31 dezembro 2012

Bom Ano

...e agora:
Bom Ano para todos os Leitores do blog, as famílias deles, os parentes, os amigos, os cães e os gatos.
Bom Ano para quem espera que amanhã seja diferente.
Bom Ano para quem não espera e para o Leo que corre, corre forte.
Bom Ano aos fartos, sentados nas poltronas.
Bom Ano aos hipnotizados pela televisão.
Bom Ano a quem mudou de lar, como eu.
Bom Ano aos profetas que erram.
Bom Ano aos blogueiros, também aqueles um pouco assim.
Para os meus inimigos: Bom Ano.
Bom Ano para aquelas que caminham, como se nada fosse, e fazem virar a cabeça.
Bom Ano aos Ingleses: Eppi Niú Íar.

Bom Ano, tem que ser, não é?
E até o dia 2.


Ipse 2013.

Aníbal, a Constituição e a sanita

Acordei há dez minutos (eheheh, dormi demais mesmo!), cafezito, ligo internet e penso: "Vou fazer votos de Feliz Ano Novo no blog, é o mínimo". Mas antes uma espreitadela aos diários nacionais e não só. E encontro uma notícia propriamente portuguesa mas que bem descreve para todos o clima no qual vivemos aqui na Europa toda.

A notícia é esta: o presidente da República Portuguesa, Aníbal Múmia Cavaco Silva, promulgou o Orçamento de Estado 2013 (OE 2013) na passada Sexta-feira. Tudo normal, não fosse por causa dum pormenor: Aníbal Múmia desrespeitou o juramento que tinha feito em tempos, aquele segundo o qual deveria ser o defensor da Constituição.

Acontece que o OE 2013 contém medidas cuja constitucionalidade já foi posta em dúvida não por adversários políticos (isso é normal), mas por respeitados constitucionalistas. O presidente teria tido a possibilidade (prevista pelas leis) de submeter o OE ao parecer prévio do Tribunal Constitucional e só depois, uma vez obtida a certeza, proceder com a aprovação.

Tentamos perceber: somos os defensores da Constituição, somos economistas e não constitucionalistas, temos entre as mãos um conjunto de medidas que segundo os especialistas (alguns dos quais da mesma área política do presidente e do governo) contém medidas anti-constitucionais, temos a possibilidade de submeter as medidas em questão à avaliação do Tribunal Constitucional, e nós que fazemos?
Aprovamos directamente.

30 dezembro 2012

Contra os pobres, ao lado dos ricos

Joseph Ratzinger
Eu não tenho nada contra a Igreja.

Contrariamente a muitos Leitores, não acho a religião "um mal": pelo contrário, é uma vertente natural, desde sempre presente nas comunidades humanas, na base das primeiras expressões artísticas, presente ainda antes da capacidade de ler ou escrever.

Esta é a religião. Depois há a Igreja, a religião institucionalizada. Isso é já diferente, como é óbvio: mas se for verdade que não concordo com a maior parte do que a Igreja de Roma é ou predica, sobretudo quando comparado com aquilo que deveria ser, a minha filosofia é "ela está aí e eu estou aqui", cada um pela sua própria estrada.
Ponto final.

Ponto final? Não.
Porque depois abro os jornais online e que vejo?
AGI: O Vaticano "abençoa" Monti.
Il Messaggero: O Vaticano apoia Monti "um empenho nobre".
Il Secolo XIX: O Vaticano apoia Monti

Então a ideia "cada um pela sua própria estrada" já não funciona, porque a Igreja entra de forma pesada num jogo que não é o dela, é o meu.

28 dezembro 2012

Audiochat

Pois: na coluna de direita apareceu o link de Tinychat.

É um serviço um pouco desgraçado mas permite uma chat com várias pessoas ao mesmo tempo.

Não é preciso descarregar nada, é só aceder ao site, registar-se (aconselho utilizar um mail temporário) e chatar. Até acho não ser precisa a minha presença.

Obviamente é necessário ter um microfone, caso contrário é uma chat textual.
Por enquanto fica como serviço experimental: vamos ver se funciona e quem sabe, entretanto pode ser possível encontrar serviços melhores (o português de Tinychat é pior do que o meu).

Caso a coisa funcione, poderia ser possível organizar encontros e/ou audio-conferências, não apenas minhas (tanto para variar um bocado, não é?).

Os horários são os mesmos da ligação telefónica por enquanto: depois das festas vamos ver (há vida além da net).


Ipse multimedial!

Alimentação: comida podre e saborosa

Ahe? Como é Natal, pronto, todos a comer doces e iguarias, não é?
Vergonha!

Mas "vergonha" por qual razão?
Bom, porque a comida ingerida neste período não é muito saudável mas, sobretudo, porque não temos ideia do que estamos a comer.

Doce morango

Por exemplo: os aromas. Estão presentes em qualquer comida, mas afinal que raio são estes aromas?
Peguem num iogurte. Ou yogurt, tanto faz. Aroma: morango. É bom o morango, não é? Mas como é obtido o aroma de morango?

É obtido assim: juntam-se num recipiente os seguintes produtos:
amil-acetato, amil-butirrato, amil-valerato, anetolo, anisil-formiato, benzil-acetato, benzile-isobutirrato, acido butirrico, cinnamil-isobutirrato, cinnamil-valerato, óleo essencial de conhaque, diacetile, dipropil-chetone, etil-acetato, etil-amilchetone, etil-butirrato, etil-cinnamato, etil-eptanoato, etil-eptilato, etil-iactato, etil-metilfenilglucidato, etil-nitrato, etil-propionato, etil-valerato, eliotropina, idrossifenilP2-butanone (solução 10% em álcool), alfa-ionone, isobutil-antranilato, isobutil-butirrato, óleo essencial de limão, maltolo, 4-metilacetofenone, metil-antranilato, metil-benzoato, metil-cinnamato, carbonato de metil-eptina, metil-naftilchetone, metilsalicilato, óleo essencial de menta, óleo essencial de neroli, nerolina, neril-isobutirrato, manteiga de iris, álcool fenetilico, etere de rum, gamma-undecalattone, vanillina.
Eventualmente pode ser presente um pedacinho de morango também. Mas não muito, pois custa e o risco é estragar a monstruosidade química que acabámos de criar.

O partido Democracia Directa: manual de instruções

E vamos.
Como antecipado, eis qual pode ser uma solução. Não para todos os problemas da Humanidade, isso não. Apenas alguns. E se calhar nem isso.

É sonhar, pode ser? Por enquanto não custa nada e afinal estamos na época natalícia, vamos com isso.

(advertência: o que segue foi escrito em mais ou menos 15 minutos, são algumas ideias, não um programa verdadeiro!)

Começamos.

Qual o problema? O problema é que a política perdeu a confiança dos cidadãos. Esta não é coisa nova: com um pouco de paciência é possível espreitar o que diziam da classe política nos séc. XIX ou ainda antes. É raro encontrar elogios.

Normal: o político muitas vezes é visto como uma espécie de parasita ganancioso, envolvido em trocas de favores ou até corrupção. Nos melhores dos casos a acusação é aquela de incompetência.
Verdade seja dita: muitas vezes estas são boas descrições, que bem retratam a realidade.

Se a intenção for mudar um pouco a sociedade, as alternativas são duas: ou uma revolução ou seguir a via democrática.

Revolución ou Democracia?

A revolução sabemos o que é: geralmente um acontecimento violento, quase sempre gerido por figuras que ficam nos bastidores e exploram o vazio de poder que foi criado. Além disso, a revolução é uma incógnita: sabemos como começa mas não sabemos como acaba.
A Revolução Francesa, por exemplo, cedo tornou-se um massacre de cidadãos, e poucos anos depois os Franceses tinham um novo imperador, com novas guerras. A Revolução de Outubro, na Rússia, acabou com o Romanov para começar algo bem pior.
A próxima revolução seria diferente? Alguém pode apresentar certezas neste sentido?

