27 outubro 2016

O Universo dos ratos

Em 1962, o pesquisador norte-americano John B. Calhoun construiu o habitat ideal para os ratos. Um lugar onde as cobaias nunca deve ter que se preocupar com nada: comida, água e abrigo disponíveis para todos. Um Utopia para roedores, baptizado Universo 25, que dentro de um ano atingiu o seu pico.

Calhoun era um etólogo conhecido por via dos seus estudos sobre a densidade populacional e os efeitos que este factor tem sobre o comportamento. Argumentou que os resultados obtidos com ratos foram uma previsão sobre o futuro da humanidade e, de facto, na altura a experiência foi impactante.

Mas vamos ver quais as características do estudo e quais os resultados imediatos. Porque esta experiência é um pilar dos que apresentam o futuro como um pesadelo onde nem há espaço para mexer-se.


O sonho de qualquer roedor

John B. Calhoun
Cada aspecto de Universo 25 foi cuidadosamente estudado e selecionados para garantir o bem-estar
dos roedores e aumentar as suas expectativas de vida.

O universo tinha a forma de um tanque de 2,7 metros quadrados, com muros de um metro e meio. O primeiro metro era estruturado de forma que os ratos podiam subir livremente nas paredes, sem no entanto ser capazes de fugir do tanque; em cada parede foram soldadas 16 túneis, com outros 4 corredores horizontais que cruzavam-se, proporcionando assim 256 abrigos para construir tantos ninhos. Cada ninho era grande o suficiente para acomodar 15 ratos.

Fazendo um cálculo rápido, Universo 25 podia conter uma população de mais de 3.800 ratos, com bastante água potável, alimentos e materiais para criar um ninho para todos.

O habitat era limpo a cada 4 semanas, a temperatura era mantida constante em torno dos 20 ° e até mesmo o risco de doenças genéticas tinha sido drasticamente reduzido selecionando os melhores exemplares das colónias do Instituto Nacional de Saúde do Tennessee.

Quatro pares de ratos (Rattus norvegicus, as comuns ratazanas) foram introduzidos neste paraíso artificial. Após 104 dias de adaptação, onde familiarizam uns com os outros e com o meio ambiente circundante, começaram a reproduzir-se.

As condições de absoluta perfeição do novo mundo que garantiu a explosão exponencial da população, que duplicava a cada 55 dias. Mas tudo isso não iria durar ao longo de muito tempo. esquina. Calhoun tinha-se dedicado à criação de habitats para roedores desde o ano de 1940: Universo 25 significa que tinha havido outros 24 outros antes, e quase todos levaram aos mesmos resultados. Sem dúvida Universo 25 era o projecto mais ambicioso mas, tal como nas experiências anterioires, o Paraíso tornou-se um Inferno.

Os problemas

Chegados ao dia 315, os ratos não faziam a não ser comer, socializar e ter filhos, o que levou a população até mais de 600 indivíduos. E é mesmo aqui que começa o declínio: o crescimento da população de repente começa a desacelerar.

Os recém-nascidos encontram-se num mundo cada vez mais lotado, onde existem mais ratos que papéis sociais. O stresse de ter de defender o território e as suas fêmeas por inúmeros concorrentes, leva os machos-alfa a abandonar a tarefa, demasiado onerosa.

As normais interacções sociais são quebrados, e com elas, a capacidade do roedor de relacionar-se com os outros. Os machos dominantes tornam-se extremamente agressivo e atacam as fêmeas e os seus filhotes. Outros se tornam pansexuais e hiperactivo, tentam acasalar com qualquer rato disponível.

As fêmeas, abandonadas à sua sorte em ninhos invadidos por ratos desconhecidos, começam a
rejeitar e mais tarde atacar os seus próprios bebés, tornando-se mesmo incapazes de construir ninhos adequados.

Em algumas áreas do habitat, a taxa de mortalidade infantil atinge 96%, com os mortos canibalizados pelos vivos (apesar da abundância de alimentos para todos). Os indivíduos mais fracos sobrevivem com dificuldades: desmoronam fisicamente e psicologicamente, fixam-se no centro do recinto onde a as suas vidas vão em frente na apatia, interrompida de vez em quando por actos sem sentido ou violência.

