26 janeiro 2015

Grécia: a vitória de Syriza

E agora começa o divertimento.

Pela primeira vez na Europa, um partido definido de "Extrema Esquerda" ganha o poder. E alia-se com um partido de Extrema Direita.

Melhor ver o que aconteceu.


Os resultados

Eis os resultados finais, com número de votantes, percentagem e deputados eleitos no Parlamento grego. A participação foi de 63.9%:


Syriza ganha sem margens para dúvidas: faltam apenas dois deputados para obter a maioria absoluta.
Pelo que, o movimento de Alexis Tsipras aliou-se com Anel, o partido dos independentes gregos, para formar um governo. Tsipras já jurou e é o novo Primeiro Ministro da Grécia.

Outras notas.

Nova Democracia, o partido conservador de centro-direita que liderava o anterior governo, sofreu uma queda brutal, perdendo quase metade dos deputados. Pode agradecer as políticas de austeridade que implementou ao longo dos últimos anos.

Aurora Dourada, de Extrema Direita, mantém o mesmo número de deputados mas passa de quinto para terceiro partido nacional.

O Movimento Socialista perde mais de metade dos deputados: também Anel, o partido dos independentes, perde (antes tinha 20 deputados) e já não é o quarto partido.

Cresce ligeiramente o Partido Comunista (de 12 para 15 deputados) mas o outro grande vencedor destas eleições é O Rio, movimento ao mesmo tempo fortemente crítico em relação aos partidos tradicionais mas firmemente europeísta: de zero para 17 deputados é obra.

E agora?

Então? Então boas notícias.
A Grécia já tem o seu novo governo e é um executivo anti-europeísta.

Pode parecer um governo estranho, nascido da união dum partido de Extrema Esquerda com um de Extrema Direita. Mas assim não é.

Syriza não é um partido comunista mas de inspiração social-democrata. Não a Social-Democracia à portuguesa, como aquela do PSD, que de social-democrata não tem nada. Um Social-Democracia verdadeira, muito mais moderna e aberta ao dialogo quando comparada com o velho Comunismo.

A demonstração é dada pela coligação com ANEL, o partido dos Independentes. Os diários de regime definem ANEL como um partido de Extrema Direita, mas isso não está certo. ANEL nasce duma divisão interna do partido de centro Nova Democracia: e a separação teve como causa a política de austeridade do governo de Nova Democracia. ANEL é um partido fortemente anti-austeridade e contrário às políticas da Troika (UE-FMI-BCE).

É conservador e nacionalista, disso não há dúvidas: mas não faltam pontos de entendimento com Syriza, os principais dos quais são a independência da política e da economia gregas em relação à União Europeia e o forte sentimento anti-austeridade. É uma coligação que pode funcionar e a rapidez com a qual a coligação de governo foi formada é um óptimo sinal.

E agora, o que acontecerá? Agora, como afirmado, começa a parte divertida.
Em primeiro lugar será preciso ver se o novo governo será capaz de manter as promessas eleitorais. Se assim for, uma saída da Zona Euro parece inevitável, pois Bruxelas é clara: os orçamentos nacionais devem respeitar determinados parâmetros. E como isso é possível só com medidas de forte austeridade, um governo que tenha como ponto principal o fim da austeridade é um governo que decide não respeitar os tais parâmetros.

...e ainda outro prego no caixão

Mas será mesmo assim? Isso é, a Zona Euro estará disposta a perder a primeira peça?
Eu não é certo.

Uma saída voluntária do Euro enfraquece Bruxelas, pois há o risco de desencadear uma reacção em cadeia. Se depois esta saída não acaba num desastre pelo País que abandona a moeda única mas, como é provável, torna a economia deste mais competitiva (desvalorização da nova moeda, exportações em alta), então as coisas na Zona Euro iriam complicar-se ainda mais.

De facto, qualquer País que actualmente implemente a austeridade ganharia uma voz mais importante, o que pode abrir uma série de perigosas excepções na política de rigidez de Bruxelas.

A saída da Grécia bem pode ser o início do fim do Euro.
E em Bruxelas sabem disso. Quando é que o Banco Central Europeu anunciou a compra de milhares de milhões de Euros em dívida dos Países europeus? Três dias antes das eleições na Grécia. Se acham isso um mero acaso...

Portanto, é só esperar. E provavelmente a espera para as próximas novidades nem será tão demorada: tudo está nas mãos de Syriza.


