20 abril 2017

Neoliberalismo, a ideologia na base de todos os nossos problemas

Comprido mas interessante artigo do histórico activista George Monbiot acerca do Neoliberalismo.
Ainda mais interessante se considerarmos que acaba de ser publicado nas páginas dum dos diários mais lido no mundo, o britânico The Guardian.

Vale a pena traduzir, não é? Não?
Pena, traduzi na mesma. 

Imaginem se o povo da União Soviética nunca tivesse ouvido falar de Comunismo. A ideologia que domina as nossas vidas, para a maioria de nós não tem um nome. Citem-a nas vossas conversas e terão em resposta um encolher de ombros. Mesmo que os ouvintes já tenham ouvido esse termo, têm problemas em defini-lo. Neoliberalismo: sabe o que é isso?

O seu anonimato é tanto um sintoma e quanto a causa do seu poder. Desempenhou um papel importante numa ampla variedade de crises: a crise financeira de 2007-8, a deslocalização de riqueza e do poder, da qual os Documentos de Panamá dão apenas um vislumbre, o lento colapso da saúde pública e da educação, o aumento das crianças pobres, a epidemia de solidão, a destruição dos ecossistemas, a ascensão de Donald Trump. Mas nós respondemos a estas crises como se fossem casos isolados, aparentemente sem saber que todas foram catalisadas ou agravadas pela mesma filosofia básica; uma filosofia que tem - ou tinha - um nome. Qual maior poder no actuar em completo anonimato?

O neoliberalismo tornou-se tão difundido que agora raramente o consideramos como uma ideologia. Parecemos aceitar o argumento de que esta fé utópica milenar representa uma força neutra; uma espécie de lei biológica, como a teoria da evolução de Darwin. Mas a filosofia nasceu como uma tentativa consciente para transformar a vida humana e deslocar o lugar do poder.

O Neoliberalismo vê a competição como a característica definidora das relações humanas. Redefine os cidadãos como consumidores, cujas decisões democráticas são melhor exercidas nos termos da compra e venda, um processo que premia o mérito e pune a ineficiência. Afirma que "o mercado" tem vantagens que nunca poderiam ser oferecidas pela economia planificada.

As tentativas de restringir a concorrência são tratadas como hostil à liberdade. Pressão fiscal e regulamentação devem ser reduzidos ao mínimo, os serviços públicos devem ser privatizados. A organização do trabalho e a negociação colectiva por sindicatos são considerados distorções do mercado que impedem o estabelecimento duma hierarquia natural de vencedores e perdedores. A desigualdade é redefinida como virtuosa: um prémio para o melhor e um gerador de riqueza que é redistribuída para baixo para enriquecer todos. Os esforços para criar uma sociedade mais justa são ambos contraproducentes e moralmente repreensíveis. O mercado significa que cada um recebe o que merece.

Nós interiorizamos e espalhamos essa crença. Os ricos vão convencer-se de que eles adquiriram a sua riqueza através o mérito, ignorando as vantagens - tais como a educação, a herança e a classe social de origem - que podem ter ajudado a obtê-la. Os pobres começam a culparem si mesmos pelas suas falhas, mesmo quando pouco podem fazer para mudar a situação.

Sem mencionar o desemprego estrutural: se você não tiver um emprego é porque você ainda não procurou o suficiente. E nem dos custos impossíveis da habitação: se o seu cartão de crédito estiver no vermelho, você tem sido irresponsável e míope. Não importa se os seus filhos já não têm um pátio da escola onde poder jogar: se engordarem, a culpa é sua. Num mundo governado pela competição, quem permanece por trás é definido e percebido como um perdedor.

Entre os resultados, como documentado por Paul Verhaeghe no seu livro What About Me?, existem surtos de auto-lesão, distúrbios alimentares, depressão, solidão, ansiedade de desempenho e fobia social. Talvez não seja surpreendente que a Grã-Bretanha, onde a ideologia neoliberal foi melhor executada, é a capital europeia da solidão. Agora todos nós somos neoliberais.

O termo Neoliberalismo foi cunhado durante uma reunião em Paris, em 1938. Entre os delegados havia dois homens que vieram a definir a ideologia, Ludwig von Mises e Friedrich Hayek. Ambos exilados da Áustria, viam na social-democracia, exemplificada pelo New Deal de Franklin Roosevelt e o desenvolvimento gradual do Estado social britânico, a manifestação dum molde colectivista semelhante ao Nazismo e Comunismo.

No seu livro O Caminho da Escravidão, publicado em 1944, Hayek argumentou que o planeamento do governo, esmagando o individualismo, levaria inexoravelmente ao controle totalitário. Como o livro de Mises, Burocracia, O Caminho da Escravidão teve grande difusão. Atraiu a atenção de pessoas muito ricas, que viram nesta filosofia a possibilidade de quebrar a regulamentação e os impostos. Quando, em 1947, Hayek fundou a primeira organização que iria espalhar a doutrina do Neoliberalismo - a Mont Pelerin Society - foi apoiado financeiramente por milionários ricos e pelas fundações deles.

Com a ajuda deles, começou a criar o que Daniel Stedman Jones descreve em Masters of the Universe como "uma espécie de liberalismo internacional": uma rede transatlântica de académicos, empresários, jornalistas e activistas. Ricos banqueiros pertencentes ao movimento financiaram uma série de grupos de reflexão para refinar e promover a ideologia. Entre eles estavam o American Enterprise Institute, a Heritage Foundation, o Cato Institute, o Institute of Economic Affairs, o Centre of Policies Studies e o Adam Smith Institute. Também financiaram posições académicas e departamentos, especialmente nas universidades de Chicago e da Virgínia.

