26 abril 2017

Blockchain, Ethereum e Bitcoin

A questão da eliminação do dinheiro vivo, substituído pelo electrónico, ocupa muitas páginas da informação alternativa: este blog tratou do assunto num par de ocasiões (ver "relacionados" no fundo do artigo).

O cerne da questão parece ser o controle que poderia ser actuado sobre os cidadãos (todos os cidadãos e todas as empresas) com uma forma de pagamento facilmente rastreável.

É um risco? Sim, é. Mas, paradoxalmente (e cada vez mais no futuro), pode tornar-se um risco secundário. Afinal, já hoje não é difícil saber como gastamos o nosso dinheiro, seja ele electrónico seja "real": declarações dos rendimentos, facturas, recibos, cartões... se um governo deseja saber o total das nossas entradas e os bens nos quais a maioria destas são gastas, não é impossível ter uma ideia com uma boa aproximação.

É claro que com o dinheiro inteiramente electrónico a tarefa ficaria ainda mais facilitada: mas, como afirmado, há riscos bem maiores do que isso. O perigo principal não é um maior rastreamento do cidadão.

Enquanto o Ocidente observa preocupado o resultado das eleições francesas, os vários JP Morgan Chase, Microsoft, Intel, Google, Santander, British Petroleum, UBS, Federal Reserve, Banco Central Europeu e companhia toda ocupam os seus recursos em algo bem mais importante. É uma simples questão de prioridades: e a prioridade, nesta altura, não é saber se irá ganhar Macron ou Le Pen, pois estes são pormenores. O que conta tem outros nomes: Blockchain, Ethereum e Bitcoin.

O que são estas coisas? Ohh, nada de importante: afinal estamos a falar de algo que irá mudar a face do planeta e condicionar a vida dos nosso filhos, dos filhos dos filhos e assim por adiante. Nada de grave, portanto, e é por esta razão que os órgãos de comunicação nem perdem tempo a tratar do assunto.

Para entender, antes breve resumo.

Hoje: as duas vias

Tudo o que o Leitor comprar hoje passa por duas vias:
  1. o dinheiro eletrónico, com cartões de crédito, de dívida, cheques, transferências bancárias, etc.
  2. o dinheiro vivo, que só é registrado na emissão (quando o Banco entrega o dinheiro ao Leitor) e, de consequência, nos arquivos do Banco Central.
O sistema 1 é facilmente rastreável, o sistema 2... também, mas de forma aproximada. E esta aproximação deixa descobertas algumas "zonas cinzentas", onde o dinheiro pode desaparecer e reaparecer.

Já foi falado em eliminar o dinheiro vivo por várias razões, por exemplo para que os Estados possam controlar os pagamentos e, desta forma, derrotar os negócios do crime, do tráfego da droga, das armas... e claro está: o terrorismo, que calha sempre bem nestes discursos.

Mas esta hipótese, como todas as consequências negativas que costumam ser apresentadas, fica ancorada à ideia de que exista um monopólio da moeda, um Banco Central que emite dinheiro apenas eletrónico, assim cada pagamento ficará registrado nos computadores, seja no caso da compra dum pacote de rebuçados, dum quilo de cocaína ou dum kalashnikov. Portanto, estamos a falar dum Estado (ou, em qualquer caso, duma entidade governamental), duma moeda electrónica regularmente emitida e da possibilidade dum total rastreamento.

Este é o ponto em que a maior parte da informação alternativa pára. E, nestes moldes, o maior dos problemas é mesmo o facto das despesas do cidadão serem totalmente rastreadas. Todavia, este é já o passado. É ontem. O hoje e, sobretudo, o amanhã, são coisas bem diferentes e muito mais perigosas.

Bitcoin e Blockchain

Um dia, um anónimo japonês inventa um novo tipo de dinheiro electrónico, chamado Bitcoin. Esta é
uma "pequena" revolução: é dinheiro eletrónico global, que pode ser emitido e trocado sem qualquer intervenção por parte das autoridades governamentais (nada de Bancos Centrais) e que nem pode ser rastreado.

