08 abril 2015

O Estados Islâmico na ONU

Duas notícias, ambas tristemente hilariantes: uma à espera de confirmação, a outra bem real.

A que deve ser confirmada: nos círculos diplomáticos perto da Turquia e do Qatar, circula uma proposta para permitir que o Califado Islâmico (ou Estado Islâmico ou ISIS) consiga um lugar nas Nações Unidas como observador, o mesmo estatuto do Vaticano e da Palestina, alegando a evidente dificuldade em derrotá-lo e o apoio popular do qual goza em certas áreas ocupadas.

Absurdo? Então vejam a segunda notícia, esta bem real: o responsável da ONU para os Direitos Humanos, o jordano Zeid Raad al-Hussein, afirma que no Estado Islâmico existe uma aceitação da diversidade étnica maior de que em alguns Países-membros das Nações Unidas. Portanto, aplausos para o ISIS, brilhante exemplo de integração multicultural.

Eu gostaria de ir um pouco mais longe: que tal um Prémio Nobel da Paz? Motivação: "Para os esforços com os quais o ISIS tenta alcançar a Paz eliminando todos os combatentes adversários". Que, a bem ver, sempre um esforço para a Paz é.

Mas como encarar estes delírios? Simplesmente lembrando as razões pelas quais o ISIS foi criado, razões que explicam a "pressa" para o reconhecimento oficial.

O "Califado", financiado economicamente pelas monarquias do Golfo, militarmente pelos "rebeldes" sírios de Al-Qaeda (lê-se "CIA") e com armas ocidentais (veja-se o caso do avião britânico abatido pelo Irão com destino ISIS), surgiu com múltiplos objectivos:
  • criar um Estado sunita perto das fronteiras do Irão
  • ocupar amplas zonas da Síria, criando uma segunda frente no País
  • permitir o regresso das tropas EUA no Iraque (que estava a afastar-se da via estadunidense)
  • institucionalizar o terrorismo radical
  • controlar os radicais islâmicos que até agora não se tinham afiliado na Al-Qaeda
Papeis desenvolvidos magnificamente até agora.
Mas os esforços militares conjuntos das tropas EUA-Iraque estão a alcançar os primeiros sucessos, reconquistando posições importantes do "Califado", entre as quais a cidade de Tikrit. Portanto, é tempo de passar para a segunda fase, a institucionalização do Estado Islâmico. E a entrada na ONU é o primeiro passo.

Esta hipótese não deve surpreender: a ONU é uma organização fortemente distorcida por uma ditadura da minoria (os cinco membros do Conselho de Segurança com poder de veto) e por uma ditadura da maioria (para ser reconhecido como Estado é necessário obter a aprovação da maioria dos membros sem o veto dum dos cinco Países do Conselho). Mas, acima de tudo, a ONU é um organismo utilizado pelos Estados Unidos para os seus objectivos de política estrangeira.

Nesta óptica, o reconhecimento do ISIS permitiria:
  • um provável retiro das tropas de Washington dos combates, deixando uns contingentes no Iraque como forma de "prevenção" (e de controle sobre Bagdade)
  • sanar uma aparente e custosa contradicção, aquela que hoje vê os EUA combater um inimigo financiado em primeiro lugar pelos seus aliados (as monarquias árabes)
  • estabelecer de forma definitiva a ameaça sunita nas fronteiras iranianas e o interior da Síria
Como afirmado, a entrada do ISIS na ONU é até agora uma voz não confirmada: difícil que se torne realidade em tempos tão breves, pois chocaria com o clima de medo e "cruzada" que foi criado na opinião pública mundial. Nesta altura, trata-se duma proposta que seria possível apresentar (por parte de alguns Países islâmicos) mas que deveria ser necessariamente recusada pela maioria.

Todavia, no médio prazo, pode representar uma solução que, como vimos, responde às necessidades da geopolítica ocidental e das monarquias do Golfo: nesta óptica, será interessante realçar qualquer mudança de atitude "oficial" em relação ao ISIS que poderá acontecer no próximo futuro. É claro que se uma proposta deste teor tivesse que ser oficializada, demonstraria mais uma vez a absoluta inutilidade da ONU (o que, só por si, nem seria uma grande novidade) e sobretudo a condição de profunda e provavelmente irremediável decadência atingida pela sociedade ocidental.