Ipse dixit.

7 comentários:

  1. Meu receio é que com a saida doa Grecia da zona do euro, irá desencadear um processo que talvez seja parecido com op crash de 29.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo26.1.15

    Tambem eu cá estou achando muito divertido.
    Ate porque no LIMITE, o Zorba, perdão, o Tsipras diz para os bruxeólogos: eu nao vou austerizar, meu povo nao quer cortar na carne pra salvar orçamentos pro banqueiros.
    _ -mas entao nao podes estar na UE e no Euro.
    -- Ok, entao me expulsem dela e dele porque eu nao quero por certo sair...
    E ai quero ver o bigode da Merkel, se o expulsarem estarão dando carta branca para varias outras saidas nao ortodoxas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo26.1.15

      Meu caro anônimo, todo mundo já viu o bigode da Merkel naquele trapiche com suas amigas numa longínqua juventude. Ali já estavam evidentes suas tendências políticas. O que pode estar ocorrendo é que o bigodinho hitlerista pode estar ganhando contornos de um bigode nietzcheniano. Algo assim assemelhado:

      http://www.thefamouspeople.com/profiles/friedrich-nietzsche-128.php

      Ass.: Barbeiro de Sevilha

      Eliminar
    2. Anónimo26.1.15

      Pra quem quiser conferir as tendências políticas juvenis da Angela:

      http://www.folhadedourados.com.br/noticias/brasil-mundo/foto-de-angela-merkel-e-dilma-nuas-causa-polemica

      A Dilma também tinha suas tendências, como fica quase evidente. Sombras sempre trataram de turvar as escolhas da presidenta.

      Barbeiro de Sevilha.

      Eliminar
  3. Anónimo26.1.15

    Parece que os gregos já sabem o que não querem.
    Há dois anos e meio atrás, fiquei desiludido com o resultado das eleições na Grécia. Desta vez a coisa ficou mais interessante. Mas, como já perdi o hábito de deitar foguetes antes da festa, vou esperar para ver o que esta festa vai dar.

    Krowler

    ResponderEliminar
  4. Chaplin27.1.15

    incrível como a visão reinante tende para focar o poder nos governantes, que nada mais são do que "cavalos" do comissário. Não há qualquer possibilidade de algum país se desprender do sistema global de poder. A escravidão moderna não atinge apenas indivíduos mas praticamente todos os Estados nacionais existentes. Ainda livram-se dois, Irã e Coréia do Norte, os demais são fantoches dos banqueiros sionistas, de sua usura, propaganda e monopólios históricos...No caso, a Grécia sofrerá um embargo econômico com proporções insuportáveis e seus novos governantes sabem disso...

    ResponderEliminar
  5. Anónimo27.1.15

    O mundo não é a ue nem a ue é o mundo. Não sou futurologo mas se a ue fechar as portas a Grécia ou lhes queira dar uma lição,
    só vão perder com isso os eurocratas. Aliás o dinheirinho pode vir de outras paragens... não faltam candidatos.
    Agora continuar com este absurdo imposto por outros chamado austeridade. Mas por acaso onde essa tal de austeridade foi imposta funcionou ou melhourou o nível de vida dos que lá vivem? Não.
    Recordo ainda pior do que na Grécia (se é possível) a Argentina do inicio do século.
    Seriamente desde o inicio destes programas perderam 1/4 do pib desemprego 1/4 e metade nos jovens. Saúde, transportes, alimentos, água se não privatizados para quem pode, uma minoria etc...resultado tudo ficou muito pior.
    O que têm a perder? Ou querem mais austeridade para ficar ligados à maquina para sobreviver.
    Basta apoio o Syriza o Podemos na vizinha Espanha, na Itália (ajuda Max?). E mesmo sendo ideologicamente de centro agora de esquerda porque tanto sociais democratas como socialistas estão mais ou muito mais à direita (aquela que serve interesses que não o seu povo mas a escravatura do capital) o CDS quando foi criado tanto por Adriano Moreira e Freitas do Amaral não tinha nada a ver com isto, o Psd ou ppd ainda menos.
    Aliás começo a ver com bons olhos a frente nacional (França) e sou de esquerda.
    O inimigo do meu inimigo é meu amigo, ou os extremos atraem-se quando o inimigo é comum.
    Nuno

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...