03 abril 2015

EUA - Irão: o acordo sobre o nuclear

Pessoal: temos o acordo!!!
Bom, "temos" por assim dizer: ainda deve ser escrito. Mas o Irão está contente e Obama parece uma criança no manhã do 25 de Dezembro. Só israel não está satisfeito, sabe lá porque...

Mas é uma boa notícia. E de vez em quando é bom ter boas notícias.

O Irão, os Estados Unidos e mais alguns figurantes reunidos em Losanna (Suíça) chegaram ao acordo sobre os pontos-chave das negociações acerca do programa nuclear da República Islâmica. A notícia foi do chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, que explicou também o que isso prevê: o Irão não poderá desenvolver uma arma nuclear e todas as sanções irão desaparecer.

O ministro iraniano das Relações Exteriores, Javad Zarif, diz:
O Irão tem sido vítima no passado de muitas, muitas promessas quebradas. Queremos ter a certeza de que isso não aconteça novamente.
Isso enquanto o presidente Rohani comentou no Twitter:
Foram encontradas soluções sobre os parâmetros fundamentais da questão nuclear iraniana. A elaboração [do acordo, ndt] começa imediatamente e terminará em 30 de Junho.
Mais de 3 meses? Mas quem é que escreve este acordo, uma preguiça?
Bom, seja como for eis alguns pormenores:
  • Abrandamento das actividades de algumas instalações nucleares de Teherão.
  • A central de Natanz permanecerá activa para o enriquecimento de urânio
  • A central Fordow (escondida sob uma montanha) será convertida num laboratório para pesquisa no campo da Física
  • O reactor de água pesada em Arak será modificado e o plutónio produzido será transferido no estrangeiro
  • As potências mundiais vai ajudar o Irão a construir um novo reactor em Arak
Conclui a Mogherini:
Hoje fizemos um passo histórico para um mundo melhor.
Felicidade e lágrimas.
A felicidade é aquela dos manifestante nas ruas de Teherão, que vêem assim acabar as sanções.
As lágrimas são de quem tem que ouvir as reacções dos políticos: previsíveis. Nem Obama foge à regra:
É um entendimento histórico, vai impedir a bomba nuclear. Com o acordo o mundo será mais seguro. Depois de meses de trabalho diplomático, chegamos a um bom acordo que atende os nossos principais objectivos.
Mas não é tudo. Obama não brinca em serviço e mostra os dentinhos:
O acordo com o Irão não é baseado na confiança, mas em controles sem precedentes. Se Teherão fazer batota, nós vamos descobri-lo, o trabalho não está terminado aqui.
Sim, sim, tá bom.
A verdade é que este acordo é uma vitória de Teherão e uma necessidade dos EUA. Ambos ficam satisfeitos.

Washington nunca teria conseguido travar o programa nuclear apenas com as sanções e Obama admitiu isso. Uma falta de acordo teria posto os Estados Unidos numa péssima situação: obrigados a intervir mas sem vontade nenhuma, sobretudo agora que a atenção ficou na Rússia, com os Republicanos e israel a explorar a situação para os seus fins.

Também satisfação no Irão: volta no círculo dos "bons" (pelo menos este é o caminho), acaba com as sanções, abdica duma bomba nuclear (admitindo que este fosse um verdadeiro objectivo) acerca da qual nunca esteve tão convencido (israel tem 200/400 ogivas e cada uma custa um rio de dinheiro), fica com um seguro de vida contra Tel Avive. E ainda terá dinheiro do estrangeiro para converter as suas instalações.

Nem a Rússia fica mal, pois apoiou o Irão ao longo dos anos e afinal ganhou: a fronteira Sul está segura.

Tudo somado é um acordo justo.
O Paquistão tem entre 80 e 110 ogivas nucleares e nem aderiu ao Tratado de Não Proliferação das Armas Nucleares. Mas ninguém se queixa. A razão? O Paquistão é um País tranquilo, feito de camponeses e terroristas que vivem em paz com a Natureza, não há perigo. É verdade, de vez em quando há uma guerrinha com a Índia (80-100 ogivas, não aderiu ao TNP), mas são coisas leves, alguns milhares de mortos e depois tudo volta como antes.

