08 maio 2018

Á espera da grande decisão

Esta noite, Donald Trump revelará a sua decisão sobre o acordo nuclear com o Irão. É este o assunto mais importante e não apenas de hoje.

Orly Azoulay escreve sobre Yediot Ahronot (o diário israelita que, desde os anos '70, é o jornal com a maior difusão no País):
Desde a assinatura do acordo nuclear, o Irão não violou um único artigo. Isto foi afirmado não apenas pelos inspetores da AIEA [Agência Internacional de Energia Atómica, ndt], mas também por autoridades de segurança israelitas. Este é o único facto que o Presidente Donald Trump deveria considerar ao decidir se os Estados Unidos devem rescindir o acordo, uma medida que os iranianos dizem que os libertará imediatamente das suas obrigações de arquivar os programas de armas nucleares.
E apesar de convencida da necessidade do acordo ser "mais amplo", impedindo por exemplo que o Irão desenvolva mísseis balísticos, Azoulay conclui:
Mas não é esse o ponto: o acordo foi assinado para impedir ao Irão de ter capacidades nucleares militares. E esse objectivo foi alcançado até agora.
Passamos para outro diário israelita, Haaretz, publicação de "alta gama" onde escreve Michael J. Koplow:
Trump está a pôr israel em perigo imediato.
Pois segundo Koplow, apagar o acordo desencadearia uma guerra directa entre Teherão e Tel Aviv na Síria.

Portanto: em israel nem todos concordam com Netanyahu, que mais do que outros pressiona para cancelar o acordo alcançado por Obama. De facto, a sua posição é minoritária uma minoria (nem o Chefe do Estado Maior do Exército, Gadi Eiskenkot, concorda). Mas Netanyahu está no governo.

Do lado iraniano há uma novidade: se até agora a posição de Teherão era "tudo ou nada", ontem o Presidente Hassan Rohani abriu outro cenário:
Mesmo se os EUA desistam do acordo nuclear, o Irão irá manter o seu compromisso se a União Europeia puder garantir que a República Islâmica possa sair beneficiada.
E volta à memória o artigo publicado nos últimos dias por Zero Hedge, uma entrevista ao político americano Paul Craig Roberts com o título "É com a Europa, Paul Craig Roberts sobre o que pode ser feito para salvar o mundo". Nesse ponto de vista, é interessante o que Rob Malley, chefe dos negociadores dos EUA com o Irão na época de Obama, disse numa entrevista ao Timesofisrael. De acordo com Malley, os outros Países ocidentais que assinaram o acordo (Reino Unido, França e Alemanha), no caso duma rescisão do tratado não devem seguir os Estados Unidos, mas mantê-lo, oferecendo-se para melhorá-lo com mais rigor. Isso daria a Trump a oportunidade de reivindicar uma eventual reformulação do tratado como uma sua própria vitória também.

Trump poderia afirmar que sem ele a Europa nunca se teria preocupado tanto com o programa de mísseis balísticos iranianos, nem se teria preocupado com o comportamento regional de Teherão, considerado uma ameaça por parte dos EUA e de israel. Claro, continua Malley, Trump poderia cancelar o acordo (o que é extremamente provável) mas também poderia declarar que prefere adiar a decisão para depois das conversações entre o Irão e União Europeia. Esta suspensão seria um sinal de maturidade, pelo que é extremamente improvável (estão a ver Trump, não estão?).

Enquanto isso, o Presidente dos EUA anunciou que no dia 14 de Maio, aniversário dos setenta anos desde o nascimento de israel, não irá para a inauguração da Embaixada americana em Jerusalém. O que não deixa de ser um anúncio significativo.

Para concluir, nota para um artigo publicado ontem pela Weekly Standard, bastante corrosivo sobre Trump e os seus anúncios: como hábil vendedor qual é, o simpático Donald está a utilizar os órgãos de informação antecipando anúncios importantes que ou não são importantes ou que se revelam "inócuos". Sendo Weekly Standard é a revista oficial dos neoconservadores norteamericanos, decididamente contrários ao acordo com o Irão, esta pode ser uma forma de pressionar Turmp. Ou talvez não: o novo Conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, é parte dessa fação e, enquanto representante na Administração dos EUA, tem acesso a informações confidenciais.

Dito isto, sobra sempre a mesma pergunta que continua sem resposta: por qual razão o Irão (ou outro País do Médio Oriente) não pode ter uma bomba atómica enquanto israel tem centenas delas e nem assinou o Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares?

Update

Trump decidiu rasgar o acordo. Afirma ter as provas. Onde é que já ouvimos isso?
O chamado acordo nuclear deveria proteger os EUA e os nossos aliados da loucura da bomba nuclear iraniana, uma arma que só colocaria em risco a sobrevivência do regime iraniano. [...] Para mim, é claro que não podemos impedir que o Irão tenha a bomba nuclear com base na estrutura decadente, podre deste acordo. Um acordo desastroso, embaraçoso e que nunca deveria ter sido assinado.

