25 outubro 2016

Os serviços secretos franceses na Líbia

Uma curta notícia nas páginas do Corriere della Sera: um pequeno avião francês precipita perto da
ilha de Malta, mortos os ocupantes. Acontece.

Mas depois iniciam os problemas: o governo francês afirma ser esta uma missão europeia, enquanto Federica Mogherini, a chefe da diplomacia europeia, declara:
O voo não estava ligado a nenhuma actividade da UE.
Curioso, sem dúvida, também porque a França confirma apenas três das nacionalidades dos mortos, limitando-se a afirmar que os outros eram contractors (mercenários). Talvez valha a pena aprofundar o assunto, não é?

Descobre-se assim uma história interessante.

Um pequeno bimotor Fairchild Metroliner MkIII caiu pouco depois de descolar do aeroporto internacional de Luqa, em Malta. A aeronave explodiu no impacto com o solo. Segundo as autoridades maltesas, todos os ocupantes eram franceses, mas Paris não confirma a nacionalidade de todas as vítimas: limita-se a declarar que franceses eram os presentes no avião eram três funcionários do serviços aduaneiros, enquanto os ouros eram dois contractors da empresa luxemburguesa Cae Aviation.

De acordo com o relatório do governo de Malta, os três funcionários estavam ocupados a vigiar as rotas utilizadas por organizações criminosas envolvidas no tráfico de drogas e de seres humanos a partir da Líbia. Mas há algo que não bate certo: já há navios e aviões da União Europeia a desenvolver este trabalho, missões às quais participam meios franceses. Por qual razão utilizar um avião civil com pessoal militar privado (os tais contractors) para a mesma tarefa?

É o que pensa também o diário Le Monde que dá uma versão diferente dos factos: os três franceses pertenciam não aos serviços aduaneiros mas à Direcção-Geral da Segurança Externa (DGSE). Isso é: serviços secretos. e nem seria este o primeiro acidente que envolve os 007 franceses: no passado 17 de Julho, em Haftar (Líbia), três soldados franceses em missão de inteligência morreram após o abate do helicóptero no qual viajavam.

Eis então um cenário alternativo, tal como relatado pelo semanal francês Le Point.
A aeronave, em serviço por conta da empresa luxemburguesa mas alugado nos Estados Unidos, tinha como destino Misurata, provavelmente para transferir secretamente pessoal do âmbito militar. Fontes maltesas confirmaram que o destino era mesmo a cidade líbia. E não se trata dum caso isolado: a França, de facto, implantou unidades especiais no País da África do Norte em apoio às milícias locais, tal como têm feito os Estados Unidos.
 
Segundo o Le Point, os dois pilotos faziam parte do GAM 56, uma unidade que assegura o transporte reservado por conta dos serviços secretos franceses durante missões "sensíveis". Os serviços pagam salários, fornecem material tecnológico, pessoal e utiliza contractors para intervenções na área.


Moral da história: desde 2011 a Líbia caiu num caos total, cúmplice um governo filo-ocidental que desagradou a população, as actividades de Al-Qaeda dum lado, do Estado Islâmico do outro, as reivindicações tribais e as intervenções não oficiais de norte-americanos e franceses. O País é rico em petróleo e em gás: com missões "em claro" ou com missões "encobertas", é óbvio que não poderá escolher livremente o seu futuro.

No vídeo: o momento do impacto filmado com uma dashcam (câmara de bordo) dum automobilista de Malta:
 


Ipse dixit.

Fontes: Il Corriere della Sera, Le Point

4 comentários:

  1. anónimo 5626.10.16

    Excelente regresso Max.

    Continua o teu Blog um daqueles raros oásis de “informação incorrecta” neste deserto infindável de intrujices mediáticas.

    Aquelas intrujices das “Elites”, dos “iluminatis”, da “Finança” etc… ou seja:

    http://www.renegadetribune.com/wp-content/uploads/2016/09/lfm3P.jpg?dddb56

    ResponderEliminar
  2. Max o blog deve ter algum "vírus" a página é redireccionada automaticamente!

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Anónimo26.10.16

    Grupo Carlyle e o meio-irmão de Sarkozy não faz parte do mesmo até a wikipedia diz que sim: https://en.m.wikipedia.org/wiki/The_Carlyle_Group
    Ver separador Notable employees and advisors.
    Nuno

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...