31 outubro 2016

Wikipédia inglesa: a história rescrita


Uma curiosidade: como é que as vária sversões de Wikipedia descrevem a Guerra do Ópio?

A versão portuguesa, tal como aquelas italiana e espanhola também, dedicam páginas que enquadram os eventos do ponto de vista histórico, onde são explicadas as causas do conflito e é realçado o papel dos Ingleses no comércio ilegal do Ópio.

E a versão inglesa? Aqui vai a tradução total da página Opium Wars (Guerras do Ópio em inglês):
As Guerras do Ópio foram duas guerras que envolveram disputas anglo-chinesas sobre o comércio britânico na China e a soberania da China em meados do século 19º. As disputas incluiu a Primeira Guerra do Ópio (1839-1842) e a Segunda Guerra do Ópio (1856-1860). As guerras e os eventos entre as guerras enfraqueceram a dinastia Qing e forçaram a China ao comércio com o resto do mundo.

Primeira Guerra do Ópio

A Primeira Guerra do Ópio, entre 1839-1842, foi concluída pelo Tratado de Nanking em 1842. O tratado cedeu a ilha de Hong Kong ao Reino Unido em perpetuidade, e estabeleceu cinco portos de comércio em Xangai, Cantão, Ningpo, Fuchow, e Amoy. Outro tratado no ano seguinte deu o status de Nação mais favorecida ao Reino Unido e acrescentou vantagens à extraterritorialidade britânica. Em seguida, a França garantiu concessões nos mesmos termos que os britânicos, em tratados de 1843 e 1844.

Segunda Guerra do Ópio

Durante 1856-1860, as forças britânicas lutaram no sentido da legalização do comércio de ópio, para expandir o comércio de trabalhadores, para abrir toda a China aos comerciantes britânicos, e isentar as importações estrangeiras dos impostos sobre o trânsito internos. A França se juntou aos Britânico. A guerra também é conhecida como a "Guerra da Seta", referindo-se ao nome dum navio ("Arrow") onde começou do conflito. A Guerra da Seta resultou num segundo grupo de portos de comércio criados pelo tratado; mais de 80 portos foram estabelecidos na China, envolvendo muitas potências estrangeiras. Todos os comerciantes estrangeiros ganharam o direito de viajar dentro China.
Nada mais. Basicamente, o Leitor Inglês o Americano aprende que a causa das duas guerras foram"disputas anglo-chinesas sobre o comércio britânico na China e a soberania da China". O termo "ópio" é citado uma só vez (doutro lado é necessário justificar a designação de guerra "do Ópio"), mas não sozinho: ao lado do comércio dos coolies (palavra que na altura indicava trabalhadores indianos ou chineses).
 
Portanto: uma questão de livre mercado num País que hoje ficaria direitinho na lista dos Países que formam o Eixo do Mal.
 
É verdade que são presentes as ligações para as páginas dedicadas à Primeira Guerra do Ópio e outra à Segunda Guerra do Ópio, mas não é que a situações melhore de muito. A explicação fornecida para justificar a Primeira Guerra do Ópio é no mínimo risível:
A Primeira Guerra do Ópio (1839-1842), também conhecida como a Guerra do Ópio e a Guerra Anglo-Chinesa, foi travada entre o Reino Unido e a dinastia Qing por causa dos pontos de vista dos beligerantes sobre as relações diplomáticas, o comércio e a administração da justiça para os estrangeiros na China.
Ou seja: o Reino Unido queria civilizar um País retrogrado que não conhecia a diplomacia e nem sabia como administrar a justiça para os estrangeiros no seu território. Começamos bem.
Nos séculos 17º e 18º, a procura por produtos chineses (em particular seda, porcelana e chá) no mercado europeu criou um desequilíbrio comercial porque o mercado para bens ocidentais na China era praticamente inexistente; China era em grande parte auto-suficiente e os europeus não tinham permissão de acesso para o interior da China. a prata europeia fluía para a China [...]. Por volta de 1817, os britânicos perceberam que poderiam reduzir o deficit comercial, bem como tornar a colónia indiana rentável negociando o ópio indiano.
Os coitados do Reino Unido estavam no limiar da pobreza por causa do comércio com a China e foram obrigados a introduzir o ópio naquele País simplesmente para compensar as perdas. Tinha-se tornado uma questão de mera sobrevivência. E também de ajudar os pobres indianos.