O fenómeno Bitcoin já hoje é algo bem mais importante do que imaginado. Se até poucos anos atrás Bitcoin era o dinheiro dos traficantes colombianos, de outros azarados que vendiam explosivos para al-Nusra (por exemplo: Barack Obama. Ou acham mesmo que o explosivo C4 e as armas químicas são trocadas em Dólares?) ou dalguns raros investidores, as coisas agora estão a mudar: nos últimos tempos Bitcoin começou a atrair a atenção da grande finança. A razão?

A resposta não reside tanto no volume de negócios de Bitcoin (que ainda hoje continua a ser patético), nem na mesma moeda Bitcoin: a resposta fica no sistema de circulação e de pagamentos que apoiam Bitcoin. Senhores, abram as asas ao Blockchain.

Em teoria? Muito interessante

Em primeiro lugar: Blockchain é uma tecnologia. É um sistema distribuído globalmente de registros de pagamentos, em teoria disponível para todos. O ponto crucial é que este sistema de pagamentos, ao contrário dos vários Euro, Dólar, Real, Yuan, Libra, etc. não passa por uma autoridade central (como acontece no caso dos Bancos Centrais e das moedas antes mencionadas), mas passa por uma rede de computadores espalhados pelo planeta todo, nas mãos de... pois: de quem? Ops, eis um pormenor curioso. Mas vamos esquece-lo por enquanto: em frente.

Isto significa que qualquer pessoa que utiliza uma moeda digital como Bitcoin (ou a bem mais importante Ethereum), graças à tecnologia Blockchain fica livre daquelas gaiolas que são as moedas nacionais.

Segundo os apoiantes de Bitcoin e Ethereum, estas têm a vantagem de não estar nas mãos do poder de corruptos e criminosos (Greenspan, Bernanke, Draghi...) que podem manipular e ser manipulados em prol das malvadas corporações globais. Isso sem contar que a plataforma tecnológica Blockchain é muito mais rápida do que outros sistemas de pagamento tradicionais.

Sabe o Leitor daquela transferência bancária que demora três dias? Com Blockchain o número é sempre "três", só que aqui fala-se de minutos, não de dias. Além disso, dizem sempre os defensores de Blockchain, Bitcoin ou Ethereum são plataformas tecnológicas rastreáveis em qualquer lugar do mundo: a reciclagem torna-se um pesadelo.
Clicar para ampliar!



Em teoria tudo muito interessante, ora essa: uma espécie de revolução monetária, uma anarquia do dinheiro. E se o Leitor pensar "Tá bom, são aquelas coisas americanas que aqui vão chegar nos próximos 60 anos...", então está redondamente enganado. Blockchain é algo que existe, funciona já e nos próximos anos terá uma difusão exponencial. Sobretudo: implicará uma enorme mudança, a vários níveis. Ao ponto que a Autoridade Monetária Europeia avisa: querem utilizar o Blockchain? Tudo bem, mas lembrem que o risco é todo vosso.

E de facto é assim: Blockchain, e os seus servidores 10.000 vezes mais rápidos do que os tradicionais reguladores bancários, ainda não tem nenhuma regulamentação internacional. E aqui começam os problemas.

Blockchain é um prodígio informático, feito apenas de 200 linhas de código. É só isso. As pessoas trocam um valor eletrónico, visível para todos (em teoria), em computadores visíveis por todos (em teoria). O que significa isso? Significa que os bancos deixam de fazer sentido: tornam-se inúteis, ultrapassados. Simples então entender que Blockchain vai acabar com 500 anos de história dos bancos. E até aqui até haveria razões para festejar, sejamos honestos.

Mas surge uma dúvida, e legítima também: realmente achamos que os vários Goldman Sachs, Santander, UBS e companhia possam ficar parados enquanto o mundo deles vai desaparecer?
Óbvio que não.