Enquanto evoluiu, o Neoliberalismo tornou-se mais estridente. A visão de Hayek de governos que deveriam regulamentar a concorrência para impedir a formação de monopólios foi substituída - entre os seguidores americanos como Milton Friedman - pela crença de que o poder do monopólio poderia ser visto como uma recompensa para a eficiência.

No entanto, durante esta transição algo aconteceu: o movimento perdeu o seu nome. Em 1951, Friedman era feliz de descrever-se como um neoliberal. Mas logo depois, o termo começou a desaparecer. Mais estranho ainda, embora a ideologia se tornou mais clara e o movimento mais coerente, o nome perdeu-se não foi substituído por nenhuma outra alternativa aceite.

Na primeira fase, apesar do financiamento ser generoso, o Neoliberalismo ficou à margem. O consenso do pós-guerra era quase universal: as indicações económicas de John Maynard Keynes foram amplamente aplicadas, os objectivos de pleno emprego e redução da pobreza foram compartilhados nos Estados Unidos e grande parte da Europa Ocidental, as taxas sobre os rendimentos elevados eram altas e os governos procuravam os seus objectivos sociais sem obstáculos, criando novos serviços públicos e redes de segurança social.

Mas na década de setenta, quando as políticas keynesianas começaram a desmoronar e as crises económica atingiu ambos os lados do Atlântico, as ideias neoliberais começaram a entrar no mainstream. Como Friedman disse, "quando chegou o momento em que foi preciso mudar [...] havia uma alternativa pronta lá para ser aproveitada". Com a ajuda de jornalistas e assessores políticos, elementos do Neoliberalismo, especialmente da sua orientação sobre a política monetária, foram adoptados pela Administração de Jimmy Carter nos Estados Unidos e pelo governo de Jim Callaghan na Grã-Bretanha.

Depois de Margaret Thatcher e Ronald Reagan terem chegado ao poder, foi rapidamente aplicado o resto do "pacote": enormes cortes de impostos para os ricos, desmantelamento dos sindicatos, desregulamentação, privatização, terceirização e concorrência nos serviços públicos. Através do Fundo Monetário Internacional, do Banco Mundial, do Tratado de Maastricht e da Organização Mundial do Comércio, foram aplicadas as políticas neoliberais - muitas vezes sem o consentimento democrático - em grande parte do mundo. A coisa mais notável foi a adopção do Neoliberalismo entre os partidos que uma vez pertenciam à Esquerda: o Partido Trabalhista e os democratas, por exemplo. Como observa Stedman Jones, "é difícil pensar numa outra utopia que tenha sido tão plenamente realizada".

Pode parecer paradoxal que uma doutrina que promete escolha e liberdade foi promovida com o slogan There is no alternative ["Não há alternativa", ndt]. Mas como Hayek comentou durante uma visita no Chile de Pinochet - um dos primeiros Países onde o programa foi amplamente aplicado - "a minha preferência pessoal se inclina para uma ditadura liberal em vez que para um governo democrático desprovido de liberalismo". A liberdade que o Neoliberalismo oferece, que soa tão atraente se feita em termos gerais, revela-se liberdade para o peixe grande, não para os peixinhos.

Liberdade dos sindicatos e da negociação colectiva significa liberdade para suprimir os salários. Liberdade da regulamentação significa liberdade para envenenar os rios, pôr em perigo os trabalhadores, aplicar taxas de juros abusivas e inventar instrumentos financeiros exóticos. Liberdade dos impostos significa liberdade da redistribuição da riqueza, que tira as pessoas da pobreza.

Como documentado por Naomi Klein no seu Shock Doctrine, os teóricos neoliberais têm defendido o uso da crise para impor políticas impopulares, aproveitando a distração criada pela crise: assim aconteceu durante o golpe de Estado de Pinochet, a guerra no Iraque e o furacão Katrina, este último descrito por Friedman como "uma oportunidade para reformar radicalmente o sistema educacional" de New Orleans.

Onde as políticas neoliberais não podem ser impostas a nível nacional, são aplicadas internacionalmente através de acordos comerciais que incorporam a chamada "resolução de litígios entre investidores e Estado", tribunais no estrangeiro onde as grandes empresas podem fazer lobby para a remoção de proteções sociais e ambientais. Quando os parlamentos têm votado a favor da limitação da venda de cigarros, ou para proteger o abastecimento de água contra as empresas de mineração, para congelar as suas contas da energia ou evitar o aumento excessivo dos preços por parte das empresas farmacêuticas, as empresas fazem causa, muitas vezes com sucesso. A Democracia é reduzida a um teatro.

Outro paradoxo do Neoliberalismo é que a competição universal é baseada na comparação e na selecção igualmente universal. O resultado é que os trabalhadores, os desempregados e os serviços públicos de qualquer tipo estão sujeitos a um sistema pernicioso e sufocante de avaliação e monitorização, concebido para identificar os vencedores e punir os perdedores. A doutrina ensinada por Von Mises, que deveria nós libertar do pesadelo do planeamento central burocrático, ao contrário tem feito mesmo isso.

O Neoliberalismo não foi concebido como um mecanismo auto-referencial, mas tornou-se tal rapidamente. O crescimento económico tem sido marcadamente mais lento na era neoliberal (desde 1980 na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos) do que nas décadas anteriores; mas não para os mais ricos. A desigualdade na distribuição da riqueza, após 60 anos de declínio, agora está novamente a aumentado rapidamente devido à destruição dos sindicatos, aos cortes de impostos, ao aumento das receitas, privatização e desregulamentação.

