03 dezembro 2015

O desastre de Mariana

O diário Il Manifesto dedica um artigo ao desastre de Mariana, no Brasil.

Os factos são do passado dia 5 de Novembro, mas a notícias não teve muita eco: duas represas de água residuais das mina de ferro de propriedade da empresa Samarco, no estado de Minas Gerais (sudeste do País), cederam e uma inundação de lama tóxica  tem enterrado a população de Bento Rodrigues, que fica a 20 minutos do centro de Mariana, causando 17 mortes, 75 feridos, 12 desaparecidos e 500 deslocados.

Mais de 250.000 pessoas ficaram sem água potável. Os mais de 50 milhões de metros cúbicos de resíduos tóxicos poluíram o Rio Doce e agora têm alcançado o Oceano Atlântico. Um rio de lava tóxica espalhado no mar. Poucas semanas depois, em 24 de Novembro, um novo alarme sobre a possível ruptura de duas outras barragens, sempre em Mariana.

A Samarco, depois de ter negado a toxicidade das lamas, concordou em pagar 260 milhões de Dólares. Compensação que o Estado brasileiro considera "apenas uma primeira parcela," considerados os prejuízos causados.

Marcio Zonta, sindicalista militante do Movimento Nacional por la Soberania Popular Frente a la Minería (Mam):
Para reduzir o custo de mineração são eliminadas as proteções dos trabalhadores e as ambientais.
História velha, caro Marco.
O Mam é uma organização que faz parte da Via Campesina Brasil e que luta contra as grandes empresas de mineração na América Latina. O continente latino-americano é uma das regiões com as maiores reservas minerais do mundo e, portanto, particularmente atraentes para atender à crescente demanda global por ferro, ouro ou níquel. As multinacionais passam por cima da soberania dos governos e dos povos, poluem as terras e colonizam a economias. E com o próximo TPP será ainda pior.

A Samarco (2.8 bilhões de Reais de lucro em 2014, quase 3.5 biliões de Euro), por exemplo, é uma empresa brasileira detida por metade pela Vale S.A., enquanto a outra metade fica nas mãos da anglo-australiana BHP Billiton.


A Vale S.A. foi privatizada em 1997 e já em Janeiro de 2012 conseguiu ser eleita como a pior empresa do mundo no que refere-se a direitos humanos e meio ambiente pelo painel do Public Eye People´s de Berna, tendo a japonesa Tepco (Fukushima) ficado em segundo lugar.

Mas também a anglo-australiana BHP Bilton não brinca: a empresa entra na lista das 90 companhias responsáveis pela emissão de dois terços dos gases-estufas desde o começo da era industrial, ocupando o 19º lugar: em 2010 foram 7.606 milhões de toneladas cúbicas de CO2, 0,52% de todas as emissões mundiais.

Os jornalistas do Manifesto, como afirmado, encontraram Marco Zonta: este estava em São Paulo, durante o Encontro Continental dos meios de comunicação populares, e explicou assim o novo Código de Mineração que está a ser discutido pelo Congresso:
É um corpo de leis basicamente à medida das grandes empresas; a opinião do povo e dos mineiros, que muitas vezes morrem antes dos 45 anos, não foi ouvida. A das minas é uma questão nacional que exige uma abordagem global. Todos dizem isso, mas as pessoas continuam a suportar o peso das privatizações da década de '90. Em vez disso, eles deveriam ser os únicos a decidir onde cavar e porque. Mariana é um desastre esperado, uma catástrofe estrutural que requer uma grande mobilização para que os trabalhadores possam recuperar o controle.
Em 25 de Novembro, quatro jovens do Movimento sem terra acabaram na prisão pelo facto de protestar na frente do Congresso Federal contra a empresa Vale e o novo Código de Mineração. Acusação? Crime ambiental, porque os rapazes tinha encenado performance usando água e argila para representar a inundação de lama e tinham manchado uma parede.