27 dezembro 2012

Alimentação: O nosso veneno quotidiano

Foi publicado nos meses passados um documentário que nestas bandas passou despercebido e que tem como tema central o agro-negócio: é baseado no trabalho da pesquisadora francesa Marie-Monique Robin e no livro dela, Notre poison quotidien ("O nosso veneno quotidiano", ver notas finais).

Nada de novo, não fosse que Marie é uma das melhores jornalistas francesas, já muitas vezes premiada, e com bons conhecimentos na área (Le monde selon Monsanto, Les Moissons du futur).

Eis uma entrevista publicada nas páginas do argentino Ecoportal.
Eu falo do aumento incrível de cancros, doenças neuro-degenerativas, distúrbios reprodutivos, diabetes e obesidade, que são relatados nos países "desenvolvidos ", ao ponto de que a Organização Mundial da Saúde fala disso como duma epidemia.

Do que trata quando fala do "nosso veneno de cada dia"?

Dos produtos químicos que se encontram todos os dias nos alimentos, quer sob a forma de pesticidas, aditivos alimentares ou de plástico usado para a alimentação. Estas moléculas químicas estão presentes em doses muito baixas. O que mostro com as minhas pesquisas, e que ninguém negou até agora, é que essas doses muito baixas de resíduos, que supostamente não têm efeitos, no entanto têm efeitos adversos na saúde humana.

O uso destes produtos nos alimentos é permitido?

Sem dúvida. A avaliação dos produtos químicos praticada pela Autoridade Europeia da Segurança Alimentar ou pela FDA nos Estados Unidos, é baseada no princípio de Paracelso, segundo o qual é a quantidade que torna um veneno como tal. A assim chamada "dose diária aceitável" (ADI) baseia-se nisso. O que provamos é que esse princípio não é válido para muitas moléculas, não presta.

Cidadania infantil

E agora: vamos importar um inteiro blog.
Não é difícil: afinal o blog é composto por uma só entrada. Mas não é o tamanho que conta, é o conteúdo.

O blog em questão é Fim da Cidadania Infantil de Menpv e a entrada é a seguinte. Vamos ler depois comentar, pode ser?

Pode.
Com uma advertência: o comentário após o artigo de Menpv não contém nada de polémico e nem deseja entrar em conflito com o autor do citado blog ou com outros Leitores. É apenas a vontade de discutir e, quem sabe?, encontrar soluções.

 Manifesto:
NÃO QUEREMOS POLÍTICOS PAIZINHOS
Fim da Cidadania Infantil!
'Vira o disco e toca o mesmo' - vulgo eleições antecipadas atrás de eleições eleições antecipadas - não é solução!...
A democracia directa também não é solução... mas votar em políticos não é passar um 'cheque em branco'!!!!!!
Os cidadãos não podem ver os políticos como um 'paizinho'... devem, isso sim, é exigir uma maior fiscalização e controlo sobre a actividade política!
O Presidente da República pode vetar uma lei... sem querer derrubar o governo!!!
Os contribuintes devem poder vetar uma despesa com a qual não concordam... sem querer derrubar o governo!!!
Não é só andar a pagar as dívidas que os governos fazem/deixam!... De facto, quem paga - leia-se, contribuinte - tem de ter um maior controlo sobre a forma como é gasto o seu dinheiro!

26 dezembro 2012

As prendas de Ban

O Leitor acha uma vergonha o facto de ter que pagar uma classe política nacional incompetente, gananciosa, fechada no próprio castelo de privilégios e paga com o nosso trabalho?

Então o Leitor ficará satisfeito sabendo que o trabalho dele paga também outra casta de parasitas, mais abrangente, mais globalizada.

Ok, sempre casta é, mas o nível é diferente.

Em ocasião do Santo Natal, a ONU, que não é conhecida pela simplicidade da sua gestão, decidiu aumentar o próprio orçamento de 5%. Metade deste montante será para as missões de "paz" em todo o mundo (das quais há sempre tanta necessidade...), a outra metade será para manter de forma mais dignas o conjunto de dignitários.

O Secretário, Ban Ki Moon, acaba de fazer-se dois presentes agradáveis: um novo escritório redecorado (custo: 2 milhões de Dólares. Como no caso da sede do Banco Europeu, o anterior era uma vergonha, cheio de bolor) e um novo carro blindado que substitui o velho Mercedes 500 Series (já com 5 anos de idade, uma vergonha). Carro que foi apresentado envolvido numa enorme fita vermelha, como relata o Washington Post.

Economistas vs. Políticos

Então, o Natal já passou, não é?
Basta de festas! Voltamos mas é ao trabalho.
E vamos falar de economia. E política também, que não faz mal.

Ao longo de muitos anos, os economista têm gozado de prestigio, enquanto os políticos nem por isso.

"Tá bom," pode pensar o Leitor que ainda tem a fruta cristalizada do panettone que saltita no teclado "mas isso que significa?".

Calma Leitor com a fruta cristalizada saltitante, calma. O problema é que isso levou os economistas a descuidar a política.

Economistas vs. Políticos

Fazer o político não dava prestigio, dava uma aura de poder, verdadeiro ou virtual. Pelo que, os raros economistas emprestados ao mundo da política acabavam por ocupar-se sempre das mesmas coisas (ministério das finanças) e eram sempre ou membros efectivos de partidos ou afiliados. Em qualquer caso, eram vistos pelos economistas "sérios" (aspas obrigatórias) como uma sub-espécie não particularmente evoluída e propensos aos implícitos jogos de poder.

23 dezembro 2012

Curiosidade do Natal: o Quiz!

É Natal!
Quase.

Então entramos no clima natalício e a seguir algumas curiosidades acerca desta festa. Não que faltem notícias de economia, guerra, injustiças e outras coisas divertidas: mas sabem como é, é altura de ser bons.

E qual maneira melhor para festejar? Um quiz!
Eis o quiz.

Como teve origem a lenda de Pai Natal?
  1. A lenda de Pai Natal teve origem em 1931, quando a Coca Cola decidiu utilizar o velhote com barba e farda vermelha e branca para publicitar a própria bebida, capaz de apagar a ferrugem e derreter os ossos.
  2. Nasceu com os Annunaki, na Suméria, por volta do 3.000 a.C., para celebrar a primeira invasão do nosso planeta por parte dos habitantes de Nibiru.
  3. Nasceu antes do século XIX, na altura era conhecido como Santa Claus e utilizava um cavalo branco.
  4. A lenda nunca nasceu: Pai Natal existe mesmo.
  5. Pai Natal era segundo os Mayas o Deus encarregado de acabar o mundo em Dezembro de 2012. Ao que parece, adormeceu.

21 dezembro 2012

Os Mayas, nós, o tempo


Pronto, após a mudança do fornecedor internet, eis o regresso.
E em que dia é o regresso? No Dia dos Dias, o 21.12.2012!
A propósito: não sei se repararam, mas o mundo não acabou.

Vamos gozar com todos aqueles que esperavam o Armageddon? Nada disso. Já ultrapassamos a impacto de Elenin com Nibiru escondido na cauda, os atentados e a aparição alienígena em Londres, vamos ultrapassar a profecia Maya também.

Aliás, talvez seja uma boa ocasião para falar do que realmente quis transmitir o povo do centro-América.

19 dezembro 2012

Comentários livres e Linha Directa

Eis uma iniciativa absolutamente inútil e que acho terá vida breve.
A partir de amanhã vai ficar activa a Linha Directa com o blogue.

O número de telefone é o seguinte:
(+351) 93.894.27.79

activo todos os dias com os seguintes horários: 

10.00 - 12.00
14.00 - 16.00
de Segunda até Sexta-feira

O custo é aquele do fornecedor do serviço do cliente, sendo que não há acréscimos.
E era só que faltava, já o serviço é inútil...