A privatização e a mercantilização dos serviços públicos, como energia, água, transportes, saúde, educação, estradas e prisões, tem permitido às grandes empresas impor tarifas sobre bens essenciais e pretender o pagamento para o acesso de cidadãos e governos. Quando você paga um preço "inflado" para um bilhete de comboio, apenas parte do preço compensa os operadores do gasto em combustível, salários, material circulante e outras despesas. O resto reflecte o facto deles vos terem posto de costas para a parede.

Aqueles que possuem e operam o serviços privatizados ou semi-privatizados no Reino Unido fazem enormes fortunas investindo pouco e ganhando muito. Na Rússia e na Índia, os oligarcas têm adquirido activos anteriormente do Estado, através do vendas de baixo custos. No México, a Carlos Slim foi concedido o controle de quase toda a telefonia fixa e móvel, tornando-se assim o homem mais rico do mundo.

A financeirização da economia, como observado por Andrew Sayer em Why We Can’t Afford the Rich, teve um impacto similar. "Os interesse são rendimentos não do trabalho, que amadurecem sem qualquer esforço". Dado que os pobres ficam cada vez mais pobres e os ricos ficam mais ricos, os ricos estão a ganhar mais controle sobre outro recurso crucial: o dinheiro. Os pagamentos de juros, na maior parte dos casos, é uma transferência de dinheiro de pobres para ricos. Enquanto os preços dos imóveis e o fim do financiamento carregam as pessoas de dívida, os bancos e os seus executivos ganham.

Sayer diz que as últimas quatro décadas têm sido caracterizadas por uma transferência de riqueza não só de pobres para ricos, mas também entre as fileiras dos ricos: daqueles que fazem dinheiro com a produção de novos bens ou serviços para aqueles que fazem dinheiro através do controle dos activos existente e obtendo juros, rendimentos, ganhos de capital. O rendimento do trabalho foi suplantado pelo rendimento sem trabalho.

As políticas neoliberais estão afectadas por fracassos do mercado em todos os lugares. Não apenas os bancos são grandes demais para falir (too big to fail), mas também o são as empresas agora responsáveis pela prestação de serviços públicos. Como Tony Judt apontou no seu livro Ill Fares The Land, Hayek esqueceu de que os serviços públicos vitais para um País não podem falhar, o que significa que a concorrência não pode seguir o seu curso. Os investidores têm lucros, o Estado assume os riscos.

Quanto maior o fracasso, mais extrema se torna a ideologia. Os governos neoliberais usam a crise como pretexto e oportunidade para cortar impostos, privatizar os serviços públicos, criar rasgos na rede de segurança social, desregulamentar negócios e disciplinar os cidadãos. O Estado auto-destrutivo agora afunda os seus dentes em cada órgão do sector público.

Talvez o impacto mais perigoso do Neoliberalismo não é a crise económica que causou, mas a crise política. Como o peso do Estado é reduzido, reduzida é a nossa capacidade de mudar o rumo das nossas vidas através do voto. Em vez disso, a teoria neoliberal afirma que as pessoas podem exercer a sua escolha através das compras. Mas alguns têm mais dinheiro para gastar do que outros: na democracia do consumidor ou do acionista, os direitos de voto não são igualmente distribuídos. O resultado é uma redução dos direitos dos pobres e da classe média. Enquanto os partidos de Direita e da ex-Esquerda adoptam políticas neoliberais semelhantes, a redução dos poderes do Estado significa uma revogação dos direitos. Um grande número de pessoas foram excluídas da política.

Chris Hedges observa que "os movimentos fascistas constroem as suas bases não nos activistas, mas naqueles que são politicamente inactivo, os perdedores que percebem, muitas vezes de forma correcta, que não podem dizer nada no mundo político". Quando o debate político não fala para todos, então as pessoas se tornam sensíveis aos slogans, símbolos e sentimentos. Para os admiradores de Trump, por exemplo, os factos e os argumentos parecem não relevantes.

Judt explicou que quando a densa rede de interações entre pessoas e Estado é reduzida a nada, a não ser autoridade e obediência, a única força que nós une é o poder do Estado. O totalitarismo de Hayek tem mais probabilidade de surgir quando os governos, depois de perder a autoridade moral que provém da prestação dos serviços públicos, são reduzidos a "persuadir, ameaçar e, eventualmente forçar as pessoas a obedecer".

Como o Comunismo , o Neoliberalismo é o Deus que falhou. Mas a doutrina-zombie vacila e uma das razões é o seu anonimato. Ou melhor, um conjunto de anonimatos.

A doutrina invisível da mão invisível é promovida por apoiantes invisíveis. Lentamente, muito lentamente, começamos a descobrir os nomes de alguns deles. Vemos que o Institute of Economic Affairs, que apoiou fortemente a campanha mediática contra a nova regulamentação do sector do tabaco, foi secretamente financiada pela British American Tobacco desde 1963. Descobrimos que Charles e David Koch, dois dos homens mais ricos do mundo, fundaram a instituição que criou o movimento Tea Party. Descobrimos que Charles Koch, na criação dum dos seus think tank, observou que "a fim de evitar críticas indesejadas, não deveria fazer-se muita publicidade sobre a maneira como a organização é controlada e dirigida".