O Irão, pelo contrário, é mau. A única guerra foi aquela entre 1980 e 1988: foi uma boa guerra (mais de 1 milhão de mortos), mas não conta porque Teherão tinha sido atacada pelo Iraque de Saddam Hussein (armado pelos EUA). Podemos confiar num País que nunca declara guerra? Obviamente não, é uma atitude bastante suspeita.  

E a propósito de TNP: quem se queixa do acordo alcançado na Suíça é israel (200/400 ogivas e não adere ao TNP) e, em silêncio, a Arábia Saudita: ambos sabem que esta é uma vitória do Irão xiita.
The Times of Israel relata as reacções das autoridades em Tel Avive. O primeiro ministro, Benjamin Netanyahu:
Este é um quadro ruim que vai levar a um acordo ruim e perigoso. Se for alcançado um acordo com base nas diretrizes deste quadro, seria um erro histórico que vai transformar o mundo num lugar muito mais perigoso.
Para tornar as suas palavras ainda mais claras, o simpático Netanyahu publicou no Twitter um hilariante gráfico cujo título é "A agressão iraniana durante as negociações do nuclear":


Já estamos muito além do ridículo, melhor nem comentar. 
Depois começam as vozes não oficiais:
O quadro concede o programa nuclear ao Irão, cujo único propósito é produzir bombas nucleares, com a legitimidade internacional. O Irão ainda terá uma extensa capacidade nuclear. Continuará a enriquecer urânio. Vai continuar a sua pesquisa e o desenvolvimento das centrífugas. Não vai fechar, nem uma das suas instalações nucleares, incluindo a instalação subterrânea em Fordow. Isto e muito mais.

A questão de fundo é que este acordo garante a remoção completa das sanções contra o programa nuclear iraniano, garantindo simultaneamente que o Irão mantenha as suas capacidades nucleares.
Não há nenhuma exigência de que o Irão pare a sua agressão na região, o seu terrorismo em todo o mundo ou as suas ameaças de destruir Israel que tem repetido ao longo dos últimos dias. Este acordo reverência os ditames iranianos e não vai levar a um programa nuclear para fins pacíficos, mas sim a um programa nuclear militar.
Mentiras necessárias para justificar a atitude nazi-sionista, tanto no interior quanto no exterior: mas a verdadeira razão pode ser encontrada no Canal 2, onde fala o diplomata Uri Segal:
Se havia a possibilidade dum ataque militar israelita, agora está fora da mesa.
Pois. Nada de guerra por enquanto.
Uma tristeza, não é?

Para acabar, eis o trabalho nos bastidores que começa. O enviado da americana NBC, Richard Engel:
Tivemos uma perspectiva única porque fomos saltitando entre o mundo muçulmano e Israel. Estamos a ver uma aliança, com sunitas, estados árabes e grande aliados tradicionais dos EUA, Egipto, Arábia Saudita, Jordânia, todos a dizer que este é um mau negócio, que o processo recompensa o Irão. E Israel diz exactamente a mesma coisa. E não acontece muitas vezes, no Oriente Médio, de ouvir Israel e o mundo árabe cantando a mesma canção, mas desta vez quando se trata de Irão, certamente o fazem.
O "mundo árabe": Egipto, a Arábia, a Jordânia e, de certeza, as outras monarquias do Golfo. E este seria "todo o mundo árabe"? Parece uma visão um bocado limitada. Será que pode ter alguma influência o facto de Engel ter o pai judeu?


Ipse dixit.

Fontes: Il Corriere della Sera, The Times of Israel, Twitter, Wikipedia (versão inglesa), Breitbart

2 comentários:

  1. Chaplin5.4.15

    O embargo econômico/nuclear ditou as regras do acordo, portanto é óbvio que o sionismo avançará nos seus propósitos de controlar uma das últimas regiões ainda não dominadas, apenas uma questão de tempo...quem viver verá...

    ResponderEliminar
  2. Do you need free Instagram Likes?
    Did you know that you can get them ON AUTOPILOT & TOTALLY FREE by getting an account on Add Me Fast?

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...