De acordo com uma investigação de Brasil de Facto, a Samarco tinha preparado um plano de emergência já em 2009: algo que se aplicado teria impedido a tragédia.
Ainda Zonta:
O Rio Doce atravessa muitas localidades entre os Estados de Minas Gerais e Espírito Santo. As substâncias tóxicas destruíram flora e fauna, a economia da pesca e poluiu o mar do Espírito Santo. Levará muitos anos antes que o plano de recuperação anunciado por Dilma Rousseff possa ter qualquer efeito.
O governo montou a operação Arca, contando com a participação de grupos ambientalistas e especialistas. Mas dificilmente será possível salvar a terra ou os animais como peixes e tartarugas, já em risco de extinção. E o solo permanecerá infértil por muitos anos.

A lama tóxica contaminou mais de 70 quilómetros de litoral, rico em peixes e destino turístico preferido pelos surfistas. Segundo a ONU, as medidas tomadas pelo governo são "claramente insuficiente".

O desastre de Mariana, segundo o secretário do meio ambiente brasileiro, José Antonio Marcondes, "não irá diminuir o peso do Brasil nas negociações sobre o clima" e acrescentou:
Foi um trágico acidente que não tem nada a ver com o clima, agora estamos a trabalhar para corrigir isso.
Mas, como explica a sábia Wikipedia:
Um acidente é um evento inesperado e quase sempre indesejável que causa danos pessoais, materiais (danos ao património), danos financeiros e que ocorre de modo não intencional.
O acidente de Mariana não foi um "evento inesperado" e nem foi "não intencional": a supressão das medidas de segurança e a não implementação do plano de emergência foram intencionais.

Como travar estes "acidentes"? Não é simples. E não é uma questão técnica: mais uma vez, o centro é o dinheiro. Eis a lista dos políticos pagos pela empresa Vale S.A.:

Na comissão criada na Câmara
  • Brunny (PTC-MG)
  • Eros Biondini (PTB-MG)
  • Fábio Ramalho (PV-MG)
  • Gabriel Guimarães (PT-MG)
  • Givaldo Vieira (PT-ES)
  • Laudívio Carvalho (PMDB-MG)
  • Lelo Coimbra (PMDB-ES)
  • Leonardo Monteiro (PT-MG)
  • Mário Heringer (PDT-MG)
  • Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG)
  • Paulo Foletto (PSB-ES)
  • Rodrigo de Castro (PSDB-MG)
  • Subtenente Gonzaga (PDT-MG)

Na assembleia mineira:
  • Agostinho Patrus Filho (PV)
  • Gil Pereira (PP)
  • Gustavo Corrêa (DEM)
  • Gustavo Valadares (PSDB)
  • Thiago Cota (PPS)

No Legislativo do Espírito Santo
  • Bruno Lamas (PSB)
  • Gildevan Fernandes (PV)
  • Guerino Zanon (PMDB)
  • Janete de Sá (PMN)
  • José Carlos Nunes (PT)
  • Luzia Toledo (PMDB)
  • Rodrigo Coelho (PT)
Viram os nomes dos partidos? Falta alguém? Ora bem.

Na Câmara dos Deputados, 13 dos 19 membros da comissão externa instalada nesta quinta-feira (12)

Na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, cinco dos nove membros titulares da comissão extraordinária criada para "acompanhar e monitorizar os desdobramentos do desastre ambiental" foram beneficiados por doações de empresas ligadas à Vale, em valores que vão de 465 a 500 mil Reais. foram beneficiados com doações do grupo Vale, segundo dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). As contribuições de campanha aos integrantes da comissão somam 368 mil Reais.

Já na Assembleia Legislativa do Espírito Santo, o Estado afectado pela enxurrada de lama que atingiu o rio Doce, as empresas do grupo Vale doaram 428 mil Reais a sete dos 15 membros da comissão representativa criada para acompanhar os impactos ambientais da tragédia.

As doações dirigidas às campanhas dos membros titulares dessas comissões somam 2.6 milhões de Reais.

Como explica a página UOL, não é fácil encontrar deputados que não tenham recebido doações das empresas do grupo Vale S.A.. Entre os 53 deputados da bancada mineira na Câmara dos Deputados, 33 foram beneficiados com contribuições de empresas ligadas à Vale, por meio de doações directas ou indirectas.

