11 janeiro 2017

Trump: não é revolução

No próximo dia 20 de Janeiro Donald Trump será formalmente nomeado Presidente dos Estados Unidos. A boa notícia é que Hillary Clinton desapareceu. Então, qual a má notícia?

Na verdade não há: o simpático Obama tenta deixar novos problemas como herança para o próximo inquilino da Casa Branca (não fossem suficientes os que já provocou até hoje), mas isso era esperado sendo ele o máximo representante do politically correct democrata.

E Trump? Será verdadeira revolução? A resposta pode ser só uma: não.
Donald Trump não é contra o sistema: Donald Trump é o sistema, portanto nada de ilusões. A sua vitória quebrou o arrepiante emaranhado entre Washingotn e a lobby que reúne boa parte das multinacionais; travou o projecto globalizador que com a Clinton teria ganho nova linfa. Não é pouco, aliás, já por isso merece ser agradecido: mas não podemos cultivar falsas esperanças, porque Trump nasceu e prosperou no sistema USA e não será ele a destrui-lo. 

As suas primeiras escolhas são bastante claras neste sentido. Trump nomeou como chefe do Conselho dos Assessores Económicos um jornalista, Larry Kudlow. Tanto para ter uma ideia, Kudlow escrevia em 2007, poucos meses antes da crise dos subprimes:
O debate sobre a recessão acabou, não vai acontecer, é hora de seguir em frente. [...] O boom de Bush está vivo e em saúde. Está terminando o seu sexto esplêndido ano com muitos mais anos pela frente.
Larry Kudlow
Não satisfeito, em Agosto de Maio de 2011 escrevia uma artigo nas páginas da CNBC com o título esclarecedor "Não há recessão" e no texto acrescentava:
Não acredito que estamos a entrar numa recessão.
Ok, ninguém é perfeito... mas admitir a evidência já não seria mal. Ah: Kudlow é de família judia, se é que interessa. Continuemos.

O novo Secretário do Tesouro será Steve Mnuchin, 17 anos de Goldman Sachs. Mnuchin é acusado de ter especulado sobre a crise financeira, adquirindo em 2009 por poucos cêntimos IndyMac, pequeno banco da Califórnia especializado em empréstimos hipotecários: tudo isso com graves perdas por parte dos pequenos investidores.

A intenção de Mnuchin é explícita: atirar para a sucata algumas das regras promulgadas após a crise de 2007-2008. Pelo que podemos esperar uma boa dose de desregulamentação (ou deregulation, como costumam dizer nos EUA). Ah, ia esquecendo: Mnuchin é judeu.

Gary Cohn
Em frente.
Top adviser (principal conselheiro) de Trump será Gary Cohn, ex-presidente e CEO de Goldman Sachs, nomeando director do Conselho Económico Nacional. Dizia dele Greg Smith, após ter abandonado o cargo na direcção do banco: 
Quando os livros de história serão reescritos mostrarão como Goldman deixou cair a cultura empresarial enquanto eles (Greg Smith e Lloyd Blankfein) seguravam as rédeas do grupo. Um declínio de espessura moral na empresa no longo prazo representa uma ameaça muito séria para a sua sobrevivência.
Portanto, nada de limpar a "lixo" no mundo da Finança: o lixo continuará a administrar a política financeira nos próximos anos também.

O que falta? Ah, sim: Cohn é judeu, olhem o acaso. Pelo que: boa parte das escolhas financeiras e económicas da Administração Trump ficarão nas mãos de judeus. Dito assim, só como curiosidade.

O resto da equipa escolhida por Trump apresenta nomes que de "revolucionário" têm pouco. Tal como o futuro Presidente, são indivíduos que, na maior parte, conseguiram o sucesso a partir do interior do sistema, não do exterior. É o caso de Wilbur Ross, o bilionário Secretário de Comércio; de Rex Tillerson, CEO da Exxon Mobil e próximo Secretário de Estado; do empreendedor Andrew Puzder, futuro Secretário do Trabalho.

Todavia há algo que tem de ser realçado: contrariamente ao que aconteceu com as recentes Administrações democratas, aqui não há ninguém ligado a think tank de renome, grupos de poder externos às instituições onde costuma ser feita política ao mais alto nível (e longe dos olhares dos eleitores); pensamos no Council of Foreing Relations, pensamos ao círculo de Zbigniew Brzezinski.