E, de facto, parados não têm ficado. Enquanto Blockchain, Bitcoin e Ethereum estavam a ser desenvolvidos, os bancos tradicionais e Wall Street tiveram tempo para preparar-se. Hoje estão a abandonar Bitcoins para atirar-se ao recém nascido Ethereum, com plataformas open source (e sim, não são nada parvos...). Em breve teremos a regulamentação e as nossas vidas serão hiper-controladas: porque o problema não é pagar com o cartão de crédito hoje, o problema será pagar tudo com a nova moeda amanhã.

Um Ethereum nas mãos das instituições (privadas, como os bancos, ou públicas, como o Estado) significa que o Leitor pode gastar 50 cêntimos na compra dum pastilha elástica, pode dar a semanada ao filho, pode entrar numa farmácia para comprar uma embalagem de Viagra, pode comprar não um mas dois copos de cerveja, três comprimidos de ecstasy e tudo fica gravado. Tudo. A privacidade é pulverizada.

Amanhã: Ethereum?

O Leitor não se preocupa com a sua privacidade? Ok, que assim seja. Afinal é uma escolha.

Mas que  tal o seu dinheiro? Isso dói, não é?
Então imagine o sistema Blockchain nas mãos do Estado. Porque "Estado" significa também "tributação". Taxas e impostos, para falar de forma clara.

Um sistema como aquele descrito nas mãos duma entidade que tem como função taxar os cidadãos significa uma tributação cruel, que não deixa possibilidade de fuga: o Estado teria (e terá) o controle de cada centavo que o Leitor gasta. E tudo ficará gravado (em open source, por suprema ironia).

Mas o Blockchain nas mãos do Estado representará apenas uma passagem intermédia e temporária. A verdade é que a moeda inteiramente digital, gerida de forma descentralizada, abre cenários virtualmente sem limites. O objectivo final não é o dinheiro controlado pelo Estado mas uma moeda universal (e tanto Bitcoin agora quanto o Ethereum no futuro nascem já sem um Estado de referência) e privada (no sentido de não ser gerida por nenhuma instituição nacional).

Pense o Leitor o que pode significar o facto de acabar com as moedas que flutuam à segunda do valor da Dívida Pública (ou das guerras, das importações, das exportações, do PIB, da estabilidade dum governo, etc.) deste ou daquele País: significa, por exemplo, retirar uma grande dose de risco que agora interessa os grandes investidores. Pense o Leitor o que significa uma moeda cujo valor é decidido de forma totalmente empírica, por exemplo a segunda das exigências da Finança.

Dinheiro oficialmente sem um "dono" mas, na verdade, ao serviço de apenas alguns. Imaginemos o que pode representar isso: significa uma Grande Finança ainda mais desligada da realidade e com um poder sem limites.

Do ponto de vista da Finança, a perda de privacidade do cidadão seria apenas um agradável efeito colateral, absolutamente secundário como já afirmado. Uma fatia dum bolo imensuravelmente maior.

Ao pormenor: Blockchain

E voltemos para a pergunta abordada antes: a quem pertence este sistema Blockchain?

Ao ler as declarações contidas nas páginas oficiais (Bitcoin, Ethereum, o mesmo Blockchain) a impressão é que cedo entraremos numa espécie de Paraíso: nada de fuga aos impostos, todos poderão controlar, basta de reciclagem, poder nas mãos do povo da internet. Pensando bem, o Paraíso provavelmente nem consegue ser tão bom. Mas será esta a realidade do futuro? Vamos observar mais de perto o fenómeno Blockchain. Vamos observa-lo por como ele é já hoje. E, sobretudo, vamos ler os nomes de quem está envolvido nestes projectos.

Como afirmado, Blockchain é um simples programa: uma base de dados (introduzida com a moeda Bitcoin) que mantém a lista das transações. Não passa dum enorme "livro", continuamente actualizado, que grava as transações entre duas partes de forma eficiente, verificável e permanente. O Blockchain pode também ser programado para efectuar operações de forma automática.