Eu tinha avisado em Outubro passado: ou o acordo é renegociado ou os Estados Unidos retirariam-se, repeti em Janeiro e começaram amplas negociações que não levaram a uma conclusão bem-sucedida. Para os Estados Unidos, o Irão nunca deve ter uma arma nuclear e por isso anuncio que sairemos de um acordo desastroso.
Vamos instituir o mais alto nível de sanções. [...] Os Estados Unidos não fazem mais ameaças vazias. Quando eu faço uma promessa, eu mantenho.
Por qual razão Trump retirou os EUA do acordo? Por algumas razões.
  • Trump é uma besta. E acerca disso não há muito para dizer: há pessoas inteligentes e outras não, é Mãe Natureza que decide.
  • Trump está a destruir todos os acordos assinados pela antiga Administração de Obama. A guerra interna aos EUA não permite prisioneiros, só vítimas fatais, e Trump, com o seu pequeno cerebrinho, segue esta simples regra.
  • Trump apoia de forma incondicional o aliado israelita: e Nethanyau sempre foi contra o acordo com o Irão. O de hoje é em larga medida o resultado das pressões de Tel Avive.
  • Trump sabe que a Europa não concorda com o fim do acordo e que este irá permanecer em vigor. Isso da-lhe uma certa margem de manobra: pode retirar-se, fazer feliz o regime de Tel Avive e, ao mesmo tempo, ver que o Irão não desenvolve armas nucleares. Um jogada, dois resultados positivos.
  • Trump não pode conceder-se outras derrotas. E aquela na Síria foi uma derrota muito pesada, que o sucessivo bombardeiro concordado com Moscovo não conseguiu ainda apagar. Rasgar o acordo é um acto de força que visa reafirmar o poder de Washington sem consequências negativas imediatas. Aceitar o acordo, depois de todas as palavras que foram ditas, seria um fazer marcha-atrás. Coisa que nem passa pela cabeça do Presidente.
  • Trump mira também enfraquecer a concorrência das empresas europeias, que com este anúncio veem em perigo os comércios com Teherão.
O que acontecerá agora? O passo sucessivo, aquele lógico, seria um ataque contra o Irão para destruir os laboratórios onde o nuclear é alegadamente preparado: foi isso que aconteceu na Síria com as alegadas armas químicas. O problema (de Trump) é que atacar o Irão seria uma declaração de guerra à Rússia também. E não é este o objectivo do Presidente americano. Sempre que na cabeça de Trump haja lugar para um objectivo que não seja o dinheiro.

Vamos que ter paciência e observar as reações nas próximas horas.  


Ipse dixit.

Fontes: no texto.

4 comentários:

  1. Anónimo8.5.18

    Eita que os eua estao demais
    Mais mais sanções a Russia
    Mais mais sanções a Venezuela
    Mais mais sanções a Coreia do Norte
    Tarifas aos produtos Chineses
    Tarifas ao aço e aluminio Europeu (nem nos escapamos)
    Ainda mais sanções ao Irão.
    Onde Irão parar os eua com tanta sanção e tarifa ?
    Daquela terra so se ouve falar em guerra, sanções, tarifas, armas e tiroteios

    EXP001

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo9.5.18

      Mais do mesmo...até os atores são os mesmos Bibi, Bolton e o idiota de serviço. É uma repetição. Mas além da Rússia está também a China (a venda de petróleo em yuan), e a banca deles sem o tal de "usuaria" ou juros.
      Ao ver Boris Johnson na fox news a dizer que não acabem com o acordo assim como o Macron e Merkel. Desejo que os UK saiam o mais rápido possível da UE (May está a ser infinitamente pior que o antecessor). E a união europeia se afaste(dessa gente) e comece a pensar nos seus interesses assim como os daquela terra (fazer pontes com quem nela ainda cumpra acordos e ainda se pode contar, até é a maioria). Mas é mais uma série de mentiras, bolas até o financial times disse que o acordo era bom.
      O Quero, posso e mando.
      Não vai durar muito e ouvir as mentiras vindas do Donald, parecia que eles eram os maiores terroristas quando se sabe que é a Arábia de facto assim como os neocons americanos e de israel (a aipac faz maravilhas).
      Pode ser que ainda cheguem a um acordo humilhante(melhor que nada). As ditaduras são patrocinadas por eles porque de lá tiram o que interessa, boas ditaduras e as más, as que não se submetem mas...Na Arábia não há eleições no Irã sim, e bem verificadas com observadores a nível internacional, assim como as inspecções (mesma história do Iraque).
      Como dizia Kissinger nós não temos amigos, temos interesses.
      O Iraque foi um bom exemplo.

      nuno

      Eliminar
  2. Está montada a encenação com a saída dos Estados Unidos da América (EUA) do acordo nuclear com a República Islâmica do Irão; o cenário perfeito para que o regime da Inglaterra e os seus aliados, desencadeiem uma guerra no Médio-Oriente e pela qual estão de tal maneira desesperados face às constantes derrotas que têm vindo a sofrer, tanto nível político como militar, na região.

    ResponderEliminar
  3. Porque o Irão não pode ter a famigerada bomba atômica? Perguntam os de bom senso...se os outros tem e ninguém reclama? E eu me pergunto se não DEVE ter, já que nesta política de guerra de contenção só o nuclearmente armado se protege melhor das intervenções múltiplas? Isso é uma loucura? É, mas é a realidade que vivemos hoje: a Coréia do Norte não foi nem será invadida pelo império decadente porque tem a bomba que pode alcançar bases norte americanas. A Rússia não foi nem será invadida porque além da bomba tem a melhor tecnologia para guerra cibernética que torna sucata muito do armamento do inimigo. A primeira coisa que os agressores norte americanos fazem em um novo território "invadido", seja da forma que for não convencional, é liquidar com suas pretensões nucleares como fez recentemente com o Brazil, enfiando o General Anton (responsável pelo programa nuclear brasileiro desenvolvido na era Lula-Dilma) na cadeia pelo resto da vida e sucatear ou "comprar" toda e qualquer iniciativa do gênero. Então na atual guerra de contenção quem ainda pode produzir armamento nuclear me parece que convém fazê-lo.Ou não é???

    ResponderEliminar

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...