As palavras usadas pelo Neoliberalismo muitas vezes escondem mais do que esclarecem. "O mercado" soa como um sistema natural que poderia ser comparado à gravidade ou à pressão atmosférica. Mas é repleta de relações de poder. O que "o mercado quer" significa "o que as empresas e os seus líderes querem". "Investimento", como observado por Sayer, significa duas coisas muito diferentes. Uma delas é o financiamento de actividades produtivas e de serviços à comunidade; a outra é a compra de activos existentes, a fim de obter um rendimento, juros, dividendos e ganhos de capital. Usar a mesma palavra para diferentes actividades "camufla as fontes de riqueza", o que nós leva a confundir a "extração" de riqueza da "criação" de riqueza.

Este anonimato e esta confusão misturam-se na opacidade sem nome do Capitalismo moderno: o modelo de franchising garante que os trabalhadores não sabem exactamente para quem trabalham; empresas registradas offshore atrás duma complexa rede de segredo em que nem mesmo a polícia pode rastrear os verdadeiros donos; regimes fiscais brincam com os governos; produtos financeiros que não se entendem.

O anonimato do Neoliberalismo é ferozmente defendido. Aqueles que são influenciados por Hayek, Mises e Friedman tendem a rejeitar o termo porque - e com razão - é agora usado apenas num sentido depreciativo. Mas não oferecem uma alternativa. Alguns chamam-se libertários ou liberais clássicos, mas essas descrições são estranhamente enganosas, uma vez que sugerem que nos livros O Caminho da Escravidão e Burocracia ou no clássico de Friedman, Capitalismo e Liberdade, não haja realmente nada de novo.

Por todas estes razões, no projecto neoliberal há algo admirável, pelo menos nos seus estágios iniciais. Era uma filosofia peculiar, inovadora, promovida por uma rede de pensadores coerentes e activistas com um plano de acção claro. Trazida para a frente com paciência e tenacidade. O caminho da escravidão tornou-se o caminho para o poder.

O triunfo do Neoliberalismo também reflecte o fracasso da Esquerda. Quando em 1929 a economia do laissez-faire levou à catástrofe, Keynes concebeu uma teoria económica abrangente para substituí-la. Quando na década de '70 a gestão da procura keynesiana saiu do caminho, havia uma alternativa pronta. Mas quando em 2008 o neoliberalismo entrou em colapso, houve ... nada. Eis a  razão da marcha dos zombies. A Esquerda e o Centro não produziram qualquer nova visão geral do pensamento económico ao longo de 80 anos.

Cada invocação de Lord Keynes é uma admissão de fracasso. Propor soluções keynesianas para a crise do século 21 é ignorar três problemas óbvios. É difícil mobilizar as pessoas em torno de velhas ideias; as falhas destacadas nos anos '70 não desapareceram; e, acima de tudo, não levam em conta a nossa mais grave emergência: a crise ambiental. O Keynesianismo funciona estimulando a procura do consumidor para promover o crescimento económico. A procura dos consumidores e o crescimento económico são motores da destruição ambiental.

O que a história do keynesianismo e do Neoliberalismo nós mostra é que nenhum deles se mostrou adequado para compensar a criticidade do sistema. Temos de oferecer uma alternativa coerente. Para os trabalhistas, os democratas e a Esquerda em geral, a tarefa principal deveria ser desenvolver um programa económico como o Apollo [o programa espacial, ndt], uma tentativa madura para projectar um novo sistema personalizado para as necessidades do século 21.

Comprido, não é? Eu bem avisei.
Mas interessante, pois fonte de inúmeras reflexões.
Pessoalmente acho muita fraca a última parte pelas seguintes razões:
  1. o keynesianismo não falhou, simplesmente a economia foi voluntariamente conduzida por ruas extremamente arriscadas, com custos que foram "socializados". Não estamos muito longe do Comunismo aplicado na antiga União Soviética, até a organização da nossa sociedade (a elite, o tal 1%) é o espelho da Nomenklatura de Moscovo.
  2. não estou nada convencido de que a procura dos consumidores e o crescimento económico sejam os motores da destruição ambiental. Isso é verdade hoje, nesta sociedade, neste sistema. Mas extrapolar um lei universal tendo como base um sistema falhado (o nosso) é obtuso. O problema é bem mais complexo e tem a ver com quem gere os recursos (só privados hoje), a presença dum elemento regulador (o Estado), o papel do cidadão-consumidor (que tem de evoluir), o tipo de procura (claro que se promovemos o último iPhone como máximo do bem-estar...), os bens produzidos...
  3. se o novo sistema "personalizado para as necessidades do século 21" tem que ser encontrado na Esquerda, então melhor ficar assim e morrer na paz do Senhor. Não pode haver nenhum novo sistema digno deste nome até quando não for ultrapassada a fictícia dualidade Esquerda-Direita. E pensar que só um destes lados possa encontrar uma solução, significa propor o mesmo erro de sempre. É tempo de olhar além.

Ipse dixit.