Luttwak: o ISIS não é a verdadeira ameaça

A propósito: eis uns trechos das últimas (meados de Março de 2015) declarações de Edward Luttwak, estratega militar americano de origem judaica, cientista político e historiador, consultor do governo dos Estados Unidos (Departamento de Estado, United States Navy, United States Army, United States Air Force e NATO), membro do think tank Center for Strategic and International Studies (Henry Kissinger, Zbigniew K. Brzezinski, Morgan Stanley, GlaxoSmithKline, General Dynamics, The Boeing Company, The Coca Cola Company, The Council on Foreign Relations, etc.):
Pergunta: Depois do Iraque e da Síria o Isis passou do Oriente Médio ao norte da África. Antes Líbia, agora Tunísia...
Luttwak: Primeiro de tudo vamos chamá-lo pelo seu nome, o Estado Islâmico é o movimento islâmico mais bem-sucedido porque é o mais autêntico Islão. [...]

Pergunta: é possível lutar contra o Estado Islâmico?
Luttwak: Em primeiro lugar, tem que ser dita a verdade: não é uma falha do Islão, é o Islão. [...]

Pergunta: E então?
Luttwak: Quando você luta contra o Estado Islâmico na Mesopotâmia, você paga um preço muito alto em termos de geopolítica, porque o enfraquecimento do Estado Islâmico é o fortalecimento do Irão, que já tem nas suas mãos Bagdade, Damasco, o Yemen e tem uma enorme influência até mesmo em Beirute. [...]

Pergunta: É possível ganhar a guerra com o Estado Islâmico?
Luttwak: Não, não se pode lutar contra isso. E é uma excelente ideia: deixa-los encontrar o seu equilíbrio. Hoje é absurdo atacar os inimigos do Irão. Teherão é a ameaça estratégica no Oriente Médio agora, não o Estado islâmico. [...]

Pergunta: O Estado Islâmico pode ser um novo bloco de poder que substitua o lugar da União Soviética?
Luttwak: Seria um grande bloco de poderes ao nível do século VII. O Estado Islâmico é muito bom contra os heróis persas, não contra um batalhão ocidental capaz de atravessar toda a Mesopotâmia de lado a lado. Basta olhar para o que aconteceu na Palestina: por cada perda de Israel havia sete perdas de Hamas, e isso apenas na luta da infantaria.
Pergunta: Não se podem organizar?
Luttwak: Se conquistar o Egipto podem no máximo produzir armas de pequeno porte. Não criar poder. O  foco deles não é ser potência global, mas impedir que as mulheres façam coisas nojentas como andar sem marido e sem véu integral. Aspiram a isso. [...]

Pergunta: O que podemos aprender com isso?
Luttwak: A ignorância não é boa, e nem a mentira. Devemos reconhecer a verdade: o Estado Islâmico é um movimento religioso de estrita fé islâmica. Quando permitimos que em Itália aterre um avião da Qatar Airways, estamos a permitir que o Estado Islâmico aterre em Itália.
A reter: 1. O  ISIS é o verdadeiro Islão, 2. O ISIS protege da verdadeira ameaça (o Irão), 3. Combater o ISIS é inútil: tem que encontrar o seu equilíbrio, 4. as monarquias do Golfo são o ISIS.
É preciso acrescentar algo?

ISIS: os dados

O ISIS, ou Estado Islâmico do Iraque e o Levante (também conhecido como "Califado", ISIL, Daish ou Daesh), declarou a independência no passado dia 29 de Junho de 2014 e actualmente ocupa parte dos territórios do Iraque e da Síria.

O Chefe de Estado é Abu Bakr al-Baghdadi, tem um hino nacional (Ummatī, qad lāha fajrun, Nação minha, a alvorada é tua) e um lema (Bāqiya wa Tatamaddad, Consolidação e expansão). A capital é Al-Raqqa (196 mil habitantes) e ocupa uma superfície de 32.133 km².

Utiliza três moedas: a Lira Síria, o Dinar iraquiano e o Dinar do ISIS, esta última não oficial, enquanto a população total é estimada em 8 milhões de habitantes. Mas os números são incertos.

Os habitantes são quase totalmente árabes: apesar das afirmações do responsável da ONU, as minorias assíria, caldeia, arménias, yazidi, drusa, shabak e mandeana são alvos de violência étnica, pois a ideologia ISIS não admite outra religião que não seja a islâmica na variante sunita wahhabica (a mesma das monarquias do Golfo).

A economia baseia-se na exploração do petróleo, na exportação de produtos locais e na venda ilegal de bens arqueológicos.