Assim: o Leitor tem dúvidas? Ligue de forma que eu possa ficar com as suas mesmas dúvidas!

Quanto ao resto: dia complicado. Pelo que ficam os comentários ao sabor dos Leitores: críticas, dúvidas, sugestões e mais algumas coisas.


Ipse dixit.

18 dezembro 2012

Das armas (actualizado)

E voltamos para um assunto que atraiu vários comentários: armas e massacres nos Estados Unidos.

O blogueiro coitado, após o artigo EUA: 24 mortos na escola. Azar., parece em minoria: será que a elite americana quer tirar as armas aos cidadãos? Será que o Projecto MK-Ultra é utilizado para provocar massacres que justifiquem um menor número de armas nas mãos dos cidadãos?

Bom, sendo este um lugar de troca de opiniões, vamos aprofundar os nossos pontos de vista. E vou utilizar alguns comentários, como fosse uma conversa.
Por exemplo:
Max
Discordo
Pronto, já este é um erro grave.
Ok, ok, um pouco de seriedade.
Você sabe muito bem que as elites que controlam os EUA querem desarmar o povo
Na verdade eu sei exactamente o contrário. Os Estados Unidos são o maior produtor de armas do planeta. Não apenas isso, mas o número de armas presentes nos EUA e nas mãos dos cidadãos ultrapassa aquele de quase todos os exércitos do planeta (não em conjunto, um exército de cada vez entendo). Esta é uma elite que deseja desarmar o povo? A mim dá a impressão oposta: quer armar o povo.

As montanhas, os mortos, a fome

A Terra, como a água, é cada vez mais rara na China.

Apenas 11% da terra é arável e migração do campo para a cidade (um fenómeno de enormes proporções) tornou a terra ao redor das cidades cada vez mais escassa e valiosa.

Pela primeira vez na sua longa história, a China é agora um País urbanizado, onde a população que vive no campo é agora menor, ainda que ligeiramente, do que a total, e o Chineses são muitos: 1.336.718.015 segundo os dados do ano passado. Não parece porque são baixinhos, mas são muitos mesmo.

Assim, uma civilização milenar já mudou claramente estrutura. No entanto, continuam a existir importantes problemas económicos em aberto relacionados com as duas culturas: basicamente os problemas ligados ao cultivo e aqueles relativos às cidades.

O primeiro foi parcialmente resolvido com o land grabbing, a aquisição de terrenos em Países estrangeiros (principalmente na África). No entanto, isso não é suficiente e são precisas medidas mais radicais. Por isso, Pequim deu o aval a operações que parecem bizarras, mas revelam a urgência da intervenção.

O Governo aprovou em Agosto o nivelamento de 700 entre montanhas e colinas nos arredores de Lanzhou. O objectivo é construir uma nova cidade, um apêndice da cidade que já existe e tem 3,6 milhões de habitantes.

17 dezembro 2012

Aeroportos, coisas poucos sérias

O diário Público publicou na semana passada um interessante mapa.
A quem pertecem os principais aeroportos na Europa?
Eis o mapa:


Pequena correcção: os aeroportos abertos ao público em Portugal são 11 e não 10:
Beja, Horta, Faro, Flores, Lisboa, Madeira, Pico, Porto, Porto Santo, Ponta Delgada, Santa Maria.

A Dívida Pública de Portugal

Segunda-feira dedicada aos problemas do País à beira mar plantado.
A Noruega? Não, Portugal. 

No último número da publicação InformaçãoIncorrecta um parágrafo trata de forma sintética o assunto "Dívida Pública de Portugal". Nomeadamente a pergunta é: quem detém a dívida do País?

Desde que a situação de Portugal piorou, nos media apareceram referências aos "investidores estrangeiros", evidentemente um grupo de pensionistas malandros que decidiram investir as próprias escassas poupanças nos Títulos de Estado portugueses.

Por alguma desconhecida razão, os pensionistas zangaram-se com o País e decidiram fazer-lhe a vida negra, pedindo cada vez mais juros para adquirir partes da dívida, provocando assim a intervenção da troika Fmi/BCE/Banco Mundial, uma espécie de Trindade em versão financeira.

Mas ainda não temos uma resposta precisa: quem eram estes pensionistas? Têm um nome? Uma morada? Um endereço e-mail?

16 dezembro 2012

Novo número de InformaçãoIncorrecta

Yep!

Desta vez com um pouco de fadiga, mas aqui está o número 4 de InformaçãoIncorrecta.
Que depois é o 3. Mais o Zero. Ok, é o 4.

Como sempre: disponível na secção "Públicações" a pré-visualização. Mais logo algumas correcções, amanhã impressão e difusão.

A propósito: a pré-visualização serve basicamente para que os Leitores possam opinar acerca do panflete. Se for para descarregar, melhor esperar a versão final, já corrigida e disponível amanhã.

O artigo é aquele já tratado nos post Tudo o que é preciso saber de economia para viver bem mais
Nove pontos e um addendum, devidamente modificados por questões de espaço.

Depois, como sobrava uma parte vazia, acrescentei uma nota acerca da dívida pública de Portugal: "Quem detém a dívida pública portuguesa?".

Mas disso vamos falar já ao longo desta semana.


Ipse dixit.

EUA: 24 mortos na escola. Azar.

24 pessoas, entre as quais 20 crianças, morreram numa escola dos Estados Unidos quando um rapaz entrou na instituição com 3 armas e começou a disparar.

Não é a primeira vez que isso acontece.
Mas é difícil perceber porque isso aconteça nos Estados Unidos.
É difícil mesmo.

No entanto, realce para a simpática iniciativa da loja Scottdale, no Arizona: um dia com Pai Natal, famílias e armas. Não é fofinho?

21.12.2012: o fim da Federal Reserve

Segundo algumas vozes, os poderes da Federal Reserve acabariam na meia-noite do dia 21 de Dezembro de 2012.
Não apenas isso, mas a questão do 21.12.2012 teria sido construída mesmo pelo cartel bancário que detém o poder, para realçar o "fim duma época". De facto, o cartel privado gere desde 1913 o dinheiro da mais poderosas da Nações.

Lenda urbana ou verdade?
Para responder temos que observar de perto o sistema americano.

14 dezembro 2012

Nove pontos e um addendum

Fogo, pessoal, voltei agora do dentista, tenho 9 pontos na boca. Na minha vida anterior devo ter sido um sacana de primeira categoria e agora chegou a conta...

Bom, abro o blog e vejo uma pergunta de Ricardo. Uma pergunta que faz todo o sentido:
Max... me explica uma coisa:
Isso não contradiz esses dois textos:

http://informacaoincorrecta.blogspot.co.uk/2012/08/divida-mas-quando-comecou.html
http://informacaoincorrecta.blogspot.co.uk/2012/11/dos-juros-e-do-banco-publico.html
E os dois artigos falam da Dívida Pública.
Culpa minha, não fiz uma clara distinção entre dívida pública e deficit público.
E acho bem fazer isso agora, num pequeno addendum fora programa mas necessário.
O assunto do post Tudo o que é preciso saber de economia para viver bem. é o deficit, não a dívida.

Destaque: Tudo o que é preciso saber de economia para viver bem.

Para todos: aqui está tudo o que é preciso saber acerca da economia para viver bem. E tudo duma única vez.

Não é uma brincadeira, é mesmo assim: é suficiente entender o que está escrito neste artigo, não é preciso saber mais nada. Temos vidas ocupadas, sempre depressa, não há tempo para estudar economia também. Por outro lado, sem entender um mínimo de assuntos económicos, o dinheiro é retirado do bolso e nem percebemos a razão. Pior: podem tira-lo e contar que é para o vosso bem, quando assim não é.