No Espírito Santo, que possui na bancada dez deputados, oito receberam doações. A comissão externa da Câmara é composta por parlamentares desses dois Estados. Ao todo, nas últimas eleições, o grupo Vale gastou 80 milhões de Reais em doações, que beneficiaram três candidatos a presidente, 18 a governador, 19 a senador, 261 a deputado federal e 599 a deputado estadual. As doações beneficiaram políticos de 27 partidos.

Mais uma vez: dinheiro. E há quem continue a falar em "acidente"...


Ipse dixit.

Fontes: Il Manifesto, UOL, Wikpedia, Brasil de Facto, The Guardian

8 comentários:

  1. Nesse caso das barragens é fácil de resolver, basta apostar a pele no jogo, ou seja, as casas e escritórios dos diretores e gerentes das empresas ficariam a jusante das barragens.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo3.12.15

    "A Vale S.A. é uma péssima empresa do ponto de vista ambiental" - Fato!! Mas onde estavam os órgãos de fiscalização dos três níveis de administração pública, municipal, estadual e federal? Se eles tivessem feito seu trabalho e cumprissem com o que determinam as leis, os riscos seriam minimizados e esse "acidente" talvez não tivesse acontecido. Definitivamente o Brasil não é um país sério! Eduardo.

    ResponderEliminar
  3. Corrupção + terrorismo = Mariana. O mundo todo está ficando com esta cara suja.
    César foi assassinado pelo senado, pretendeu fazer uma reforma agrária, não houve assassino, todos o esfaquearam. Só Brutos é que deu aquele azar quando César pronunciou seu nome para a História...

    Uma modesta contribuição ao que se passa;
    http://infinitoaldoluiz.blogspot.com.br/2015/12/feliz-natal-feliz-ano-novo-nacoes.html

    Sinto muito, sou grato.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo3.12.15

    Infelizmente a mídia brasileira se aproveitou que o episódio aconteceu concomitante aos atentados de Paris e, como a impressa brasileira é vendida ao governo, se aproveitou para tentar abafar os problemas políticos nacionais. Mas, a verdade é que este lamaçal bem representa a atual situação do país e é como uma "caricatura" do governo corrupto do PT.

    ResponderEliminar
  5. Muitos países, Brasil incluído, não necessitam de TPP, já que os grandes conglomerados empresariais e financeiros fazem o que bem entendem, visando evidentemente apenas os lucros de seus acionistas. Considerando as falhas de democracias representativas viciadas, os parlamentares são representantes dos conglomerados e não das populações, bem como a regulamentação é frouxa, tendo leis negociadas no parlamento para atender à demanda de quem está pagando. Então a tramóia toda se oficializa e naturaliza. As pessoas já sabem que nada deterá o curso das desgraças que com nome de acidentes continuarão a ocorrer. E, de lambuja, entram as recentemente comentadas ongs nos negócios das catástrofes, mais um setor a se beneficiar da desgraça alheia. Dependendo do lugar, os órgãos de comunicação chegam ao inacreditável, como no caso do Rio Doce. Chegam a afirmar que a água dali pode ser ingerida, não é tóxica, supostamente baseados em análises científicas. Aí mais dois setores a se beneficiar: os pesquisadores e suas instituições, e as organizações midiáticas. O lucro da privatização de empresas como essas não alcança apenas os seus acionistas, mas uma rede de sanguessugas espalhadas pelo tecido social e político.

    ResponderEliminar
  6. Chaplin4.12.15

    Mais um episódio que traduz o quanto Estado Nacional e poder econômico se entrelaçam. Sempre digo: O Estado Iluminista Republicano, colônia judaica maçônica, é muito competente e dá certo, mas para o que ele se propõe, defender e camuflar os interesses de segmentos minoritários. Instituições como Imunidade Parlamentar, soltura sob pagamento de fianças e segredo de justiça estão à serviço dos agentes operadores desses interesses. O povo, sempre foi e continuará sendo um pouco mais do que a boiada no campo...

    ResponderEliminar
  7. E no final das contas a SAMARCO ficará no lucro pois se fossem construir outra barragem e mudar toda a lama de lugar . . .

    ResponderEliminar
  8. Quantum Binary Signals

    Get professional trading signals delivered to your cell phone daily.

    Start following our signals NOW & make up to 270% per day.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...