É um programa open source, portanto de código aberto, e intrinsecamente seguro: cada "bloco" (para simplificar, podemos imaginar um bloco como o registro duma transação) contém "provas" (hash) do bloco anterior, o que aumenta o nível de segurança.

Possível que a Grande Finança esteja tão interessada em algo tão simples, seguro, transparente? Não apenas é possível como também é lógico se tivermos em conta quanto dito até aqui.

Em termos financeiros, foi formado o consórcio R3 CEV, composto por 40 bancos cuja intenção é usar esta tecnologia e definir as regras para a transação monetária. Quem faz parte do R3 CEV? Eis a lista:
Bank of America, BNY Mellon, Citi, Commerzbank, Deutsche Bank, HSBC, Mitsubishi UFJ Financial Group, Morgan Stanley, National Bank of Australia, Royal Bank of Canada, Skandinaviska Enskilda Banken, Société Générale, Dominion Bank, Mizuho Bank, Nordea, UniCredit, BNP Paribas, Wells Fargo, ING, Macquarie Group, Canadian Imperial Bank of Commerce, BMO Financial Group, Danske Bank, Intesa Sanpaolo, Natixis, Nomura, Northern Trust, OP Financial Group, Banco Santander, Scotiabank, Sumitomo Mitsui Banking Corporation, US Bancorp, Westpac Banking Corporation, SBI Holdings of Japan, Hana Financial, Banco Itau, Toyota Financial Services.
Falta alguém? Não, fiquem descansados: Goldman Sachs investiu 50 milhões de Dólares nesta tecnologia, o mesmo aconteceu com Visa, Orange, Amazon e Microsoft.

A equipa que lidera o sistema Blockchain?
Eis um par de nomes das pessoas que fazem parte do Conselho de Administração, com alguns dos cargos anteriormente ocupados:
  • Antony Peter Jenkins: Citigroup, Barclays, Visa.
  • Arthur Levitt: Goldman Sachs, Carlyle Group, Bloomberg LP, Presidente do United States Securities and Exchange Commission.
  • Bob Wigley: Embaixador para os Negócios do Reino Unido com David Cameron, UK Green Investment Bank, British Airways, Banco da Inglaterra, Merrill Lynch, Committee of European Securities Regulators.
E no site de Blockchain, em bela mostra, os logos de Google, Amazon, Barclays, Goldman Sachs, Nasa, BBC, Apple... Temos a certeza de que estas são as portas do Paraíso? Ou estamos perante um gigantesco passo na direcção duma economia (e, portanto, duma sociedade) cada vez menos livre e ainda mais corporativa?


Ipse dixit.

Relacionados:
Dinheiro electrónico: porquê?
Da luta contra o dinheiro electrónico
Os problemas do dinheiro electrónico
BitCoin?
Bitcoin: depois de Silky Road

Fontes: as fontes primárias deste artigo são as informações contidas no site oficial de Blockchain, de Bitcoin, do Projecto Ethereum e o óptimo artigo do jornalista Paolo Barnard. Existe também um vídeo, uma demonstração visual do funcionamento do sistema Blockchain, com legendas em português. Dado que demora mais de 17 minutos, pode ser útil no caso de insónia.

19 comentários:

  1. Anónimo26.4.17

    A ditadura perfeita terá a aparência da democracia, uma prisão sem muros na qual os prisioneiros não sonharão sequer com a fuga. Um sistema de escravatura onde, graças ao consumo e ao divertimento, os escravos terão amor à sua escravidão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seu comentário estará perfeito se você substituir o verbo "ter" de terá por tem! O que você descreveu é o regime cleptocrata no qual vivemos hoje!!!