Então aqui está um compromisso: entendê-lo significa ter feito um enorme passo em frente.

Nota introdutoria para o artigo que segue

Não costumo fazer apelos. Aliás, nem sei se até hoje fiz algo que possa ser definido como um "apelo". Mas esta é uma excepção.

O próximo artigo, Tudo o que é preciso saber de economia para viver bem, contém algumas ideias simples mas fundamentais. Não é o ABC da Economia, é o ABC de qualquer cidadão. E é algo que nunca conseguimos encontrar nos normais canais informativos.

Por isso, peço que ajudem a proporcionar a máxima difusão.
Sobretudo aqui, na Europa, onde os canais mainstream bombardeiam os cidadãos com o dogma segundo o qual é vital alcançar um orçamento equilibrado. É mentira, é uma das piores mentiras que possam ser inventadas. Isso tem um fim, claro, e os Leitores que seguem o blog há alguns tempos já percebem qual o derradeiro objectivo.

13 dezembro 2012

Doha 2012

Podemos não aceitar a ideia do aquecimento global, mas que o Homem seja um grande poluidor, e que esta poluição não seja benéfica, esta´fora de discussão. Por isso, qualquer reunião de alto nível para melhorar a situação deveria ser realçada e seguida com interesse.

Assim não é. Pelo menos, não é isso que aconteceu com Cop 18, a conferência internacional do ano 2012 sobre o tema das emissões: passou despercebida ou quase. E existem razões que justificam isso: este encontro foi um fracasso.

Não deveriam os media sublinhar também os aspectos menos positivos do discurso? Por exemplo, explicar quem lutou para reduzir o nosso impacto sobre o planeta e quem, pelo contrário, teve uma atitude indiferente? Sim, deveriam. Mas não é isso que acontece. 

O primeiro ponto da agenda era a implementação do segundo período do Protocolo de Kyoto, que obriga os Países industrializados a reduzir as suas emissões de gases. O resultado obtido após duas semanas de reuniões é que Kyoto 2 vai começar em 1 de Janeiro de 2013, mas apenas na União Europeia, Austrália, Suíça e Noruega. Uma minoria.

Como resultado, a tomar medidas para reduzir as emissões será um grupo de Países responsáveis ​​por apenas 15% do total de emissões. Rússia, Canadá e Japão não assinaram; os EUA, sempre fora do Protocolo, fizeram de tudo para impedir a aprovação de qualquer decisão importante neste contexto.

Os 6 anos que abalaram os bancos

A Siempre Muy Nobre Maria envia um magnífico artigo encontrado na páginas do Comité para a Anulação da Dívida do Terceiro Mundo (CADTM). O autor é Eric Toussaint, professor na Universidade de Liège, presidente do CADTM Bélgica e membro do conselho científico da organização ATTAC França.

O artigo é bem comprido, mas vale a pena. E não constitui um enervante conjunto de tecnicismos: é claro, linear, coisa rara quando o assunto for tão complexo como é o caso.
É o resumo detalhado do que aconteceu nos últimos anos, a razão da actual crise, da pretensa austeridade, de forma clara e inequívoca.

Provavelmente um dos melhores artigos hospedados nas páginas do blog.

Por isso, armem-se de santa paciência e tentem ler porque muitas coisas são explicadas aqui.

2007-2012: 6 anos que abalaram os bancos

Desde 2007-2008, os grandes bancos centrais (BCE, Banco da Inglaterra, a Fed nos EUA, o Banco da Suíça) têm como prioridade absoluta tentar evitar o colapso do sistema bancário privado. Contrariamente ao discurso dominante, a principal ameaça para os bancos não é a suspensão do pagamento da dívida soberana pelo Estado |1| soberano. Desde 2007, nenhuma das falências bancárias foi causada por essa falta de pagamento. Nenhum dos resgates bancários levados a cabo pelos Estados teve como causa a suspensão de pagamentos por parte de Estados sobreendividados.

12 dezembro 2012

Brzezinski avisa: há uma ameaça populista

Como já sabemos, Zbigniew Brzezinski é uma daquelas pessoas que não fala só pelo gosto de abrir a boca. Mais: na ocasião é preciso endireitar bem as antenas porque
a) o fulano sabe o que diz
b) o fulano fala para que todos percebam e para que alguns percebam mais do que os outros.

Durante um recente discurso na Polónia, o ex-conselheiro de Segurança Nacional (guru máximo da "Nova Ordem Mundial" e da estupidificação global) advertiu que um movimento mundial de "resistência" ao "controle externo" impulsionado por um "activismo populista" ameaça atrapalhar a transição para uma nova ordem.

Definindo a ideia do século 21, o século americano, como uma "uma decepção compartilhada", Brzezinski disse que o domínio americano já não é possível devido à aceleração da mudanças sociais impulsionadas pela "comunicação de massa instantânea, como a rádio, a televisão e Internet ", o que gerou um crescente "despertar universal da consciência política das massas".

21.12.2012: o fim do mundo

Ainda com este raio de 21 de Dezembro de 2012?
Claro, meus Senhores: faltam 9 dias. Nove dias! São oito dias mais um! Ou sete mais dois.

E estou muito curioso: o que acontecerá depois? Há milhares de páginas na internet que fazem previsões de todo o tipo, desde o fim do mundo até as desgraças mais variadas. E depois? O que acontecerá no dia 22?

Nada. Será encontrada uma "actividade anómala do Sol", um terremoto "muito estranho" no Zimbabwe, alguém será contactado por seres do outro mundo e terá uma mensagem para toda a Humanidade.
Mas no dia 23 já estará activa a procura para a próxima catástrofe: poderá ser o 2012 adiado, um planeta em rota de colisão, pouco importa. O que conta é continuar a alimentar o circo, esta é a informação alternativa degenerada.

Voltando ao assunto 2012: para interpretar uma profecia Maya, a coisa melhor deveria ser perguntar aos Mayas. Que não são apenas "um povo do passado" mas que estão vivos e em boa saúde. Afinal parece uma coisa lógica: se Nostradamus estivesse vivo, seria normal perguntar-lhe o sentido das suas profecias. Mas no caso dos Mayas a coisa parece não funcionar da mesma forma: há uma profecia Maya, nós (que Maya não somos) temos a melhor interpretação. Curioso.

Novo blog: Informática Incorrecta!

Meus Senhores: cá está.
Após algumas falsas partidas (a ideia é velha), nasceu Informática Incorrecta.

Ponto um: não é que fiz uma grande esforço de fantasia para encontrar o nome, admito. Aliás, se entre os Leitores surgir uma ideia melhor, seja bem-vinda.

Ponto dois: não sendo eu técnico, Informática é a colectânea de artigos publicados na internet italiana, escolhidos e carinhosamente traduzidos tendo em conta a assim chamada "óptica do utilizador". Que depois significa isso: se consigo perceber eu, percebem todos. Portanto: coisas simples, sem alguma pretensão de fazer concorrência a quem sabe muito mais do que eu neste aspecto.

Ponto três: excepção é a parte dedicada aos programas. A grande maioria das aplicações listadas (reunidas na voz Programas do menu) foram de facto testadas por mim, em particular aquelas portáteis.

Ponto quatro: por enquanto os assuntos estão apenas ligados ao mundo da internet e dos computadores, no futuro (nem demasiado longínquo) aparecerão também os smartphone (Android & companhia), pois o pessoal gosta. Eu nem tanto, mas enfim... 

Ponto cinco: mas havia necessidade dum novo blog de informática? Resposta: não, de forma nenhuma. Mas gosto, que culpa tenho eu? E que blog poderia ter feito? Crochê? Desde que os artigos de Informação Incorrecta foram reduzidos em número, sobra um tempinho, justo para traduzir algo para o novo blog. E este terá um artigo por dia, nada mais.