Fonte: The Guardian

24 comentários:

  1. Excelente artigo.

    ResponderEliminar
  2. Anónimo20.4.17

    Sou da opinião que quer a direita, quer a esquerda, estão certas em alguma coisa e erradas noutra. É somar "o melhor dos dois mundos" e beneficiar toda a gente com isso.
    O objetivo da sociedade é suprir as necessidades uns dos outros. No regime de direita, só pode acontecer o que o dinheiro permite que aconteça, e este é sempre desviado para os mais ricos.
    Na esquerda, toda a gente é desprovida de propriedade privada, o que é errado também, ainda para mais tendo em conta que os líderes também vivem sempre em opulência, o que significa que a riqueza também é desviada para eles. E ainda para mais a única razão pela qual a esquerda defende a dignificação do cidadão é porque isso se inclui na sua ideologia de que o cidadão tem direito a fazer TUDO O QUE QUISER, A LIBERDADE ABSOLUTA E SEM REGRAS, o que é errado também, como você próprio, Max, um dia escreveu sobre isso.
    Para mim, o que se devia fazer é isto: o que está a mais num lado da sociedade e não se precisa, pô-lo do outro, que precisa e não tem. Haveria, simultaneamente, enriquecimento da propriedade pública, e da propriedade privada. Quer os estados, quer os indivíduos receberiam o que precisavam, e era seu até decidirem dá-lo. Sem competições, com cooperação.
    E se fôssemos todos a fazer a equação das diferenças entre tudo quanto cada país deve aos outros e tudo quanto tem a receber de cada outro, e entregar/receber apenas as diferenças, muita da dívida já estaria paga, não?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "...Na esquerda, toda a gente é desprovida de propriedade privada..."

      Como define propriedade privada, e em que contexto baseia o que escreveu acerca do tema?

      Eliminar
  3. Tenho estado a participar, com alguma intensidade, em discussões entre Anti-Vax's e Pro-Vax's. O tema está na moda e as discussões são acesas, cheias de intolerância e com posições muito extremadas.
    Resumindo, meti-me no meio deles para sentir o pulso 'ideológico' da malta.
    A clivagem clássica 'esquerda-direita' é muito grande, e o sistema neoliberal é mestre em tirar partido dessa clivagem.
    Compete-se por tudo e por nada. Qualquer argumento serve para colonizar o pensamento dos outros. Só ainda não ví tiros, o que é pena.
    Esta ideologia está para ficar pois suporta-se em muitos dos aspectos que a humanidade tem de pior, sendo esta é a sua força.
    A acabar, só por implosão.

    ResponderEliminar
  4. Chaplin21.4.17

    Prezado Max! É por essas matérias que transito neste blog.
    Mas precisamos fazer algumas observações.
    Poder e dominância são questões que seguem o próprio fio condutor da história. Nada parte do zero.
    E vale para o neoliberalismo. Penso que a ideologia mãe é a burguesa, que a partir do desenvolvimento pós-Revolução Industrial, falamos do séc.18, se impôs sobre os Estados monárquicos europeus, reproduzindo-se nas suas colônias pelo mundo.
    A partir de então, surgiram inúmeras teorias/estudos que visaram adaptar o sistema, baseado na ideologia burguesa, nas condições de época e contexto, fundamentalmente econômico.
    Capitalismo, comunismo Fabiano e o neoliberalismo são ideários burgueses, financiados e propagandeados por judeus sionistas e seus alinhados.
    O Comunismo utópico, ou seja, em sua essência, não pode sequer ser mencionado, pois não se coaduna com o indivíduo receptor de uma formação/instrução disponibilizada pela mesma ideologia burguesa.
    Observe que todos os tópicos abordados passam pela ideologia burguesa em sua essência.
    A fase atual (ou seria a máscara atual?) é a tal financeirização, onde o dinheiro tem cada vez menos donos, filhote do capitalismo, que por sua vez, é o acelerador da ideologia burguesa.
    Movimentos históricos com abrangência mundial, e que envolvem a mesma ideologia burguesa, não podem ser esquecidos. O Protestantismo, que visou, antes de tudo, destravar o conceito de usura, e das relações com o dinheiro, que deixaria de ser visto como um meio ou função organizativa ocasionada pela expansão/intercambio comercial, passando ao status de valor, melhor, do principal valor civilizatório.
    O Iluminismo, alavanca e sub-ideologia voltada à ruptura institucional, que promoveria agitações grandiosas pelo mundo, desorganizando países, subvertendo sociedades sob o pretexto de defender a razão, o mesmo que os “defensores” da liberdade e da democracia fazem nos dias atuais. Na Europa, provocaria emigrações e nas colônias os, então escravos transformaram-se em libertos miseráveis, que continuaram submetidos aos processos de dominação e controle.
    Quanto ao anonimato, eis uma questão tão aprazível para os dominantes. Sempre digo, conspiração é a essência para a dominação. Só há duas formas de dominar. Pela força (normalmente visível) ou pela conspiração, seja ela midiática, política, científica ou mesmo ideológica.
    Não precisa ser pessimista para desacreditar em correção de rumo. Nada indica que isso acontecerá. Como diz aquela máxima: “quando o dominado tem no dominante seu melhor exemplo nada mudará”.
    SOMOS CORROMPIDOS PELA HIERARQUIA DE VALORES TRANSMITIDA, O QUE PODE NOS DIFERENCIAR É NOSSA CAPACIDADE DE IDENTIFICAR TAL CONDIÇÃO.
    A história mostra, para quem quer ver a realidade além dos bancos escolares e da academia, que os chamados países/estados nacionais tem donos. E não são seus povos. Um exemplo é o de como se davam as relações entre grupos societários privados e monarcas na exploração irrestrita de continentes inteiros, com as chamadas formações das Companhias das Índias, existentes nos países europeus, não por coincidência, mais ricos do mundo atual. A transferência de riqueza sempre teve duas vertentes: a exploração da natureza e da mão-de-obra.
    Formadores de opinião (os especialistas) fazem analises sobre ditas economias “nacionais”. Mas fico me perguntando; “Que maldito eufemismo eles usam”. Sim, porque de nacional tem muito pouca coisa.
    Para quem se trabalha? Ou para o Estado, ou para grandes corporações globais e suas subsidiárias camufladas num emaranhado de conexões, bem ao estilo da lógica do povo de deus...
    Os que restam são colonos de subsistência, subempregos informais, e muita marginalidade...
    Formar um novo indivíduo seria o começo, mas como fazer a roda rodar para o lado oposto quando todos, de uma forma ou de outra, empurram-na no mesmo sentido?
    Aqui no blog, o que fazemos parece ter algum valor, mas na verdade é algo estéril, que até pode sensibilizar uns poucos, que sucumbirão logo às seduções burguesas do cotidiano...
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo22.4.17