      Eliminar
    2. Caro Walfrido,

      A frase "original" nasceu daqui:
      “A ditadura perfeita terá as aparências da democracia, uma prisão sem muros na qual os prisioneiros não sonharão sequer com a fuga. Um sistema de escravatura onde, graças ao consumo e ao divertimento, os escravos terão amor à sua escravidão.” – Aldous Huxley

      Claro que eu sendo um troll e uma criatura de múltiplas personalidades não posso ser tão confiável assim, mas vale uma pesquisa para conferir se não estou delirando.

      Provavelmente o Aldous, que era cego, não percebia que em volta um muro já havia, que o amor à escravidão já era devoção, e por conta da cegueira acabou por falar asneira! :´D :´D :´D

      Um grande abraço!

      Eliminar
    3. Anónimo27.4.17

      Isso não é de troll. ;)
      Sim é dele assim como o Brave New World - Admirável Mundo Novo.
      Foi colega de Orwell mas experiências de vida completamente diferentes fizeram com que um e outro observassem as coisas de modos diferentes.

      Nuno

      Eliminar
  2. A Federação da Rússia vai avançar com a legalização:
    http://gazetarussa.com.br/economia/2017/04/24/russia-vai-legalizar-bitcoins-e-outras-moedas-digitais-em-2018_749388

    ResponderEliminar
  3. Anónimo26.4.17

    Fora que se quiserem é só "esquecer" seu numero ou seu nome e tchan, acabou-se!
    Só haverá uma saída, que é morar no mato e ser auto suficiente em alimentos e energia e para isso, se começar agora já estará atrasado.

    Lucio

    ResponderEliminar
  4. Anónimo27.4.17

    O Estado definitivamente já é mero tentáculo das corporações. Para um leigo como eu, parece que os tais TISA, TPP, TTIP se tornarão redundantes com estas moedas eletrônicas. Estes tratados serão desnecessários e a forma de controle poderá estar exatamente nestes mecanismos. Ver uma luz no final do túnel fica cada vez mais rapidamente remota já que sabemos perfeitamente que grande parcela da humanidade tem verdadeiro fetiche com o universo tecnológico e irá abraçar com idolatria mais uma criação genial, principalmente se vier com o logo do Silicon Valley, assim mesmo in english. Nem o matagal do Lucio servirá de fuga.

    Expedito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo29.4.17

      @Expedito.
      Não são redundantes estão interligados e o Ceta(cavalo de tróia já foi aprovado), é o ttip "mascarado", com novas regras e com os (demasiado grandes para falhar ou cair) no leme e se isto for para a frente não auguro nada de bom para o comum cidadão.
      Direitos nenhums, obrigações todas.
      Vendo bem quem está a pagar a "roubalheira" dos bancos? Não somos nós. E os que desviaram corromperam usaram e enganaram os depisitantes? Um ou outro em cadeia de luxo, a grande maioria safou-se(como é hábito) e alguns depois do rasto de destruição não só nos bancos, mas na economia de milhões e estados ainda foram promovidos em outras latitudes e longitudes.
      Isto é ou parece uma agenda, mas por muito que tentem enganar, no dia em que não existir nem meios para comer(necessidade básica).
      Aí teremos uma revolta ou revoltas o que inglês comumente designam por: pitchforks are comming.

      Nuno

      Eliminar
  5. Anónimo27.4.17

    Estão todos na mesma jogada. Inclusive Russia e gostava de saber se a China também ?
    Se for vai responder a uma dúvida que me resta? Agradecia que me elucidassem por favor?

    Nuno

    ResponderEliminar
  6. Chaplin2.5.17

    Max. O Blockchain tem alguma relação com o sistema Tor criado em 2002 e usado até então para operar a moeda Bitcoin?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Chaplin!

      Fui espreitar a documentação do Swift e ao que parece este e Tor são dois sistemas independentes. Aliás, a documentação fala explicitamente de Internet Explorer como navegador escolhido pelo sistema deles, integrado numa rede com dois centros de dados, um nos Estados Unidos, outro na Holanda.