Pronto, não tenho outros pontos. Só lembro que o novo blog está disponível também no Facebook, Twitter, uma versão para mobile, feeds e coisas do costume.

Obviamente o blog tem poucas entradas (apenas 15 até agora) e partes incompletas. Até o layout é provisório. Doutro lado, para usar um ditado português, "Roma e Pavía não foram feitas por minha tia". Ou "num dia". Tanto faz. Nem tenho tias em Pavía, portanto não interessa..

Concluindo: carta branca aos Leitores para sugestões e críticas.


Ipse dixit.

Link: Informática Incorrecta

11 dezembro 2012

Argentina: os abutres ao ataque

A Argentina é notícia, outra vez. O País tem conseguido a reestruturação da dívida externa após a grave crise financeira de 2001-2002: como? Em primeiro lugar com um pontapé aos agentes funerários do FMI (o Fundo Monetário Internacional) e aos programas da austeridade deles.

E os resultados não faltam: uma das economias com o melhor desempenho dos últimos anos. Enquanto a maioria dos outros Países choram ou estagnam, a Argentina cresce. Não sem algumas dificuldades, mas cresce e bem.

Todos felizes? Nem por isso. Porque a Argentina é uma voz fora do coro, e incomoda. Incomoda o facto de ter fechado a porta na cara dos "sábios" internacionais, incomoda o facto de ter alcançado resultados positivos sem obedecer aos ditames suicidas da finança mundial.
E se incomoda, deve ser punida.

O melhor instrumento? A justiça. Não a legalidade, mas a justiça com inicial pequena.

As palavras de Berlusconi, a droga do banco

Assim, Silvio Berlusconi volta a candidatar-se para o cargo de primeiro ministro em Italia.
Melhor ele ou Mario Goldman Sachs Monti? Pouco importa.

O que importa são as declarações de Berlusconi, estas sim interessantes: em alturas como a presente, arriscamos ler grandes verdades que normalmente ficam ao abrigo do "politicamente correcto".

Spread? Dívida pública?
Basta falar deste assunto: o que interessa quais os juros dos nossos Títulos ou daqueles dos Títulos da Alemanha? Quando aumentou o spread [o interesse sobre os Títulos italianos, ndt], contribuindo a fazer cair o governo italiano [o governo dele, ndt], Berlim tinha ordenado aos bancos para vender os Títulos italianos, com 8-9 biliões de vendas.
Os outros fundos [de investimento, ndt] pensaram: "Se a Alemanha vender, algo haverá..." e começaram a pedir juros mais elevados por causa dum risco teórico:14% no caso da Grécia, 7% em Portugal, 6% em Italia. A Alemanha explorou esta situação mas o que interessa? Interessa é que os nossos juros aumentaram 2 %, que num ano são mais de 5 biliões de Euros. Tudo o que foi inventado acerca do spread é um embuste utilizado para fazer ruir um governo.

10 dezembro 2012

Trabalho e ilusões

maldita seja a terra por tua causa. Tirarás dela com trabalhos penosos o teu sustento todos os dias de tua vida.
Gênesis 3:17Comerás o teu pão com o suor do teu rosto, até que voltes à terra de que foste tirado;
Gênesis 3:19
maldita seja a terra por tua causa. Tirarás dela com trabalhos penosos o teu sustento todos os dias de tua vida.
Gênesis 3:17
Comerás o teu pão com o suor do teu rosto, até que voltes à terra de que foste tirado; porque és pó, e pó te hás de tornar.
Não é a versão chinesa do contracto da Apple mas uma citação da Bíblia. Que calha bem nesta altura.

Comerás o teu pão com o suor do teu rosto, até que voltes à terra de que foste tirado; porque és pó, e pó te hás de tornar."
Gênesis 3:19
Comerás o teu pão com o suor do teu rosto, até que voltes à terra de que foste tirado; porque és pó, e pó te hás de tornar."
Gênesis 3:19
Comerás o teu pão com o suor do teu rosto, até que voltes à terra de que foste tirado;
Gênesis 3:19
Aumento da população? Crise económica? Financeira? Austeridade? Azar? Seja como for, a situação do emprego é problemática na maior parte do planeta.

Em Portugal o desemprego encontra-se em constante subida. Em Itália as mais recentes notícias dão o desemprego que alcança níveis recordes. Na Espanha há 5 milhões de pessoas que não conseguem trabalhar, em França a taxa de desemprego subiu para 10,3% no terceiro trimestre. Na Grécia a mesma taxa é de 26%.
Até na China, dezenas de milhares de licenciados ocupam salas de espera ao longo de horas na esperança de uma entrevista, numa economia que desacelera.

Síria: a guerra química

Então, a Síria tem armas químicas?
A dúvida é legítima.

No artigo Síria: o cerco aperta é citada uma fonte, Wired, segundo o qual o governo de Damasco já preparou os ingredientes necessários para a preparação do Sarin, uma substância tóxica que actua essencialmente sobre o sistema nervoso.
É o mesmo gás que tinha sido utilizado no ataque no Metrô de Tóquio, em 1995, provocando 12 mortos e 6.000 intoxicados.

Mas a Síria tem de facto o sarin?
Não sabemos. Wired não partilhou a fonte da própria notícia, por isso não é possível confirmar. Podemos apenas especular e esperar que a resposta seja "não".
Então esperemos e especulamos.

É interessante realçar o facto de que os inimigos do Ocidente têm sempre armas químicas. Sempre.
Saddam Hussein tinha armas químicas. O Coronel Khadafi tinha armas químicas. Também Osama Bin Laden tinha armas químicas. Parece que possuir armas químicas seja um requisito essencial para tornar-se um inimigo do Ocidente.

09 dezembro 2012

Sinais de retoma. Não aqui (Start the engine).

Era um dia normal do ano 1914, ando no Parlamento britânico Winston Churchill falou:
Nós não somos uma nação jovem, com um inocente passado e uma pequena herança. Conseguimos uma parte absolutamente desproporcionada de bens e do comércio mundial.
Temos todos os territórios que queremos, e a nossa reivindicação de ser deixados em paz para desfrutar das vastas e esplêndidas posses, principalmente adquiridas com a violência e em grande parte mantidas pela força, em muitos casos parece razoável aos nosso olhos mas muito menos aos olhos dos outros.
A transferência de riqueza e de poder do Ocidente para os Países que antes eram "emergentes" é uma questão de longo prazo, algo que vemos todos os dias já há alguns anos: é um assunto que acompanhará não apenas esta geração, pois é um processo que requer alguns tempos até ser encontrado um natural (?) ponto de equilíbrio.

08 dezembro 2012

Bijutaria em Almada

Que sono...pois, é Sábado.
Ah, queria dizer: apareceu uma imagem com link na coluna da esquerda, Darteecor.
É uma loja artesanal de Almada, gerida pela nobre Dona Ana Rita.

Não, não é uma publicidade paga: simplesmente a jovem Ana Rita (que é uma arquitecta) decidiu apostar nas suas criações e abrir um pequeno atelier de bijutaria na Rua Capitão Leitão, na parte antiga da cidade.

Acho que iniciativas destas merecem o máximo apoio e divulgação. Numa altura em que o comércio tradicional desaparece, louvor para quem tem a coragem de apostar na fantasia, no próprio trabalho e arriscar. Não apenas pode representar uma saída profissional, como também ajuda a revitalizar o coração da cidade. Eis a razão da publicidade.

Votos de sucesso para Darteecor.
Ao clicar na imagem (que depois é um link) não ajudam Informação Incorrecta mas podem visitar uma galeria das criações da jovem Ana Rita (na secção Álbuns).

E bom fim de semana.


Ipse dixit.

07 dezembro 2012

Previsões 2013: Europa em recessão

E acabamos esta semana com uma exclusiva para os Leitores: as previsões para o Velho Continente no Ano do Senhor 2013. Sempre que o mundo ultrapassa o 21 de Dezembro de 2012: pessoal, faltam só 14 dias!