Em contraste, um outro grupo de roedores, que Calhoun chamado de "os belos", não se encaixa nas lutas. Interessados ​​apenas em eles mesmos, as suas actividades exclusivas são aquelas de comer, dormir e alisar o pelo: diferentemente dos outros, não têm feridas e o pelo é branco e brilhante. A sociedade dos entrou em colapso.

No dia 560, a população chega a 2.200 pessoas (o máximo possível ainda era 3.500) e o crescimento para completamente. Alguns recém-nascidos conseguem superar o desmame, mas após o dia 600 há poucas gestações e nenhum bebé sobrevive.

Mesmo quando a população voltar aos níveis inicias do experimento, não há novos nascimentos. Os ratos ainda capazes de produzir-se, como algumas fêmeas "belas", ficam na parte mais alta de Universo 25: tinham perdido a capacidade social para reproduzir-se. As cobaias, simplesmente, deixaram de ser ratos, de exercer as relações sociais necessárias para a reprodução. Uma espécie de primeira morte, como foi definida por Calhoun, uma morte social que precede a morte física.

Conclusões

Segundo Calhoun, a causa foi a superlotação: viver constantemente ombros contra ombro com dezenas de vizinhos leva inevitavelmente a explosões de violência, hipersexualidade seguida de assexualidade, e depois auto-destruição.

Os resultados desta experiência podem ser aplicados à sociedade humana? Segundo Calhoun não havia dúvida: não importa o quão sofisticados pensamos ser, uma vez que o número de indivíduos capazes de desempenhar um papel excede em muito o número de papéis disponíveis, a sociedade falha:
A consequência inevitável é a destruição da organização social. Os indivíduos nascidos nestas circunstâncias ficam tão distantes da realidade ao ponto de ser incapazes até mesmo de se alienar. Os seus comportamentos mais complexos ficariam fragmentados.

A aquisição, a criação e a utilização de ideias adequadas para o sustento da vida numa sociedade pós-industrial seria impossível. O crescimento da população humana, se não for controlada, levaria a sociedade sucumbir ao niilismo e, em seguida, a entrar em colapso, resultando no fim da espécie.
Exactamente este o objectivo de Calhoun: mostrar como o crescimento da população humana, se não for controlada, leva ao colapso e ao fim da espécie. Durante os seus estudos, Calhoun cunhou o termo de fossa comportamental para descrever o comportamento patológico que vem de superpopulação. E ainda hoje a experiência de Calhoun é tida como exemplo clássico quando o assunto for a superlotação.

O pesadelo de qualquer roedor

É mesmo assim? Talvez não.

O psicólogo Jonathan Freedman recrutou estudantes de nível médio para levar a cabo uma série de experiências nas quais medir os efeitos da densidade populacional sobre o comportamento.

Foram avaliados stress, desconforto, agressividade e competitividade. Em 1975 declarou não ter encontrado quaisquer efeitos negativos.

Outros pesquisadores, como Carla Garnett, argumentam que o trabalho de Calhoun não era sobre a densidade no sentido físico, como o número de indivíduos por metro quadrado, mas sim sobre o grau de interação social.

No meu ponto de vista, este pilar da teoria da superlotação é simplesmente estúpido. Explico:

