29 novembro 2015

A alma dos bárbaros

Talvez Deus esteja a punir-nos pelos nossos pecados, e os Hunos são a ferramenta de que precisa.

Padre Cristodemo dizia que é o que merecemos por tolerar hereges e idolatras entre nós, por permitir que nas nossas cidades, nas nossas casa, ainda se mostrarem os ídolos dos velhos demónios, enquanto os ímpios prédios ainda estão de pé, quase gozando da verdadeira Fé.

Mas agora Padre Cristodemo foi-se, tal como os outros meus irmãos. E do nosso mosteiro, daquele que era o nosso mosteiro, há apenas pedras e vigas em chamas. Estávamos à procura de paz, num lugar afastado da vaidade e da loucura do mundo, um lugar onde dar graças ao Senhor; mas a loucura do mundo encontrar-nos, até aqui.

Ellac, o líder deste bando de ladrões sem Deus, decidiu poupar-me.
Enquanto os meus irmãos choraram e se escondiam, eu fiquei à espera, em pé, diante da porta da nossa pequena igreja; Ellac viu-me, descalço e com a pobre túnica. Viu-me e riu-se. Simplesmente, achou-me ridículo e salvar a minha vida foi o prêmio por ter-lhe proporcionado aquele momento de alegria.

Ellac fica curioso com este meu orgulho mal disfarçado, juntamente com a escolha de vida que fiz: fica curioso e divertido. Até quando persistir esta sua curiosidade, eu continuarei a viver mas, que Nosso Senhor tenha misericórdia da minha alma por aquilo que digo, não sei se este sobreviver é o mal menor.

Quando a caravana pára, Ellac muitas vezes vem falar comigo.
O latim dele é incerto, mas compreensível: há alguns anos tinha sido um membro da guarda pessoal do geral Ezio, Ezio o invencível, a glória de Roma e o defensor da verdadeira Fé; tempos que agora parecem séculos de distância. O agora é eu aqui, acorrentado, no meio destes bosques, em companhia dum bando de bárbaros que me deixam viver apenas para gozar de mim. Talvez a Morte seja o verdadeiro alívio. Aconteça o que acontecer, eu estou pronto.

Posso ouvir Ellac chegar, sinto o sua fedor ainda mesmo de ouvir os seus passos pesados.

- Então, como você está hoje a nossa monge? Esta excursão ao ar livre vai definitivamente revigorar o seu corpo e sua alma, não é?

E ri-se, com o seu riso que ecoa entre as árvores como o lamento dum animal selvagem.

- Vocês constroem tocas de lama e pedra, fecham-se dentro como ratos que temem a luz, ficam atrás de muros para sentir-se seguros. Mas ter um pouco de céu e de vento por cima da cabeça só vai fazer-te bem.

- Sem casa e sem um tecto: é como os animais vivem.

Ellac ri-se, outra vez.

- Monge... os animais? Talvez, sim, mas os animais selvagens são livres, enquanto vocês são escravos. Escravos das vossas regras, dos vossos donos, do vosso Deus que quer ver-vos rastejar aos seus pés. E são escravos mesmo aqueles que entre vocês têm ouro e joias, que dormem em travesseiros macios envoltos em lençóis de seda. São escravos que vivem com o medo de perder o que têm, que têm a ilusão de poder comprar a segurança com o dinheiro.

- Tu não sabe nada, bárbaro. Tu só sabes matar e saquear, tu não sabes nada da grandeza de Roma, nunca poderias entender o significado do que nós construímos.

- Achas, monge? Na verdade eu sei como são vocês, eu vivi entre vocês. Eu também estive em Roma, o maior esgoto do mundo... Vi senadores maquilhados como matronas, preocupados apenas em segurar as suas perucas, enquanto os escravos que os transportavam tentavam evitar os excrementos que cobriam as ruas. Eu vi a nobreza que amolecia nos vapores das termas, vi os pobres que pisavam-se para ter o pedaço de pão distribuídos por mãos arrogantes, e vi o público atirar frutos podres contra os administradores só porque os jogos não eram suficientemente divertidos. Eu vi tudo isso e muito mais: de qual grandeza falas tu, monge?

- Tu descreves uma cidade que está a cair em ruína, mas Roma não é só isso: Roma é civilização, Roma é as leis, as regras, a direito. Roma é a ordem, o espelho da Ordem do Céu que toma forma aqui na Terra.