Há boas e más notícias.

A boa notícia é que a Europa, como mera expressão geográfica, continuará a existir.
A má notícia: o resto.

Factos

Uma visão demasiado pessimista? Não: factos.
O blog The Economic Collapse lista uma série de dados arrepiantes, acerca dos quais vale a pena reflectir e que constituem um corpus que permite avançar com algumas previsões.

E o problema não é apenas europeu: o sistema bancário do Velho Continente é bem maior do que o homologo americano.

Lembra-se o Leitor do que aconteceu no mundo inteiro com os subprimes dos Estados Unidos? Ora bem: no caso da Europa seria até pior. É normal: sabemos que as economias e as finanças do mundo estão interligadas nesta pseudo aldeia-global.

E quais são estes dados? Vamos ver.

HFT: o esquema

Do High Frequency Trading já foi falado muitas vezes. Nos post que podem encontrar aqui, aqui e aqui. Eh? Faltam os links? Pois, faltou-me a vontade. Vou pô-los no fim do post.
Se chegar a inspiração, claro (é Sexta-feira, tenham paciência)..

Bom, dizia: o High Frequequalquercoisa, acrónimo HFT. Quanto é importante o HFT? Já dissemos isso também: muito, muito, mas mesmo muito importante. Demais, sem dúvida. "Demais" porque o HFT significa duas coisas:
  1. um mercado totalmente despersonalizado, apenas nas mãos dos computadores.
  2. pura especulação.
Acerca do primeiro ponto seria até possível discutir, não é que um mercado nas mãos de indivíduos tenha criado maravilhas até hoje. Mas o segundo ponto é mais preocupante. E para completar a preocupação, é bom lembrar que 84% das transacções financeiras hoje está nas mãos (ou melhor, nos chips) do HFT. Isso significa que apenas 16% dos casos vê a participação dos operadores de Bolsa, o resto é tudo automático.
Pelo menos, esta era a situação em Dezembro de 2011, quando o Financial Times partilhou estes dados.

Mas como? Como é que funciona o HFT?
A coisa melhor é ver um gráfico.
O seguinte gráfico, feito com as minhas mãonzinhas santas (não é verdade, foi copiado, eu apenas traduzi):

06 dezembro 2012

Contra-ordem: o aspartame faz bem

Lembram-se do artigo Aspartame e câncer: as provas publicado há dois dias?
O American Council on Science and Heald (ACHS) chumba a pesquisa que está na base das conclusões.

A faculdade que difundiu os dados pede publicamente desculpa por ter promovido as conclusões da investigação. O ACHS afirma que o aspartame, o adoçante artificial, é um ingrediente de cerca de 6.000 produtos, especialmente refrigerantes dietéticos, e que há centenas de estudos nos humanos e nos animais que não apresentam efeitos nocivos.

Meia hora depois da pesquisa ter aparecido no American Journal of Clinical Nutrition , o vice-presidente sénior da faculdade sediada no Brigham and Women’s Hospital apresentou um comunicado:
Após a análise dos resultados, o consenso dos nossos líderes científicos é que os dados são fracos. 
O estudo não convenceu outras revistas, tais como o Journal of the National Cancer Institute, o Journal of the American Medical Association, The Lancet e o British Medical Journal. O conselheiro do ACSH, Dr. Adam Drewnowski, professor de epidemiologia da Universidade de Washington, observa:
O American Journal of Clinical Nutrition, a principal publicação da Sociedade Americana de Nutrição, é uma das revistas de maior prestígio no campo. Não só isso, mas Walter Willett, o mais conhecido epidemiologista dos Estados Unidos, estava entre os co-autores do estudo. Deveria haver menos precipitação e mais responsabilidade na ciência.

Síria: o cerco aperta

Síria? Pois.
É provável uma mudança de rumo no conflito do pequeno País do Médio Oriente. "Pequeno" por assim dizer: afinal tem uma extensão que é o dobro daquela de Portugal.

Os rebeldes de Kasotc e o dinheiro de Washington 

A Administração Obama participa no treinamento e no equipamento das unidades de desertores do exército sírio e dos rebeldes na Jordânia, tendo em vista o empurrão final em Damasco.

A Casa Branca neste 21 meses de revolução contra o presidente Bashar al-Assad tem sido cautelosa, recusando um empenho directo e "limitando-se" a apoiar do exterior as forças revolucionárias. Mas agora chegou a fase final da guerra e é prevista uma intervenção mais agressiva.

Onde estão a preparar-se as forças anti-governamentais?

De acordo com fontes da intelligence o lugar Yajooz, que não é a capital de Yahoo mas uma localidade entre a Amman e a fronteira com a Síria, onde existe a base Kasotc (King Abdullah II Special Operations Training Center, nada mais, nada menos).

Trata-se duma vasta instalação militar estabelecida em 2009 entre as pedras do deserto, um projecto aprontado e financiado pelo Pentágono, utilizado na preparação das tropas para o combate urbano no contexto árabe e "tácticas de guerra irregulares". Guerrilha, numa palavra só.

Em Outubro chegou em Yajooz um contingente de 150 especialistas militares dos EUA, mas é um lugar que os Americanos conhecem bem dado que as últimas actividades oficiais remontam ao passado mês de  Maio no âmbito do exercício Eager Lion 2012. Agora esses instrutores, juntamente com a CIA, preparam os combatentes da oposição síria, na maioria ex-funcionários com experiência militar que desertaram.

O treino inclui a segurança dos 75 armazéns onde o governo de Damasco mantém armas químicas e a possibilidade deste grupo tornar-se a base para os futuros exércitos e serviços secretos da Síria. Após Assad, claro.

Alemanha: rigor, controle e seriedade

Ahhh, Grande Alemanha.
Se Lisboa fosse como Berlim: rigor, controle, seriedade. Nem seria precisa a austeridade, era só virtuosismo e contas sempre em ordem.

Mais ou menos.
Diário Público:
Deutsche Bank acusado de ocultar 9 mil milhões de euros em dívida para fugir a resgate
O Deutsche Bank é acusado de ter escondido 9230 milhões de euros em dívidas durante o pico da crise financeira para mascarar as contas e evitar um resgate pelo Governo alemão.

A notícia é avançada nesta quinta-feira pelo Financial Times, que afirma que três antigos funcionários do banco alemão apresentaram queixas nos EUA, alegando que o banco alemão, com o conhecimento dos dirigentes executivos, não registou muitas das perdas nas operações de mercado entre 2007 e 2009.
Ehhh? Mas é uma brincadeira, só pode ser.
Num comunicado emitido também nesta quinta-feira, o banco germânico afirma que as acusações já datam de 2011, altura em que o banco terá desenvolvido “uma cuidadosa e rigorosa investigação” que chegou à conclusão de que as acusações são “totalmente infundadas”.
Ah, pois: Deutsche Bank já investigou Deutsche Bank (auto-investigação) e não encontrou nada de errado. Isso sim que tranquiliza. É como se Al Capone tivesse investigado as operações ilícitas da máfia americana, uma garantia.

05 dezembro 2012

A nova sede do BCE: aleluia!!!

Meus senhores, é com grande emoção e algumas lágrimas que Informação Incorrecta apresenta a nova sede do Banco Central Europeu. É magnífica, alta, imponente, elegante, custa um balúrdio, mas enfim, é precisa. É um must.

O Leitor deseja ver a imagem? Certeza?
Então que assim seja: cá está ela, em todo o seu esplendor:
É bonita, não há dúvida. Até tem elevadores e janelas, é uma torre séria. Aliás: uma dupla de torres, quase gémeas. E sérias. Em princípio deveria estar acabado tudo em 2014, mas há um ligeiro atraso e uma pequena derrapagem orçamental de 350 milhões de Euros.
Pormenores.