  • As condições inicias da experiência, mas sobretudo as finais, são viciadas por um "pormenor": a abundância de recursos. Calhoun partiu do princípio que a população pode aumentar mas a quantidade de recursos continuaria a ser ilimitada. O que, obviamente, não faz sentido. Já hoje estamos a destruir o nosso ambiente para manter viva uma sociedade que de certeza não podemos descrever como "sobre-lotada": imaginemos o que poderia acontecer numa população onde houver escassez de água ou de alimentos. Haveria violência, sem dúvida, mas não fruto duma crise de posições sociais, seria fruto da necessidade. E isso bem antes de ter alcançado uma superpopulação como aquela de Universo 25, porque os nosso recursos são aqueles oferecidos pelo planeta, que não é um poço sem fundo.
  • A segunda razão está na essência do rato. Qual a essência do rato? Ser rato, obviamente. E isso implica procurar comida, caçar, fugir dos predadores, sobreviver num ambiente hostil. E procriar, claro. Mas no Universo 25, a única coisa que os ratos tinham que fazer era esta última: acasalar. O que é um bom passatempo, sem dúvida, mas não é capaz de desafiar a nossa existência, não proporciona aqueles estímulos que só o perigo, a necessidade, o medo proporcionam. Imaginem um ser humano, numa ampla casa, cuja única actividade seja comer e fazer sexo, nada mais ao longo de anos: após alguns tempo, suspeito que o cérebro deste indivíduo comece fortemente a regredir. os ratos fechados no Universo 25 não tinham vida, estavam apenas a sobreviver num ambiente irreal.

A experiência de Calhoun não monstra o resultado dum mundo sobrelotado: apresenta o destino duma sociedade onde os indivíduos são atirados para uma realidade artificial, não natural, e por isso a sociedade deles (pensada para uma existência natural) desmorona.

Sem sabe-lo, Calhoun descreveu a nossa actual sociedade, não uma crise de superpopulação.


Ipse dixit.

Fonte: John B. Calhoun: Population Density and Social Pathology (ficheiro Pdf, Inglês), Edmund Ramsden & Jon Adams: Escaping the Laboratory: The Rodent Experiments of John B. Calhoun & Their Cultural Influence (ficheiro Pdf, Inglês), HypeScience: É assim que a humanidade será extinta?

5 comentários:

  1. Exatamente. O que está nos deixando autômatos, vivos mortos sem pensamento, motivações relacionais verdadeiras é justamente estarmos sendo jogados para viver uma pseudo realidade, absolutamente artificial, o isolamento em meio à multidão. A crise alimentar só existe em função dos interesses econômico de envenenamento, migrações forçadas, guerra visível ou não. Com a água e todos os demais recursos que proporcionariam a vida auto regulada e feliz no sistema terra se à disposição das maiorias, ocorre o mesmo. E o poder das minorias se reinventa para construir falsa realidade que mantenha as maiorias submissas. Os humanos não sabem que foram transformados em cobaias impiedosamente massacradas para o êxtase orgasmático dos poderosos no exercício plenos de seus podres poderes.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo28.10.16

    @maria
    Ai em parte discordo acho que muitos ou alguns sabem ou disso tem noção ou consciência mas fazem de conta que nada sabem, e fazem o papel que deles é esperado. Por muito estranha que seja a condição humana, se em parte é condicionada(e cada vez mais) é com alegria que vejo que os programas correm sempre e invariavelmente mal.
    Para o mau e para o bom continuamos bem humanos...o maior problema não será a sobrepopulação mas em que é que a mesma se ocupa e se não ficara "obsoleta" conforme as máquinas e seus derivados ocupam os seus lugares. Hoje em dia já muita gente por máquinas é controlado e no futuro substituídos. Isso claro vai criar muitos anticorpos. Aliás as grandes cidades são e serão um exemplo disso.

    Nuno

    ResponderEliminar
  3. Anónimo28.10.16

    E estando alguns conscientes de tudo, percebem que nada podem fazer para mudar tudo, mas podem com os recursos que dispõem dentro da caixa de cobaias mudar a sua realidade até certo ponto e dentro da caixa de cobaias cultivar o seu próprio alimento intelectual e emocional.

    Serão cobaias que ficam no seu canto em paz desde que não incomodem o dono da caixa e não agitem demasiado os habitantes da caixa.

    Outra coisa.
    Por este lado há quem não veja os últimos comentários na página principal. Mais alguém?

    ResponderEliminar
  4. Anónimo28.10.16

    A sociedade humana quando controlada tende para o caus generalizado, na natureza como tudo, o caus é harmonioso.

    ResponderEliminar
  5. Get all your favorite alcoholic drinks on Duty Free Depot!

    All the popular brand name beverages for unbelievable discounted prices.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...