      Chaplin, traçou o que é a realidade estarrecedora da condição humana no meu modo de ver estes nossos dias. E sua desolação no parágrafo final também esta completamente de acordo com meus sentimentos. A humanidade é como aquele cavalo de antolhos que segue a cenoura na ponta da vara.

      Seguindo a última frase do comentário. É impressionante como somos exatamente como os selvagens que assistiram a chegada dos europeus no novo mundo. Miçangas e espelhinhos ainda nos impressionam. Telemóveis, carrões, futebol, big brothers, novelas, tatoos... Tudo para que o indivíduo se sinta reconfortado e pleno de potência. Enfim, o mundo está de bom jeito pra todo sujeito. E assim vamos continuar sabotando nosso planeta e as futuras gerações.

      Com este artigo oi voltou definitivamente. Com Chaplin e tudo de direito.

      Expedito.

      Eliminar
    2. Anónimo22.4.17

      "Com este artigo ""oi"" voltou definitivamente. Com Chaplin e tudo de direito."
      Na verdade era pra ser ""ii""

      Eliminar
    3. Anónimo22.4.17

      Parabéns,
      Tocou na ferida em parte.
      Ideologia Burguesa, adaptada por esta e seus interesses de dominância sobre a prole mas nunca desenhada pela mesma.
      São usados sem saber e dão a cara.
      As corporações e os seus interesses são algo que existe mas é como se fosse invisível, e difícil de responsabilizar por motivos óbvios.

      Eliminar
  5. Bandido21.4.17

    Boas,

    Muito bom artigo e um muito pertinente comentário do Chaplin.
    O comentário é um resumo muito condensado, daria para explanar muito mais, mas existe um pormenor que quero destacar:

    "quando o dominado tem no dominante seu melhor exemplo nada mudará"

    Destaco esta observação porque é algo em que insisto de uns anos a esta parte.

    Durante muito tempo, vi as pessoas (muitas, não todas) indignadas com o rumo do mundo, da vida, da sociedade, protestarem, muito indignadas.

    Muito bem, acho muito bem que protestem se não estiverem satisfeitos.

    Mas depois comecei a reparar em um padrão e esse era que os mesmo que estavam indignadissímos com a corrupção, não estavam indignados com o acto em si, mas sim pelo facto de não serem eles a tirar proveito dele.

    Ou seja, é uma questão de valores, como sempre foi.

    Esse é um dos motivos que torna tão resistente o sistema vigente, é por isso que ele se adapta tão bem.
    É que o neoliberalismo nunca chega realmente a ser questionado pelo "povo".

    A ideia que cada vez mais está presente de forma inconsciente em biliões de pessoas é que isto não é um sistema, é natural.

    ResponderEliminar
  6. Quer o texto, quer os comentários são extremamente interessantes. Penso, que não há volta a dar e temos que nos consciencializar que somos todos, em maior ou menor grau, escravos deste sistema. Penso que vão demorar muitos séculos, até que uma vasta consciência deste facto, desperte uma reação global, que mude verdadeiramente as coisas. O controle é feito de uma forma extremamente hábil, e penso que, hoje em dia, as redes sociais vieram ainda mais apertar o espartilho sobre a liberdade de pensamento. Noticiam-se irrelevãncias, comentam-se as mesmas através de reações estúpidas e irrefletidas e os temas, como o deste texto, que são o pano de fundo do nosso modo de vida, são completamente ignorados da opinião e discussão pública. Por ora, temos que nos contentar com estes pequenos espaços, como este blog, para produzir e replicar pensamento crítico e desejar, que a luz do conhecimento que daí advém, possa atingir mais e mais pessoas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Gito seu comentário é um endosso para as agendas das elites!
      Veja que diz que o povo tem que se conscientizar, e isso é o mesmo que dizer "os governos tem que mudar", veja que mais uma vez delegas a outros as nossas responsabilidades!
      O que temos que fazer é largar todas as "vantagens delegadas" proporcionadas pelos estados!

      Quais são?
      Saúde, quem delega a outros a integridade de seu próprio ser e inclusive de seus filhotes merece é grilhão, pois nossas saúdes só importam anos mesmos!
      Segurança, nossa segurança é obrigação nossa visto que só nós estamos conosco sempre!
      Alimentação, só nós podemos suprir nossa nutrição visto que os outros só querem benefício deles e dessa forma não hesitam em sabotar as alimentações alheias para garantir uma vantagem posicional!
      Território, território é fundamental, só Terras nos garantem autônomos e livres para produzir nosso alimento e nossas defesas, nossas habitações e nossas fortalezas.

      E essas quatro propostas são os pilares de todas as outras propostas e são elas as primeiras a delegarmos aos estados salafrários!

      E ainda ficam aqui falando tolices delegando culpas aos outros da mesma forma que delegam nossas responsabilidades aos estados???

      Não fica claro que qualquer cidadão que delega suas responsabilidades para os estados é tão salafrário como os estados?