Banco de Inglaterra: a história - Parte III

Última parte do artigo acerca da história do Banco da Inglaterra.

Após a aventura republicana e o regresso da monarquia, surgiu a ideia dum banco central inglês.

O Banco da Inglaterra

Em 1639, William Patterson publicou um panfleto cujo título era A Brief Account of the intended Bank of England. Era um mercante com pouco faro para os negócios, que em passado até tinha prestado serviço como pirata nas Bahamas: portanto bem conhecia o assunto. Segundo Patterson, "este banco teria o benefício dos juros sobre o dinheiro que ele pode criar a partir do nada".

Em 21 de Junho de 1694 as listas de subscrição foram abertas para juntar o dinheiro necessário (um capital de 1,2 milhões de Libras), na seguinte Segunda-feira o valor já tinha sido alcançado. O propósito ostensivo do banco era emprestar dinheiro ilimitado ao rei William com juros de 8% ao ano, isso para permitir a continuação da guerra contra Luís XIV de França. O banco, então, teria recebido da Coroa 100.000 Libras por ano sob forma de interesses, mais uns adicionais 4.000 Libras como custos de administração.

04 dezembro 2012

Aspartame e câncer: as provas

Até que enfim: após vozes e ainda vozes, chega o resultado da mais completa investigação efectuada acerca do aspartame. Porque as vozes são uma coisa, as provas são outra.

E o aspartame é um adoçante utilizado não apenas por quem deseje emagrecer, mas também pelas pessoas que querem "manter a linha": por isso pode ser encontrados em muitos alimentos dietéticos (os light), sendo um dos mais famosos a famigerada Diet Coke.

Antes de mais: donde saiu este aspartame?

O aspartame

Como afirmado, é um adoçante, composto por dois aminoácidos, o ácido aspártico e a fenilalanina, com um poder adoçante 200 maior do que o açúcar.

Foi descoberto em 1965 pelo químico James M. Schlatter que estava à procura dum medicamento anti-ulcera. A empresa na qual trabalhava Schlatter, a G.D. Searle & Company (depois adquirida pela Monsanto), pediu a autorização para que o aspartame fosse utilizado como adoçante nos alimentos, e em 1974 o pedido recebeu uma primeira aprovação por parte da FDA (Food and Drug Administration).

Todavia já na altura existiam polémica acerca do emprego nos alimentos, sendo que alguns estudos evidenciavam uma ligação entre aspartame e tumores nos ratos.

Banco de Inglaterra: a história - Parte II

E continuemos com a história do Banco de Inglaterra.

Durante o século 17 a Idade de Ouro do crescimento terminou tragicamente. Um grande número de judeus que tinham sido expulsos de Espanha em 1492 por Isabel I de Castela e Fernando II de Aragão instalaram-se na Holanda.

Embora os Países Baixos na época eram uma potência marítima, os usurários judeus estabelecidos em Amsterdam desejavam voltar para a Inglaterra, onde as perspectivas de expansão das operações de empréstimo eram mais promissoras.

Durante o reinado da Elizabeth I (1558-1603), um pequeno grupo de marranos (judeus da Espanha convertidos a um pseudo-cristianismo) estabeleceu-se em Londres. Muitos deles eram ourives, aceitavam depósitos de ouro em custódia e, em seguida, emitiam empréstimos que equivaliam a dez vezes a quantidade de ouro efectivamente recebido: nada de espantoso, é o mesmo princípio utilizado pelo bancos modernos com o sistema da reserva fraccionada, o que permite mais empréstimos e mais juros. As receitas assim obtidas eram utiliziadas inicialmente para empréstimos à Coroa ou ao Tesouro com interesses anuais de 8%: mas de acordo com Samuel Pepys, cedo os juros aumentaram até alcançar taxas de 20% ou mesmo 30% ao ano.

03 dezembro 2012

Benfica nu

Não estranhe o Leitor pelo título: é apenas um estratagema para conseguir mais visitas. De facto, "Benfica " e "nu" são os termos mais procurados na internet portuguesa.

Também a imagem "conta" no âmbito dos motores de pesquisa , como é caso de Google.

Tudo isso já deveria merecer algumas reflexões, mas vamos em frente, pois aqui as notas são para Portugal.

O Primeiro Ministro, Passos & Coelhos, aproveitou a viagem em Cabo Verde para afirmar que o ensino gratuito não está em causa. O contrário de quanto tinha afirmado um par de dias antes, quando numa entrevista televisiva afirmou que as famílias deveriam comparticipar os custos que o Estado sistema para a formação dos jovens.

Não só, mas negou ter alguma vez afirmado uma coisa desta:
Em primeiro lugar, eu nunca fiz qualquer referência a essa matéria e posso mesmo dizer que isso nem tem qualquer sentido. De resto, o senhor ministro da Educação esclareceu-o muitíssimo bem. Não é possível, em termos de ensino obrigatório, criar taxas dessa natureza.

Banco de Inglaterra: a história - Parte I

Rei Offa numa fotografia da época
Rei Offa: um homem bonito, alto, um pouco baixo, magro sem deixar de ser gordo. Sem dúvida simpático e odioso. O que importa é que Offa foi soberano da Inglaterra até o ano 791 d.C.

Mas porque Offa? Será que o rei tornou-se agora colaborador do blog?
Não, e por várias razões, entre as quais o facto do rei já estar morto.

Todavia Offa é importante se a ideia for conhecer a origem e a história dum dos bancos mais poderosos do mundo, no passado como no presente: o Banco da Inglaterra. E a ideia é mesmo esta: vamos conhecer como nasceu e em quais mãos ficou o banco da Rainha.

Vamos? Vamos.

30 novembro 2012

A ONU reconhece a Palestina

A Palestina foi reconhecida como Estado observador por parte da ONU. Até que enfim.

Após terem sido afastados ao longo dos últimos 90 anos dos territórios onde viviam há milhares de anos, os Palestinianos voltam a ter um Estado.

A resolução das Nações Unidas passou ontem com 138 votos favoráveis, 9 contra e 41 abstenções.

Votaram contra:
Israel, Estados Unidos, Panamá, Palau, Canada, Ilhas Marshall, Narau, República Checa, Micronesia.

Abstiveram-se:
Albânia, Alemanha, Andorra, Austrália, Bahamas, Barbados, Bósnia e Herzegovina, Bulgária, Camerun, Colômbia, Coreia do Sul, Croácia, Congo, Eslováquia, Eslovénia, Estónia, Fiji, Guatemala, Haiti, Hungria, Letónia, Lituânia, Macedónia, Malawi, Moldávia, Mónaco, Mongólia, Montenegro, Países Baixos, Nova Guiné, Paraguay, Polónia, Reino Unido, Roménia, Ruanda, Samoa, San Marino, Singapura, Togo, Tonga, Vanuatu.

Ausentes:
Guiné Equatorial, Kiribati, Libéria, Madagáscar, Ucrânia.

O sucesso: armas, doenças & aço - Parte II

Segunda e última parte do artigo dedicado às causas que tornaram  Europa uma potência colonizadora, segundo a obra de Jared Diamond: "Armas, germes e aço".

Como vimos, ter à disposição animais de grande porte facilmente domesticáveis é um passo importante; mas não o único. Outro aspecto, ainda mais importante, é o desenvolvimento do conceito de poder e de governação. O simples desejo de dominar, se não suportado pela tecnologia e por um exercício de poder idoneos, não é suficiente para tornar um País colonizador.

Um factor essencial é, como é lógico, a descoberta da agricultura e a passagem dum estado nómada para um de tipo sedentário. Até aqui nada de novo, é simples entender que sem agricultura qualquer desenvolvimento fica castrado.