Aliás, neste aspecto é importante observar como toda a doutrina geopolítica seguida nas últimas décadas (a ocupação da Eurásia), com Trump fica para o lixo.

O que não é nada mal se pensarmos aos "sucessos" do simpático Obama: Líbia, Síria, Iraque, Yemen,
Somália são as guerras que o Prémio Nobel da Paz travou. E neste preciso momento está a enviar para as fronteiras russas 3.500 tanques e 5.000 forças especiais, isto é, esquadrões da morte, só para reiterar o seu "abandono das guerras". Nem podemos esquecer as ingerências dos EUA nas Honduras, Paraguai, Brasil e Ucrânia.

Queremos falar de Putin déspota homofóbico, do napalm em Gaza contra o terrorismo, da União Europeia para a democracia e o bem-estar das massas, do Brexit catástrofe, da segurança NATO, do bom papa, do Dalai Lama divinas, da riqueza do TTIP, de Al-Qaeda, do Isis? A pouco servem Madonna e George Clooney, este é o muro de mentiras que a "Nova Esquerda" democrata construiu contra a realidade da verdade.

Com Trump não será revolução porque os EUA são sempre os EUA: um sistema que nasceu e prosperou seguindo a face mais escura e mórbida do liberalismo. Nada de revolução, mas um bom golpe de esponja já nem seria mal.

Tudo isso antes da Grande Depressão: os únicos dois Presidentes-empreendedores na história dos EUA foram Harding e Hoover, mesmo antes da queda e Wall Street. A História nunca se repete de forma idêntica: mas costuma rimar.


Ipse dixit.

Fontes: National Review, CNBC, The New York Times, The Economist, The Independent, Russian Today

15 comentários:

  1. Anónimo11.1.17

    http://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2017/01/11/interna_internacional,838633/trump-e-informado-que-russia-tem-dados-comprometedores-sobre-ele.shtml

    ResponderEliminar
  2. Quem disse que resta alguma possibilidade de revolução no mundo? Muito menos nos EUA onde as estratégias anti qualquer tipo de revolução se desenvolveram de forma aprimoradíssima e a sociedade estado policial atingiu os seus melhores efeitos.
    Luta de gangs do topo? Muito provavelmente.
    Mas, e se o Trump realmente for empossado, e se realmente continuar empossado sem impedimento (porque a Hilária e a máfia genocida que ela representa, está longe de estar desaparecida), pelo menos uma vantagem aos pobres mortais deste planeta vagabundo: os negócios da máfia do Trump parecem não se realizar com guerras e intromissão nos assuntos político administrativos de outros lugares.
    Isso, considerando que daqui onde me encontro, optei por ser um "vacúolo de silêncio" (acho que foi uma opção sensata por agora, pois me falta competência para agir contra um "ministério da verdade" implantado) então já me conformo e me alegro com pouco: alguns milhões de vidas poupadas da morte, da migração forçada e da desgraça.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo11.1.17

    Bem vindo de volta Max. Isto parece mais é um manicómio/hospício...vai ser palhaçada e enganos e muita mas muita propaganda. É tudo farinha do mesmo saco. Mudam as moscas...

    abraço
    Nuno

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo14.1.17

      È anônimo, e o pior: A POVO continua a mesma !

      Eliminar
    2. Anónimo15.1.17

      Exactamente. Aliás com o advento da robotizacao com empresas de topo essas sim com muito e muito dinheiro a apostar na IA. O futuro não parece muito prometedor a obsolencia de muitos postos de trabalho está em causa. Maioria destes fulanos vão usam e abusam do sistema mentem, enganam veja-se o exemplo tipico e corriqueiro (o dominio da psicologia/sociologia e informação para prever e antecipar o que poderá surgir. 1°culpado: eu ou usar um smartphone ao qualquer gadget que da informação sobre gostos/tendências etc...assim como os cpu e os sistemas já feitos com backdoors mesmo para isso, pago a eles para (se for alguém minimamente relevante, não é o caso) para ter um aparelho com cada vez mais sensores que são activados sem darmos conta. Privacidade é uma mentira. E não venham com essa de que não tenho nada a esconder, todos temos. O desenvolvimento já vai levando em conta a nossa previsibilidade e até em parte imprevisibilidade.
      2°exemplos a sofisticação ba venda de escroques e mentiras que vão contra nós mesmos aqui temos o Barroso uma amálgama de mentiras que deu em premier a seguir como já aqui não valia nada vai para cargos dos mais importantes na UE e a seguir passado o tempo necessário vai para o seu pequeno trono na goldman sachs.
      No Brasil um indivíduo por quem eu tenho estima é tratado abaixo de cão/cachorro e no entanto embora tenha ajudado muitos esses judas cospem na mão que tentou inverter o que eu aí vi(e não foi pouco).
      Será que nós somos burros em geral ou nos qurem emburrecer para fazer o que bem entendem sem resoeito por nada (constituições, leis etc...)
      Eu aposto sem dúvida na segunda, posso errar e já errei, mas disto não tenho dúvida. É bom viver em fantasia numa bolha, mas isso não é a realidade hoje em dia manufacturada.