      Não existe santo nessa bagaceira e os mais reclamões e culpadores dos outros são sempre os mais salafrários e delegadores de responsabilidades!
      Esse chororô está parecendo papo de comadres discutindo novelas e big brothers!

      Eliminar
  7. Anónimo21.4.17

    Concordo plenamente com o comentário do Gito. Moro aqui no Brasil e para nós é evidente. Errei , para a maioria da população não, porque esta está vendo Big Brother e as novelas e, por conseguinte almejando fazer parte da falsa realidade que lhe é apresentada. Mas, a parcela que pensa sente o garrote da elite apertar cada vez mais o seu pescoço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E vc o que faz?
      Procura ser mais eficaz, já baniu os planos de saúde e aposentadorias de sua vida?
      Já se coinscientizou que a segurança sua e de sua família tem que ser assegurada por ti e eplos seus familiáres ou ainda endossa sicário do estado armado até os dentes enquanto povo deve ficar desarmado?
      Já largou a desgraça do álcool ou continua indo aos happy hours e curtindo uma irresponsabilidade só para relaxar?
      Já largou o checkup anual e entendeu que a preservação de seu equipamento é obrigação sua?
      Já jogou fora seu título eleitoral ou continua endossando salafros e métodos salafrários de escolha de lideranças com seus votos?

      Se alguma resposta for sim, acredite-me, o estado só tem força e liberdade de salafragens, inclusive impondo bbbs, graças a VOCÊ!

      Eliminar
  8. Valeu a tua tradução, Max. Belíssimo artigo. No final acho que o autor cansou e desistiu. Os comentários até então, valiosos, imprescindíveis.
    Quanto a mim, todos sabem que desisti por absoluta consciência que, enquanto opositora do sistema, sou e serei eterna perdedora.
    Mas, como ainda viva estou, por incrível que me possa parecer, resta-me a mania de observar a minha volta. E, que vejo? Quem não pensa, e a maioria, quase totalidade, perdeu esta capacidade em algum lugar, eis que os não pensantes brasileiros sentem. Exemplo interessante: o casal teve a primeira filha assistida amplamente pelo SUS (sistema único de saúde), instituição estatal, lá pelo ano 2000 e alguma coisa.A assistência gratuita incluiu cesariana, exames preventivos para mãe, acompanhamento da gestação etc, que é o que se espera de qualquer Estado civilizado na sua ligação funcional com a população de menos posses. Como coisa linda é ter dois rebentos, a família imaginando estar nos idos 2000 resolve engravidar. Dois, três, seis meses e nunca um médico atendeu a jovem mãe. Uma atendente vinha, dava uma olhadinha, dizia que estava tudo bem e anunciava que médico não tinha mais. A barriga crescia...não, inchava, e com ela a senhora mãe comia e engordava para além da conta. Até que um tanto preocupados, o casal se convence que terá de pagar 300 reais numa consulta particular. A médica põe as mãos na cabeça, autoriza exames também pagos para garantir a urgência, e lá vai a continha para 700 reais. O resultado deixaria o casal achando que alguma coisa vai mal no país, pois a gestante diagnosticada com diabete teria de ser hospitalizada imediatamente em hospital e, com essa pressa toda, hospital de graça, nem pensar. E assim termina a novela com um gasto de 10mil reais antes da criança nascer, ou seja, toda poupança familiar durante anos. Restará fazer a cesariana pelo SUS, de qualquer jeito ou seja, vai para o hospital público, fica gritando, chorando, doendo...e quando um dos dois está prestes a morrer faz-se a cirurgia. Se der, deu, se não der, menos um ou dois pobres no Brazil, que já está mais do que na hora de diminuir esta população de miseráveis imbecis. Tenho dito

    ResponderEliminar
  9. O jornalista começa descrevendo o liberalismo clássico. Enumera diversos fatos que realmente são fundamentais para a situação precária em que nos encontramos. Porém cita vagamente a importância dos governos, FMI e outros. Nos faz pensar que a liberdade que causou isso, e não justamente o contrário. Neoliberalismo é o Consenso de Washington. São as políticas monetárias, monopólios e cartéis garantidos pelos governos e não liberdade. É o capital privado (não qualquer um) imposto pelo governo. É o oposto de liberdade econômica. E a esquerda é muito responsável por isso, como ele mesmo cita.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Riccardo22.4.17

      Esqueci de assinar :)

      Eliminar
    2. Caro Riccardo, a única causa da "situação precária" da umanidade se chama falta de vergonha na cara!
      Qualquer pessoa que inegere alcool é tão salafra que garante com isso inclusive a não responsabilidade sobretudo sobre seus genitais!
      E o resultado disso é SEXO DESSELETIVO e consequente nascimento de LIXOS!

      Não são as políticas monetárias e tampouco as palestras do noan chomyski que desgraçam o mundo, mas as cretinisses umanas!
      Se as pessoas lessem os protocolos dos sábios de sião, veriam lá escrito que o negócio das elites protocolares é insuflar imbecis travestidos de pensantes com ideias prolíxas e pró lixos a patamares intelectuais a serem seguidos!

      A única causa da desgraça umana e humana é a ESTUPIDEZ, o resto é retórica estúpida para legitimar todos estúpidos acusando estupidamente os estados por suas estúpidas sinas!