Mais: a estrutura da sociedade fica condicionada sem esta passagem: numa tribo de caçadores ou de colectores não há espaço para uma grande estratificação: poucas podem ser as pessoas que podem dedicar-se  outras questões que não sejam a caça ou a recolha de alimentos. Como consequência, temos uma sociedade tendencialmente igualitária,com poucas ou até nenhuma chefia: não há classes e o estilo de vida é igual para todos.

Porquê? Porque não poder haver acumulação. O que é recolhido tem que ser consumido depressa, no prazo de poucos dias. Não há surplus., portanto não há indivíduos que possam deter mais bens essenciais do que os outros.

Numa sociedade agrícola, sedentária por necessidades (é preciso trabalhar os campos), é possível construir lugares para a conservação dos alimentos e de outros bens em excesso. Aqui nasce o surplus, a diferenciação entre as pessoas.

29 novembro 2012

Novo número de InformaçãoIncorrecta

Pronto o novo número de InformaçãoIncorrecta!

Após uma curta pausa, eis o número 2 (que em boa verdade seria  três). Como sempre, em "Publicações" está disponível a ante-visão que contem gralhas. Logo à noite será corrigido, amanhã imprimido e distribuído.

Desde a publicação passada, o número de cópias subiu para 150 (wow!) e da próxima vez serão 200 (wow bis!).

O império editorial avança.

Ipse dixit.

Um telefone e o quadrado mágico

Mais um artigo do nosso Leitor Anónimo.
Que agradeço e cujo trabalho aqui está, com no fundo uma nora pessoal:
Este não é um quadrado
E olá uma vez mais!

Depois do post 4 em 1, eis agora um 2 em 1, desta vez sobre conspiração e informática e...agricultura!
E vamos lá...

1-) O sistema Unix.
A base do Linux, que por sua vez é a base do Ubuntu, Android, Slax, etc..
A palavra Unix parece querer denominar exatamente algo único na base de tudo...uma base comum.

Já há quem diga que, com o software livre, gerar-se-á uma novo “velho oeste” na área das aplicações. Eu vejo isso como incentivo ao lado negro...se todos tiverem acesso ao código informático de um programa, a “virulência” começa a surgir...e não digam que os vírus para Linux não existem, porque existem. São é poucos, por serem ainda relativamente poucas pessoas a usarem-no. Se fossem mais, haviam de ver...

O sucesso: armas, doenças & aço - Parte I


O quê? Um artigo de História?
Tá bom, pessoal, não é o caso para ficar escandalizados, nem é o primeiro. Depois sim, é História, mas não só: há mais do que isso.
Vamos ver.

No dia 16 de Novembro de 1532, o conquistador espanhol Francisco Pizarro, com um grupo de 168 soldados, derrotou e massacrou 7.000 dos 80.000 guerreiros Incas presentes na cidade de Cajamarca, no actual Peru. Foi o fim da civilização Inca, um fim excepcionalmente rápido. Ainda hoje é um episódio emblemático: os Incas foram apenas um dos povos que os Europeus conseguiram submeter em todo o planeta.

A pergunta é: porque os Europeus? Porque, por exemplo, não foram os Incas a invadir a Europa? Porque não foram os nativos da América do Norte? Ou um povo qualquer da África, da Ásia, da Oceania?

É uma questão central, pois falamos de eventos que determinaram o mundo tal como é conhecido hoje.

Até os primeiros anos do século passado, era normal pensar que homem branco, aquele caucásico, fosse uma raça superior: tal visão explicava e justificava a hegemonia dos Estados europeus sobre o resto do mundo. Hoje esta teoria é ultrapassada, sabemos que os únicos homens brancos superiores são aqueles nascidos em Genova e que muitas vezes vivem no estrangeiro e abrem blogues em Português.

Por isso a pergunta faz ainda mais sentido: se não houve uma superioridade intelectual, porque foram os Europeus? Porque a supremacia tecnológica do brancos não pode ser razoavelmente posta em discussão.

28 novembro 2012

Dieta e tumores: um estudo

Alimentação? Doenças?
Então vamos ver.

Foi publicado um artigo da Loma Linda University (que raio de nome) nas páginas de Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention, revista da American Association for Cancer Research, apoiada pela American Society of Preventive Oncology. Como é claro, a Bíblia dos pesquisadores anti-tumor.

O artigo sintetiza os resultados duma experiência envolvente 69.120 Adventistas (da Igreja Adventista do Sétimo Dia), uma população de baixo risco do ponto de vista cancerígeno dado que os membros de tal religião recusam comportamentos de risco como tabaco, álcool e sexo fora do casamento (então vivem para quê? Boh...).

Ao longo de alguns anos, foram analisados membros com uma dieta omnívora, pesco-vegetariana (como a minha: de vez em quando um choco frito à Setubalense com batatinhas...), semi-vegetariana, vegetariana e vegan (os mais radicais: sem ovo, leite e tudo o que possa ser reconduzido à exploração dos animais).

Goldman Sachs: UK, Europa & Dólares

Breve nota acerca da Goldman Sachs.
Tanto para não esquecer que talvez não seja o maior banco do mundo (e não é), que atrás dela não há um punhado de "Iluminados" (e não há, como vimos), mas que quando a especialidade for a união doentia política-negócios, GS não fica atrás de ninguém.

O governo do Reino Unido decidiu mudar radicalmente a chefia do Banco de Inglaterra: o novo governador é agora o canadiano Mark Carney, até agora governador do banco central do Canada. Para o seu novo cargo, Carney irá receber 624.000 Esterlinas por ano, cerca de 772.000 Euro (2.082.850 de Reais).

E onde trabalhou o simpático Carney após a licenciatura em Oxford?
Exacto: na Goldman Sachs, ao longo de 13 anos, nos vários escritórios de Londres, Tokyo, New York e Toronto.

Carney desenvolveu também um papel como homem da GS no âmbito da crise financeira da Rússia em 1998, altura em que o banco foi acusado de ajudar o País e ao mesmo tempo de apostar contra ele nos mercados internacionais. Acontece.

27 novembro 2012

Intel: para o bem dos clientes

Uma notícia realçada pelo Leitor Ashtara Sibil, que agradeço desde já.
A notícia aparece no blog Revolução Final, do qual copio e colo o post:

PCs com novo processador Intel permanentemente vulneráveis
Os novos processadores Intel Core vPro contêm um novo recurso que permite o acesso remoto a um PC 100 por cento do tempo, mesmo quando o computador está desligado. Os processadores Core vPro possuem um segundo processador físico inserido dentro do processador principal que tem o seu próprio sistema operativo embutido no próprio chip.
Enquanto o fornecimento de energia estiver disponível e em condições de funcionamento, pode ser acordado pelo vPro Core, que funciona com esta fonte de energia fantasma e é capaz de ligar tranquilamente componentes de hardware e aceder a qualquer coisa neles.

Goldman Sachs e o desejo do Grande Velho

Uma das ideias mais difundidas no mundo da informação alternativa é aquela segundo a qual um limitado grupo de pessoas domina o mundo, utilizando para este fim os meios económicos financeiros.

E um dos exemplos para apoiar esta tese é constituído pelos bancos, atrás dos quais estaria escondido um punhado de famílias que trabalham em conjunto com a intenção de controlar o mundo.

O facto da economia e da finança serem controladas por uma minoria parece fora de questão. Mas quanto é grande esta "minoria"? Podemos reconduzir tudo no âmbito duma ou duas famílias (por exemplo os Rothschild e/ou os Rockefeller) ou será que há mais do que isso?

A ideia é: existe um Grande Velho ou um grupo de Iluminados? Ou será que a realidade é mais articulada, mais complexa do que isso?

A intenção aqui não é demonstrar a "inocência" das grandes famílias ou dos grupos numericamente limitados de poder, que existem e cujo "peso" não pode ser negado; a ideia é demonstrar que existe mais do que isso.

Printfriendly

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...