A Segunda Guerra do Ópio, de facto, pouco teve a ver com a droga, sendo a natural prossecução da primeira, na tentativa de obrigar a China a abrir-se completamente ao "livre mercado "ocidental: viu empenhados mais uma vez os Ingleses, desta vez coadjuvado pelas forças francesas.

Com a conclusão do segundo conflito, a Chian foi obrigada a pagar indemnizações ainda mais pesadas daquelas pagas após a primeira guerra, abrir outros portos, como vimos, isentar as potências estrangeiras dos impostos aduaneiros, aceitar não apenas a livre circulação de comerciantes mas de missionários também.

Única boa notícia: o Reino Unido deixou de importar ópio da Índia. A má notícia: agora era produzido pelo comerciantes estrangeiros directamente na província de Yunnan (vejam lá, outro pormenor esquecido na versão inglesa).


Ipse dixit.

Fontes: no texto.

7 comentários:

  1. Anónimo31.10.16

    Os Ingleses sempre foram uns grandes aldraboes.
    Os Chineses teem boa memoria e lembram-se bem do que lhes fizeram.

    EXP001

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo2.11.16

      Nem por isso. Tenho um livro que aliás é de uma grande editora (2a mão amazon.uk) descreve segundo uma prespectiva neutra aliás mete os vilões como sendo os ingleses de uma forma subtil mas sem fugir do assunto, e coloca inclusive a perspectiva chinesa.
      Posso depois tirar umas fotos só para ter uma ideia?

      Eliminar
  2. História é isso; o dizível que melhor convém a quem conta e, que em geral não diz nada como boa parte do que consta nas descrições mencionadas pelo Max. E isso se repete ad eternum. Então convido a todos que desejarem minimamente saber das coisas longínquas no espaço e no tempo a lerem estórias de literatura, ficção e especulem. Cada vez mais parece não haver outra maneira.Quanto aos acontecimentos próximos, vivam, participem deles, sejamos pelo menos testemunhas oculares.

    ResponderEliminar
  3. Chaplin31.10.16

    Isso mesmo Maria! Somente a pesquisa investigatória independente pode alçar o indivíduo ao entendimento mínimo. Mas isso dá trabalho, muito trabalho, e precisa-se de um fator quase inexistente: disponibilidade aliada a interesse...o que se aprende é se divertir e ser "feliz"...

    ResponderEliminar
  4. Anónimo2.11.16

    A própria wikipedia conta o conto de uma forma diferente conforme a língua que se escolhe. E mais enquanto para uns é branco para outros é preto. Só em línguas de observadores e não participantes dos fatos se observa preto e branco e imensos tons de cinza.
    É isso que ambos mencionam acima o problema não é o trabalho que dá, é mais a falta de tempo e o que escapa, pequenos detalhes fazem a diferença.
    Em relação aos acontecimentos "em sí", felizmente moro numa pequena cidade do interior aqui em Portugal. O que traz desvantagens e muitas vantagens. Mas já vi mais do que provavelmente deveria ter visto e mais virá.
    N

    ResponderEliminar
  5. Ricardo2.11.16

    Já conversei com diversas pessoas que cresceram por aqui (Inglaterra). E é isso aí... Um que é Muçulmano já ouviu falar. Outros 5 não conheciam mem o nome. Minha filha de 10 anos já foi avisada das meias verdades que irá aprender nas aulas de história e eu complemento em casa...

    ResponderEliminar
  6. Find the best details about history at edial to get more information

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...