- Ordem, leis, regras... Tu falas de correntes, suaves gaiolas que tornam escravos os indivíduos enquanto os donos deles mestres mantê-los calmos com pão e espectáculos. Toda uma civilização baseada em correntes, um povo de animais amestrados, castrados e tornados inofensivos, privados dos seus impulsos vitais. Nós vivemos como animais? Não, monge, vocês são os animais que temem o pau do dono, que abanam o rabo felizes quando recebem um osso. Nós? Nós somos os últimos homens livres, os últimos que sobraram. E sabes, monge? É isso que vocês temem mais: estamos vivos. Em nós vocês veem a vida da qual vocês abdicaram, e isso assusta você...

- Não pode haver vida sem regras, sem leis... Tu roubas, matas, estupras...Vocês são o mal.

- O mal? Quem te disse isso? Talvez o teu Deus? Sabes o que é o mal para mim, monge? O mal é qualquer coisa que se intromete entre mim e o que eu quero. Então eu retiro-o do caminho e tomo o que deve ser meu. Também eu luto contra o mal: nisso somos parecido, vês?

Ainda aquela risada que dá arrepios.
Que tipo de criatura é essa? Que tipo de homem pode ser este, um homem que ri na cara das suas vítimas suplicantes, um homem que mata mulheres e crianças só por serem um obstáculo ao seu desejo, que acredita seu tudo o que a força lhe permite agarrar? Não sei o que dizer: ambos falamos em latim, mas na verdade estamos falando duas línguas completamente diferentes. As nossas almas falam línguas diferente.

Porque agora sei que até mesmo Ellac tem uma alma. E isso me atormenta: era mais fácil pensar num bárbaro sem alma, apenas demónios de carne enviados por Nosso Senhor como forma de purificar os nossos pecados.

Em vez disso, eles são homens, e estão vivos.


Ipse dixit.

Fonte: Tra Cielo e Terra

9 comentários:

  1. Chaplin29.11.15

    Sensacional!

    ResponderEliminar
  2. "Porque agora sei que até mesmo Ellac tem uma alma. E isso me atormenta: era mais fácil pensar num bárbaro sem alma, apenas demónios de carne enviados por Nosso Senhor como forma de purificar os nossos pecados.

    Em vez disso, eles são homens, e estão vivos."

    Sempre grato.
    Ps.: parecem-se com humanos, nem todos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A ilustração fez lembrar a derrubada da estátua do Sadan, e bem parecida com a do Lenine.

      Eliminar
  3. E o bárbaro era anarquista sem o saber, não anárquico como forma política de conduzir-se, mas como forma ontológica de ser. Um libertário individualista...esquineriano, quem sabe... que adiantou-se também a Étienne de Boetie no seu discurso da servidão voluntária. E assim, antecipando-se ao medievo e ao moderno deve ter tido essas ideias inéditas e originais. Os bárbaros sempre são melhores...sempre os preferi (ih,ih,ih...) Abraços

    ResponderEliminar
  4. Anónimo30.11.15

    Essa história me fez lembrar da passagem em que santo Agostinho sai das muralhas de sua cidade sitiada para negociar com os bárbaros. O comandante do exército bárbaro concorda em libertar os soldados que havia aprisionado e faz um acordo de não agredir a população local. Os dirigentes romanos traem o acordo atacando-os e a seguir a cidade é dizimada. Agostinho partiu desta para a próxima. Regras, moral e outras tretas de povo civilizado como argumentado pelo amigo de Ellac.

    Expedito.

    ResponderEliminar
  5. Sim, como voltar agora aos grandes dias da barbárie ou das sociedades gilánicas?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chaplin30.11.15

      Quando tivermos três pilares basilares: Existencialismo, para expandir nossa visão, Humanismo, para expandir nossa sensibilidade, e Anarquismo, para expandir nossos senso crítico.

      Eliminar
  6. Quem é você para lhes dar esperança?
    O que você dá a eles?
    Nós lhes damos felicidade.
    E eles nos dão autoridade.
    Autoridade para tirar-lhes a liberdade sob o pretexto de democracia.
    O homem jamais poderá ser livre porque é fraco, corrupto, sem valor e inquieto.
    O povo acredita em autoridade.
    Eles se cansaram de esperar por milagres e mistério.
    Ciência é sua religião.
    Não há maior explicação para eles.
    E não devem acreditar no contrário, para que o projeto continue.
    A que custo para eles?
    A questão é irrelevante, e o resultado inevitável.
    A data está marcada.
    (Dialogo entre o Canceroso e um ET) X- Files

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...