      Portanto, o conceito do funcionamento é diferente pois em Tor os dados centralizados não existem, sendo um sistema peer-to-peer (dum computador para outro, sem intermediários). O sistema Swift é muito mais antigo: foi projectado já em 1973.

      Entretanto, o Blockchain é Bitcoin, no sentido que a moeda digital foi a responsável para introduzir este conceito em 2008 (mas do ponto de vista teórico já existia em 1996). No entanto, os blockchains não são todos iguais (e no artigo deveria ter escrito isso). Por exemplo: a nova moeda Ethereum é regida pelo seu próprio blockchain, controlado pela The DAO, que é uma organização autónoma descentralizada digital.

      Espero ter respondido e, sobretudo, espero não ter escrito idiotices.

      Grande abraçoooo!!!!!

      Eliminar
  7. Chaplin3.5.17

    E a própria Rede SWIFTNet, e ISO 9362, códigos de Identificação de Negócios (BICs/anteriormente Códigos de Identificador de Banco) chamados "códigos SWIFT", não teria algum vínculo ao Blockchain?

    ResponderEliminar
  8. Anónimo4.5.17

    Está interligado, antes usava o Bic ou aqui o Nib(funciona dentro de um espaço, vulgo país que use a mesma moeda) agora é o ibam ou melhor o swift. Aí também? Pensei que fosse só na união europeia
    Os processos foram acelarados porque os Chineses vão introduzir a alternativa (aliás Portugal e maioria da Europa e do mundo Brasil estavam bastante interessados nisso), o Max já fez e até bastante detalhado á uns anos um artigo sobre isso, que não consigo localizar. Seja como for tem tudo voto positivo do BIS de Basiléia(Suiça). Ver quem faz parte do bis e interligar este artigo com o anterior e terá uma resposta.

    Já aqui referi o sr. Mercer e familia, sem eles não teriam o "querido laranja" na presidência dos EUA, graças as transações eletrônicas de alta velocidade parece estar por trás do brexit e do Trump. Desenvolve algoritmos altamente eficientes no brexit (Cambridge Analytics) sob investigação. Consegue antever numa bolsa em que quase 95 a 97 é tudo transações em micro segundos (sem mão humana por vezes) e com essa info tirar os dividendos. E legalmente não está a roubar ninguém pode é manipular indiretamente certos valores e aí já é outra música.

    Nuno

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chaplin4.5.17

      Olá Nuno!
      Tenho conhecimento do artigo anterior, mas o que me intriga é a vinculação dessas ferramentas com o Blockchain.

      Eliminar
  9. Anónimo4.5.17

    https://en.m.wikipedia.org/wiki/Asian_Infrastructure_Investment_Bank
    Este está para ficar mesmo com uma "crise fabricada de fora" em 2015
    O objectivo é acabar com estes:
    https://en.m.wikipedia.org/wiki/New_Development_Bank
    Ainda não se sabe o culpado é o B (politicamente instável), mas funcionará sem B e com outros, o que não faltam são candidatos.
    N.

    ResponderEliminar
  10. If you're looking to buy bitcoins online, PAXFUL is the best source for bitcoins as it allows buying bitcoins by 100's of different payment methods, such as MoneyGram, Western Union, PayPal, Visa, MasterCard, American Express and they even allow converting your gift cards for bitcoins.

    ResponderEliminar
  11. QUANTUM BINARY SIGNALS

    Get professional trading signals sent to your mobile phone every day.

    Follow our trades right now & profit up to 270% daily.

    ResponderEliminar
  12. YoBit lets you to claim FREE CRYPTO-COINS from over 100 unique crypto-currencies, you complete a captcha once and claim as many as coins you can from the available offers.

    After you make about 20-30 claims, you complete the captcha and resume claiming.

    You can click CLAIM as many times as 30 times per one captcha.

    The coins will held in your account, and you can convert them to Bitcoins or USD.

    ResponderEliminar
  13. Did you think about trading with the best Bitcoin exchange company: YoBit.

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...