      Eliminar
  10. Caro Max, a única ideologia na base de todos os nossos problemas é a estupidez!
    O neoliberalismo é apenas uma estupidez endossada pela estupidez coletiva!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Chaplin24.4.17

      Tudo pode ser decorrente da estupidez dos falantes! Mas a ideologia praticada é a burguesa, mas precisa-se se ater na história não contada...
      Desde o advento do republicanismo, preparado pelo Iluminismo, os países sofreram duas alterações que os modificariam drasticamente. O fim do isolamento comercial de alguns e a precariedade de outros, o que ocorreu sob o monopólio de elites judaicas britânicas (futuros sionistas), e a transformação da burguesia de classe social ascendente em ideologia preponderante. Fale 5 minutos com um mendigo e com um homem de negócios, e perceberá do que falo. Ambos objetivam as mesmas coisas, o que os difere são suas circunstâncias.

      Eliminar
    2. A ideologia burguesa é a idelogia do clero, a ideologia do clero é milenar, todas as citadas são meros ajustes finos no plano já completo em andamento.
      A ideologia matriz é simples, infiltração, sabotagem e controle.
      Infiltração: a criação de uma aberração similar ao ser humano, o judeu.
      Sabotagem: a alavancagem do eros a patamares patológicos, de forma que sexo vire lazer e humanos sexuem com os mais afeitos e afeitas ao sexo cafajeste, os judeus e judias, com isso se destroi a ESPÉCIE INTEIRA e não apenas uma raça (dai surgiram os "crimes" racistas, pessoas que defendem as idiossicrasias raciais são colocadas como criminais), é dividndo que se conquista e sabotando raças garante-se a divisão sobretudo racial. Espero ter mostrado o que é de verdade crime racial, é permitir dois pusilânimes de racas diferentes gerando degenerados raciais.
      As fármafias agradecem, mestiços não tem as defesas dos puros e tampouco as qualidades, para que isso aconteça é fundamental a SELEÇÃO, da mesma forma que são feitos as novas raças animais.
      "Os homens são geralmente mais cuidadosos da descendência de seus cachorros do que dá sua própria" William Penn

      Controle se dá de forma fácil, pois hibridos de má qualidade acreditam em papi noel, bêbados hedonistas são a base da degeneração.
      As circunstâncias dos bêbados são iguais a dos milionários, todos miseráveis e estúpidos

      Eliminar
  11. Anónimo23.4.17

    Vapera aí é que você se engana isto é uma fabricação (nem lhe chamo teoria da conspiração). O novo "Deus" é o capital e cada um puxa por si para tirar dividendos que não passam de esmolas. Ou seja lutam uns com os outros (observação que o Expo e eu já vi no facebook) sem saber muito bem porquê. Basicamente não possuem informação ou uma capacidade racional nova, inovativa ou "revolucionária(no bom sentido)", simplesmente repetem os slogans que lhes foram vendidos.
    Porquê?
    A vida atual não se coaduna com tempo, tempo um bem tão precioso.
    Progredimos? Não e Sim.
    Este novo século supostamente poderia ser algo de bom para a humanidade (alguns tentaram e tentam em vão ir ou remar contra a maré).
    Ora a partir de 2001 comecamos com a palavra Terror.
    O chamado Terror é algo que veio para ficar e vai fortalecer aquilo que você tanto odeia, ter a sua liberdade limitada ou restringida. Vai parar? NÃO é óbvio é programada para continuar indefinidamente.
    Alem do neoliberalismo que não passa duma mostra que o edificio capitalismo está a cair, e irá cair cedo ou tarde o que se assiste se prestar atenção nos "locais de poder econômico" é tentar ordenhar a vaca até a última gota, se for preciso mistura-se água para prolongar a grande ilusão.
    Ilusão porque não passa disso.
    Pior a imagem, munca a imagem teve tanto valor e por trás da mesma está um vácuo ou vazio ou pior ainda algum vendedor de promessas, que não vai nem pode cumprir(porque já sabe, faz parte da "nomeclatura" ou em breve a irá conhecer).
    Você já foi num shopping e reparou que é tudo igual? Garota gostosa, sem ser gostosona (p**a) para vender um produto?
    Ora desafiei e apostei a feijões com a minha mãe e meu tio que era só imagem e nem sabia o que vendia.
    Resultado teve que telefonar a alguem que percebia um pouco mais ao fim de 5 telefonomemas me pos em contato direto com um "técnico". Fui a outras lojas e foi mais do mesmo...só imagem e nada comprei era um teste.
    Aposta ganha. E já sabia que ia ganhar, como estava entusiasmado e particularmente a ter prazer naquilo ainda queria ir a mais "gostosonas".
    Mas desistiram e disseram que timham visto onde queria chegar e tinha ganho a aposta.
    Resumo: um cara ou uma senhora com uma certa idade e entendido na matéria não interesa o que intessa é vender uma imagem, que não passa de um vazio.
    Os outros são obsoletos porque não são a imagem ou ilusão, mas sabem o que falam, já possuem mais de 35 anos etc...
    Bem vindo à grande fabrica ilusão e imagem.
    Que não passa disso.
    Pesso desculpa pelo offtopic.
    O que discutem acima é mais uma ilusão ou imagem de um sistema falido, que o Chaplin tão bem expôs.

    Nuno

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu post foi deletado e eu estou me deletando.

      Eliminar
  12. Kalama Sutta (AN III.65) – Para os Kalamas.

    O Buda explica para um grupo de céticos os critérios adequados para aceitar um ensinamento espiritual.

    http://www.acessoaoinsight.net/sutta/ANIII.65.php

    ResponderEliminar
  13. Anónimo29.4.17

    https://theintercept.com/2017/04/28/greve-nacional-impulsionada-pela-conhecida-dinamica-global-de-corrupcao-e-impunidade-da-elite/

    Nuno

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...