      Nuno

      Eliminar
  4. Estou na linha de pensamento da Maria e do Nuno, pelo que não espero grandes mudanças por aquelas bandas, apesar de ter visto com grande satisfação a derrota da Hilary.
    Espero no entanto que a ortodoxia desta administração espete na gaveta com certos projectos que estavam em marcha, tais como alguns tratados com a europa, que provoque mexidas no acordo de Paris, e que faça recuar o plano bélico em curso no médio oriente, leste da europa e sudoeste asiático.
    Vamos ver!

    ResponderEliminar
  5. Really this is very great information sharing with us. Thanks lot.Examhelpline.in

    ResponderEliminar
  6. Chaplin13.1.17

    Trump exercerá uma função pontual na geopolítica mundial. Criará uma animosidade indireta com a Rússia suficiente para desencadear um conflito de grandes proporções, e que gere altos ganhos para as corporações sionistas. Isso além de abrir o novo status onde o político-empresário torna-se empresário-político.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo15.1.17

      O Trumpa é a Hilária em esteróides, basicamente mostra-me com quem te rodeias, já se viu e é do pior.
      Se dúvidas restavam, foram para o esgoto. Eles devido as suas politicas não produzem nada de jeito a não ser armas e patentes falsas(daí a escutas que fazem), ou compram direitos dos outros na terra dos outros ex: petrobras(mais escutas, dados informáticos etc).
      Agora o Trumpa imagino a base das lages vai ao contrário de pagar o aluguel vai extorquir dinheiro na visão empresarial que nos fazem um favor(defendem-nos via nato, dos inimigos imaginários ou criados pelos predecessores dele) por isso na visão empresário-politico usa os nossos serviços logo paga.
      Este tipo vai criar problemas não só com a Rússia mas principalmente com a China, agora como a china quase tudo produz os preços vão começar a subir.
      Neste momento tirando parte da sua população o maior perigo para o mundo são a land of the free bombs & drones e o resto do mundo vai ter que aturar o bully de plantão até declinar não sem antes arrastar muitos com ele.

      Nuno

      Eliminar
  7. Anónimo13.1.17

    Trump não nos trás o paraíso, mas se, de facto, nos livrou das elites que andam por aí no planeta a desencadear guerras de acordo com os seus interesses... temos de estar agradecidos a Trump de tal facto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chaplin18.1.17

      Consegues imaginar que Trump não faz parte da mesma elite dominante mas mostrado como alternativa? "Parabéns"!

      Eliminar
  8. Dalai Lama: 5 things to keep in mind for the next four years

    http://edition.cnn.com/2017/01/18/health/dalai-lama-guide-to-surviving-trump/index.html


    I have decided to stick with love.
    Hate is too great a burden to bear.

    - Martin Luther King, Jr. -

    ResponderEliminar
  9. Creation

    http://www.harekrishnatemple.com/chapter20.html


    alquimia interior

    https://ograndejardim.wordpress.com/2015/11/05/a-arte-do-kung-fu-sexual/

    ResponderEliminar
  10. Anónimo23.1.17

    Aqui deixo mais um interessante artigo de Pepe Escobar

    http://blogdoalok.blogspot.pt/2017/01/eis-como-se-desdobrara-o-governo-trump.html

    EXP001

    ResponderEliminar
  11. Caro max, se achar pertinente escreva um artigo acerca de Benoît Hamon, que defendeu recentemente a atribuição de um Rendimento Básico Incondicional na França, conforme tinha defendido na Inglaterra Jeremy Corbin.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...