As forças armadas podem contar com cerca de 200.000 efectivos e com os seguintes recursos:
  • fuziles de ataque AKM 
  • metralhadoras PK
  • lança-foguetes RPG-7
  • misseis terra-ar Strela-2 e FIM-92 Stinger
  • misseis anti-tanque M-79 Osa, HJ-8 e AT-4 Spigot
  • artilharia 130mm M-46 e M198 
  • tanques T-54/55, T-72, e M1 Abrams
  • auto-blindados Humvee, M1117 e camiões com metralhadoras DShK
  • canhões anti-aéreos ZU-23-2
  • lança-fougetes múltiplos BM-21 Grad
  • um (pelo menos) míssil SCUD
  • helicópteros Sikorsky UH-60 Black Hawk
Todas armas oficialmente obtidas durante a guerra civil síria e com a guerrilha no Iraque.


Ipse dixit.

Fontes: The New York Times, Hescaton, JihadWatch, Wikipedia (versões inglesa e italiana), Lettera 43 

12 comentários:

  1. Anónimo8.4.15

    Inacreditável e infelizmente não é anedota.

    O mundo está entregue a criaturas medonhas e maquiavélicas.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo8.4.15

    Quando penso que ja nada me surpreende. Fico surpreendido.

    EXP001

    ResponderEliminar
  3. Anónimo9.4.15

    O Edward Luttwak tem razão quando diz que o ISIS não é a verdadeira ameaça. Mas pára por aquí, pois o Irão nunca foi, nem é ameaça nenhuma. A verdadeira ameaça são os EUA.

    Krowler

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo9.4.15

      Absolutamente de acordo, acrescentando um pormenor que faz toda a diferença:

      A verdadeira ameaça são os EUA sob a batuta do poderoso lobby Sionista.

      Eliminar
  4. Anónimo9.4.15

    Seu blog é uma ameaça, kkkk quanto posto ou compartilho o link dessa noticia, o facebook avisa, este link é perigoso, remova esta ameaça ! Por que será ???? Hummm...

    ResponderEliminar
  5. Chaplin9.4.15

    A dominação tem como essência a conspiração ou a força...nada mais

    ResponderEliminar
  6. Este Luttwak com a mesma conversa do Irão, irão não irão, irão a conversa do costume lembra e só o bibi ou bóbó a discursar nas nacoes unidas com aqueles desenhos infantis a mostrar o perigo iraquiano passados uns anos o iraniano (provas palpáveis por favor).
    O tratamento ideal seria apanhar com a tora na carola uma série de vezes.
    Ainda bem que em Israel nem todos estão infectados com esta psicis iranianis. Safa, sempre a mesma conversa já chateia, irra, muda o disco pá.
    Nuno

    ResponderEliminar
  7. Anónimo12.4.15

    Qual o problema? Tem países de pior espécie, com poder de veto inclusive, na ONU...

    ResponderEliminar
  8. Anónimo13.4.15

    Qual ou quais?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo13.4.15

      Caro, Anónimo, não sei se está se referindo ao comentário sobre os "países de pior espécie" que citei, se for o caso, aqui explico:

      Um deles é claro, os EUA, responsável direto e indireto nos conflitos do Oriente Médio. Desde a invasão do Iraque, os EUA e aliados já causaram um morticínio de mais de 100 mil civis, números que o Estado Islâmico, se almeja, está bem distante. Sem falar da contaminação por Urânio, que está por todo Iraque. Como se isso já não bastasse, os EUA violaram e violam diversos Tratados, resoluções, etc em relação a prisioneiros de guerra, desde encarceramento desumano até torturas, como bem ilustra o Relatório sobre a CIA. Sem falar no uso deliberado de bombas sujas, napalm, fósforo branco, agentes tóxicos, etc, em seu histórico. E onde estão as armas de destruição em massa Iraquianas? Mentiras e mais mentiras...

      Como se ainda não bastasse, temos a China, também responsável por inúmeras violações de Direitos Humanos, Arábia Saudita idem...

      Nosso querido Israel, condenado diversas vezes por violar resoluções da ONU, Tratados de Genebra, Terrorismo Internacional, etc...

      Algumas das Resoluções:
      Res. 93,100,101,106,111,119,171,228,237,242,248,250,251,252,256,259,262,265,267,270,271,279,280,285 e contando...

      Como podemos ver nada demais...

      Aí eu volto a questionar, qual o problema do Estado Islâmico ingressar na ONU? Por que tamanha repulsa?

      Eliminar
  9. Do you love Coke or Pepsi?
    PARTICIPATE IN THE POLL and you could win a prepaid VISA gift card!

    ResponderEliminar
  10. Order a professional Sparkling White Smiles Custom Teeth Whitening System online and enjoy BIG SAVINGS!
    * Up to 10 shades whiter in days!
    * Results Guaranteed.
    * As good as your dentist, for a fraction of the cost.
    * Same strength as dentists use.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...