16 abril 2015

Boas previsões para animar a malta

O México emitiu um Título de Estado em Euros a 100 anos (cem, com três zeros) para 4,6% que foi vendido como pão quente.

Portugal viu os seus Títulos de três meses ir abaixo de zero, isso é, agora tu pagas para comprar o Título dum País que tem uma Dívida Externa inferior só à da Grécia.

Em Espanha o banco Bankinter paga-te para negociar uma hipoteca com eles: reduzem o valor da hipoteca. Também na Dinamarca começaram a fazer o mesmo.

Todos os Títulos alemães até 2024 estão a pagar rendimentos negativos.

Só podemos estar a brincar. Nenhuma Finança pode funcionar desta forma. Em nenhuma economia sã atiram-te o dinheiro.

Entretanto, as trocas comerciais abrandam: a Organização Mundial do Comércio baixa pela segunda vez as previsões para 2014. Nos último três anos a média do crescimento tem sido de 2.4%, como no final da década dos '70. O Baltic Dry Index, após ter atingido um ponto mais baixo até da recessão de 2008, agora assumiu a forma dum electroencefalograma com morte cerebral.

No meio deste panorama (que, admitimos, não é muito animador), chega o Fundo Monetário Internacional que, para manter alto o moral, diverte o público com previsões fantásticas.

Sim, admite o FMI, a recuperação é "moderada e desigual", há riscos geopolíticos e necessidade de reformas. Mas, além disso, está tudo bem. Aliás: até vai melhorar. Na Europa, por exemplo, as perspectivas são boas.

O economista da instituição, Olivier Blanchard:
Um conjunto extraordinariamente complexo de forças está a afectar a economia mundial. Alguns, como a queda dos preços do petróleo e os movimentos das taxas de câmbio, são claramente visíveis.
Resumindo: para que a economia trabalhe (pouco) é preciso vender o petróleo abaixo do custo normal. Inspirador, sem dúvida. Mas estarão a falar de forma séria? A resposta é "não". E é a mesma FMI que revela isso. Para a grande gargalhada final, eis a última das previsões: este ano a Ucrânia sai da recessão. Aplausos. 

A previsão de crescimento global para este ano: 3,5%. Agora quem preocupa são os BRICS: Brasil, África do Sul, Rússia. O resto do mundo? Tudo bem. Doutro lado, como não acreditar no FMI? A instituição da S.ra Lagarde já tem dado amplas provas de saber fazer as contas. Por exemplo, eis o que pensava do futuro antes da crise de 2008:

Um mar de rosas. Em facto de previsões é difícil bater o Fundo Monetário Internacional.
Pegamos na Ucrânia, eis as previsões preparadas no ano passado:

Nem Nostradamus.
Entretanto, as obrigações das empresas norte-americanas estão num nível de risco que não sei via há 20 anos. Então pode acontecer que alguém perca a calma e descarregue no primeiro que encontrar. Neste caso, encontrou Mario Draghi em Frankfurt.



Para já foi uma chuva de papel.
No futuro não sei.


Ipse dixit.

Fontes: Euronews (1, 2), Ecointersect

3 comentários:

  1. Anónimo16.4.15

    Outra: https://www.youtube.com/watch?v=JfWB1TM0-WU

    ResponderEliminar
  2. Chaplin17.4.15

    Instituições = establishment = propaganda = realidade produzida

    ResponderEliminar
  3. Anónimo17.4.15

    Mas o Draghi estava com medo de apanhar papeis? Então não é o cavalheiro que nos ajuda a andar aos papéis? LOL

    N

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...