUA também apostam na queda do dolar, o rublo caiu e eu não me espantava que se esteja a fazer o impossível para que o Yen valha o menos possível... Ou estarei completamente enganado?

    ResponderEliminar
  5. Se todos caem acaba por ficar tudo na mesma. Se hipoteticamente isso acontecer, acho difícil mas não impossível.
    Se o sistema monetário já não representa riqueza mas especulação pura e dura, nem quero imaginar um futuro próximo, aí não estariam todos e cada um por si (através da chamada "engenharia financeira") a artificialmente subir e descer o valor da moeda e dos bens e tudo associado a seu belo prazer, cada vez que for necessário?
    Boa pergunta, mas isso não iria empurrar para o pricipicio todos eles, em vez de alguns? Mas vendo bem nunca existiu tanta Engenharia Financeira como hoje em dia.

    Nuno

    ps: o anónimo o papa chico também pode gostar desse tipo de música, eu gosto ;-) depende do estado de espírito lol.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo17.1.15

      "Engenharia Financeira"
      Isso é o que os artistas mencionados lhe chamam mas de engenharia não tem nada.
      Podemos e bem chamar de vigarice complexa e burla

      Eliminar
    2. Anónimo19.1.15

      A ideia é precisamente essa.

      ;-)
      N

      Eliminar
  6. Anónimo17.1.15

    Subscrevo tudo o que o primeiro anónimo escreveu.

    Nuno

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...